Revista GGN

Assine

emprego

Nova economia

Tema

Nova economia
Editoria sobre a Nova Economia, ou economia baseada nos serviços ligada intimamente a internet.

Entenda o acórdão para a Reforma Trabalhista e as mudanças na CLT

A "modernização trabalhista" recebeu a promessa de ser atenuada por Michel Temer e Romero Jucá. Em ensaio para "cumprir a palavra", governo tinha a garantia da Câmara pelo "insucesso", que manterá as polêmicas contra os trabalhadores
 

Foto: Beto Barata/Presidência da República
 
Jornal GGN - A reforma trabalhista que modifica a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) foi aprovada em um acórdão do governo Michel Temer e sua base aliada, após o presidente da República sugerir a senadores indecisos uma emenda com algumas mudanças em pontos polêmicos que seria enviada à Câmara. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por sua vez, já disse que irá arquivá-la.
 
Mas o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMBD-RR), leitor da carta de Temer que tentava negociar o apoio com parte dos indecisos da base aliada, já afirmou que está pronta a minuta da medida provisória que traz algumas modificações à reforma aprovada. O senador insiste, ainda que a contragosto de Maia, e já trouxe prazos.
 
Jucá afirmou nesta sexta-feira (14) que a MP vai "sair dentro de alguns dias", em referência à remessa das mudanças por Temer à Câmara. "Essa medida provisória vai sair dentro de alguns dias, mas é importante dizer também que essa lei que nós sancionamos só vale daqui a 120 dias. Portanto, dentro desse prazo, a medida provisória vai alterar a lei para que ela comece a valer", disse o parlamentar.
Média: 1 (2 votos)

“Emprego e salário” e “trabalho renda”: duas consignas complementares da esquerda, por Renato Dagnino

“Emprego e salário” e “trabalho renda”: duas consignas complementares da esquerda

por Renato Dagnino

1. Introdução  

Este texto visa a subsidiar a discussão sobre as políticas públicas de um futuro governo de esquerda. Sua motivação é a necessidade de compatibilizar e gerar sinergias de natureza social, econômica e cognitiva entre as ações atinentes às políticas relacionadas ao curto e longo prazos. Seu foco é a constatação de que nosso potencial de geração de renda e riqueza não poderá ser aproveitado adequadamente pelas empresas, pelo chamado setor formal. É sabido que a função social de políticas orientadas a gerar emprego e salário que têm sido entendidas como imprescindíveis para promover crescimento econômico no curto prazo encontra crescentemente um obstáculo tecnológico ou relacionado à baixa qualificação formal da força de trabalho ou ainda, mais precisamente, cognitivo. Por isso, elas terão que ser coadjuvadas pelas de geração de trabalho renda imprescindíveis para implementar no longo prazo o projeto de desenvolvimento que queremos.

Leia mais »

Média: 2.3 (3 votos)

O longo ano de 2017, por Clemente Ganz Lúcio

O longo ano de 2017

por Clemente Ganz Lúcio

As questões colocadas na agenda dos debates deliberativos do Congresso Nacional e dos encaminhamentos do poder executivo são iniciativas complexas do governo federal e que terão múltiplos impactos sobre a vida das pessoas e as bases do desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil. Será um longo ano de um tempo curto para as lutas.

O desemprego crescerá porque a economia continuará patinando, o que dramaticamente compromete a vida dos trabalhadores e a perspectiva geral do desenvolvimento do país. Por isso, a centralidade da luta pelo emprego, o que requer uma visão estratégica de como retomar e sustentar o crescimento e o desenvolvimento econômico nacional e soberano.

As escolhas dos caminhos para o desenvolvimento de uma das maiores economias do planeta envolvem múltiplos e poderosos interesses, em um jogo que vale tudo. A democracia é uma construção política para colocar limites ao vale tudo e, com regras, fazer as escolhas a partir do debate público e com participação social. Defendê-la será uma grande tarefa para este ano.

Leia mais »
Média: 4.5 (2 votos)

O Retorno da Austeridade Fiscal Expansionista, por Nelson Barbosa

Foto RTP

O Retorno da Austeridade Fiscal Expansionista

por Nelson Barbosa

O governo federal constatou que faltam R$ 58,2 bilhões para cumprir a meta fiscal desse ano. Diante desse problema, a equipe econômica anunciou medidas para elevar as receitas em R$ 16,1 bilhões e reduzir as despesas em R$ 42,1 bilhões. O aumento de receita se concentra nos ganhos esperados com renovações de concessões de energia elétrica (R$ 10,1 bilhões), complementado por um aumento de impostos (R$ 6 bilhões). A redução de despesa se distribui em corte de emendas parlamentares (R$ 10,9 bilhões), redução de investimentos (R$ 10,5 bilhões) e diminuição de custeio (20,7 bilhões).

O corte de despesas anunciado pelo governo é especialmente preocupante, pois isso adiará a estabilização do nível de atividade e do emprego. Reduzir a despesa em R$ 42 bilhões significa diminuir a diretamente a demanda da economia em 0,6% do PIB projetado para 2017 (R$ 6.705 bilhões). Como a projeção oficial de crescimento econômico é de apenas 0,5% para esse ano, os impactos diretos e indiretos do corte de despesa colocam em risco a recuperação da economia.

Leia mais »

Média: 4.1 (9 votos)

Balanço do desemprego foi de 12,3 milhões em 2016, mostra IBGE

Brasil tem 12,3 milhões de desempregados, segundo o IBGE

Enviado por Jossimar

Quantas vagas foram fechadas em janeiro 2017?
Só porque houve um suspiro em um mês dá para soltar foguetes?
O que interessa é o histórico.

Resposta ao comentário:

Por que vocês não dão a notícia boa de que em fevereiro foram criados 35 mil empregos com a carteira assinada, dados do CAGEG, interrompendo uma sequência de 22 meses de queda do nível de empregos.

Do Brasil Econômico
 
31 de Janeiro de 2017
 
De acordo com o IBGE, o índice de pessoas sem ocupação foi de 12% no quarto trimestre o que representa alta de 3,1 p.p na comparação com 3º trimestre
 
Balanço divulgado nesta terça-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que a taxa de desemprego no quarto trimestre de 2016 chegou a 12%, o que representa 12,3 milhões de desempregados no Brasil. Na comparação com o terceiro trimestre de 2016 o índice teve alta de 3,1 pontos percentuais, sendo considerada a maior taxa da série história do indicador, iniciado em 2012.
Média: 3 (2 votos)

Acesso ao emprego ainda é a principal demanda do movimento trans, por Walber Pinto

(Foto: Roberto Parizotti) Marcha da visibilidade trans por mais emprego e dignidade, neste sábado, 28, na Avenida Paulista

da CUT

Acesso ao emprego ainda é a principal demanda do movimento trans

Maioria das empresas continuam resistindo a contratar travestis e transexuais em razão da transfobia

por Walber Pinto

Neste 28 de janeiro, data em que se celebra o Dia da Visibilidade Trans, atividades por todo país denunciam a transfobia e a necessidade de inclusão social das travestis, mulheres transexuais e homens trans no mercado de trabalho.

Em ano de crise, a dificuldade de inclusão se torna ainda maior e gera um caos social: segundo dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) 90% deste público está se prostituindo no Brasil e apenas 10% trabalha com registro em carteira.

Leia mais »

Média: 2.3 (3 votos)

É mais seguro pensar com a permissão do chefe, por J.P. Cuenca

Jornal GGN - Recursos Humanos checando a opinião do candidato no Facebook antes de efetivar uma contratação. Editores orientando, em e-mails despudorados, a equipe de reportagem a aderir ao clássico "podemos tirar se achar melhor". Olhares opressores no almoço da família. Medo de sair na rua com camiseta de determinada cor. Hostilização em restaurantes e aeroportos. Emitir opinião em tempos de imposição de um governo à direita do espectro político sobre aquele que foi escolhido nas urnas virou perigoso. Ou um ato de coragem, dependendo do ângulo.

Leia mais »

Média: 3.8 (10 votos)

O desafio do emprego?, por Clemente Ganz Lúcio

O desafio do emprego?, por Clemente Ganz Lúcio

O desenvolvimento econômico visa gerar bem-estar e qualidade de vida. A política econômica precisa buscar, entre outros objetivos, gerar empregos eaumento real da renda do trabalho. A economia política do desenvolvimento deve se orientar pela centralidade do trabalho como produtor e organizador da vida social.

As crises econômicas, recorrentes no capitalismo, travam o sistema produtivo, destroem os empregos, arrocham a renda do trabalho e desorganizam a vida em sociedade, gerando insegurança, precarização, pobreza e bloqueando a construção do futuro.

O que é bom para o emprego é o crescimento econômico sustentado pela demanda oriunda do aumento da massa salarial (mais empregos com melhores salários), pelos investimentos público e privado (infraestrutura econômica, social e produtiva) e pela capacidade ampliada de importar e exportar de maneira equilibrada.

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Mercedes anuncia demissões e trabalhadores se mobilizam

Jornal GGN – Na última sexta-feira (12), a Mercedes-Benz anunciou a demissão de dois mil metalúrgicos. Hoje (17), o Sindicato realiza assembleia com os trabalhadores para definir uma estratégia contra a medida.

“A direção da fábrica tomou essa medida extrema de forma unilateral, em meio a uma negociação que havia sido retomada”, disse o diretor administrativo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Moisés Selerges.

“Temos certeza de que existem alternativas para atravessar esse momento preservando os empregos e não vamos aceitar essa postura. Queremos sensibilizar a empresa para retomar as negociações. Vamos discutir com os companheiros de que forma faremos nossa mobilização”, explicou.

Leia mais »

Sem votos

Micro e pequenos industriais estão confiantes com a retomada das atividades

Jornal GGN – De acordo com pesquisa encomendada pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (SIMPI), o otimismo dos empresários para a retomada das atividades está começando a se tornar realidade. Em junho, 36% deles esperavam uma melhora nos negócios. Em julho, 35% avaliaram a situação como ótima ou boa. Outros 24% disseram que o faturamento foi ótimo ou bom.

O resultado representa uma melhora na comparação com junho, quando 29% dos executivos disseram que a situação na empresa ia bem e 18% estavam satisfeitos com o faturamento. Mesmo assim, questões como a falta de capital de giro, escassez de crédito e calotes ainda persistem e impedem a retomada do crescimento no setor.

50% dos empresários ouvidos pelo SIMPI esperam melhora para este mês. Em junho, eram 36%. Outros 36% esperam melhora na situação econômica do Estado de São Paulo. No mês anterior eram 29%.

Leia mais »

Média: 2.6 (5 votos)

Funcionários da Mercedes-Benz se mobilizam contra demissões

Jornal GGN – Na última sexta-feira (5), mais de dois mil trabalhadores da Mercedes-Benz realizaram uma manifestação em frente à fábrica de São Bernardo, em protesto contra um anúncio de demissões. O grupo era formado por 1,4 mil profissionais que estão afastados em licença remunerada e por outros 800 metalúrgicos da ativa, que pararam a produção e se juntaram à mobilização.

Para o diretor administrativo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Moisés  Selerges, a união da categoria será fundamental para evitar os cores. “Temos hoje dois grandes desafios. O primeiro é convencer a empresa a ir para a mesa de negociação conosco, pois ela tem se mostrado irredutível. Vamos lutar para que isso aconteça. Se conseguirmos, o outro desfio será construir uma proposta viável para dar conta desse momento. Temos de estar unidos e fortes, só vamos conseguir avançar com a organização. Continuaremos mobilizados até que a empresa sinalize para uma alternativa", disse.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Trabalhadores da Volskwagen conseguem estabilidade até 2021

Jornal GGN – Os trabalhadores da Volkswagen de São Bernardo aprovaram, em assembléia realizada na última terça-feira (2), um acordo de estabilidade que evitará a demissão sumária de 3,6 mil metalúrgicos. Mesmo assim, um Programa de Demissão Voluntária (PDV) será aberto, ainda que sem meta de adesão para os funcionários da produção.

O acordo inclui ainda a utilização de instrumentos como o layoff e o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), além de alterações em cláusulas econômicas.

Para o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e trabalhador da Volks, Wagner Santana, o resultado não deixa de ser uma vitória. “Foi a negociação mais difícil já conduzida com a Volkswagen, pois se deu em meio a uma conjuntura econômica muito difícil. Estamos tendo de ajustar acordos que estavam em curso em função da queda na produção, que tem sido muito forte. Conseguimos melhorar bastante a proposta durante o processo, mantendo itens econômicos importantes e afastando o risco de demissão. Foi uma vitória”.

Leia mais »

Sem votos

Grupo estrangeiro compra fornecedora de autopeças e faz montadoras de refém

Jornal GGN – Desde que um fornecedor brasileiro de autopeças foi comprado por uma empresa alemã, as montadoras do interior de São Paulo e da região do ABC estão tendo dificuldades para conseguir materiais e prosseguir com a produção de novos veículos. As fábricas da Volkswagen em São Bernardo do Campo e Taubaté estão paradas há quase uma semana e 12 mil funcionários foram dispensados do trabalho nesse período.

Outras fábricas passam por problemas semelhantes. A filial da VW em São José dos Pinhais também parou por alguns dias na semana passada. As três plantas tinham a Fameq como fornecedora exclusiva de peças estampadas. Acontece que a metalúrgica estava com dificuldades financeiras e acabou vendida para o grupo Prevent, em julho deste ano.

Depois de realizar a aquisição, a Prevent fechou as portas da Fameq e demitiu 180 funcionários. Restaram apenas 20, que tinham estabilidade e serão transferidos para outras unidades.

Leia mais »

Média: 3.6 (5 votos)

Temer pede para empresários contratarem brasileiros formados no exterior

Jornal GGN – No encontro promovido pela CNI em Brasília, o presidente interino, Michel Temer, pediu aos empresários do setor industrial que dêem preferência à contratação de brasileiros que se formaram no exterior.

"Nas suas empresas e empresas outras que forem conectadas com os senhores, se puderem dar preferência muitas vezes àqueles que se formaram no exterior, porque, queremos ou não, talvez venham bem formados com informações tecnológicas que auferiram no exterior", disse Temer.

Leia mais »

Média: 2.1 (7 votos)