Avanço do coronavírus começa a desacelerar na Europa

Países como Espanha, Itália e Bélgica divulgam crescimento menor de novas internações; Alemanha também apresenta menor registro de casos

Profissional efetua limpeza em Veneza (Itália). Foto: Reprodução

Jornal GGN – Embora o coronavírus siga fazendo novos doentes e levando pessoas às mortes na Europa, os números diários em alguns países estão decrescendo.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, a Espanha divulgou neste domingo o menor crescimento de mortes diárias por coronavírus em nove dias: 674 em 24 horas, elevando o total para 12.418. O número de novas infecções subiu 5%, a menor taxa registrada desde o começo da crise.

Mesmo com essa redução no contágio, ainda existem hospitais com capacidade de atendimento esgotada, e o governo espanhol estendeu a política de isolamento até 25 de abril.

Também houve redução na Bélgica: o país registrou 16 novos pacientes internados em UTIs por conta da doença, o menor número desde que os registros oficiais começaram, em 20 de março. O país está em quarentena desde 17 de março, e não chegou a enfrentar colapso nos hospitais, com a ocupação dos leitos para cuidados intensivos seguindo no patamar de 50% na última semana, com 1.261 casos graves.

A desaceleração também foi apurada em países que estão fazendo mais testes, como a Alemanha, que registrou números menores de novos casos em três dias seguidos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Covid-19: Brasil destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina de Oxford

4 comentários

  1. A Primavera no Hemisfério Norte vai elevando as temperaturas da Europa, Ásia e EUA, com isto derretendo a Indústria da Histeria e do Catastrofismo Apocalíptico, diminuindo o número de Infectados por Doenças Respiratórias tipicas do Inverno. Rigoroso Inverno do Hemisfério Norte. Inverno que historicamente leva os mais Idosos e Enfermos. Não à toa nas regiões tropicais ou mais quentes, mesmo de países atingidos como Italia ou EUA, a tal Epidemia é muito menor e menos alarmista. O Mundo não acabou. Nem vai acabar. Muito menos no Tropical Brasil.

    • ~70 mil mortos em apenas ~4 meses discordam de sua estultice “histérico-catastrófica”.
      E se consideramos a exponencialidade (sabe o que é?) desta inédita e veloz contaminação (mais de 180 países), calculada por cientistas, médicos e matemáticos de renomadas instituições (V.Estultice estudou em alguma delas?), mais o efeito REDUTOR pelo ISOLAMENTO SOCIAL na maioria dos países desenvolvidos, as baixas já poderiam estar em em milhões, ao invés da casa de centenas de milhares, que chegaremos em cerca de uma semana ou pouco mais.
      A não ser que um milagre ou o resultado do “jejum” proposto por seu “presidente”, acabe com tal JÁ TRAGÉDIA. Sem dúvida o que faltava fazer nesta crise era este “JEJUM”.
      Se aderiu, talvez seu achismo esteja afetado pela fome..

      • Quantos morreram de Gripe Comum no mesmo período? O tal do meu Presidente fez o que Suécia, Noruega, Japão, México, Russia, Coréia, EUA, Alemanha,… também fizeram. Usaram da ciência e da inteligência ao invés da Histeria. E incrível !!!! Os resultados foram melhores que aqueles onde houve contenção, histeria, mediocridade e alarmismo apocalíptico. Mas todos estes países devem ser ‘bolsominions’ também.

        • Onde V.SA se informa para dizer que (por ex.) EUA fizeram o mesmo que o tal do seu presidente?
          Ou que os resultados foram “melhores”, no país com MAIS CASOS NO MUNDO?
          E o ‘sucesso” de alguns se deve a recursos (Japão e Alemanha =os recordistas em n. de leitos per capita), testes massivos para mapeamento eficaz (Coréia do Sul), população baixa e esparsa (escandinavos),tempo na pandemia, etc.
          Ainda assim, para não alongar, a maioria dos países desta lista já considera ou já estabeleceu isolamento social (“stay home”).
          O único que vai contra a ciência, reconhecido mundialmente por isso, é o “seu presidente”, já chamado de ‘aberração” (The New York Times), BolsoNero (The Economist), aquele louco de varanda e tantos outros menos explícitos.
          Ir contra a ciência é propor soluções como jejum, sair por aí contaminando pessoas, dizer que nadamos no esgoto, que lotéricas não oferecem perigo porque têm vidros blindados (ufa!), que religião é serviço “essencial”, que remédios em teste já devem ser aplicados e por aí vai.
          O que V.Sa chama de “histeria” o mundo chama de cautela. Não conheço ninguém em pânico ou histérico, a menos de V.Sa. defendendo a queda do seu “imperador de terraço”.
          Afinal, onde V.Sa. se informa?
          Nas edições extraordinárias do gabinete do 3o. andar do palácio?
          Ou num rolo de papel higiênico enquanto “medita’?
          Isso explicaria muita coisa…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome