Revista GGN

Assine
imagem de Sergio Saraiva

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

Rico que gritava “vai para Cuba” foi para Portugal – coxinha trouxa ficou no Brasil

Burguês endinheirado se protege da crise no Brasil indo morar em país de governo socialista. E você coxinha, ainda achando que prender o Lula é a solução para o Brasil?

Portugal3

Duas notícias, neste mês de abril, complementares com uma distância de três semanas, mostram como pensam as classes dominantes neste país: “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

O Leopardo de Odebrecht, por Sergio Saraiva

Quem espera que as delações da Odebrecht provoquem uma transformação do modelo político nacional deveria ouvir o que tem a dizer o autor italiano Tomasi de Lampedusa em seu clássico - O leopardo: “é necessário mudar, para que tudo fique na mesma”

gattopardo

A implosão do sistema partidário brasileiro através das delações da Odebrecht à Lava Jato atende a dois objetivos: Lula preso e as reformas neoliberais aprovadas.

Tudo na mesma I - Lula preso

Caso Lula seja preso, haverá uma comoção social no país. Bem, a comoção já foi providenciada, agora só falta Lula ser preso.

Não há autoridade moral na Lava-Jato para prender Lula enquanto políticos tucanos sequer são investigados. Bem, não sobrou um tucano para contar a história, agora só falta prender o Lula.

Leia mais »

Média: 3.4 (12 votos)

Quem não deve não Temer

Michel Temer em entrevista à TV Bandeirantes sobre a reação do povo brasileiro ao conteúdo das delações da Odebrecht :

“Temos de compreender essa indignação e praticar gestos para superar essa indignação fazendo com que o país vá para a frente".

Então, presidente, não perca tempo: fora, Temer.

PS: texto ilustrado pelo quadro “Operários” de Tarsila do Amaral de 1933 retratando o pessoal da Oficina de Concertos Gerais e Poesia.

Sem votos

Mainardi não é uma anta, por Sergio Saraiva

Mainardi deveria processar o ex-vice-presidente da Odebrecht. Esse foi quem o citou. A Revista Forum, no entanto, apenas fez jornalismo.

Mainardi não é uma anta, por Sergio Saraiva

Nessa história toda envolvendo o jornalista Diogo Mainardi e as delações da Lava-Jato, o que menos me estranha é Mainardi estar em um jantar na companhia de Aécio Neves e Alexandre Accioly.

Leia mais »

Média: 4.5 (21 votos)

João Doria - quando o marketing dá errado, por Sérgio Saraiva

por Sérgio Saraiva

O prefeito João Doria deveria reavaliar sua estratégia de marketing - quanto mais o conhecem, menos gostam dele.

doria_na_celso_garcia_-_luiz_guadanoli_secom.jpeg

Imagem: Luiz Guadanoli/Secom

A pesquisa Datafolha de abril de 2017 sobre a avaliação do prefeito de São Paulo após cem dias de mandato traz um copo meio cheio e meio vazio para João Doria.

O copo meio cheio

Ele continua com altas taxas de aprovação com índice de “ótimo e bom” em 43%, porém seu índice de “ruim e péssimo” está na casa de 20%. Leia mais »

Média: 5 (6 votos)

Uma ISO 9000 para a educação, por Sérgio Saraiva

Uma norma para gestão de organizações educacionais? Lá vem aquele pessoal da qualidade bulir com os professores.

Uma ISO 9000 para a educação, por Sérgio Saraiva

A newsletter de abril da ISO - International Organization for Standardization chamou-me atenção para os trabalhos de desenvolvimento de uma nova norma de gestão.

A partir da edição das normas da série ISO 9000 para garantia da qualidade, há exatos 30 anos, tais normas tornaram-se cotidianas na gestão das organizações.

Hoje, as normas não visam mais apenas garantir, mas gerir a qualidade, a segurança no trabalho e a segurança alimentar e o meio ambiente, entre outros campos de aplicação.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Prefeito João Kataguiri - pronunciamento oficial, por Sergio Saraiva

“Vá passear em Curitiba, Singer” - não busque argumentos nas posições expressas pelo atual prefeito de São Paulo pelo PSDB, João Doria – seu mentor intelectual é Kim Kataguiri.

 

Prefeito João Kataguiri - pronunciamento oficial

por Sergio Saraiva

André Singer é uma das grifes do jornal Folha de São Paulo, cientista político e professor da USP – seus leitores são o que se chama de “público qualificado”.

Singer deu ao prefeito João Doria a oportunidade perfeita de se apresentar como uma alternativa viável de candidatura à presidência da República. Singer fez um desafio a Doria, era o momento de Doria apresentar, se não um programa de governo, pelo menos, uma ideia central do que faria para tirar o Brasil da crise.

Mas ele deixou passar a oportunidade e pior...

Leia mais »

Média: 4.7 (20 votos)

O prefeito Doria está cometendo plágio?

Por que o programa de governo de João Doria incentivando doações de empresários à prefeitura de São Paulo pode vir a ser acusado de plágio.

O prefeito João Doria, à dir., recebe moto doada pela Yamaha para atuar nas marginais - Chello - Framephoto/Folhapress

Folha de São Paulo

Doria e propaganda grátis atraem doações de empresas para a prefeitura Leia mais »

Sem votos

Governo Temer - está ruim e vai piorar, por Sergio Saraiva

Pesquisa CNI-IBOPE - a realidade se impõem e nem as lentes cor-de-rosa que a CNI – Confederação Nacional da Indústria utiliza para enxergar o governo Temer podem salvá-lo.

Governo Temer - está ruim e vai piorar

por Sergio Saraiva

O caderno da Pesquisa CNI-IBOPE para avaliação do governo Temer de março de 2017 traz a seguinte interpretação dos resultados:

“Avaliação do Governo – o custo político de colocar a economia nos trilhos: o forte ajuste fiscal – remédio necessário – e as propostas de reformas, utilizados pelo governo para levar a economia de volta aos trilhos, podem explicar a piora na avaliação”.

Leia mais »

Média: 4.6 (11 votos)

Metendo a colher no caldeirão, por Sérgio Saraiva

Momento de humor na Oficina - que ninguém é de ferro. Pausa no trabalho para uma brincadeira com Luciano Huck e sua entrevista na Folha de São Paulo.

Metendo a colher no caldeirão
 
por Sérgio Saraiva

Invertendo a ordem, quais seriam as perguntas que esta Oficina faria a Luciano Huck, a partir de suas respostas dadas à Folha e aqui apresentadas fora do contexto – mas não muito.

Fale um pouco sobre a sua geração e classe social.

A minha geração tomou as rédeas do dia a dia. Você vê um ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, que tem 48. O CEO da BRF, Pedro Faria tem 42. 

Falando seriamente, nossa geração chegou a um momento em que tem capacidade, saúde, força de trabalho, relevância, influência.

Faço parte desta geração.

Leia mais »
Média: 3.3 (11 votos)

A questão social e a polícia – a tragédia paulista de Washington Luiz a Alckmin

São Paulo – onde uma elite de derrotados e sua tropa de amaldiçoados capitães-do-mato mandam para a cadeia qualquer um que ouse lutar por suas esperanças.

mmdc

O carcereiro do Estado Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Os doze meses que decidiram o golpe

Três textos que vistos em retrospectiva mostram como, em doze meses, o poder econômico foi do apoio à Dilma ao golpe do impeachment.

Um mês de cachorro louco na política

Em meados de julho de 2015, o mês de agosto daquele ano era esperado como o início do fim do Governo Dilma. Mas agosto não foi o mês de desgostos que todos previam. Ao contrário, representou uma virada no quadro político. O impeachment parecia afastado.

A garantia da ordem democrática no Brasil tornara-se uma a ideia-força que uniu do PCO ao New York Times pelo “Fica, Dilma”.  Leia mais »

Sem votos

Banzo branco - a desesperança que mata e elege

Um duro artigo do El País mostrando uma faceta desapercebida é cruel da tragédia da crise econômica nos EEUU. A falta de esperança em um futuro melhor está matando os homens brancos pobres, mas ajudou a eleger Donald Trump.

 

Os americanos brancos estão morrendo – MOISÉS NAÍM

Um estudo que documenta por que a mortalidade nos EUA é maior entre os brancos com baixa escolaridade.

Nos Estados Unidos, os homens brancos de meia-idade com menos educação estão morrendo a um ritmo sem precedentes. Na verdade, a sua taxa de mortalidade é mais elevada do que os hispânicos ou negros da mesma idade e mesmo nível educacional. Leia mais »

Sem votos

DOI-CODI 2017: A polícia política da Lava Jato, por Sergio Saraiva

Por Sergio Saraiva

“Se pensas que burlas as normas penais, insuflas, agitas e gritas demais, a lei logo vai te abraçar, infrator com seus braços de estivador”.

A reportagem do caderno Poder da Folha de S. Paulo de 24 de março de 2017 descreve o método de perseguição ao blogueiro Eduardo Guimarães e às suas fontes jornalísticas. Traz também dados do inquérito da Polícia Federal que levou à detenção de Eduardo, acusado por ter antecipado – em um furo de reportagem – a condução coercitiva do presidente Lula.

“Se tu falas muitas palavras sutis E gostas de senhas, sussurros, ardis, a lei tem ouvidos pra te delatar nas pedras do teu próprio lar”.

Interessante é percebermos que a Policia Federal parece, nesse caso, atuar como polícia política. Não parece que o vazamento em si seja mais do que um mote para o constrangimento de adversários do “regime imaginário de poder” que a Lava-Jato passou a representar.

Leia mais »

Média: 4.6 (16 votos)

Eu não vim para explicar - o jornalismo Chacrinha da Folha de S.Paulo, por Sérgio Saraiva

Dilma não tratou de dinheiro com Marcelo Odebrecht, mas sabia do caixa dois. Temer recebeu Marcelo Odebrecht em palácio para tratar de doações ao PMDB, mas não sabia de nada. A Folha de São Paulo e sua tentativa canhestra de inverter a lógica.

Eu não vim para explicar - o jornalismo Chacrinha da Folha de S.Paulo

por Sérgio Saraiva

Vejamos os questionamento feitos pelo Ministro Herman Benjamin, relator do processo que julga a cassação da chapa Dilma-Temer, a Marcelo Odebrecht, em seu depoimento ao TSE. Segundo os vazamentos terceirizados pela Folha de São Paulo de 24 de março de 2017.

Dilma não sabia, mas sabia.

O ministro questiona Marcelo sobre se ele já havia conversado com Dilma sobre as dívidas com o PT.

Resposta de Marcelo Odebrecht:

“Não. Veja bem, Dilma sabia da dimensão da nossa doação, e sabia que nós éramos quem fazia grande parte dos pagamentos via caixa dois para o João Santana. Isso ela sabia”.

Um não é um não. E um “veja bem”, ora, todos nós sabemos o valor de um “veja bem”.

Leia mais »

Média: 4.5 (11 votos)

Fotos

GloboDatafolha

Dilma X Dilma

guerra fria

Mesa redonda com Tio Rei

datafolhajulho14

Pesquisa CNI IBOPE

sabesp

Vídeos

Romário calado é um poeta. Ou, traíra não nada no Rio Tejo.

Autopsicografia

Fernando Pessoa

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

 

Pós-7 de setembro

Obsolescência Programada

Defamation

Documentos

Verão de 2010. Ou, o momento em que Serra vacilou.

Verão de 2010. Ou, o momento em que Serra vacilou.

 

Este é texto que provavelmente contém erros factuais, já que escrevo basicamente de memória. Não tem a intenção de documentar a história, mas sim, de questionar-me por que um político experimentado, após uma carreira longa, vacila no seu melhor momento.

Ocorre que no Brasil ainda não votamos em partidos e sim em nomes e um partido poder sequer existir na prática e, ainda assim, eleger um presidente. Leia mais »

EEUU 2011

EEUU, 2011

 

Da Carta Maior

 O pior acordo do mundo Leia mais »

Paternidade impossível

OPINIÃO

Paternidade impossível

O GLOBO  08/07/2011 

  Leia mais »

Política paulista, problema, solução ou fase de transição?

 

A questão é que, para o bem e para o mal de São Paulo, tanto PT como PSDB foram, e são até hoje, em grande parte, fortemente paulistas. E esses dois partidos têm dirigido o Brasil nas duas últimas décadas.

Assim seus políticos têm já de início a esfera federal como alvo e não a construção de uma carreira local para depois alçar postos nacionais.

Foi assim que se construiu a política na redemocratização e principalmente após a morte de Tancredo. Leia mais »

Áudio

Sem colaborações até o momento.