Revista GGN

Assine

denúncia

Geddel é denunciado por pressionar operador de Cunha a ficar em silêncio

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN - O Ministério Público Federal denunciou o ex-ministro Geddel Vieira Lima pelo crime de obstrução de Justiça no âmbito das operações Sépsis e Cui Bono?, informou o Estadão desta quarta (16). Segundo o jornal, os procuradores Anselmo Lopes Cordeiro e Sara Moreira afirmaram que Geddel tentou pressionar Lúcio Funaro, operador de propinas de Eduardo Cunha e do PMDB, a não fazer uma delação premiada na Lava Jato.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Após confusão, Raquel Dodge quer dissociar imagem à de Temer

 
Jornal GGN - A nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, nem assumiu e já vem sendo alvo de críticas da frente que apoia Rodrigo Janot, incluindo os procuradores da força-tarefa da Lava Jato e, consequentemente, a imprensa. Após se reunir com o presidente Michel Temer, no dia 8 de agosto, às 22h, Dodge agora tenta romper a imagem construída de que teria algum tipo de relação amigável com o peemedebista.
 
O encontro estava fora da agenda do mandatário. Entretanto, estava prevista na programação da atual subprocuradora-geral da República e teria sido solicitada por ela para acertar detalhes de sua posse à PGR. Entretanto, Michel Temer não incluiu o encontro na publicação diária de sua agenda oficial, levantando o tom de que a reunião poderia incluir temas de interesse do presidente da República, que hoje é alvo de inquéritos da Procuradoria-Geral, com base nas delações e provas da JBS.
 
A medida está sendo vista por alguns procuradores como uma armadilha criada pelo próprio peemedebista, que futuramente pode alegar que o encontro que teve com Joesley Batista, dono da JBS e autor das principais acusações contra o presidente, ocorreu nos mesmos parâmetros de diálogo com a própria futura procuradora-geral da República.
Média: 4 (5 votos)

Peemedebista que quis denúncia contra Temer pede desfiliação


Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Por Débora Brito

Da Agência Brasil

O deputado Sergio Zveiter (RJ), relator da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados, pediu sua desfiliação do PMDB. O documento foi entregue hoje (11) à tarde na presidência do diretório do partido no Rio de Janeiro.

Na carta, Zveiter relata que passou a sofrer represália do partido depois que emitiu parecer favorável ao prosseguimento da acusação pelo crime de corrupção passiva. Zveiter argumentou que a denúncia era grave e deveria ser investigada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Seu relatório não foi aprovado pela maioria dos membros da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Na votação no plenário da Câmara no dia 2 de agosto, que também teve o pedido negado, Zveiter manteve seu voto pelo deferimento da autorização da denúncia.

Leia mais »

Média: 4.3 (3 votos)

Decisão de Fachin prejudica Temer, confirmam investigadores


Foto: Eraldo Peres / AP
 
Jornal GGN - A decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, de não incluir Michel Temer no inquérito contra os caciques do PMDB na Câmara dos Deputados foi "até melhor para o ritmo da investigação", apontaram investigadores ouvidos pela Folha de S. Paulo, confirmando o que adiantou o GGN em reportagem desta quinta-feira (10).
 
Uma primeira análise feita pelo jornal, quando o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ainda não trazia expectativas de apresentar a segunda denúncia contra Temer na Câmara, mesmo com o inquérito por obstrução à Justiça pronto e finalizado pela equipe da Polícia Federal, indicava que o PGR apenas aguardava a decisão de Fachin.
 
Isso porque Janot precisava de uma resposta do ministro que relata a Operação Lava Jato no Supremo: se Fachin incluísse o atual presidente nas acusações de organização criminosa, dentro do inquérito no STF que mira o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), não haveria a necessidade de tal apontamento na denúncia que enviará à Câmara, restringindo-a apenas aos fatos relacionados à obstrução.
Média: 5 (3 votos)

Centrão ameaça deixar Temer ser denunciado e dar prejuízo ao governo

Foto: Agência Câmara

 
Jornal GGN - Interessado nos cargos de deputados infiéis (aqueles que se dizem da base governista mas votaram a favor da denúncia contra Michel Temer na Câmara), o chamado centrão já ameaça destruir a agenda econômica do governo e promete não servir de escudo para o próximo pedido de investigação a ser apresentado pela Procuradoria Geral da República contra o presidente.
Média: 4 (2 votos)

O que há por trás dos despachos de Fachin que "beneficiam" Temer

Duas decisões do ministro do STF devem se voltar contra Michel Temer: uma com mais desgaste durante a gestão do peemedebista e outra evitando a impunidade quando o mandato acabar
 

Foto: Eraldo Peres / AP
 
Jornal GGN - O ministro relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, tomou recentemente duas importantes decisões relacionadas às investigações contra o presidente Michel Temer: não incluiu o mandatário no inquérito contra os caciques do PMDB da Câmara e suspendeu o inquérito contra Temer sobre as acusações da JBS.
 
Apesar de ambas decisões parecerem, em um primeiro momento, alívios para o presidente da República, uma delas se trata apenas de uma decisão que não haveria saída e a outra poderá complicar ainda mais Michel Temer nas investigações que recaem contra ele.
 
A suspensão do inquérito contra o peemedebista, determinada recentemente por Edson Fachin, ocorreu por norma legal da Constituição, que prevê que qualquer denúncia enviada pela Procuradoria-Geral da República por crimes comuns, como o de corrupção, devem ser liberadas, antes pela Câmara dos Deputados.
Média: 5 (8 votos)

MTST protesta em casas de deputados que absolveram Temer

 
Jornal GGN - Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) foram às ruas das casas de deputados federais em São Paulo para protestar contra o apoio ao engavetamento da denúncia de Michel Temer na Câmara dos Deputados.
 
Manifestantes realizaram atos na frente das residências ou escritórios políticos de sete parlamentares governistas de São Paulo que somaram os votos a favor de Temer na Casa, na última semana.
 
Os parlamentares que tiveram as ruas de suas casas ou escritórios ocupados com faixas, palavras de ordem e protestos foram os deputados Paulo Maluf (PP), Celso Russomanno (PRB), Eli Correa Filho (DEM), Antonio Goulart (PSD), Milton Monti (PR), Antonio Bulhões (PRB) e Beto Mansur (PRB).
Média: 4.1 (9 votos)

Temer desmoraliza Janot para obter mais uma vitória na segunda denúncia

Expetativa é que a segunda acusação da PGR contra o mandatário seja enviada nos próximos dias
 

Foto: Marcos Correa/PR
 
Jornal GGN - Os ataques de Michel Temer contra Rodrigo Janot, procurador-geral da República e autor da denúncia contra o mandatário na Operação Lava Jato, só irão aumentar nos próximos dias. Isso porque a expectativa é que a segunda peça de acusação seja enviada à Câmara em breve.
 
O movimento de Temer já contou com a adesão de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, mas de forma isolada no Judiciário, enquanto que associações se mobilizam em defesa do procurador.
 
Por isso, o mandatário espera angariar apoio e, do outro lado, inferir sobre Rodrigo Janot, em tentativa de desmoralizar publicamente a peça e fixando a imagem de que o procurador-geral atuaria como uma perseguição ao presidente. Para a atuação, conta com o seu advogado, o criminalista Antonio Claudio Mariz, que encabeçara a briga a nível judicial.
Média: 4.2 (5 votos)

Denúncia contra senadoras que ocuparam a Mesa do Plenário é arquivada

Seis senadoras da oposição ocuparam espaço durante sessão de votação da reforma trabalhista em julho


Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Da Agência Brasil

Por Mariana Jungmann

Em uma sessão tumultuada, o Conselho de Ética do Senado decidiu, por 12 votos a 2, arquivar a denúncia contra as seis senadoras que ocuparam a Mesa Diretora do Senado por cerca de oito horas para tentar evitar a votação da reforma trabalhista, em julho.

As senadoras Ângela Portela (PT-RO), Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Lídice da Mata (PSB-BA), Regina Sousa (PT-PI) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) estariam sujeitas a penas que podiam variar entre censura e advertência pelo conselho, mas não à cassação do mandato em razão de se tratar de denúncia e não de representação.

A denúncia já tinha sido aceita pelo presidente do conselho, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), que convocou a reunião para que fosse eleito o relator da matéria. No entanto, logo no início dos trabalhos houve bate-boca entre senadores de oposição, contrários à denúncia, e da base aliada, que cobraram respeito à decisão do presidente do conselho. A reunião precisou ser suspensa por dez minutos.

Leia mais »

Média: 4.3 (6 votos)

Temer tem usado Gilmar Mendes como estrategista contra Janot

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - Um dos verdadeiros motivos do encontro fora da agenda oficial entre Michel Temer e Gilmar Mendes, no último domingo (6), foi revelado nesta terça (8): o ministro do Supremo Tribunal Federal tem ajudado o presidente da República a criar uma estratégia para se livrar das denúncias feitas por Rodrigo Janot a reboque da delação da JBS.
 
Segundo informações da Folha, Temer "tem tratado do tema com integrantes de sua defesa e discutiu o assunto (...) com o ministro do STF Gilmar Mendes, em jantar no domingo (6)".
 
À imprensa, Gilmar mandou dizer que o encontro tinha como objetivo discutir a reforma política. A desculpa é recorrentemente utilizada pelo ministro sempre que precisa entrar no Palácio do Jaburu.
Média: 2.8 (6 votos)

"Aécio vai ser o Cunha do governo Temer", diz Marcelo Nobre

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - Inviabilizado pela Lava Jato, principalmente após o escândalo da JBS, Aécio Neves virou o principal operador do governo Michel Temer. A rejeição da denúncia contra o presidente na Câmara é só o resultado das articulações do grupo liderado pelo tucano para formar um novo centrão, que dará sustentação a Temer até o final de seu mandato. Em troca, esses políticos conseguirão recursos do governo que serão vitais para a disputa eleitoral de 2018, preenchendo a lacuna deixada pelo financiamento empresarial.
Média: 3.2 (5 votos)

4 vezes em que Moro deu um tiro no pé após condenar Lula

 
Jornal GGN - Desde que condenou o ex-presidente Lula a 9 anos e meio de prisão e pagamento de multa superior a R$ 13 milhões, Sergio Moro assinou alguns despachos que devem ser usados pela defesa do petista para anular a sentença do caso triplex. Foram, pelo menos, quatro vezes em que o magistrado deu azo às crenças de que o processo não sobrevive ao rigor da segunda instância.
 
Confira abaixo:
 
1- Denúncia inventada e sem conexão com a Petrobras
 
Na primeira manifestação polêmica após a sentença, Moro respondeu aos embargos de declaração da defesa de Lula admitindo que não há provas da conexão entre o triplex e os 3 contratos que a OAS firmou com a Petrobras e que foram indicados pelos procuradores como o motivo para Lula receber vantagens indevidas.
Média: 5 (30 votos)

Demissões de cargos são vistas como retaliação a deputados que traíram Temer


À esquerda, o deputado Jorginho Mello (PR-SC) acompanhado de Vissilar Pretto - Foto: Axe Schettini/LE Noticias
 
Jornal GGN - A liberação de emendas parlamentares e a criação de cargos comissionados não foram as únicas respostas de Michel Temer para os aliados que o apoiassem no enterro da sua denúncia na Câmara dos Deputados. O mandatário também resolveu demitir as nomeações ou pessoas relacionadas a parlamentares que votaram contra ele.
 
É o que indicou a Folha de S. Paulo, em reportagem que expõe a exoneração do superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) em Santa Catarina, Vissilar Pretto, pessoa de confiança do deputado Jorginho Mello (PR-SC), que, por sua vez, votou pela investigação do presidente no Supremo Tribunal Federal (STF).
 
O engenheiro demitido ocupava a diretoria do órgão desde abril de 2014 e era nomeação de Mello. Dois dias após a votação no Plenário da Câmara, a exoneração de Vissilar foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (04).
Média: 1 (2 votos)

Com fim da era Aécio e Temer, sem saída, revista detalha propinas

Reportagem de Época insere-se no contexto de mudança drástica de editoriais da imprensa em ritmo de sobrevivência e adaptação, com os inegáveis esquemas envolvendo PMDB e PSDB
 
 
Jornal GGN - O primo de Aécio Neves (PSDB-MG), Frederico Pacheco, foi a ponte usada pelo senador para retirar R$ 2 milhões ilícitos acordados com o dono da JBS, Joesley Batista. Em ação similar também foi a entrega de outros R$ 500 mil destinados ao presidente Michel Temer, por meio do ex-assessor Rodrigo Rocha Loures. A mala preta com rodinhas deste último e a de Fred, como é chamado o empresário e familiar de Aécio, contendo a segunda parcela de R$ 500 mil ao tucano foram registradas por fotografias da Polícia Federal, após as apreensões.
 
Ambas as entregas foram realizadas em ações controladas pelos delegados da PF, com o aval do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. Apesar de algumas imagens das mochilas contendo notas de R$ 50 e R$ 100 já terem sido divulgadas, pelos relatórios das investigações e à imprensa, a revista Época publicou novas fotografias, nesta sexta (04).

Leia mais »

Média: 5 (5 votos)

Sociedade civil repudia escancarada compra de absolvição de Temer


Foto: Lula Marques/Agência PT
 
Jornal GGN - Os deputados governistas não negam ou sequer empenham respostas para as acusações de votos comprados em nome do enterro da denúncia contra Michel Temer na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (02). As transmissões ao vivo de diversos jornais, incluindo a própria EBC (Empresa Brasil de Comunicação), informavam as articulações dentro da própria sessão que se estendeu pela noite para o presidente somar, voto a voto, a sua salvação.
 
Antes disso, noticiários contabilizavam o preço que o país estava pagando para se chegar ao resultado de 263 votos a favor de Michel Temer, arquivando o processo e impedindo que a denúncia seja sequer investigada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Pelo menos R$ 17 bilhões, previu o jornalista Jean-Philip Struck, do Deutsche Welle (DW) Brasil.
 
O montante foi "investido" na liberação de emendas parlamentares a aliados, criação de cargos comissionados e nomeações, em pleno cenário de crise econômica brasileira, contradição evidente na rigidez com que o mesmo mandatário conduz o país, com as reformas, contingências em educação, saúde, órgãos de investigação, e o aumento de impostos para a população, como o dos combustíveis.
Média: 3 (2 votos)