Revista GGN

Assine
imagem de Zarastro

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

Brigadeiro do Ar é novo presidente da CNEN

Minha mulher me contou que Renato Machado Cotta, que presidia a CNEN desde 2015, foi exonerado e substiuído por um major-brigadeiro-do-ar. O que isso significa? O programa do submarino nuclear brasileiro estava sendo tocado pela Marinha. Como vai ficar agora com um oficial da Aeronáutica? Quem é Paulo Roberto Pertusi? O CNEN está sendo militarizado?

http://www.diretodaciencia.com/2017/03/17/boletim-de-noticias-17mar-quem... (procurar o meio da página)

  Leia mais »

Sem votos

Morre o compositor e regente Pierre Boulez

Regeu um "Anel dos Nibelungos" inesquecível em Bayreuth, em 1976, o qual foi filmado em vídeo em 1980. E fez um belíssimo concerto, disponível em DVD, combinando Wagner e Lizst.

Do jornal português Público: Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Superdotado banido da escola por levar uma folha para lá

Não há limites para o show de horrores. Depois da histeria do dia 15 de março - e que, apesar disso (ou por causa disso) não pode ser ignorada - topo com essa postagem do sítio "Addicting Info". Se aqui os pais estão transformando as crianças a colheradas de ódio, nos EUA já fazem o que alguns preconizam aqui: criminalizá-las. No mais das vezes, arbitrariamente.

Me pergunto se aqueles exibindo cartazes em inglês no dia 15/03 não vão querer implementar medidas parecidas aqui...

Leia mais »

Média: 3 (2 votos)

O ódio chega às crianças

No último final de semana, eu e minha companheira fomos à primeira reunião do ano na escola pública em que meus filhos estudam. Poderíamos ter matriculado os dois numa escola particular, pois temos os recursos para isso. Inclusive, para nós seria muito mais fácil: não teríamos que contratar uma babá, não teríamos que encher os dias deles com outras atividades.

Apesar disso, escolhemos deixá-los na escola pública que fica praticamente atrás do condomínio onde moramos, pois os professores que lá ensinam têm uma grande dedicação, e por causa disso a escola, a despeito de todos os seus problemas (que não são poucos) conseguiu que seus alunos tirassem boas notas no SARESP, e hoje é uma das melhores escolas públicas do estado. E além disso, frequentar essa escola é ter a chance de entender que existe um mundo diferente além dos muros do condomínio onde vivemos, e entendo que é essa também outra função da escola: expandir o tamanho do mundo que temos em nossas cabeças. Leia mais »

Média: 4.5 (66 votos)

FBI e NSA, irmãos gêmeos da Stasi no século XXI

Minha tradução do original, em inglês - com uma série de outros hyperlinks, os quais optei em não incluir - que está disponível aqui. Vale a pena lê-los e aos comentários, inclusive com gente que disse que "quem cumpre a lei não tem nada a temer" - tese que foi prontamente contestada pela grande maioria dos outros comentaristas do sítio.

 

Editor da ArsTechnica descobre que agentes do FBI têm seus endereços IP e números antigos e completos de cartão de crédito

 

Pedido FOIA (Freedom of Information Act, equivalente à nossa lei da transparência) gera mais de 9 anos de registros, incluindo números de cartão de crédito sem qualquer ofuscação ou alteração.
Leia mais »

Sem votos

Chiyoko, atriz do milênio ("Sennen joyu", 2001 - Direção de Satoshi Kon)

Filmes que exploram a (in)distinção entre a ficção e a realidade são relativamente comuns - pode-se mesmo dizer que esse é um tema recorrente entre os cineastas. A rosa púrpura do Cairo, O vingador do futuro, Matrix, Solaris e Mais estranho que a ficção - sem contar os diversos filmes de David Lynch - são obras em que o limite do real é levado a extremos, a ponto de - em alguns momentos - o espectador não saber onde termina o mundo real e onde começa o mundo da ficção, dentro do universo do filme. Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Como "Sabu", ajudou o Anonymous a hackear o Brasil

No início de 2012, os membros da hackers Anonymous coletiva realizada uma série de ataques a sites governamentais e corporativos no Brasil. Eles o fizeram sob a direção de um hacker que, sem o conhecimento deles, usava outro chapéu: ajudar o Federal Bureau of Investigation realizar um de seus maiores investigações sobre delitos cibernéticos até o momento.
Leia mais »

Sem votos

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Bron|Broen e Bron||Broen

Outra excelente série de detetives é Bron-Broen (A ponte), de origem sueco-dinamarquesa e cuja primeira temporada passou no +GloboSat, se não me engano. Nela, um corpo é encontrado na ponte Øresund - que liga Malmö, na Suécia, a Copenhague, na Dinamarca.

A peculiaridade do caso é que o corpo está colocado exatamente na divisa entre os dois países, e posteriormente algo acontece que exigirá a entrada de dois detetives no caso: Saga Norén (Sofia Helin), da Suécia, e Martin Rohde (Kim Bodnia), da Dinamarca. Saga tem um jeito muito peculiar de ser, e apesar disso ela e Martin acabam se entendendo bem. Ambos desvendarão uma sequência de crimes ao longo da série, que terá uma solução surpreendente ao final dos dez episódios.

A segunda série é ainda melhor, em minha opinião: começa com um navio desgovernado indo em direção à mesma ponte, o que desencadeará uma série de eventos que novamente envolverá Saga e Martin por mais dez episódios, e mudará para sempre a vida de um deles: Leia mais »

Documentos

"Humano", o Filme: Sim, Há Esperança Para a Raça Humana

Peguei esse filme por acaso, no avião, quando retornava ao Brasil após uma viagem de negócios. Não pensei que um filme pudesse me afetar tão profundamente, quase aos 47 anos de idade. Mas afetou.

"Humano", dirigido pelo ecologista Yann Arthus-Bertrand, mostra depoimentos colhidos em 60 países do mundo (inclusive o Brasil) onde as pessoas as mais variadas falam o que pensam sobre os assuntos mais candentes da existência humana: o amor, a liberdade, a (des)igualdade, a pobreza, a (in)justiça, a vida e a morte. É um imenso ensaio - em tamanho e em conteúdo - sobre o exercício de nossa capacidade de sentir empatia e compaixão, dois artigos tão em falta no mercado hoje em dia.

O filme se inicia com o depoimento de Leonard, um presidiário dos EUA que descreve como ele descobriu o que é o amor. Impossível não chorar, impossível não se emocionar, impossível não sentir empatia por esse ser humano que se despe tão desbragadamente para a câmera que o filma e que o põe na história.

Leia mais »

Áudio

Sem colaborações até o momento.