Revista GGN

Assine

história

Na ditadura, Lula foi julgado por discurso político a seringueiros

Jacó Bittar e Lula em audiência em Manaus em 1984 devido aos incidentes no Acre quatro anos antes
Jacó Bittar e Lula em audiência em Manaus em 1984 devido aos incidentes no Acre quatro anos antes - Foto: Arquivo
 
Jornal GGN - Em plena ditadura militar brasileira, no dia 9 de abril de 1981, Luiz Inácio Lula da Silva era intimado a participar de uma audiência de um julgamento no qual era acusado de "apologia à vingança", "incitamento à luta armada" e à "luta pela violência entre as classes sociais", em Manaus (AM).
 
Ao lado de nomes como Chico Mendes, seringueiro morto em 1988, Lula foi acusado por um discurso político, juntamente com José Francisco da Silva, então presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura no Acre, João Maia da Silva Filho (delegado da confederação em Brasileia), e Jacó Bittar, então secretário do PT e que hoje tem o filho Fernando Bittar figurando em acusações contra Lula relacionadas ao sítio de Atibaia.
 
Em assembleia do sindicato rural de Brasileia, no Acre, Lula falava a mais de 4 mil seringueiros sobre o momento delicado: uma semana antes, o presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Brasileia e presidente da Comissão Municipal do PT, Wilson Pinheiro de Souza, havia sido assassinado com tiros pelas costas, em crime que nunca foi esclarecido.
Média: 4.2 (6 votos)

Movimentos sociais sustentam que é a maior greve da história do Brasil #BrasilEmGreve

 
Jornal GGN - Antes mesmo de a #BrasilEmGreve atingir os trends topics mundiais do assunto mais comentado no mundo nas redes sociais e de o país aderir em massa à paralisação, contando com todos os segmentos e sindicatos de trabalhadores, os movimentos sociais já calculavam o 28 de abril como uma das maiores greves da história do Brasil.
 
Organizado por sindicatos e pela Central de Movimentos Populares (CMP) e da Frente Brasil Popular, as ações foram aderidas por grande parte da população para mostrar a insatisfação com a Reforma Trabalhista e da Previdência do governo de Michel Temer.
 
De acordo com o coordenador da CMP, Raimundo Bonfim, em entrevista à Rede Brasil Atual ainda nesta quinta-feira (27), quando as mobilizações estavam ainda sendo discutidas pelas centrais, a dimensão do ato de hoje ocorre graças à coesão e unidade de amplos setores sociais e populares.
 
 
"Além do engajamento do movimento sindical, que tem a tarefa de parar a produção e circulação das riquezas e pessoas, é uma greve que vai ter muitas ações desenvolvidas por movimentos sociais e populares. Existe uma forte unidade dos movimentos popular e sindical, das centrais sindicais, das frentes Brasil Popular e Povo sem Medo", afirmou.
Média: 5 (7 votos)

"Vagabundo" é quem distorce a história, não quem faz greve, diz Sakamoto

Foto: Marcelo Pinto/Fotos Públicas

Jornal GGN - Em meio a uma polarização nas redes sociais entre quem apoia a greve geral contra as reformas de Temer e contra quem é adeto da hashtag #euvoutrabalhar, Leonardo Sakamoto analisa, em artigo publicado no UOL, que não é correto chamar o grevista de "vagabundo" - como fez João Doria - pois a história prova que esta figura é a verdadeira responsável pelas conquistas de direitos sociais.

"O poder não está no silêncio das bocas fechadas que aceitam as coisas como elas são porque acreditam que nada pode mudar e que ficam felizes se ganharam uma TV do sindicato pelego no feriado. Mas dos braços parados que se negam a produzir riqueza sem que um diálogo aberto e franco com os empregadores seja estabelecido. Trabalhadores são fortes. Pena que se esquecem disso."

Leia mais »

Média: 4.5 (15 votos)

Lições da Inconfidência, por Iurutaí Puertas


Tiradentes sendo preso no Rio de Janeiro - Foto: Reprodução de pintura de Antônio Parreiras (1914)

Por Iurutaí Puertas

Hoje completam-se 225 anos da execução pública, por enforcamento – e posterior esquartejamento do corpo – do Alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Para a maioria dos brasileiros só mais um feriadão, com os engarrafamentos de praxe noticiados pelas Tvs, e a oportunidade de sair da rotina de trabalho/estudo alienados e alienantes. Cabe, contudo, lembrarmo-nos das razões que levaram esta data ao status de Feriado Nacional.

Proclamada a República em 1889, cedo perceberam seus ideólogos a necessidade de um herói nacional que, diferente de um Duque de Caxias, não fosse assim considerado pelos serviços prestados ao Império, mas que representasse a resistência dos brasileiros à monarquia e seus poderes absolutos; mais, que pudesse encarnar a luta pela liberdade e autonomia da nação brasileira. Iniciou-se, então, um longo trabalho de pesquisa histórico-documental que trouxe à luz os autos dos processos da chamada Conjuração Mineira, um movimento no qual juntaram-se a arraia-miúda e alguns representantes das classes dominantes da época para propor um projeto de país que nos livrasse da Coroa Portuguesa e seu processo de exploração colonial. Tal Conjuração teve entre seus membros, padres, pequenos e grandes proprietários de terras, poetas, comerciantes, bacharéis, alguns soldados e alferes,e foi descoberta graças à inconfidência de Joaquim Silvério dos Reis, a partir da qual realizaram-se as primeiras prisões.

Leia mais »

Média: 4.1 (7 votos)

Sala de visitas: lidando com o fim da vida e a história da Bossa Nova

Edição aborda como aceitar a transição para o fim da vida, com a médica Ana Claudia Arantes, e ainda, as curiosidades da série “7 x Bossa Nova”


 
Jornal GGN - Nesta edição, Luis Nassif recebe Ana Claudia Quintana Arantes, médica do Albert Einstein, que se destacou nos últimos anos pela maneira como compreende e exerce a especialidade de lidar com pacientes na fase final da vida. 
 
Em seguida ele recebe o jornalista e produtor de televisão Rogério Brandão, que dirigiu, ao lado de Belisario Franca, a melhor série sobre Bossa Nova já produzida no país e no mundo, a "7 x Bossa Nova", lançada em 2005, e que contou a história do gênero musical da periferia até o centro, quando estoura na voz dos grandes ícones Tom, Vinícius e João Gilberto.
 
Por fim o apresentador do Sala de visitas recebe o Trio Choro Moderno, formado pelos irmãos Pedro (cavaco e violão tenor) e Paulo Ramos (violão de sete cordas) e o baterista Diego Pereira, que acabam de lançar o CD Bolo de Fubá, o primeiro álbum do grupo, com composições inéditas e com participação especial de Sizão Machado (contrabaixo), Vitor Alcântara (sax) e Guilherme Ribeiro (acordeom).  
Média: 5 (4 votos)

Professores de História denunciam censura e ações por Escola sem Partido

 
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
 
Jornal GGN - Professores da Associação Nacional de História denunciaram a perseguição e coação sofridas por educadores de História ao longo dos últimos meses e atribui os fatos ao movimento Escola Sem Partido.
 
"Esse processo, certamente, é estimulado pelo movimento Escola Sem Partido que organiza eventos, produz conteúdo digital divulgado em seu sítio eletrônico etc. e patrocina ações legislativas que estimulam a coação, o constrangimento e a censura aos professores de História em todo o território nacional", publicou a ANPUH em nota oficial.
 
Segundo a Associação, já houve registros de casos de professores e educadores que sofreram e ainda passam por constrangimentos, intimidações e censuras. Dos mais recentes, três casos preocupam mais profundamente a entidade.
Média: 4.3 (11 votos)

Roteiro: passeios alternativos para o carnaval

Jornal GGN – Com 463 anos, a cidade de São Paulo é dona de cenários históricos e de importantes construções arquitetônicas. Uma programação alternativa, durante os dias de carnaval, é visitar esses lugares cheios de memórias, como indicou o professor Antônio Soukef Júnior, do curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário.

A conhecida “terra da garoa”, apesar de antiga, é considerada um centro de modernidade, onde antigos e novos estilos se cruzam. “Como a cidade foi construída e reconstruída diversas vezes a partir do final do século XIX, temos uma mistura de gêneros em diversos pontos, mostrando que, ao longo de sua história, predominou o ideal de que o novo é sempre melhor”, disse Antônio Soukef. 

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Academia brasileira perde Edgar De Decca e Mariza Corrêa

Intelectuais são autores de obras no campo da história da República, história contemporânea, gênero e relações raciais
 
Jornal GGN - No mesmo dia, 27 de dezembro, o país perdeu dois importantes acadêmicos: Edgar Salvadori de Decca e Mariza Corrêa, ambos do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp.
 
Em nota oficial, a reitoria da instituição lamentou a perda fazendo um breve resumo da importância dos professores na produção de conhecimento. Salvadori de Decca é considerado um dos intelectuais mais importantes do país, desenvolvendo trabalhos em historiografia, história moderna e contemporânea e história do Brasil República. Ele é autor de "1930 - O Silêncio dos Vencidos", livro publicado em 1981 ressaltando o olhar do movimento sindical dos anos 30. De Decca sempre teve como proposta em seus trabalhos dar voz aos vencidos da história.
 
Já a professora Mariza Corrêa atuou por mais de 30 anos na Unicamp, desenvolvendo pesquisas na área de antropologia e feminismo. Ela foi uma das fundadoras do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, criado em 1993 e é autora de estudos pioneiros nas áreas de violência, família, gênero, relações raciais, interseccionalidades e intersexos.
 
Veja à seguir a nota da Unicamp 
Média: 5 (3 votos)

Milton Santos previa nova Constituição e luta social, já em 1998

 
Jornal GGN - "O sistema de ideologia, que é também o sistema de perversidade, escolhe os homens, os seus representantes e os suplentes. É uma escolha. Na campanha eleitoral, a gente vê claramente. Os titulares e os reservas aparecem, é a produção das figuras necessárias. Quer dizer, não há uma escolha nacional do líder nacional. Há uma escolha internacional, global, do líder nacional. Acho que esse é o jogo, e essa escolha é em grande parte feita entre pessoas que um dia foram insuspeitas".
 
A afirmação é do geógrafo e filósofo Milton Santos, em entrevista à Caros Amigos, em 1998, pouco antes de Fernando Henrique Cardoso ganhar as eleições com 53% dos votos válidos de Lula e Ciro Gomes. Naquela reportagem, Milton Santos adiantava que o processo político é muito mais mundial do que local, e que a globalização impõe o jogo político aos países menos desenvolvidos.
 
Em futuro não calculado, Milton Santos também acreditava em uma "globalização por baixo", integrando as minorias, com "outra realidade". Mas sabia que isso não ocorreria sem luta. Imaginou que, em uns anos mais, haveria uma nova Constituição "feita por cima", para depois ter outra "feita por baixo, porque essa por cima não vai funcionar".
Média: 4.5 (13 votos)

Estudo recupera a história dos direitos reprodutivos no Brasil

Por Marcio Ferrari

Na revista FAPESP

Um período de cerca de 35 anos separa as primeiras articulações de setores da sociedade brasileira em favor de políticas relacionadas à regulação da fecundidade e os dias de hoje, em que as reivindicações se efetivaram, pelo menos parcialmente, na forma de leis e serviços oferecidos pelas redes públicas de saúde. “Houve um avanço notável nessas quase quatro décadas”, diz a psicóloga Margareth Arilha, pesquisadora do Núcleo de Estudos de População (Nepo) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A primeira reivindicação atendida, segundo a antropóloga Andrea Moraes Alves, professora da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi a criação, em 1983, do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (Paism).

Leia mais »

Média: 3.3 (3 votos)

O Estado de Direito na África, por Makau Mutua

Jornal GGN - “Para a África, o estado de direito e os conceitos relacionados oferecem esperança e cautela num ambiente repleto de extrema complexidade e trauma histórico”, analisa o pesquisador queniano Makau Mutua.

Estudando a necessidade da eficiência de um Estado de Direito regendo o país, atrelado ao contexto histórico da África do Sul, Mutua lembra que o experimento do país com a democracia foi difícil, levando a conclusão de que o discurso da preservação dos direitos individuais precisa, antes, de uma profunda reestruturação da economia e da política e que, sem isso, o preço é pago pelas populações mais vulneráveis.

“Nem a lei e nem a linguagem dos direitos por si só podem transformar a sociedade. Mas é indiscutível o fato de que sociedade alguma poderá alcançar o desenvolvimento sustentável sem infundir em sua íntegra a cultura de justiça baseada nas normas fundamentais do Estado de Direito”, analisou.

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Xadrez do tribunal para a Lava Jato

 
Peça 1 - o xadrez e as análises estratégicas
 
Adotei o nome Xadrez na série sobre o golpe por duas razões:
 
1. Analisar realidades complexas. 
 
Eventos dessa abrangência, que mexem com a vida e o futuro do país,  têm  inúmeros fatores de influência se entrelaçando, a crise econômica global, a política econômica interna, a geopolítica internacional, os interesses corporativos internos. 
 
O desafio consiste em identificar as grandes linhas de mudança globais, a maneira como se interrelacionam no Brasil, os personagens locais protagonistas desse jogo e a resultante final.
 
2. Estimar efeitos sobre o futuro.
 
Trata-se de um exercício complexo, que depende em parte de informação, e muito de intuição, de tentar identificar os desdobramentos de fatos atuais, de processos políticos, sociais e econômicos, as linhas que prevalecerão.
 
Os estrategistas se valem dessa metodologia para prevenir desastres, acertar rumos, minimizar custos e riscos, desenhar o futuro.
Leia mais »
Média: 4.8 (48 votos)

Sobre o projeto de Destruição de Documentos do Senador Magno Malta, por Charlley Luz

Sobre o projeto de Destruição de Documentos do Senador Magno Malta

por Charlley Luz

O projeto de autoria do senador do ES Magno Malta, número 146 de 2007 está sob debate da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. O projeto nº 146, de 2007 já havia transitado e havia sido arquivado. Quando havia tramitado, tinha um projeto substitutivo PL 26/2010  do deputado Indio da Costa que entregava a digitalização aos cartórios. Ambos haviam sido arquivados por vários problemas em suas proposições.

A situação é que o projeto voltou à pauta, sendo desarquivado e o relator do projeto Sen. José Maranhão fez um parecer pela aprovação, sem ter ouvido as partes que lidam diariamente com a legalidade e a autenticidade documental, como os arquivistas, as empresas de tecnologia ECM, juristas e especialistas que atuam na área digital. O projeto está para ir a votação (liberado para pauta), porém o projeto diz que um documento original pode ser destruído  desde que digitalizado nos termos da lei. Ocorre que a digitalização proposta nos termos da lei não garante e não é infalível em relação à garantia de segurança e autenticidade.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Uma história que não pode ser escrita com palavras, por João Pedro Stédile

Por João Pedro Stédile

No Brasil de Fato

Perdemos Fidel. Ganhamos uma história de exemplos e de sabedoria.

A história de Fidel é indescritível, não podemos descrever apenas com palavras. Então gostaria apenas de dar um testemunho.

Ele usou toda sua sabedoria, conhecimentos, liderança e dedicação para construir, ao longo de 60 anos, um povo unido e organizado, que se transformou imbatível, enfrentando as forças econômicas e militares mais poderosas do século 20: o capital dos Estados Unidos.

Leia mais »

Média: 4 (9 votos)

O mundo pós-2001 em três documentários

Enviado por Ninguém

Adam Curtis é um documentarista essencial para entendermos o mundo pós-2001.

The Power of Nightmares

Em 2004, lançou The Power of Nightmares (O Poder dos Pesadelos), sobre a ascensão do pensamento neoconservador nos EUA e do radicalismo islâmico no Oriente Médio e a Guerra ao Terror.


O Poder dos Pesadelos 1\3 - Esta frio la fora Baby por lucas84doc

Leia mais »

Média: 5 (5 votos)