Revista GGN

Assine
imagem de Michel

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

Por que as coisas ficaram difíceis para Dilma

"Na casa de dona Irla, em Itapajé, no interior do Ceará, são os filhos conectados à internet que trazem as informações para dentro de casa, para os mais velhos da família. São eles que ensinam os pais a lidar com o celular e a montar uma página no Facebook. São eles que trocam mensagens, links, indicam vídeos e dizem que o filho do Lula é o dono da Friboi. Estes jovens foram intensamente bombardeados pela propaganda “antipolítica” em anos recentes".  Leia mais »

Sem votos

Veja: nem Krugman escapa do Fla x Flu tatibitate da revista

Eurípedes Alcântara, da revista Veja, ataca de novo. O artigo abaixo, de Maurício Sellmann Oliveira, saiu no Observatório da Imprensa e diz respeito a uma matéria “estilo Eurípedes” (aquele do Boimate) que saiu na revista Veja sobre uma peleja entre Paul Krugman (Prêmio Nobel de Economia) e Niall Ferguson (professor de História em Harvard). Leia mais »

Média: 4.3 (11 votos)

A discussão sobre a isenção de impostos da FIFA

Por Michel

Sexta-feira passada, numa conversa de bar, fui bombardeado com questões sobre a Copa do Mundo no Brasil. Quem apoia a Copa no Brasil está sujeito a isto. Faz parte do jogo. Daí um dos companheiros apresentou, no celular, um vídeo em que Jorge Kajuru afirma, entre outras coisas, que “O Brasil é o único país do mundo onde a FIFA não pagará imposto”. Também faz parte do jogo as pessoas tomarem como verdade qualquer coisa que sai na mídia. A mentira dita por Kajuru, a propósito, foi propagada também por outros comentaristas dos veículos de comunicação (por má-fé ou ignorância) para ajudar a jogar gasolina no incêndio das discussões em que arde a Copa do Mundo no Brasil. Sem ter o que argumentar ali na hora, prometi aos companheiros pesquisar na internet sobre o  tema para enviá-los o contraponto. Encontrei, entre outros links, uma matéria da BBC de 2010 criticando a isenção da FIFA nos países que sediam a Copa (clique AQUI) e um vídeo da BH News (TV Itatiaia).

Na entrevista à BH News, o tributarista Renato de Magalhães rebate com muita tranqüilidade algumas lendas que criaram toda essa celeuma. O advogado diz que não há novidade alguma em tal isenção nos grandes eventos esportivos e lembra que isto acontece anualmente em vários países com, por exemplo, a Fórmula 1 – quando são isentados de tributos os equipamentos que entram e saem do país-sede, respeitando-se, contudo, um prazo para a permanência dos tais equipamentos. Sobre a questão da “isenção da FIFA” no Brasil e o eventual prejuízo dos empresários brasileiros com tal medida, Magalhães diz que esta é uma visão muito estreita perto da magnitude da Copa e das enormes vantagens econômicas que o evento já trouxe e ainda poderá trazer ao Brasil e obviamente aos empresários do país.

Leia mais »

Vídeos

Média: 3.4 (8 votos)

Síria, lucros e perdas

Em oportuno artigo publicado na Folha em 15 de abril de 2014, Aldo Pereira faz um resumo do que está por trás da tentativa de golpe na Síria para tirar Bashar Al Assad do poder. A questão central dos interesses nefastos do golpe nunca foi o bem estar do povo sírio. Aliás, não é assim em todos os golpes?

Síria, lucros & perdas

Por: Aldo Pereira

Na guerra civil da Sria, revolucionrios heroicos lutam para instituir democracia em lugar de cruel ditadura. Verdade? Mentira?

Programas de propaganda & desinformao de hoje no criam mentiras evidentes, mas as constroem com elementos ambguos de verdade. verdade, por exemplo, que o atual governante srio, Bashar al-Assad, mantinha estabilidade mediante rigorosa represso. Tambm verdade que h mais de sculo interesses estrangeiros se intrometem nas governanas do Levante.

Em 1916, Inglaterra e Frana assinaram o acordo secreto Sykes-Picot para repartir entre si o territrio do Imprio Otomano (ou Turco), aliado da Alemanha na Primeira Guerra Mundial. At hoje exploram lucrativas "reas de influncia" na regio. Leia mais »

Sem votos

Ativista dos EUA faz palestra em SP de como sabotar a Copa

Em São Paulo, o norte-americano Sean Dagohoy ensinou, numa “oficina de ativismo” (ou, “oficina da baderna”), como criar perfis falsos para ridicularizar uma grande empresa de petróleo (Petrobrás, claro) e como sabotar a Copa do Mundo no Brasil. Durante o encontro de três horas, o Dagohoy pediu para que o público de 100 pessoas se dividisse em grupos para pensar na estratégia de ações contra a Copa do Mundo. Por exemplo: um grupo sugeriu alagar o Itaquerão na festa de abertura da Copa; outro sugeriu sabotar o telão do estádio para inserir imagens que desqualifiquem o torneio.

Lá pelas tantas, Sean Dagohoy, lavando as mãos para as conseqüências da sua palestra, disse que “não podia se responsabilizar pela eventual brutalidade daqueles que estão no poder”.

Se fosse nos EUA - que a velha mídia gosta de evocar como modelo de "democracia" e "liberdade de expressão" -, esse tal ativista já estaria preso; enquadrado por incitação ao terrorismo. 

A matéria completa da Folha está no link abaixo:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/167544-baderna-organizada.shtml

Sem votos

Perfil "Dilma Bolada" revela assédio para "mudar de time"

Atualizado em 21/05/2014 com resposta de Pedro Guadalupe

Por Michel

Para quem esperava uma campanha eleitoral mais "light" em 2014 (em comparação com a barra-pesada de 2010), é bom se preparar para o pior. Um bom indício do nível que teremos pela frente pode ser observado no texto que Jefferson Monteiro, criador do perfil "Dilma Bolada", publicou no Facebook. Pois uma pessoa que se identificou como representante de uma "agência de propaganda" teria se aproximado de Jefferson e feito uma proposta para que este "vendesse" seu perfil, ou seja, trabalhar para outra campanha. Segundo o tal representante, a agência teria oferecido sem sucesso o trabalho para o PSB e o PT - "sobrando' assim o PSDB, que teria topado a proposta. A fim de conferir até onde iria aquele jogo, Jefferson fingiu que estava interessado. Daí o "marketeiro" pôs o "Dilma Bolada" em contato com Pedro Gauadalupe, recrutado pelo PSDB para cuidar da campanha digital de Aécio Neves. Foi o mesmo Guadalupe que, no ano passado, teria, segundo Jefferson Monteiro, ameaçado tomar-lhe o perfil "Dilma Bolada" caso este não aceitasse aderir à campanha do candidato dele, Guadalupe. Segue abaixo, na íntegra, o texto de Jefferson Monteiro (clique AQUI para o post no Facebook).

"Pois bem, como todos sabem há 4 anos eu criei a Dilma Bolada. Desde então minha vida mudou muito devido a isso. Conheci diversas pessoas, lugares e aprendi um monte de coisa. A minha personagem trouxe uma releitura da vida cotidiana da mulher que governa o nosso país, o tom pessoal sempre foi o mesmo, a exaltação e exacerbação da figura de poder de Dilma. Dilma essa que eu sempre admirei, ainda quando Ministra do Presidente Lula, e que resolvi lá em 2010 criar uma conta fake para assegurar o nome de usuário para que terceiro não o usassem de má fé. Bem, o resto dessa história vocês já sabem.

Leia mais »

Média: 5 (24 votos)

João Dória e as "ditaduras democráticas" da América Latina

Da série: quando você acha que já ouviu na velha mídia todas as pérolas sobre política.... Sempre tem um para inovar.

Ontem (04/05/2104) João Dória Jr., em seu programa dominical na TV Band, resolveu, ao final da entrevista com o jovem empreendedor Eduardo Lyra, alertar os telespectadores sobre o voto consciente. Para quem não se lembra, João Doria Jr. foi um dos principais articuladores do chamado "Movimento Cansei" de 2007 - aquele que o próprio Jô Soares definiu como golpista e de um "ridículo total" (clique AQUI). 

Pois João Doria sugeriu: "quer mudar o Brasil pelo processo democrático? Vote corretamente!". Sim, claro. Em seguida, o apresentador faz considerações à democracia e fala das "ditaduras democráticas (sic)" dos países vizinhos Bolívia, Venezuela, Equador etc e "aquelas ditaduras que são ditaduras mesmo, como Cuba, Irã (...)".  Leia mais »

Sem votos

Datena, Rezende e o jornalismo ‘western tapioca’

Por Michel

Televisão ligada no programa "Brasil Urgente", da TV Bandeirantes, apresentado por Datena. Na tela, uma manifestação em São Paulo. Ao vivo.

- Alá! A polícia está avançando agora! A polícia está avançando! - repete o apresentador com incontida euforia, usando o recurso de repetir frases que alguns devem considerar "boa técnica de oratória", pois anda fazendo escola. 

Retardatário, pergunto ao meu irmão o que está acontecendo; do que se trata a manifestação. Ele não sabe, pois ligara a TV havia pouco tempo. O apresentador segue dizendo que os manifestantes estão em frente a prefeitura. Mas nada de dizer o motivo. Muda o canal para a Record. O apresentador Marcelo Rezende diz que há pouca gente na manifestação. E deixa entender que aquilo tem que ter mais gente para o povo ir pro pau contra o governo. Então certamente é manifestação contra Haddad, PT, Dilma ou "tudo isso que está aí". Dez minutos em frente a TV e ainda não sabemos o que está acontecendo. Solução: ligo o computador e vou me consultar com os "blogueiros sujos", via Twitter. E gasto poucos minutos para descobrir que a manifestação é do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) contra a decisão de alguns vereadores de protelarem a votação do Plano Diretor. Volto ao meu irmão (ainda em frente a TV) e pergunto, por mera curiosidade científica, se ele já sabia o que estava acontecendo. Não sabia. Na TV, os dois apresentadores seguiam divertindo o seu público. E por que uso o termo 'diversão'?

A palavra 'diversão' - e sua correlação com a notícia na imprensa - foi levantada por Roberto Requião num contundente discurso no Senado no dia 18 de maio de 2013 (clique AQUI para assistir), quando o senador lembrou dos ataques que sofreu da velha mídia quando ele era relator da CPI dos Precatórios. Requião lembrou que o termo 'diversão' significa 'desviar do que importa' - e que isto tem sido a tônica do jornalismo no Brasil praticado pela velha mídia. Ao invés de informar, a ideia é desinformar - tratando a notícia, ou melhor, os assassinatos de reputação como entretenimento. Senão, pegue-se todo o "jornalismo investigativo" que tem sido praticado nos últimos anos. E concluiremos que, aos amigos da mídia, um helicóptero com meia tonelada de cocaína não merece notícia ao passo que, aos inimigos, a compra de uma tapioca vira um crime de lesa-pátria. Pois é... A notícia no Brasil virou um genuíno "western tapioca" em que os Datenas da vida figuram como meras caricaturas. Voltando ao discurso de Requião relatando a barra-pesada que enfrentou como relator da CPI, ele lembrou que sua esposa foi acusada pela mídia de "enviar dinheiro para o exterior". A mídia, com sua metralhadora insaciável, não queria saber da explicação de que, na verdade, o envio de dinheiro era para fazer jus à herança da irmã (da esposa de Requião) que morava nos EUA. Segundo o senador, o objetivo da mídia era claramente desacreditar os investigadores para desacreditar a própria CPI e, assim, proteger os verdadeiros corruptores ali investigados os quais, claro, eram tradicionais aliados dos donos da mídia. Agindo assim, a mídia estaria unindo o útil ao agradável: melava a CPI da corrupção e divertia o seu público sedento por sangue, entregando às feras os seus inimigos - tal qual os espetáculos no Coliseu. Sim, esta é a tônica. 

Leia mais »

Média: 4.8 (12 votos)

Jornal Nacional ensina a gritar "gol" na Copa

Por Michel

Quando você acha que o jornalismo brasileiro chegou no fundo do poço, o Jornal Nacional consegue ir mais fundo. Ontem (21/04/2014), com a ajuda de uma fonoaudióloga, o JN ensinou o torcedor a gritar "gol" na Copa do Mundo. É isto mesmo: "como gritar gol direitinho". A dica para a "relevante" matéria vem de Kiko Nogueira, do Diário do Centro do Mundo - clique AQUI para o post ou clique no link abaixo para conferir o "jornalismo vergonha alheia" direto no site do noticioso comandado pelo Ali Kamel e que, claro, virou alvo de chacota na internet. 

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2014/04/fonoaudiologa-ensina-truques-para-soltar-grito-de-gol-na-copa-do-mundo.html

Leia mais »

Média: 5 (6 votos)

PSDB contrata 9.000 militantes virtuais

Da série: só é escândalo se for obra do PT. Segundo o 'Painel' da Folha, o PSDB estaria contratando 9.000 mil militantes virtuais para elogiar Aécio e falar mal de Dilma e PT. A informação da contratação da militância virtual está escondidinha na própria Folha, numa entrevista (clique AQUI) com César Maia (DEM-RJ), que chamou tal iniciativa de “antirrede social''; de "guerrilha" que poderá ser um "fracasso completo''.

Segue abaixo o texto de Leonardo Simões, do Brasil Diário

Por Leonardo Simões  Publicado em 29 de março de 2014 - 15:25

Dispostos a vitaminar a candidatura de Aécio Neves, o PSDB contratou nove mil militantes virtuais. O objetivo é que a tropa atue nas redes sociais em favor do mineiro.

Até o fim de maio, eles passarão por 300 sessões de treinamentos. Leia mais »

Média: 4.5 (8 votos)

STF convoca debate para "diferença de classe" no SUS

O ministro do STF, Dias Toffoli, convocou para o dia 26 de junho de 2014 uma audiência pública para debater o Recurso Extraordinário (RE) 581488, do qual é relator, sobre a “diferença de classe” no internamento hospitalar pelo Sistema Único de Saúde (SUS), ou seja, a possibilidade de o paciente contratar o profissional de sua preferência e ter "melhoria de acomodação" mediante o pagamento da diferença. 

Opino que tal possibilidade do "tratamento diferenciado" no SUS vai totalmente contra o princípio de um sistema cuja dignidade está exatamente no tratamento igual e universal para os cidadãos brasileiros, sem distinção de classe, raça ou credo. Sem contar que, entre outros perigos, abrirá um precedente para que os planos de saúde particulares passem a "descarregar" no SUS suas próprias obrigações. Hoje, sei de casos de segurados com plano de saúde particular - que vivem a detratar o SUS - que recorrem ao próprio SUS para adquirir gratuitamente remédios caros. 

Eis a matéria na íntegra no próprio site do STF:

Ministro convoca audiência pública para debater "diferença de classe" em internação no SUS Leia mais »

Média: 1.5 (2 votos)

Gilmar Mendes e a desconstrução de um mito

Nunca antes na história deste país alguém ousou confrontar o velho mito do "grande jurista Gilmar Mendes". Aos admiradores ou mesmo desafetos do ministro do STF, sempre fica no ar a evocação da aura poliglótica do magistrado que, pela excelência do seu dever de ofício, acaba dominando a língua alemã, que se figura como fonte original de importantíssimas doutrinas jurídicas. Uau, ele fala alemão! Ora, mas isto vários juristas dominam. Residiria em evocações afins uma pontinha do tal complexo de vira-lata? Muito provavelmente sim. E se o desmonte de um mito viesse de um jurista - doutor e pesquisador, sim senhor - brasileiro que também domina o alemão? Bom, o que se segue no texto de Juliano Zaiden Benvindo é uma crítica elegante, mas demolidora a partir da sutileza com que o autor vai desmontando, item por item, o mito que o meio jurídico mais crítico já entende como o ciclo vicioso que perpetua um truculento midiático na crista da onda: "o poder que puxa a fama; e a fama que puxa o poder". Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

O jornalismo de manada e o linchamento do Fluminense

“Torcedores da Lusa queimam camisa do Fluminense”. Este era o título da matéria na página do Globo Esporte, que no dia 21 de dezembro noticiou um protesto dos torcedores da Portuguesa. Em minutos, todos os portais ecoaram a “notícia” nos mesmos moldes. Como você, sem ler a matéria, interpretaria o ambiente no protesto noticiado? Sim, a sua interpretação foi a mesma da minha. Mas quem estava no protesto sabia que a queima da camisa do Fluminense, feita por um torcedor isolado, foi veementemente repudiada pelos torcedores da Portuguesa. Mas a ‘bomba semiótica’ (fenômeno já vastamente debatido neste espaço) já tinha sido detonada. Com a repercussão distorcida do fato, a diretoria da Portuguesa se viu obrigada a soltar uma nota repudiando a notícia e negar o ato da “queima da camisa”. Com o desmentido, a página da Globo correu a corrigir o título. Tarde demais, claro, num mundo em rede em que a fúria da turba não pode retroceder. Reflexão? Nem pensar! A moda agora é descer o pau no Fluminense. Ponto. Leia mais »

Sem votos

A “defesa” de Tuma por Nassif segundo Augusto Nunes

Autor: 

Quem conhece o jornalista Luis Nassif conhece o histórico combate dele ao que chama de “jornalismo de manada”, ou seja, joga-se uma denúncia no ar e os pistoleiros de plantão já saem atirando; linchando o acusado antes de qualquer investigação jornalística e não dando a mínima chance para o contraditório. Para ficar em dois exemplos, cito o “Escândalo Collor” e o “Escândalo da Escola de Base” – quando, enquanto jorrava na imprensa uma correnteza insana, Nassif remava contra insistindo no apuro jornalístico. De alguns anos para cá, a coisa só piorou. Pois além do jornalismo de mandada, agora reinam as denúncias seletivas, ou seja, de um lado a velha mídia omite as denúncias dos aliados (dos donos da mídia) e, do outro, reserva só tiros contra os adversários. Leia mais »

Média: 4.4 (19 votos)

O Capitão do Mato no séc. XXI

Em dia de consciência negra, julgo conveniente lembrar de um anti-herói num desafio lançado no Facebook pelo amigo Antônio do Amaral Rocha: decifrar a imagem de um homem negro montado a cavalo conduzindo outro negro acorrentado. Quem seria o montador? A única dica do desafio era esta: "a história se repete como farsa!". Aqui, modifico o desafio: digo quem é o cavaleiro; o que ele representou na história do Brasil. E caberá aos amigos apenas refletirem sobre o cerne da questão: a história se repete? Leia mais »

Imagens

Sem votos

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Banda da torcida holandesa toca Aquarela do Brasil com PM

Um dos momentos sublimes na Copa das Copas. A banda Factor 12, que veio animar a torcida holandesa, toca "Aquarela do Brasil" junto com a banda da Polícia Militar do Rio Grande do Sul. Puro improviso. Em qual Copa; em qual país do mundo esta cena seria possível?

A marchinha "Baile do Pó Royal" pós "helicóptero do pó".

“O pó rela no pé

O pé rela no pó

Esse pó é de quem tô pesando? 

Ah é sim, ah é sim!”

Pessoal, não há dúvida que o humor é uma arma poderosa contra os desmandos da política e da mídia. Esta marchinha - "Baile do Pó Real" - é um dos mais criativos que ouvi nos últimos anos até porque vai nesse sentido de romper a barreira da censura (político-midiática) que temos testemunhado. Quem não lembra do helicóptero apreendido com 450 kg de cocaína e que, por pertencer a um deputado (e filho de senador) aliado de tucanos, não mereceu o escândalo por parte da velha mídia? Uma letra bem construída com todos os ingredientes que uma boa marchinha necessita além da criatividade e humor: jogos de palavras com duplo sentido e, claro, simplicidade para ser fácil de cair na graça do povo e "pegar". Ouça e comprove:

http://www.youtube.com/watch?v=e02a7rhga1U

 

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.