Revista GGN

Assine

Jonas Barcellos

As ligações entre a Brasif, a casa em Paraty e os Marinho

Enviado por Jair Fonseca

Do Viomundo

Da Redação, com Lidyane Ponciano em Belo Horizonte

O número no endereço dado pela empresa é simbólico: 171.

No Código Penal, significa estelionato.

Nossa repórter esteve no endereço, em Belo Horizonte: rua Margarida Assis Fonseca, 171, bairro Califórnia.

Perguntou ao guarda, depois foi à portaria: funciona ou funcionou aqui uma empresa que aluga helicópteros?

Resposta de um funcionário que diz que a empresa Brasif está lá há mais de 50 anos: nunca!

Na portaria, a mesma resposta: não, não há helicóptero para alugar.

Por telefone, confirmamos com duas funcionários distintas. Elas checaram com colegas. Não, ali nunca pousou um helicóptero. Nem funcionou o Consórcio Veine-Santa Amalia.

Gravamos, mas não identificamos os entrevistados para não expô-los a retaliações.

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (17 votos)

Vida privada de FHC não interessa, e sim seus negócios, por Fernando Brito

Enviado por Webster Franklin

Do Tijolaço

 
por Fernando Brito

O contrato de subvenção mostrado hoje na Folha pela jornalista Miriam Dutra, afirmando que a prestação de serviços que fazia à Eurotrade Ltd., empresa das Ilhas Cayman, não interessa enquanto “pensão alimentícia” ao rapaz que se supunha então filho de Fernando Henrique Cardoso.

Interessa, sim, quanto ao uso da posição de Presidente da República, cargo que ele exercia na ocasião em que foi firmado o contrato.

A Eurotrade, registrada nas Cayman é de propriedade do empresário Jonas Barcelos Correa Filho – que foi apontado, dias atrás, por este blog como parceiro dos Marinho na operação do helicóptero da família, em consórcio com a Veine, dona da mansão global de Paraty –  que tinha pesados negócios envolvendo a administração federal e sua empresa, a Brasif, monopolista das free-shopsdos aeroportos vendida em 2006 a americana Advent International e ao grupo suíço Dufry por US$ 250 milhões.

Leia mais »
Média: 4.7 (15 votos)

Para entender o caso Brasif-FHC

A coluna abaixo foi publicada na Folha, em 21 de março de 2006, quando a Brasif resolveu vender suas operações para uma empresa suiça. A Brasif foi apontada pela jornalista Mirian Dutra como a empresa através da qual Fernando Henrique Cardoso garantia a suplementação da sua (de Mirian) renda no exterior.

1. Todas as lojas da Brasif eram concessões obtidas nos anos anteriores na Infraero - foram concessões públicas entregues de graça à empresa. E concessões únicas junto à Secretaria da Receita federal.

2. O valor atualizado (em reais) dos US$ 100 mil remetidos por FHC é de R$ 357 mil (supondo 1 dólar = 1 real). Provavelmente FHC não terá dificuldade em comprovar a posse desse valor e a maneira como a saída foi declarada em seu Imposto de Renda.

3. Se se for aplicar a FHC a mesma métrica com que o Ministério Público Federal mede Lula, se terá as duas pontas de forma muito mais nítida: uma empresa que envia dinheiro para uma jornalista, a pedido de FHC; e a mesma empresa sendo beneficiada por privilégios únicos em sua atividade.

Leia mais »

Média: 4.4 (36 votos)

Os caminhos aéreos do helicóptero dos Marinho, por Fernando Brito

Enviado por Webster Franklin

Do Tijolaço

Os caminhos aéreos do helicóptero dos Marinho

O que a gente noticiou no post anterior – que a Agropecuária Veine, oficialmente a proprietária da mansão praiana dos Marinho em Paraty , que está irregular, com processo para demolir-se – é também a operadora do helicóptero Agusta 109, prefixo PT-SDA, que serve à família Marinho está comprovado aí, com a cópia obtida por este blog do certificado de aeronavegabilidade – o “documento de voo” da aeronave – reproduzido acima.

brasif1

Ou era operado , até pouquíssimo tempo atrás, porque o registro na Anac foi transferido, faz pouco, para a Vattne Administração, outra empresa de papel, esta hospedada no Leblon, criada em agosto do ano passado.

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (9 votos)