Revista GGN

Assine
imagem de Roberto Bitencourt da Silva
Formação Pós-doutor e doutor em História (UFF), mestre em Ciência Política (UFRJ)

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

À vista um lastimável 7x1 na política nacional

Por Roberto Bitencourt da Silva




Há pouco mais de uma semana o ex-presidente Lula foi arbitrariamente conduzido para prestar depoimento à Polícia Federal. Na sexta-feira foi submetido a nova vexação, com um igualmente grotesco e abusivo pedido de prisão.

No dia seguinte, em convenção do PMDB, pulularam brados de “Fora Dilma” e “Fora PT”, defendendo independência do governo federal, sem largar os cargos ministeriais. Leia mais »

Imagens

Média: 5 (1 voto)

A marcha dos golpistas, por Roberto Bitencourt da Silva

Por Roberto Bitencourt da Silva

De ontem para hoje:

1. A polícia invadiu sindicato em São Paulo, para intimidar os integrantes da reunião. Uma invasão "motivada" por debates em defesa de Lula. As liberdades de expressão e organização, ao menos em São Paulo, tudo indica, parecem estar suspensas.

2. Fascistóides atacaram sede da UNE.

3. Morreu gente em cidades do estado de São Paulo, não na capital, por conta das chuvas. Mas, há pessoas a reclamar da Dilma e do Haddad. O governador tucano Geraldo Alckmin vive em um paraíso sem cobrança e fiscalização.

4. Amanhã reacionários de todos os quadrantes, além de inúmeros incautos teleguiados, irão lotar a av. Paulista no show de horrores já conhecido, com os "corruptos bons". Também com aqueles cartazes e apelos pró-EUA. Um colonialismo mental, um entreguismo deslavado e uma veia antipopular e antidemocrática a pulular e ofender a consciência nacional.

Leia mais »

Média: 4 (35 votos)

Como falar em democracia?

O ex-presidente Luiz Inácio é reconhecido por adotar, em boa parte de seu período de governo, uma orientação de política econômica que, na melhor das hipóteses, pode ser classificada como um keynesianismo raquítico.

Quer dizer, esteve atento à criação de estímulos da capacidade de consumo do mercado interno. Contudo, sem reformas fundamentais, inclusive sem uma reforma tributária progressiva. Mobilizou a combinação desigual dos interesses das oligarquias burguesas do país e do capital estrangeiro, com os das classes populares. 

Tal fórmula durou alguns anos, em que a capacidade redistributiva esteve lastreada no "boom" das exportações, ampliando o consumo popular de certos bens e, parcialmente, serviços imprescindíveis, em especial, educacionais.
Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Dilma e Lula não são Vargas e Jango, por Roberto Bitencourt da Silva

Por Roberto Bitencourt da Silva

Convido o leitor a acompanhar uma proposta de interpretação um pouco distante das emoções e das crenças em conflito no jogo político do momento, que pululam na imprensa e nas redes sociais. Isso após o circo midiático em torno da arbitrária e injustificável semiprisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Procuro ampliar a escala de observação para sair do calor da conjuntura. O debate estabelecido entre, de um lado, petistas empedernidos e acríticos e, de outro, líderes demotucanos e frações de classes médias teleguiadas pelos conglomerados de mídia, convenhamos, mais embota do que auxilia a compreensão do crítico momento.

Em primeiro lugar, é necessário frisar que nos encontramos em um contexto de crise capitalista mundial, em que as fronteiras da mercantilização de serviços, bens materiais e intangíveis, necessidades individuais e coletivas têm sido intensificadas há tempos.

Sem territórios novos para a incorporação ao “mundo do mercado”, a ânsia especulativa do grande capital invade as mais diferentes esferas da vida. Hoje, a própria educação pública é alvo de extração privada de rendimentos, via expropriação orçamentária, com parcerias feitas entre Poder Público e empresas privadas, fundações e ONGs.

Leia mais »

Imagens

Média: 3.3 (22 votos)

A falácia da segurança como prioridade no RJ, por Roberto Bitencourt da Silva

 

A falácia da segurança como prioridade no Rio de Janeiro

Por Roberto Bitencourt da Silva

O tema da segurança pública no Rio de Janeiro, há décadas, principalmente por meio da agenda formatada pelos veículos corporativos de comunicação, tem representado uma prioridade pública. Não deixa de ser uma falácia.

Leonel Brizola e Darcy Ribeiro, nos anos 1980, em circunstâncias históricas muito especiais, alcançaram êxito eleitoral e credibilidade política dando ênfase à educação, que chegava a cerca de 50% do orçamento do governo estadual trabalhista.

Nenhum deles achava que iria promover uma "revolução" com esse eixo de governo, restrito à esfera estadual. Visavam assegurar uma "escola honesta", em horário integral, para o filho do trabalhador, do favelado, do banguelo, para que tivesse oportunidade de estudo, de mobilidade social. Para que não ficasse abandonado nas ruas.

Foram boicotados e desqualificados pela mesquinha mentalidade elitista, entreguista, reacionária e racista do estado e do país. A Rede Globo em muito contribuiu para a demonização da dupla Brizola/Darcy e para a definição da segurança enquanto prioridade pública.

Moreira Franco, em 1986, ganhou de Darcy a eleição para o governo fluminense, asseverando que se dedicaria, em especial, à segurança pública: "acabo com a criminalidade em 6 meses". A respeito, são dispensáveis maiores comentários.

A partir de 1995, com Marcello Alencar (lembram-se da "gratificação faroeste" conferida à PM?) e todos os demais governadores conservadores até Pezão, a segurança pública tornou-se um tema incontestável, alcançando a condição de prioridade absoluta.

Leia mais »

Média: 3.7 (9 votos)

Entre nós, os economistas II, por Nildo Ouriques

Seleção de Roberto Bitencourt da Silva

A ideologia da crise fiscal, por Nildo Ouriques

Ideologia sempre é arma perigosa. De minha parte, rechaço qualquer ideologia pois somente quando os trabalhadores estão armados com o pensamento crítico é quando, de fato, se apresentam como o inimigo real para as classes dominantes.

A burguesia criou a ideologia de que o estado brasileiro vive severa crise fiscal. Todos os dias de manhã, a tarde e a noite, fomenta a ideologia da crise fiscal do estado brasileiro; no rádio, jornal e TV repete a ladainha; o resultado pode ser visto na declaração do líder sindical bocó, do cretinismo parlamentar e do jornalista cínico, todos indicando que é preciso fazer um "ajuste fiscal" para recolocar o Brasil na "rota do crescimento". É farsa completa, mas é o alimento cotidiano de milhões, resultado necessário da manufaturação do consenso que funciona com perfeição tal como no Brasil indiciou Lima Barreto no início do século passado no insuperável romance Recordações do Escrivão Isaías Caminha (1909) e, antes dele, John Hobson, no também indispensável Estudios sobre el imperialismo, 1902). George Seldes, Lippmann (o reaça), Orwell e Chomsky ainda não existiam.

Abismo que criaste com teus pés

Pois bem, hoje um jornal paulista (FSP) indica que no coração burguês do país, "o grau de endividamento pulou de 148% de sua receita corrente líquida em 2014 para 168%".  Ora, o estado de São Paulo é administrado por tucanos há quase duas décadas. No parlamento, a bancada tucana defende com unhas e dentes a ideologia que, como diz Cartola num samba genial, agora também pode ser vista no "abismo que cavaste com os teus pés". O petismo cala sobre o essencial, evita a crítica como se o rombo fiscal tucano não existisse porque, há tempos, também adotou a ideologia da "austeridade fiscal" que marcava os governos neoliberais. Enfim, tucanos primeiros e petistas mais tarde, adotaram a mesma ideologia. Dilma no Planalto e Alckmin em São Paulo dão de ombros. Ambos endividam o estado, apoiam a política de austeridade e justificam tudo em nome da responsabilidade fiscal.  Mas para nossa sorte, a realidade é tenaz e não se curva às ideologias!

Leia mais »

Média: 3.5 (11 votos)

Como o povo cubano é afetado pelo bloqueio dos EUA?

Traduzido por Roberto Bitencourt da Silva

Da Telesur

Apesar da aproximação entre os EUA e Cuba, o bloqueio continua

Neste 7 de fevereiro completaram-se 54 anos do mais longo bloqueio financeiro, econômico e comercial na história da humanidade: o bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba. Todos os setores da nação cubana têm sido afetados não só em questões econômicas, mas também em outros serviços básicos, como saúde, educação, tecnologia e turismo.

Em 7 de fevereiro de 1962, após o presidente dos Estados Unidos J.F.Kennedy suspender totalmente a quota de açúcar oriundos de Cuba, o governo dos EUA decretou, por ordem executiva presidencial, o embargo total sobre o comércio entre os EUA e Cuba.

Os danos humanos causados pelo bloqueio são inúmeros e a sua duração no tempo tem consistido em fato duríssimo e insustentável.

Quanto Cuba tem perdido economicamente?

O governo cubano informou que as multas aplicadas pelos EUA e sua atual gestão governamental alcançam cifras superiores a 11,5 bilhões de dólares. Por outro lado, as perdas monetárias totais devidas ao bloqueio atingem mais de 116 bilhões de dólares. Ademais, Cuba não pode exportar e importar livremente produtos e serviços com os EUA, utilizar o dólar nas transações financeiras internacionais, ter acesso ao crédito de bancos nos EUA, de suas subsidiárias em outros países e das instituições financeiras internacionais.

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (7 votos)

Cuba: anseios materiais e idealismo

Por Roberto Bitencourt da Silva


Bandeira de Cuba hasteada em frente à embaixada dos EUA, em Havana. Foto: Denise Felipe Ribeiro.


Cheguei essa semana de viagem a Cuba. Trata-se de um país sensacional, com um povo tão simpático e acolhedor como o nosso, que revela traços culturais muito semelhantes, na música, na alimentação, no jeitão descontraído.

Em função das imagens depreciativas e preconceituosas a respeito da nação coirmã da América Latina, que grassam nos principais meios de comunicação brasileiros, me vejo impelido a tecer algumas observações sobre o que vi, li e ouvi no belo país caribenho.

Privilegio impressões que tive do cotidiano, especialmente da cidade de Havana e em conversas com moradores, trabalhadores e estudantes.

Assim, essas observações possuem um caráter fragmentário, mas que procuram destacar algumas características, virtudes, problemas e dilemas vivenciados pelo povo cubano. Leia mais »

Imagens

Média: 5 (1 voto)

Cem anos de Sérgio Magalhães, o nacionalismo e o capitão Vitorino

Imagem de Sérgio Magalhães (PTB) em campanha eleitoral para o governo da Guanabara (Fonte: Novos Rumos, 30/09 a 09/10/1960)

Por Roberto Bitencourt da Silva

Uma época bastante adversa

Experimentamos no Brasil um árido tempo marcado por muita angústia e ansiedade, com perceptível perda de esperanças e horizontes individuais e coletivos.

Refiro-me a nós, trabalhadores dos estratos médios e populares, ao povão subempregado e desempregado, à pequena burguesia, aos micros e pequenos empresários.

Os bancos, o grande capital internacional e nacional, os parasitas e os rentistas de títulos, dividendos e imóveis, estes, vão muito bem, obrigado.

Nadam de braçadas em um dos países socialmente mais injustos, dotados de maior concentração de rendimentos do planeta. A crise? Que crise!? A turma do alto da pirâmide (anti)nacional e antipopular desconhece.

Todavia, a cada dia fica mais claro o desapossamento do povo brasileiro sobre qualquer instrumento de participação e decisão em torno dos negócios púbicos. Desapossamento sobre direitos e suas próprias margens de liberdade de escolha e, em muitos casos, de sobrevivência.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

A educação cubana após a revolução, vista por um consultor do Banco Mundial



Por Roberto Bitencourt da Silva


No primeiro dia do ano, Cuba celebrou o 57º aniversário da sua revolução popular, nacionalista, anti-imperialista e socialista. Em que pesem limitações e problemas de natureza política e econômica, inegavelmente o povo cubano tem muito o que celebrar, especialmente em relação à educação proporcionada pelo Estado.

Recente e esclarecedor estudo produzido por Aviva Chomsky (“História da revolução cubana”, editora Veneta, 2015) destaca os esforços de erradicação do analfabetismo, imediatamente após a ascensão dos revolucionários, liderados por Fidel Castro, ao poder.

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (8 votos)

Livro de Valter Duarte analisa a realidade política do dinheiro


Por Roberto Bitencourt da Silva

Vivemos em um tempo em que a ficção interfere decisivamente na realidade. A propaganda, o cinema, a televisão, o jornalismo – como também os próprios círculos acadêmicos, portadores de status científico –, constroem imagens e difundem valores e símbolos que dão os contornos sobre o mundo, como pensar e agir nele.

Nesse sentido, como a civilização contemporânea está assentada no modo de existência capitalista, proliferam imagens e interpretações que procuram oferecer credibilidade ao “mercado”, tomando-o como superior e insuperável forma de vida das sociedades.

Não há existência possível além do “livre fluxo de capitais”, do “mercado” e da “liberdade individual” (o que não nos dizem: liberdade do proprietário), eis a velha e sistematicamente reaquecida cantilena.

Inúmeras são as imagens benevolentes em torno do capitalismo, refletidas nas produções culturais, jornalísticas e acadêmicas. Igualmente, importantes e variadas são as contestações a tais imagens, que denunciam a incompatibilidade com o mundo tal como ele é. Contestações, naturalmente, escanteadas no imaginário dominante.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

A honestidade combativa de Prestes faz falta, por Marcio Sales Saraiva

Por Marcio Sales Saraiva


Nesse tempo em que esquerda quase se transformou em sinônimo de banditismo governista e traição dos trabalhadores, lembrar-se dos 118 anos do líder Luiz Carlos Prestes é fazer memória do verdadeiro patrimônio das lutas de nosso povo. Mesmo que você não concorde com todas as concepções ideológicas do Cavaleiro da Esperança, é inegável sua honestidade intelectual e pessoal.

 

No dia 3 de janeiro de 1898, em Porto Alegre, nascia Luiz Carlos Prestes. O ícone do movimento comunista brasileiro deixou-nos em março de 1990, depois de testemunhar a derrota de seu candidato, Leonel Brizola (PDT), nas eleições presidenciais de 1989. Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

FHC, a ovelha desgarrada de uma família nacionalista e democrática

Na sequência, imagens de FHC, Felicíssimo Cardoso e Leônidas Cardoso.

Por Roberto Bitencourt da Silva

Lendo importante livro do historiador Leonardo Brito, a respeito do jornalismo brasileiro com linha editorial nacionalista (1), me deparei com uma instigante informação.

O autor faz referência a um periódico que circulou de 1949 a 1957, chamado “Emancipação” e que guardava relações com o Centro de Estudos e Defesa do Petróleo e da Economia Nacional (CEDPEN) e com a Liga da Emancipação Nacional (LEN).

Ambos os organismos coletivos preconizavam bandeiras sintonizadas com o nacionalismo econômico e com o anti-imperialismo. Basicamente defendiam o controle nacional e estatal das riquezas naturais e do processo de industrialização do país.

O jornal “Emancipação”, de acordo com Brito, teve como um dos editores o general Felicíssimo Cardoso, tio do sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Fazendo um rápido levantamento em dois jornais dos anos 1950 – o getulista “Última Hora” e o comunista “Imprensa Popular” –, não é difícil observar o destaque alcançado pelo tio de FHC, na defesa dos interesses nacionais.

Presidente do CEDPEN e conselheiro da LEN, Felicíssimo constantemente questionava os “trustes” e os “interesses estranhos”, que “querem deixar o país em situação degradante de semicolônia fornecedora de matérias-primas” (“Imprensa Popular”, 07/03/1951, p.1). Leia mais »

Imagens

Média: 4.6 (10 votos)

Mídia esconde regressões na Argentina, por Altamiro Borges

Do Blog do Miro
 

Por Altamiro Borges

 

A mídia brasileira, com seus dogmas neoliberais e seu complexo de vira-lata, comemorou a vitória de Mauricio Macri na vizinha Argentina. “Fim do kirchnerismo”, soltou rojões. Mas ela poderá morder a língua mais cedo do que tarde. Em menos de um mês da sua posse, o queridinho dos EUA e das elites locais e latino-americanas já desponta como um ditador de quinta categoria, que poderá incendiar o país vizinho. Os trabalhadores argentinos, conhecidos por sua combatividade, já dão sinais de que não vão aceitar passivamente a truculência do empresário mafioso que agora ocupa a Casa Rosada. Leia mais »

Sem votos

Reforma migratória de Obama é hipocrisia, afirma imigrante guatemalteca

Enviado por Roberto Bitencourt da Silva

Do Diário Liberdade

De origem guatemalteca e residente não documentada em Chicago [Estados Unidos], Ilka Oliva Corado é uma prolífica escritora, que se inspira nas lutas sociais em favor dos direitos dos não documentados e da diversidade sexual, e contra a discriminação de gênero e o racismo, no coração do império.

Ilka Oliva Corado (Comapa, Jutiapa, Guatemala, 08 de agosto de 1979) é colunista para vários meios de informação [dentre eles o Diário Liberdade] e autora de ensaios e poesia. Sua última obra, surgida em novembro de 2015, é um poemario, intitulado "Luz de Faro” [Luz de Farol].

Nesta entrevista, a autora analisa a situação dos seus compatriotas da "Pátria Grande”, no contexto pré-eleitoral de um país governado durante sete anos pelo "primeiro presidente negro da sua história”.

Qual é a situação atual da comunidade latino-americana nos Estados Unidos?

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (3 votos)

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Sem colaborações até o momento.

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.