A Pandemia da Ressurreição, por Eleonora Cruz Santos

Em contexto cujos números apontam para cenários de guerra, parece haver uma  revolução silenciosa, algo que transpõe às análises e à frieza dos números e aponta na direção de uma grande ruptura (exógena), que pode ser a ressurreição do homem e seu papel como humano. 

A Pandemia da Ressurreição

por Eleonora Cruz Santos

De meados de março em diante, período que coincide com boa parte da quaresma na igreja católica, a sociedade brasileira começou a sentir os impactos do Covid-19. Curiosamente, a iminência de uma epidemia na China não trouxe, para nenhum dos povos do ocidente, a perspectiva de que a globalização e seus intensos fluxo comerciais, turísticos, culturais e científicos pudessem ser tão brutalmente interrompidos. À força da globalização contrapôs-se a força da natureza. 

Estudo recém-elaborado pela Fundação João Pinheiro mostra-se que, mantida a demanda habitual por internação pelo sistema de saúde em Minas Gerais, se 0,77%, ou seja, menos de 1% da população do estado precisar de internação por contágio por Covid-19, os acometidos só serão atendidos se infectados gradualmente ao longo de período superior a 2 meses. Os dados da FJP não consideram nem a disponibilidade de respiradores, nem a possibilidade de filas de espera a depender da localidade.

A tensão instaurada pelo Covid-19 se dá em contexto de frágil recuperação da economia nacional. Ainda no estudo da FJP estima-se que, em 2020, o PIB de Minas Gerais possa variar entre -3,1% e -3,9%, afetando diretamente a geração do valor adicionado dos 57 setores da economia, com efeitos mais drásticos sobre comércio, construção e serviços domésticos. Daí decorrem-se outros desdobramentos como possíveis perdas de postos de trabalho, estimado entre 587.086 a 781.584, além de redução salarial e impacto sobre as finanças públicas com redução da arrecadação de ICMS da ordem de R$3 bilhões ou mais. 

Ao que tudo indica, ao longo dos próximos dois anos, fechamentos das fronteiras serão alternados com breves aberturas; fluxos de pessoas e cargas não retomarão os patamares de pré-pandemia; férias escolares, turnos de trabalho, ocupação dos espaços e transportes públicos possam se valer de ações que evitem aglomerações, como terceiro turno, alternância entre aulas presenciais e remotas, trabalho presencial e teletrabalho e/ou jornadas mais curtas.  Eventos culturais e esportivos possivelmente não serão mais realizados com públicos tão elevados e, durante algum tempo o ser humano terá medo do contato próximo. Em meio às vidas em isolamento, às reconstruções familiares, à necessidade de reinvenção do trabalho e à perda irreversível de alguns postos de trabalho, novos negócios emergirão, possíveis realinhamentos dos níveis de preços, dos contratos, do valor das empresas e das remunerações. E, por último, o que pode ser mais surpreendente: o início da redução das disparidades sociais. 

Em contexto cujos números apontam para cenários de guerra, parece haver uma  revolução silenciosa, algo que transpõe às análises e à frieza dos números e aponta na direção de uma grande ruptura (exógena), que pode ser a ressurreição do homem e seu papel como humano. 

Que nessa Semana Santa, tenhamos mais uma oportunidade de receber o Cristo ressuscitado para, através de uma pandemia, vermos renascer uma sociedade mais justa e fraterna. 

Eleonora Cruz Santos – Economista, mestre em demografia, doutora em administração e pós-doc em economia (da saúde). Diretora da área de produção de dados estatísticos da Fundação João Pinheiro, órgão do governo de MG responsável pelas estatísticas oficiais do estado

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Coronavírus: Brasil perde mais de 25 mil vidas por Covid-19; e 411 mil pessoas infectadas

1 comentário

  1. Foi falado sobre a diminuição da desigualdade social. Acho que ocorrerá o oposto. Com a Economia sendo freada abruptamente em todo mundo, e com milhões de pessoas ficando com a renda diminuída pelos próximos meses, o resultado será o empobrecimento, endividamento e mesmo a quebra de muitos pequenos e médios empresários nos próximos anos. E, quem tiver muita grana pra se sustentar sem percalços, poderá sair comprando empresas, patrimônio, e acumulando ainda mais poder. Acho que sairemos da crise com uma concentração de renda e poder nunca antes visto na história da humanidade.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome