Revista GGN

Assine

empréstimo pessoal

Como a JBS pagou os R$ 2 milhões a Aécio


Foto: Roque de Sá/Agência Senado
 
Jornal GGN - A pessoa escolhida por Joesley Batista, dono da JBS, para entregar R$ 2 milhões ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) narrou em detalhes como realizou o primeiro dos quatro pagamentos ao primo do senador, Frederico Pacheco de Medeiros, o Fred. 
 
Ricardo Saud, diretor de relações institucionais e governo da J&F, grupo do qual pertence o frigorífico, é um dos delatores que descreveu aos procuradores da República as acusações contra o tucano, com base em provas e documentos. 
 
"O que estamos apresentando é um recall de todo o que aconteceu na campanha de 2014, de fatos ilícitos", assim introduziu Saud. "A gravação que tenho mais participação ativa foi do senador Aécio Neves com Joesley no Hotel Unique, em São Paulo, porque dela nós fizemos um ato contínuo e tivemos desdobramentos dela", seguiu.
Média: 4 (2 votos)

Aécio ofereceu contrapartida aos R$ 2 milhões, mostra delator

Foto: Marcello Casal JR/ Agência Brasil
 
Jornal GGN - Quando se encontrou com Joesley Batista, o dono do frigorífico JBS que revelou em grampos e delação premiada as acusações que geraram a maior crise do governo, o senador tucano Aécio Neves chegou a oferecer ao empresário a nomeação de um diretor da Vale.
 
Nesta conversa, Aécio pediu R$ 2 milhões para supostamente pagar honorários advocatícios de Alberto Toron para sua defesa na Operação Lava Jato, mas o dinheiro acabou entrando na conta de empresa da família do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), aliado do tucano.
 
O encontro ocorreu no dia 24 de março, segundo a gravação de Joesley, no Hotel Unique, em São Paulo. Em um dos quatro pacotes de cédulas que juntas somavam os R$ 2 milhões, os investigadores colocaram chips, que emitem sinais e permitem o monitoramento do caminho efetivo do dinheiro. Na conversa com Joesley, Aécio indicou seu primo, Frederico Pacheco de Medeiros, chamado no diálogo de Fred, que já foi diretor da Cemig e um dos coordenadores da campanha presidencial de Aécio em 2014.
Média: 5 (4 votos)

STF não prende Aécio, que diz que pedido de R$ 2 mi foi empréstimo pessoal


Foto: Roque de Sá/Agência Senado
 
Jornal GGN - A Procuradoria-Geral da República, comandada por Rodrigo Janot, solicitou a prisão do senador Aécio Neves (PSDB-MG), mas o ministro relator do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, negou a prisão ao tucano. Em meio à crise, o PSDB escolheu o deputado Carlos Sampaio (SP) para a Presidência Nacional da sigla. E Aécio disse que R$ 2 milhões foram "pessoais".
 
Aécio foi impedido apenas de exercer as funções de senador, não sendo afastado do mandato oficial. Na decisão, Fachin impôs duas medidas cautelares ao tucano: a proibição de deixar o país, entregando seu passaporte, e de contatar qualquer outro réu ou investigado no processo relacionado à acusação da JBS.
 
Mas o ministro negou o pedido de prisão do senador e decidiu não levar para o Plenário do Supremo a discussão sobre o assunto. De acordo com informações do gabinete de Fachin, a negativa pode ser revertida apenas se a Procuradoria-Geral da República entrar com um novo recurso contra a decisão do ministro, e então o caso seria levado ao voto de todos os ministros.
Média: 5 (2 votos)

Juros do cheque especial aumentam e chegam a 13,6% ao mês

Jornal GGN - Levantamento realizado pelo Procon-SP mostra que seis instituições financeiras mantiveram a taxa cobrada pela empréstimo pessoal e somente uma aumentou a do cheque especial. A pesquisa foi realizada no último dia 2.

Na média, a taxa do cheque especial ficou em 13,6% ao mês, um aumento de 0,04% em relação ao mês de novembro, com taxa de 13,56% a.m.

No caso do empréstimo pessoal, a média das taxas dos bancos pesquisados ficou estável em 6,51%.

Leia mais »

Média: 1 (3 votos)

Juros de empréstimo e cheque especial caem em novembro, diz Procon-SP

Jornal GGN - Segundo pesquisa realizada pelo Procon-SP,  as taxas de juros cobradas no cheque especial e no empréstimo pessoal pelos bancos tiveram redução em novembro. O recuo acontece após uma sequência de nove altas seguidas no ano.

Em relação ao cheque especial, a taxa média foi de 13,56% ao mês, uma redução de 0,16% na comparação com o mês anterior, quando a média ficou em 13,72% ao mês. A taxa equivalente anual é de 360,02%. 

Neste caso, todas as instituições pesquisadas mantiveram suas taxas, sendo que a mudança na média acontenceu devido à saída do HSBC da pesquisa.

Leia mais »

Média: 2.6 (5 votos)

Juros do cheque continuam em alta em setembro, diz Procon

Jornal GGN - Segundo dados de pesquisa realizada pelo Procon em São Paulo, houve aumento nas taxas de juros do cheque especial e do empréstimo pessoal praticadas pelos bancos em setembro.

No cheque especial, a taxa média entre os bancos pesquisados foi de 13,56% ao mês no começo de setembro, contra 13,52% a.m. no mês anterior, um aumento de 0,04%.

Leia mais »

Sem votos

Deixar que outro use o seu nome para empréstimo é risco alto

Jornal GGN - Pesquisa nacional realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com consumidores inadimplentes ou não, demonstrou que sete em cada dez entrevistados não tomam nenhuma precaução quando emprestam o próprio nome para que terceiros realizem compras. Se a famosa frase “seu nome é seu maior patrimônio” fosse levada em consideração, as pessoas tomariam o devido cuidado ao assumir esses empréstimos por outras pessoas, entende a associação.

Segundo o levantamento realizado, a incidência de empréstimo de nome é ainda maior entre os que estão inadimplentes. Pelo menos 20% deles admitem “ter o costume de emprestar o próprio nome a terceiros” e, dentre estes, 96% deles reconhecem que não têm a prática de se resguardar contra eventuais riscos de calote, uso indevido do nome ou a possibilidade de ter seu nome “sujo”. Somente 2% deles afirmam que elaboram contrato com o solicitante, 2% se valem de cheque pré-datado e menos de 1% optam por nota promissória, para garantia de que cumpram o compromisso assumido. Leia mais »

Sem votos