Revista GGN

Assine

críticas

Força-tarefa fortalece estratégia de Temer para tentar se salvar

Procurador cobra "consequências" de visita de futura PGR à Temer e dá recado à Raquel Dodge por não interferência em Curitiba
 
 
Jornal GGN - Se a divulgação do encontro da futura procuradora-geral da República, Raquel Dodge, com Michel Temer fora da agenda oficial do presidente foi uma estratégia articulada pelo próprio mandatário para endossar a tese de que seu encontro com o empresário Joesley Batista é da natureza de suas funções, a imprensa e a própria equipe de procuradores da Lava Jato vêm fortalecendo a teoria.
 
Desta vez, um dos líderes da força-tarefa do Paraná, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, afirmou publicamente que a subprocuradora-geral da República que assumirá em setembro o posto de Rodrigo Janot deve ser cobrada pelas consequências da visita a Temer no Palácio do Jaburu, no dia 8 de agosto.
 
"Nós temos agora que avaliar as consequências dentro da política que o Ministério Público vai ter a partir da gestão dela", afirmou.
 
"É claro que ela tem que se explicar, ela deu uma explicação, ela que deve, então, ser cobrada das consequências desse ato. Infelizmente, não há como fugir da responsabilização das pessoas perante a sociedade", disse Carlos Fernando, completando: "Todo funcionário público é responsável pelos atos que têm".
Média: 1 (6 votos)

Após críticas de Temer e pedido de suspeição, Fachin quer posição de Janot


Foto: Marcos Correa/PR

Jornal GGN - Michel Temer considerou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, suspeito para o investigar. O ministro relator dos processos da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, pediu para o procurador se manifestar.

Da Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin concedeu hoje (10) prazo de cinco dias para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestar sobre pedido de suspeição feito pela defesa do presidente Michel Temer.

Leia mais »

Média: 1 (1 voto)

Associação de Juízes defende Moro de críticas por causa da sentença do triplex

Foto: Agência Brasil

 

Jornal GGN - A Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) emitiu uma nota criticando as críticas feitas pelo PT à sentença do caso triplex proferida pelo juiz Sergio Moro. Na semana passada, em evento organizado em apoio a Lula, lideranças petistas dispararam contra a figra do magistrado de Curitiba. Luiz Marinho, ex-prefeito de São Bernardo do Campo (SP), chegou a dizer que Moro é um "torcedor escondido atrás de uma toga", afirmou o Estadão. A bancada do PT na Câmara endossou os "ataques", na visão da Ajufe.

Leia mais »

Média: 1.9 (21 votos)

Procuradores de Curitiba criticam Moro por atuação "além dos limites"

 
Jornal GGN - Depois de desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região decidirem notificar Sergio Moro por sua atuação reprovável (o juiz de Curitiba vem manobrando para amarrar a segunda instância a suas decisões), é a vez dos procuradores liderados por Deltan Dallagnol dizerem que o magistrado está atuando "além dos limites".
 
Na segunda (10), os procuradores apresentaram um recurso contra a decisão que Moro tomou em favor de Renato Duque, no mesmo processo em que foi condenado o ex-ministro Antonio Palocci.
 
Após Duque decidir admitir o recebimento de propina no exterior, abrir mão de conta secreta e citar Lula em depoimentos que rendem novo inquérito contra o ex-presidente, Moro decidiu não "impor ao condenado, como condição para progressão do regime, a completa devolução do produto do crime, mas apenas daqueles valores em sua posse." Com isso, Duque ficará 5 anos em regime fechado e depois terá a progressão da pena.
Média: 3 (2 votos)

Expandiram-se demais as investigações, além dos limites, dispara Gilmar

Jornal GGN - Ministro do Supremo Tribuna Federal, Gilmar Mendes disse que as investigações da Lava Jato "expandiram-se demais, além dos limites". A avaliação foi feita durante um evento do Grupo Lide em Pernambuco, na noite de segunda (19). Na palestra, gravda e disponível no Youtube, Gilmar deixa claro que sua opinião está relacionada às apurações que envolvem juízes, o presidente Michel Temer e aliados. 

"Qual o objetivo do inquérito [contra os ministros Marcelo Navarro e Francisco Falcão , do Superior Tribunal de Justiça]? Vai levar a uma conclusão que mostra um ilícito? Não. O objetivo é constranger o juiz, o tribunal e a magistratura! Expandiu-se demais as investigações, além dos limites. Abre-se inquérito para saber coisas que já se sabe de plano, mas o objetivo é impor medo nas pessoa, desacreditá-las", disse Gilmar.

Leia mais »

Média: 3.1 (8 votos)

Podemos estar usando a prisão preventiva como tortura, diz Gilmar Mendes

Foto: Agência Brasil

Do Conjur

"Lava jato" não pode ser insuscetível de controle, diz Gilmar Mendes à Veja

Embora reconheça a importância da "lava jato" na descoberta de esquemas de corrupção, o ministro Gilmar Mendes diz que a operação "não pode ser uma entidade insuscetível de controle jurídico e político". A avaliação foi feita em entrevista à revista Veja.

"As prisões preventivas estavam sendo transformadas em cumprimento antecipado de pena. Se se quiser argumentar que a prisão preventiva é imprescindível para atingir determinados objetivos, aí estamos num campo minado, do ponto de vista do Estado de Direito, porque podemos estar usando a prisão preventiva como instrumento de tortura", avaliou o ministro.

Leia mais »

Média: 4.5 (8 votos)

Gilmar diz que Lava Jato não precisa de "reféns" e "extravagâncias" para ter sucesso

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN - O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes disparou críticas à chamada República de Curitiba e também a colegas de Corte que, segundo ele, se submetem à pressão da opinião pública na hora de julgar. Em entrevista à Folha, Gilmar disse que, para ter sucesso, a Lava Jato não precisa manter "reféns" para ter o que exibir à sociedade e muito menos cometer "extravagâncias" como o uso de prisões preventivas infindáveis, que colocam "em risco" a operação.

Leia mais »

Média: 4 (4 votos)

Advogados celebram tunda na Lava Jato, mas liberdade de Dirceu deve durar pouco

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN - A decisão do Supremo Tribunal Federal de mandar o juiz Sergio Moro revogar a prisão preventiva de José Dirceu e estabelecer uma outra medida cautelar foi comemorada por advogados que, há muito tempo, criticam o uso desenfreado desse expediente pelo magistrado da Lava Jato. José Roberto Batocchio, defensor de Lula e Dirceu, por exemplo, disse que o STF mudou "a situação do direito penal do terror no Brasil". "É a Justiça pairando acima da turba ululante das ruas", reportou a Folha desta quarta (3).

Roberto Podval, que argumentou junto ao STF para conseguir o habeas corpus de Dirceu, apontou que a decisão da 2ª Turma refletiu o fato de a prisão do ex-ministro, antes de julgamento em segunda instância era uma desnecessária, uma violação de direito Leia mais »

Média: 4.8 (10 votos)

Em discurso de defesa da indústria naval, Lula e Dilma criticam Temer

"Eles poderiam ter disputado eleição, mas já tinham perdido quatro vezes. E cada medida é uma continuação do golpe", disse Dilma.No Rio Grande do Sul, Lula emendou: "eles estão destruindo tudo que Getúlio Vargas fez a nível de direitos trabalhistas"
 

Dilma e Lula em Rio Grande (RS) - Foto: Ricardo Stuckert
 
Jornal GGN - Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff participaram, neste sábado (29), de um ato em defesa do polo naval, na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Em discurso, Dilma e Lula ressaltaram que a crise na região é resultado "de mais uma etapa do golpe".
 
"O golpe não acabou! O fim do polo naval, que vai contra a soberania nacional, é mais uma etapa do golpe!", exclamou Dilma Rousseff. "Eles poderiam ter disputado eleição. Mas eles já tinham perdido quatro vezes. E cada medida é uma continuação do golpe", ressaltou a ex-presidente, fazendo referência ao governo de Michel Temer, na aliança entre o PMDB e o PSDB.
 
 
Também em discurso forte contra as medidas econômicas do governo Temer e as elites brasileiras, Lula afirmou: "Eu não consigo encontrar explicação para o ódio  contra o PT. Achava que o ódio era contra mim, que sou nordestino, não fiz faculdade. Mas aí chegou uma presidenta estudada e o ódio foi maior. Porque a elite deste país ainda trata mulher como objeto de cama e mesa".
Média: 4 (12 votos)

Lava Jato legisla em causa própria e diz que, sem mudanças, STF não dará conta

 
Jornal GGN - Um dos coordenadores da força-tarefa da Operação Lava Jato, braço direito de Deltan Dallagnol e à frente das negociações das delações premiadas e leniência fechadas no berço da investigação, em Curitiba, o procurador Regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima é fonte de carteira do jornal O Estado de S. Paulo.
 
Ao diário, Carlos Fernando concede suas entrevistas periodicamente, passando informações sobre o andamento de negociações e visões da Lava Jato. A última, publicada nesta segunda-feira (20).
 
Na entrevista, defendeu que, ao contrário do que se posicionou a maior Corte brasileira, o Supremo Tribunal Federal (STF), "temos é que aumentar o número de prisões para esses casos", ao se referir aos crimes de colarinho branco.
 
Admitiu que, na contramão do que agora quer definir o Supremo, de que se garanta o amplo direito de defesa e que as medidas restritivas devem ser as últimas opções para casos ainda não concretos, ou seja, ainda em fase de investigações, o procurador elogiou Sérgio Moro: "é extremamente eficiente" para prisões.
Média: 1 (5 votos)

"Gostaria de ter a burra cheia e distribuir", diz Temer sobre críticas à PEC 55

 
Jornal GGN - "Qual é o governante que não gosta de gastar? Eu gostaria, como presidente da República, de ter a burra cheia e distribuir, ministro Meirelles [da Fazenda]. O ministro Meirelles não gostaria não, mas eu gostaria. Eu gostaria de dizer: olha aqui, agora tem o programa tal e agora tem o programa tal", disse Michel Temer em cerimônia de entrega de prêmio promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU).
 
No evento de entrega do Prêmio Mérito Brasil de Governança e Gestão Pública, Temer disse que a cerimônia é uma forma de o TCU "aplaudir" o Executivo, sob o seu comando. "Quando vejo esses prêmios dados ao Executivo, digo que o governo está no caminho certo. O TCU não faria impunemente uma premiação dessa natureza. O controle externo na verdade aplaude o controle interno do Executivo", disse.
 
Durante a sua fala, o presidente defendeu a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 55, que impõe limite de gastos da União pelos próximos 20 anos, impactando em investimentos da saúde e educação.
Média: 5 (2 votos)

Janot rebate Lula sobre "pacto diabólico" e mostra sintonia com ideia de Moro

Jornal GGN - O procurador-geral da República Rodrigo Janot rebateu a declaração do ex-presidente Lula, que se disse vítima de uma espécie de "pacto diabólico" arquitetado pelas forças envolvidas na Operação Lava Jato, incluindo o Ministério Público.

"O que eu posso dizer é que eu não sou religioso", disse Janot na manhã desta sexta-feira, 11, tomando café com jornalistas. O chefe do Ministério Público Federal recebeu a imprensa para um balanço de final de ano.

Leia mais »

Média: 1.9 (10 votos)

Cármen Lúcia exige respeito, após Renan criticar Lava Jato e juiz

 
Jornal GGN - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, rebateu as críticas do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ao juiz que autorizou a prisão de quatro policiais legislativos na última sexta-feira (21). No "aviso" a Renan, Cármen afirmou que não quer, mas que "exige o mesmo e igual respeito". "Onde um juiz for destratado, eu também sou", afirmou.
 
A reação ocorreu porque nesta segunda (24), o peemedebista chamou o magistrado Valisney Souza de Oliveira de "juizeco". O senador manifestou que o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e a Polícia Federal utilizam "métodos fascistas" motivados por uma decisão de um "juizeco de primeira instância".
 
Segundo o parlamentar, a Operação Métis, realizada no Senado na última semana, cometeu abusos, assim como as ações da Lava Jato. "É inacreditável que uma pinimba de agentes policiais de um poder acabe definindo uma crise institucional", afirmou Renan, referindo-se à delação de um policial legislativo que ocasionou a prisão dos quatro agentes da Casa.
Média: 1.8 (16 votos)

Gilmar defende Congresso barrar abusos da Lava Jato

Gilmar se vê como a figura a "apontar rumos", "alguém que tenha responsabilidade institucional, que passou pela presidência do Supremo, que não deve ser um idiota e que não tem medo de críticas"
 
 
Jornal GGN - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, concedeu entrevista à Folha de S. Paulo para se posicionar contra a Operação Lava Jato. Após mais de dois anos de mira da investigação sob o comando de Sérgio Moro em membros do PT e início de ameaça a outros partidos, como o PMDB e PSDB, Gilmar menciona "corporação", "privilégios" dos procuradores da Lava Jato, "oportunismo" e critica a "canonização" de Moro e da força-tarefa.
 
Gilmar Mendes defendeu a interferência do Congresso Nacional para barrar o que, somente agora, ele vê como abusos da Lava Jato. "[Procuradores] estão usando a Lava Jato para fortalecer a corporação e seus privilégios e, além disso, a visão de mundo deles. Que não é necessariamente a de todos nem coincide, em suas linhas básicas, com o Estado de Direito. O Congresso tem que examinar isso de maneira crítica."
Média: 3.1 (8 votos)

Moro justifica excesso de prisões na Lava Jato: "Estamos em tempos excepcionais"

Jornal GGN - Juiz federal símbolo da Lava Jato, Sergio Moro rebate netsa terça (4) as críticas sobre o excesso de prisões cautelares na operação. Segundo informações da Folha, Moro reconheceu que essas prisões são excepcionais, mas disse que elas são necessárias. "Estamos em tempos excepcionais. Mas essa excepcionalidade se dá sempre dentro da legalidade", avaliou.

Recentemente, o juiz foi criticado no episódio envolvendo a prisão do ex-ministro Guido Mantega. A PF foi atender à ordem de prisão no dia em que a esposa de Mantega, que enfrenta tratamento contra um câncer, deu entrada em um hospital para passar por um procedimento cirúrgico. Moro, pressionado pela repercussão negativa, revogou a ordem de prisão, o que fez juristas taxaram a medida cautelar como essencialmente desnecessária.

Leia mais »

Média: 1.7 (23 votos)