Revista GGN

Assine
imagem de Edison Brito
Profissão Profissional da Navagação Aérea
Formação Superior Engenharia

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

O foco educacional necessita de mudanças.

 

No fundo precisamos mudar a visão sobre: educação, saúde, cidades, mobilidade urbana, trabalho, economia e etc. Só aí então conseguiremos progredir na direção da justiça social.

Enquanto o foco for capitalista o ser humano não será tratado como humano, óbvio. O homo sapiens sapiens bom será sempre aquele que produz. O que gera riqueza. O herói será o que acumula mais capital. A humanidade é vista como uma mercadoria.  Viramos máquinas, e como máquinas somos tratadas.

A formação escolar brasileira um dia já foi humanista.  Agora é técnica. Ou era para ser. Assim o Tio Sam determinou. A USAID disse: o Brasil precisa é de técnicos e não de humanistas. Dessa forma foi feita pelos militares. As consequências bem sabemos: nem técnicos, nem humanistas.  O ensino fundamental se deteriorou.  E olhe que a palavra é pomposa: fundamental. A que dá fundamentos. Quais os fundamentos? Leia mais »

Sem votos

Espionagem americana: há alguma novidade?

 

O governo brasileiro cumpre seu papel: pede explicação aos EUA sobre os “grampos” ao sistema de comunicação brasileiro.

Depois do Edward Snowden o mundo tomou conhecimento do óbvio: os USA bisbilhoteiam a maioria dos países dos quais eles tem interesse. Alguma novidade?

E por acaso o Brasil está numa lista de prioridade. Junto com a Rússia, China. Só falta acrescentar Índia e África do Sul. Os BRICS.

Então, pressupõe-se que a espionagem não é contra ações terroristas.  Pois esses países não tem histórico de ações contra os ianques, certo? Principalmente o Brasil e África do Sul. Não há relação alguma com atentados terroristas ou estão inclusos nas nações que abrigam grupos terroristas, certo?

Agora, qual a razão deste “voyeurismo” absurdo? Leia mais »

Sem votos

O silêncio da mídia sobre as manifestações em frente da Glob

 

Como a grande maioria não sabe, houve manifestações em frente à Rede Globo de Televisão.

Os participantes pediam maior pluralidade na mídia. Exigiam o fim da manipulação escabrosa  das informações.  E gritavam contra a sonegação fiscal perpetrada pela rainha da lisura.

E por que a maioria não sabe? Porque a Globo não noticiou. E por que não noticiou? A platinada achou irrelevante. Ou, talvez, este episódio  não interesse a ninguém. Ou, devido à insignificância do evento não virou matéria jornalística. As explicações são várias. Inclusive pode ser a seguinte: “onde já se viu, colocar no ar um protesto que fere diretamente a imagem de nossa organização?”. Seria menos hipócrita esta argumentação, mas… Leia mais »

Sem votos

Declaração da UNASUL sobre o caso Evo Morales (em espanhol)

 Declaração da UNASUL sobre o caso Evo Morales (em espanhol)Publicado em 05/07/2013 por Leia mais »

Sem votos

Povo boliviano, vítima da vez de preconceito e desrespeito.

 

Os militares americanos têm um eufemismo para a morte de civis inocentes numa guerra: efeito colateral.  Eles explicam ou justificam dando de ombros: fazer o quê, não é mesmo?

Pois bem, e não é que o ex-agente da NSA, Edward Snowden, o traidor, anda provocando seus efeitos colaterais também?

Explodiu o programa de espionagem norte-americano, Prisma, e, por tabela, escancarou a verdadeira face dos países desenvolvidos. Arrebentando  a máscara de bom mocismos de europeus e yankees.

Me refiro ao episódio acontecido hoje, 3 de julho com o presidente da Bolívia, Evo Morales.

Retornando da Rússia, onde fizera uma visita oficial, a aeronave, com sua comitiva, foi proibida de sobrevoar o espaço aéreo de vários países europeus. Acabou conseguindo aterrissar em  Viena, Áustria. Lá, ficaram detidos por mais de 5 horas. Qual o motivo desta detenção? Suspeita de que um dos passageiros do avião presidencial fosse Snowden, o delator. Leia mais »

Sem votos

Ao Partido dos Trabalhadores: lição dada, lição aprendida.

 

Há muito venho refletindo sobre as atuais passeatas e o estranho comportamento catatônico do PT, da Dilma e do congresso em relação às manifestações.

Comportamento igual ao do jacaré durante a caça realizada à noite. Joga-se luz em cima dos olhos do animal, ele fica paralisado, aí é só atirar. O jacaré é a tríade PT/Governo/Congresso. A luz os indignados. O tiro é a oposição.

Leio vários artigos e é recorrente a explicação dos analistas e intelectuais: os petistas foram pegos de surpresa. Estão acuados. Os militantes não sabem como defender o partido e a Dilma, num momento tão delicado como este. O medo é o pior dos conselheiros.

Acompanhei a criação do PT. Ele surgiu das bases. De associações. De sindicatos. De debates. De lutas. De reinvindicações. O partido abraçou todas as causas sociais de uma época. Muitas correntes nele se abrigaram. Tiveram guarida e segurança. Leia mais »

Sem votos

A voz do povo é a voz de Deus ou da mídia?

 

Publicado em 27/06/2013 por

 

 

pec37congresso

Bons tempos em que a voz do povo era a voz de Deus, agora pertencem à mídia. Leia mais »

Sem votos

Democracia sempre, golpe nunca. Uma reflexão.

Democracia sempre, golpe nunca. Uma reflexão.Publicado em 24/06/2013 por Leia mais »

Sem votos

Manchetes dos principais jornais do Brasil em 1964.

Manchetes dos principais jornais do Brasil em 1964.Publicado em 23/06/2013 por Leia mais »

Sem votos

A classe média, uma eterna adolescente social.

A classe média, uma eterna adolescente social. Ou seria aborrecente social? 

  Leia mais »

Sem votos

Manifestações, mídia e a atuação de grupos fascistas.

 

Uma manifestação sempre é política, tem objetivos claros e tempo de duração.

Nas “Diretas-Já” (1983) pedíamos  a aprovação da emenda Dante de Oliveira. A PEC  previa eleições para presidente, imediatamente. Vivíamos sob a ditadura. Milhões foram às ruas. Fomos derrotados.  E cada um voltou à sua rotina.

No “Fora Collor” a população se mobilizou exigindo o “impeachment” do presidente, por corrupção. A pressão surtiu efeito. Ele iria ser destituído do poder pelo congresso, porém Fernando renunciou à presidência antes, a ideia era manter seus direitos políticos intactos. Após essa conquista as manifestações se desmobilizaram.

Os recentes atos são contra o aumento das tarifas do transporte público. Foi revogado o reajuste. O MPL não irá convocar mais passeatas, segundo seus dirigentes.

Bem, dia 20 de junho estive na manifestação, Av. Paulista.

Desci na estação Paulista. Vários grupos se encaminhavam para a avenida. O clima de euforia, característicos desses eventos, ia aumentando conforme me aproximava. Leia mais »

Sem votos

Tortura como forma de negação da civilização.

Tortura como forma de negação da civilização.

 

Sem entrar em questões antropológicas, uma nação é civilizada quando o estado e o governo respeitam seus cidadãos. E seus membros se respeitam mutuamente. Quanto maior é esta consideração, mais digna é a sociedade.

Educação, saúde, segurança, trabalho, liberdade de expressão, informação e diversidade étnica-cultural fazem parte deste pacote civilizatório. São os alicerces do mundo moderno. Quebrá-las ou não atingir certos níveis é demonstrar, perante o mundo, que a nação ainda se encontra num estágio de pré-civilização.

A violação desses direitos afeta a imagem de uma nação. Se for a dos Direitos Humanos então, o conceito de país vai para o lixo.   Leia mais »

Sem votos

Por tabela, Aécio estará fazendo um bem para a democracia.

 

Por tabela, Aécio estará fazendo um bem para a democracia.

 

O mal que FHC faz ao PSDB não tem mensuração. Quem acompanhou a criação do partido dos tucanos sabe: ele tinha um viés esquerdista. Nos anos 80 e começo dos 90 havia certa simpatia entre o PT e o PSDB. Os tucanos eram o que o PT é hoje. Progressista moderado. Porém, bastou Fernando Henrique Cardoso ser eleito presidente para a coisa degringolar. O poder corrompe, e a vaidade atrapalha. E ninguém mais vaidoso que o próprio.

Isso se percebe com a imposição de Aécio Neves como presidente do partido e o lançamento, prematuro, do mesmo a candidato à presidência da república. FHC nunca engoliu o fato de José Serra e Geraldo Alckmin esconderem os feitos de seu governo durante as campanhas fracassadas de 2002, 2006 e 2010. Leia mais »

Sem votos

A imprensa é elitista, preconceituosa e antipluralista?

A imprensa é elitista, preconceituosa e antipluralista?Joaquim Barbosa responde.

 

“Nosso sistema penal é um sistema muito frouxo. É um sistema totalmente pró-réu, pró-criminalidade. Não há sistema penal em países com o mesmo nível de desenvolvimento do Brasil tão frouxo, que opere tanto pró-impunidade”.

“Pelo que vejo, vocês (representantes da entidade de magistrados) participaram de forma sorrateira (na aprovação da emenda constitucional que cria quatro tribunais regionais federais). São responsáveis na surdina, pela aprovação”.

“Há muitos (juízes) para colocar para fora. Esse conluio entre juízes e advogados é o que há de mais pernicioso”.

“Nós temos partidos de mentirinha. Esta é uma das grandes deficiências, a razão pela qual o Congresso se notabiliza pela ineficiência”. Leia mais »

Sem votos

Governantes, voltem à realidade: não existe democracia sem p

Governantes, voltem à realidade: não existe democracia sem povo.

 

Estas manifestações não acordaram o gigante, como dizem alguns cartazes e insinuam os meios de comunicação. O povo brasileiro nunca esteve dormindo.  A população sempre esteve indignada. Sempre foi contra a corrupção.  Contra o autoritarismo. Contra a falta de voz. Contra o pouco caso das autoridades. Contra a manipulação midiática de informação. “Fora rede globo, o povo não é bobo”.

Um jovem achar que finalmente o povo despertou é natural. Afinal, a história do país é ensinada sob a óptica dos poderosos. Agora a mídia reafirmar é sacanagem.

AÍ vem o repórter velho da Globo, Alexandre Garcia, dizer que nunca viu uma manifestação como essa. Um absurdo, além de covarde. Modo infame de manter os status quo da imprensa. De cooptar mentes e corações, novamente. Leia mais »

Sem votos

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Sem colaborações até o momento.

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.