Revista GGN

Assine
imagem de Milton Murilo
Profissão ADMINISTRADOR

Conteúdos do usuário

Postagens

Sem colaborações até o momento.

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Sem colaborações até o momento.

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.

Comentários

17/02/2017 - 08:23

O que vemos no Brasil é uma lição do clássico SunTzu.

A tomada de uma país financiada externamente e roido pelos vendidos.

Desde os primórdios da operação engendrada na "República dos Estados Unidos de Curitiba" o objetivo era claro. O desmonte do país como nação pela tomada do poder por elementos financiados e com o apoio de atores diversos já de antemão preparados ou associados oportunamente.

A notória condução dos trabalhos visando a destruição de um partido e sua liderança maior, a brutal capacidade de aliados de estrada ou acolhidos foram marcos esquecidos ao longo dos anos nas análises efetuadas mascaradas pelo foguetório da mídia a bombardear diariamente a "massa de manobra".

Estamos entregues a um conluio entre entreguistas e bandidos políticos, sob o comando de um multi delatado, STF movendo-se ao sabor de seu capataz, o MPF é manobrado por uma minoria politicamente interessada e o Congresso atua pela massa dos 300, não de Esparta mas de delatados.

Entregue a cabeça de Lula o torquemada se exila em sua pátria adotiva, o país entra em convulsão e as FFAA tomam o poder.

Mais 21 anos de chumbo para o Brasil dilacerado, comprado e ao nivel de 100 anos atrás. 

Um falso brilhante ?

 

05/12/2016 - 21:58

Sonhos de uma noite de verão :

- e se o Senado impichar o Mello ?

- e se o STF reverter o impedimento de Dilma ?

05/12/2016 - 21:32

A notar a diferente condução do afastamento de Cunha, leia-se condutor do impedimento de Dilma, e o do Renan com seu encaminhamento da legislação contra os abusos.

Para impedir uma presidente eleita não tem pressa, não mexer na "nossa" irresponsabilidade é o que interessa.

O Brasil ?  Não vem ao caso . . . 

23/11/2016 - 12:02

Cada vez mais claros os objetivos da "República dos Estados Unidos de Curitiba".

Ao que consta, ligações entre os farsantes da lavajato e personagens no exterior fazem parte de um grupo "Sigiloso" de informações naquela "external operation".  Documentos são citados, no original ingles, e tudo corre como o "não vem ao caso".

Em mais uma afronta ao marco legal, ligações entre o enclave curitibano e o exterior são mencionadas no processo de justiçamento de Lula. É apenas "uma volta" no assim chamado ministério da justiça, talvez mais acertadamente o Mistério da Justiça.

O descumprimento do Código Penal não significa para os farsantes impedimento aos arreganhos à perseguição do objetivo inicial e suas convicções sem provas.  

Mas o que nos salva é o stf e seus gigantes carmens, gilmares, fux, barrosos,toffolis, rosas, etc. Opa, estamos ferrados.

 

18/11/2016 - 07:42

Quando os próprios policiais começam a se dar conta do tamanho do esbulho é sinal de que mudanças estão a caminho. Se as ditas forças de segurança não estão mais segurando, a casa vai cair.

Ou como dizem, a canoa vai virar.

O desmando, a corrupção, a leniência com os mais ricos e a conta só para os de sempre escorchados está ficando evidente; o povo começa a reagir.

Nem a rede golpe consegue mais esconder o tamanho da ladroagem instalada.

 

18/11/2016 - 07:27

Está mais do que que na hora de botar ordem na casa.

Deveriam fixar uma relação entre o salário mínimo e os salários públicos. Tipo 30 x o mínimo para os chefes dos tres poderes e 20 para o teto dos demais.

Benefícios extra-salários de qualquer tip e outros quaisquer só os vigentes para todos os demais trabalhadores.

Mas esperar isso dos 300 no congresso é demais.

17/11/2016 - 16:23

Como se dizia nos tempos de antigamente o que falta aos vazajatistas é vergonha na cara.

Simples assim.

Inventam, chutam, manipulam, metem fatos a martelo em suas teorias mirabolantes, navegam no sonhático ao custo de milhões dos cofres públicos.

Para coroar o circo vão ao congresso pedir completa irresponsabilidade pelas besteiras que fazem.

CNJ, CNMP, STF ?

Apenas nulidades.

17/11/2016 - 11:39

Na "República dos Estados Unidos de Curitiba" e em terras paulistas por convicção os tucanos são inocentes até com provas em contrário.

Diria o Fux que tudo é uma quimera, outra nada acharia na literatura e o destaque maior pediria vistas.

A lista de Furnas, delações diversas, 450 kg de pasta de coca, anel rodiviário, metro, 23 milhões em dinheiro na Suiça, nada disso vem ao caso.

Naquelas paragens se descobre contratos fraudados, parte dos recursos desviados, corruptores mas jamais corruptos. Um milagre tucano. Mais uns a juntar-se com chuva de dinheiro julgamentos "sorteados" para varas onde não há juiz e processos mal arquivados por 2 anos em que pese correspondências suiças . . .

E depois dizem que santo de casa não faz milagres !

Fazem sim e como fazem.

01/11/2016 - 23:17

Maestri, tenho também uma grande curiosidade no desenrolar do golpe no tocante às FFAA.

Na era fernandista, de má memória, os quartéis foram levados à mingua e, ao que consta, ouviram a frase célebre do "príncipe" - o 7 de Setembro é uma palhaçada .

Nos governos petistas, ao que me lembre, nunca tiveram tantos recursos e projetos de desenvolvimento da indústria de defesa nacional.  Houve um respeito, aí realmente republicano, entre os Presidentes e as Instituições.

Assim, no geral, uma análise fria esperaria alguma insatisfação das corporações quanto ao projeto de país do usurpador e seus asseclas, títeres comandados por cordéis externos.

A redução nacional interna e externamente trará maiores vulnerabilidades as nossas riquezas, independência e, até, coesão territorial com os assanhamentos sempre latentes ao pré-sal e Amazônia.

Penso em dilema conhecido: Maomé e a montanha.

Ou a constatada - ? - parição de um rato pela montanha.

Mas diria que mais um rato nascerá...  Aliás em atenção à Lei de Murphy - de onde menos se espera daí é que não sai nada.

Não que esteja a defender um contra-golpe militar. Mas é realmente uma curiosidade.

 

01/11/2016 - 12:00

É o fascismo instalado.

Vamos daí para pior.

O usurpador e sua trupe não escondem suas intenções.

Aonde houver resistência haverá violência.

A Justiça também foi dominada.

Agora vem a fase da depuração dos opositores.

Hitler e Mussolini usavam os mesmos métodos.

31/10/2016 - 22:14

Boa entrevista com Lindbherg.

O que falta ao PT  é justamente a liderança dos mais jovens e sua aguerrida militância. Chega da pasmaceira do Falcão. Deve haver uma volta às origens, às bandeiras do partido, aos movimentos sociais, ao povo.

Se o Pt esquecer ou pretender avançar fora disso será apenas mais um partido.

Também não é hora de olhar o passado. Como bem foi dito, no meio de uma guerra não se pode distrair com discussões que tirem o foco da situação.

Haverá seguramente uma discussão dos caminhos tomados, dos arrivistas oportunistas, dos perdidos pela corrupção e, passada essa fase, uma retomada do caminho histórico.

Não há outra opção viável.

31/10/2016 - 15:46

Que o Brasil irá sobreviver à fúria parcial da "República dos Estados Unidos de Curitiba", não há dúvida.

O que não se sabe é que Brasil será.

Voltaremos ao passado do Brasil colônia, servindo de pasto aos interesses estrangeiros, com os 99 % vivendo algo semelhante à escravatura visto seus direitos vilipendiados, relativizados pela horda de malfeitores abençoados pela leniência judicial e seus prazos cada vez mais dilatados.

Voltaremos ao tempo da treva medieval onde bastava a convicção para condenar e as provas eram esquecidas para os "de casa".

Voltaremos ao tempo dos capitães do mato, oficializados pelo estado, a caçar os recalcitrantes que, aos cochichos falam numa tal "democracia".

Voltaremos ao tempos dos messias adonados da palavra divina deitem falação sobre os males do demônio, todos, encarnados pelos pobres, pretos, putas e petistas.

Ou  quem sabe, a corroborar o vetusto "Deus é brasileiro", o povo se erga e eleja seus legítimos representantes que, pela sabedoria nascida de humilhações e sofrimentos, refaça a nação, com seus acertos e erros mas mais justa, solidária, independente.

Expurgada das ratazanas e quetais sempre ao largo dos inquéritos ideológicamente orientados e narrativas pré-concebidas.

Para desdouro daqueles "republicanos".

De palavras o inferno está cheio.

O que resta é a imensa incapacidade de inquéritos de modo a condenar tucanos. Se sabe que nesses casos se descobre parte do dinheiro desviado, contratos fraudados, corruptores mas corruptos jamais. Apenas os suiços sabem da verdade visto que por aqui processos são mal arquivados, são destinados a varas onde não há juiz, adormecem em gavetas,  listas são apagadas, enfim, um problema.

31/10/2016 - 12:21

Pretender que o futebol brasileiro melhore com a camarilha de malfeitores que o domina é dose.

A CBF com diversos inquéritos, logo passados a "segredo de justiça" e daí para o esquecimento e arquivo, a comandar o futebol é imaginar que do lodo emane perfume.

Entra e saí governo e nenhum se anima a mexer no esgoto.

Então é espaço fértil para a roubalheira generalizada, manipulações várias onde a vítima, para variar, é o povo.

Pretender melhorias ?

Só se for no tamanho da anarquia.

 

31/10/2016 - 09:08

O que me espanta é a pequenez dos integrantes e suas incapacidades de reação.

São mornos, lenientes e muuuito devagar.

O tal tempo do STF é para a calendas gregas.

Entendo que como pessoas estão sujeitos a toda a nossa complexidade, não são super herois.

Mas poderiam ser apenas herois ou, no mínimo, juizes e guardiões da Constituição.

Mas vergam-se, ao que parece, ao grito abusivo do íncubo do momento.

Descarto, por ingênuo, interesses menores diante da nacionalidade.

31/10/2016 - 08:47

Irretocável, André.

Expõe claramente o centro das ações deletérias iniciadas  com o neoliberalismo e expandidas com a globalização.

A dominância do capital improdutivo aliado à grande mídia anestesiou o povo em todos os quadrantes. As lideranças populares e nacionalistas foram dizimadas.

Agora começa o refluxo pela atuação da juventude, sempre ela, a contestar o pensamento da "corrente principal", a "mainstream" .

Estamos em época de mudanças.

Que venha forte.