Como a Lava Jato e Bolsonaro inviabilizaram a ajuda internacional a ONGs brasileiras

A enorme campanha negativa da imagem do Brasil, apresentado como o país mais corrupto do mundo pela Lava Jato, provocou um recuo nas doações internacionais.

Uma ONG de 17 mil dentistas voluntários, que atenderam 78 mil crianças e 1.100 mulheres vítimas de violência, a Turma do Bem está ameaçada.

Antes, tinha apoio de empresas nacionais, especialmente ligadas ao setor odontológico, e organizações internacionais.

A enorme campanha negativa da imagem do Brasil, apresentado como o país mais corrupto do mundo pela Lava Jato, provocou um recuo nas doações internacionais. Os ataques de Jair Bolsonaro ao setor também afetaram o financiamento das ONGs.

Agora, com a crise da coronavirus, a Turma do Bem está ameaçada. As empresas patrocinadores suspenderam todas as contribuições, por não ter a menor ideia do impacto da coronavirus nos seus negócios.

Por outro lado, a total falta de coordenação do governo, e da incapacidade sequer de organizar as informações, provocam problemas de monta também nos hospitais e em outras formas de atendimento da população mais necessitada.

Agora, a Turma do Bem lança campanha de financiamento através do Kikante, visando manter, com pelo menos metade do salário, a equipe de 20 pessoas que garante a estrutura da ONG

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  NY Times: de sucesso total, o Brasil tornou-se o maior fracasso da saúde mundial

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome