Caminhoneiros param avenida Paulista pelo fim do isolamento

O motim era pelo fim da quarentena decretada pelo governo do estado e pela prefeitura de São Paulo, clamam por isolamento vertical e apoiam o presidente Jair Bolsonaro.

Foto Felipe Pereira - UOL

Jornal GGN – Caminhoneiros estacionaram seus veículos na avenida Paulista nesta segunda-feira, ocupando duas faixas. O motim era pelo fim da quarentena decretada pelo governo do estado e pela prefeitura de São Paulo, clamam por isolamento vertical e apoiam o presidente Jair Bolsonaro. As informações são do UOL.

Segundo a reportagem, a fila de caminhões cobriu três quadras de extensão, antecedida por uma carreata de vans. Além das buzinas, o protesto incluía um caixão com imagens de Bruno Covas e de João Doria. E mais adesivos de ‘fora Doria’, alvo principal.

A Polícia Militar chegou a negociar com os manifestantes, para que deixassem a avenida às 15h30, e seriam escoltados para fora da cidade.

Um dos motoristas afrontou a PM dizendo que não sairia do local pois isso seria acatar as ordens de João Doria. Ato contínuo, arregimentaram manifestantes que se sentaram na avenida, impedindo a dispersão.

Os PMs acompanharam a movimentação da calçada e um capitão tentou fazer a linha dura, o que não surtiu efeito. Foi desacatado por um manifestante e ficou por isso mesmo.

Meia hora depois a manifestação se dispersou com reclamos contra a polícia de João Doria.

A Secretaria de Logística e Transportes, em nota, lamentou a ação dos caminhoneiros e listou a série de medidas tomadas para permitir que o trabalho da categoria continue. Lamenta, no entanto, que a manifestação seja contra o isolamento, único meio eficaz de garantir a saúde da população em momento que a pandemia já matou 3.743 pessoas no estado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Na luta pela vida, sindicatos ameaçam greve contra volta às aulas presenciais

7 comentários

  1. Estas presepadas muito bem orquestradas, com plaquinhas e faixas bem produzidas, de populares não tem é nada. Já que a PF que era morista agora é bolsonarista. Os órgãos de vigilância e investigação, legais e ilegais estão nas mãos do bolsonarismo, se os governadores não enfrentarem e investigarem com suas polícias civis, quem e o que se encontram por trás, o discurso do popular vai pegando. O dinheiro dos mesmos que financiam fake news está por trás.

  2. Se eles assinarem termos de compromisso para não ocuparem leitos dos SUS e caso contaminarem alguém tomem 30 anos de cadeia sem progressão de pena…

  3. Há algum tempo, aqui no GGN, num artigo onde um lider caminhoneiro reclamava de alguma ação prometida mas não cumprida pelo bozo, eu comentei, olhando a beca do “lider”, que o cara parecia tudo menos motorista de caminhão. E este movimento mostra que minhas suspeitas têm fundamento.
    Mas estes manes poderão ser úteis. Afinal o objetivo nao é restringir a movimentação da população? Então um bloqueio ajuda.
    Mas e a PM? Cade as bombas de gas? As balas de borracha? As prisões por desacato?

    Em tempo: uma sugestao para que os que protestam contra isolamento e pedem a bagunça na rua, que levará a mais mortes, assine um compromisso de não ocupar os leitos em caso de contágio é muito bem vinda.

  4. Basta ligar para a PM de SP E informar que uma manifestação de professores fechou a Paulista.

    Em 30 minutos estará liberada

  5. Movimento tem tudo para provocar desabastecimento…
    daí podem partir para bloqueio de estradas e de entregas de mercadorias por vários dias

    fascistada caminhoneira está afoita com as oferta$

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome