Revista GGN

Assine

denúncia

PF conclui perícia em áudio e Temer deve ser denunciado em 5 dias

Foto: Lula Marques/PT

Jornal GGN - A Polícia Federal anunciou nesta sexta-feira (23) que concluiu a perícia no áudio entregue por Joesley Batista, da JBS, à Lava Jato. Na conversa, Michel Temer aparece possivelmente dando aval à compra do silêncio de Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, operador de propina para o PMDB. Com a conclusão da perícia, a Procuradoria-Geral da República terá cinco dias para apresentar a denúncia contra o presidente e os demais envolvidos.

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Gilmar Mendes é "manipulador", "vingativo" e "cooptador", denuncia advogado

Foto: Carlos Humberto / STF
 
Jornal GGN - "Gilmar Mendes só poderia ser mantido na magistratura em uma República de Bananas", afirmou ao GGN o professor doutor Marcelo Neves, um dos autores do pedido de impeachment no Senado, do pedido de denúncia na Procuradoria-Geral da República e de afastamento do ministro junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Ocupando o cargo de conselheiro do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), por indicação do Senado, mais especificamente do então parlamentar Aloizio Mercadante (PT), os anos de 2009 a 2011 foram suficientes para Neves conhecer de perto algumas posturas do ministro do Supremo, quando Gilmar presidiu a Corte e também o Conselho (2008-2010).
 
Começando por sua própria entrada no órgão, Marcelo Neves acompanhou, como observador, a relação do jurista nas indicações e o poder político de influência que exercia sobre elas. 
 
Á época, Neves era professor de Teoria do Direito no Programa de Estudos da Pós-Graduação da PUC/SP e professor doutor de Teoria do Estado da USP. Não esperava se enredar por cargos da vida pública. Até que o líder do PT no Senado, Mercadante, analisasse quem seria um forte indicado para ser conselheiro do órgão e, juntamente com Gilmar, tomaram conhecimento de seu nome.
Média: 4.8 (20 votos)

Janot pode denunciar Temer quatro vezes e aumentar desgaste político

Foto: Agência CNJ
 
Jornal GGN - O governo Michel Temer deve se preparar para um cenário um pouco pior do que imagina em relação à denúncia da Procuradoria Geral da República contra o presidente, em função das revelações da JBS. Isso porque, segundo informações da jornalista Lydia Medeiros, Rodrigo Janot deve fatiar em quatro a denúncia contra Temer.
Média: 4.2 (5 votos)

Os crimes de Gilmar Mendes, segundo os autores da denúncia


Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
 
Jornal GGN - Gilmar Mendes cometeu crimes junto à Lei Orgânica da Magistratura, ao Código do Processo Civil e à Lei do Impeachment por três motivos: atuação político-partidária ilegal, ao articular com o senador Aécio Neves (PSDB-MG) a aprovação da lei de abuso de autoridade; por julgar causas com a defesa do advogado Guilherme Pitta, membro do escritório de sua própria esposa; e por desrespeitar com ataques membros do Ministério Público Federal (MPF), ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
 
As considerações são do constitucionalista e professor da Universidade de Brasília (UnB) Marcelo Neves, do ex-procurador-geral da República Cláudio Fonteles, e outros 29 representantes do Direito e Universidades, que enviaram contra o ministro Gilmar Mendes três peças para o seu afastamento do Supremo: um pedido de impeachment ao Senado, uma reclamação disciplinar ao STF e uma "notitia criminis" ao MPF.
 
Ao GGN, Marcelo Neves explicou como o ministro e presidente do TSE infringiu diversas leis e regulamentações da magistratura, que se caracterizam como crime de responsabilidade. "O primeiro é exercício ilegal de atividade político-partidária que fere tanto a Constituição, como a Lei de Organização da Magistratura, como também o artigo 39 da Lei de Impeachment", introduziu.
Média: 4.7 (14 votos)

Antes de viagem, Temer tenta se proteger de acusações da PGR em vídeo

Foto: Beto Barata/PR
 
Jornal GGN - O presidente Michel Temer adiantou-se de um posicionamento frente à denúncia contra o mandatário que a Procuradoria-Geral da República planeja enviar nos próximos dias ao Congresso. Com viagem internacional marcada para esta semana, Temer gravou um vídeo criticando Joesley Batista, o delator da JBS.
 
O vídeo será divulgado nesta segunda-feira (19), às véspoeras da viagem de quatro dias pela Rússia e Noruega. Sem citar diretamente o nome de Joesley, o presidente também indica tons de críticas à Procuradoria-Geral. A mensagem segue a linha da última divulgada no dia 12 de junho.
 
“Nas democracias modernas, nenhum poder impõe sua vontade ao outro. O único soberano é o povo, e não um só dos Poderes. E muito menos aqueles que, eventualmente, exerçam o poder”, afirmou, no vídeo publicado na última semana. 
 
Defendeu que a "ilegalidade" deve ser combatida, mas não pelos "justiceiros". "Na democracia, a arbitrariedade tem nome: chama-se ilegalidade. O caminho que conduz da justiça aos justiceiro é o mesmo caminho trágico que conduz da democracia à ditadura. Não permitirei que o Brasil trilhe esse caminho", completou.
Média: 4 (4 votos)

Em crise, Temer libera R$ 1 bi em emendas para apoio de parlamentares


Foto: Marcos Corrêa/PR
 
Jornal GGN - Michel Temer liberou quase R$ 1 bilhão em emendas parlamentares, desde o episódio das delações dos executivos da JBS, que atingiram em cheio o presidente da República e o senador tucano Aécio Neves (MG), no dia 17 de maio. 
 
A apuração foi de reportagem do Estadão que calculou o repasse de recursos a deputados e senadores, sobretudo a aliados. A liberação, que já estava prevista anteriormente, mas foi acelerada em plena crise do governo, teve um objetivo: angariar apoio para a aprovação da reforma da Previdência, uma das principais bandeiras do governo Temer.
 
A conclusão ficou visível após a Secretaria de Governo da Presidência solicitar a antecipação do pagamento de R$ 1,8 bilhão para emendas parlamentares, a fim de reverter o placar desfavorável ao projeto na Câmara.
Média: 3 (1 voto)

Sonho de Temer é ter um Geraldo Brindeiro, por Helena Chagas

Foto: José Cruz/Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - Michel Temer vive um "dilema", segundo a jornalista Helena Chagas: ou escolhe o substituto de Rodrigo Janot para a Procuradoria Geral da República a partir da lista tríplice do Ministério Público Federal, sem nenhuma garantia de que poderá sobreviver a novas denúncias da Lava Jato, ou tentar salvar a própria pele indicando um nome de sua confiança, correndo o risco de provocar um "retrocesso institucional que será muito criticado e passando a ideia de querer cercear a independência do PGR".
 
Em artigo publicado nesta terça (13) no Poder 360, Chagas apontou que o "sonho de consumo de Temer" é ter um procurador-geral para chamar de seu, alguém semelhante ao PGR de Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Brindeiro, que ficou para a história como o "engavetador-geral da República" por não deixar passar nenhuma acusação contra o governo.
 
Média: 2.5 (2 votos)

Temer distribui cargos e cria prazo para enterrar investigação sobre JBS

Foto: Lula Marques/PT

Jornal GGN - O governo Michel Temer já começou a esboçar um plano para fazer a investigação da força-tarefa da Lava Jato sobre o escândalo da JBS acabar em pizza. Segundo reportagem da Folha, a ação passa pela compra de votos na Câmara com distribuição de cargos e emendas parlamentares, além do estabelecimento de um cronograma de tramitação mais rápida. Por fim, Temer ainda pretende nomear para a Comissão de Constituição e Justiça um relator de sua confiança.

Leia mais »

Média: 2.3 (4 votos)

Corrêa admite que mudou depoimento contra Lula às vésperas da denúncia do triplex

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - Provocado pela defesa de Lula, o ex-deputado federal Pedro Corrêa admitiu, em audiência com o juiz Sergio Moro, na semana passada, que refez sua delação premiada contra o ex-presidente a pedido da Lava Jato. O depoimento de Corrêa colocando Lula como peça fundamental à corrupção na Petrobras ocorreu às vésperas da apresentação da denúncia feita pela equipe de Deltan Dallagnol sobre o caso triplex.
 
Corrêa foi testemunha contra Lula na ação penal em que o petista é acusado de receber propina da OAS na forma de um apartamento no Guarujá, entre outras benesses, e também no segundo processo contra o ex-presidente a ser julgado por Moro, sobre repasses supostamente feitos pela Odebrecht.
Média: 4.4 (9 votos)

Confissão de culpa indireta de Michel Temer, por J. Carlos de Assis

Confissão de culpa indireta do presidente Michel Temer

por J. Carlos de Assis

De acordo com a revista IstoÉ desta semana, o presidente Michel Temer não se diz inocente. Textualmente, segundo a capa da revista, ele diz: “Duvido que o Rocha Loures vá me denunciar”. Alguém que fosse realmente inocente não falaria dessa forma. Diria mais ou menos assim: “Não temo o que venha a declarar Rocha Loures porque não tenho nada a esconder”. Se ele duvida que o homem da mala preta, com aquele jeito um tanto sonso e perdido, vai denunciá-lo, é porque Rocha Loures tem o que denunciar. 

Não sendo esta a primeira vez que Temer, segundo a Procuradoria Geral da República, tenta burlar a Justiça, é muito provável que tenha feito chegar a Loures sua declaração que, bem analisada, soa como ameaça. “Duvido que Rocha Loures vá me denunciar” significa o seguinte: Aguenta a mão aí, meu camarada, pois, do contrário, acertarei as contas com você no futuro. Este seria o elemento equilibrador de um jogo político no qual, do outro lado, há um sistema judicial implacável, disposto a arrancar delações à custa de altas penas.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Procuradoria-Geral prepara denúncia de Michel Temer


Foto: STF/Divulgação
 
Jornal GGN - A Procuradoria-Geral da República se prepara para apresentar uma denúncia contra o presidente da República, Michel Temer. A notícia da previsão do início da briga judicial contra Temer e seus aliados, incluindo Aécio Neves (PSDB-MG), para esta semana já era propagada e tornou-se certeira com a peça enviada contra Aécio nesta sexta-feira (02).
 
O documento, inclusive, arrola diretamente Temer em uma das acusações contra o senador tucano. É o caso que menciona a troca do comando do Ministério da Justiça como forma de obstruir a Operação Lava Jato.
 
O GGN antecipou na última sexta (02) a prisão do ex-deputado e ex-assessor de Michel Temer, Rocha Loures, e da intenção do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, de acelerar as denúncias contra os políticos envolvidos. A prisão de Loures também sinal claro de ameaça direta contra o mandatário.
Média: 3.8 (6 votos)

Prisão de Loures aumenta pressão do empresariado pela saída de Temer

Fotos Públicas

Jornal GGN - Ainda é cedo para falar de uma delação premiada de Rodrigo Rocha Loures, mas a prisão do ex-assessor especial de Michel Temer complica ainda mais a luta por sobrevivência no poder por parte do governo. Segundo análise de Kennedy Alencar, o novo e negativo fato político criado pela prisão de Loures - flagrado recebendo uma mala de propina da JBS em nome de Temer - faz com que o empresariado aumente a expectativa em torno da queda do presidente. Isso a três dias do julgamento da ação de cassação de mandato no Tribunal Superior Eleitoral. 

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Ameaçada, PGR deve agilizar denúncias contra políticos


Foto: STF/Divulgação
 
Jornal GGN - O assessor de Michel Temer, Rocha Loures, não foi preso há duas semanas porque ocupava o cargo de deputado federal, posto que perdeu esta semana. Suplente de Osmar Serraglio, o retorno do ex-ministro da Justiça à Câmara trouxe fragilidades à vista: ou Temer coloca em risco a própria imagem nomeando um dos outros três deputados do PMDB do Paraná para manter o político com a proteção parlamentar, ou o segundo pedido de prisão preventiva feito por Rodrigo Janot ameaça o amigo e assessor do mandatário e, automaticamente, ele próprio.
 
Ao mesmo tempo, a base de Temer no Congresso agiliza uma grande ofensiva contra as investigações já estouradas da Lava Jato: o grupo de Aécio e o grupo de Temer tentam correr formas de atuar contra a credibilidade das investigações, agora que atingiram toda cúpula, sobretudo com miras no procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e no relator da Operação no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin.
Leia mais »
Média: 5 (1 voto)

Em inquérito, PGR diz que Aécio seguiu tratativas de "estancar" Lava Jato

Negociações iniciadas antes do impeachment de Dilma Rousseff para "estancar a sangria" da Lava Jato seguiram até hoje com caciques do PMDB e PSDB, mostra inquérito
 

Foto: José Cruz/Agência Brasil
 
Jornal GGN - A conclusão da Procuradoria-Geral da República é que não há dúvidas de que Aécio Neves (PSDB-MG) atuou para barrar o avanço da Operação Lava Jato. Além das já divulgadas conversas grampeadas de Aécio com Joesley Batista, elaborando um plano para frear as investigações, com o conhecimento de Michel Temer e pressionando pela troca do ministro da Justiça e do diretor da Polícia Federal, o senador aparece articulando a obstrução com o senador Romerto Jucá (PMDB-RR).
 
Até agora já foram liberados os trechos em que Aécio conversa com Joesley Batista, dono da JBS, em encontro no Hotel Unique, em São Paulo, no dia 24 de março. Na ocasião, o tucano revelou ao empresário que pressionou o presidente Michel Temer, juntamente com outros empresários, para modificar a direção da PF, substituindo o diretor-geral Leandro Daiello.
 
Aécio também narrou ter comentado com Temer para que o governo fizesse uma 'mea culpa' durante a deflagração da Operação Carne Fraca, junto aos frigoríficos. A intenção do parlamentar era limitar as investigações, aproveitando a oportunidade dos apontados abusos dos delegados que impactaram as empresas nacionais naquele mês, e tirar o diretor-geral do órgão.
Média: 5 (3 votos)

O golpe dentro do golpe, por Wallace dos Santos de Mora

Sugerido por Jackson da Viola

Por Wallace dos Santos de Mora

Do Le Monde Diplomatique Brasil

 
O que está por trás das denúncias da Globo contra Michel Temer e seus prováveis desdobramentos
 
Nos últimos 65 anos, a Rede Globo ocupou o espaço de um dos principais atores políticos, sempre participando com grande poder de decisão em momentos-chaves. Com o fim do regime militar, por exemplo, teve início a luta pelas “Diretas Já” e a Globo impediu que as imagens de comícios nas ruas fossem exibidas na TV, nos seus jornais e rádios

Desde 2013, o Brasil vive um quadro de crise política institucional dos mais profundos. A iminente queda de Michel Temer constitui-se como apenas mais um capítulo dessa novela. Para discutirmos as denúncias contra o presidente da República e termos mais dados para análise, sem cairmos em previsões infundadas, é necessário clarear algumas constatações históricas fundamentais da política brasileira:

Leia mais »

Média: 3.7 (19 votos)