Cloroquina não é melhor do que os cuidados regulares com coronavírus, afirma estudo chinês

Os principais cientistas, incluindo o membro da força-tarefa de coronavírus da Casa Branca, Anthony Fauci, telefonaram para relatos de que a hidroxicloroquina pode funcionar anedótica e disseram que precisam de mais estudos antes que o uso da pílula seja incentivado.

Da Bloomberg

A hidroxicloroquina, um medicamento para a malária que o presidente Donald Trump divulgou como tratamento para o coronavírus, não foi mais eficaz que o tratamento convencional, segundo um pequeno estudo.

relatório publicado pelo Journal of Zhejiang University, na China, mostrou que os pacientes que receberam o medicamento não combateram o novo coronavírus com mais freqüência do que aqueles que não receberam o medicamento.

O estudo envolveu apenas 30 pacientes. Dos 15 pacientes que receberam o medicamento contra a malária, 13 apresentaram resultado negativo para o coronavírus após uma semana de tratamento. Dos 15 pacientes que não receberam hidroxicloroquina, 14 apresentaram resultado negativo para o vírus.

Os resultados do estudo não foram estatisticamente significativos.

A hidroxicloroquina, particularmente quando administrada com o antibiótico azitromicina, recebeu ampla atenção após um pequeno e controverso estudo de cerca de 40 pacientes hospitalizados com Covid-19 na França. Nesse estudo , o medicamento pareceu ajudar a eliminar o vírus dos corpos de 26 pacientes que receberam o medicamento, com base em amostras colhidas em zaragatoas nasais. Especialistas criticaram o desenho do estudo, chamando-o de interessante, mas longe de definitivo.

Trump disse várias vezes que está confiante de que o medicamento funcionará. No sábado, o vice-presidente Mike Pence também elogiou a droga em um evento da Casa Branca.

“Agora, os médicos podem prescrever cloroquina com o objetivo off-label de lidar com os sintomas do coronavírus”, disse Pence. “O presidente é muito otimista.”

Os principais cientistas, incluindo o membro da força-tarefa de coronavírus da Casa Branca, Anthony Fauci, telefonaram para relatos de que a hidroxicloroquina pode funcionar anedótica e disseram que precisam de mais estudos antes que o uso da pílula seja incentivado.

Já está sendo oferecido a muitos pacientes hospitalizados em Nova York, e estão sendo iniciados estudos maiores – parte de um amplo esforço para encontrar algo que possa funcionar contra a doença.

Leia também:  Pandemia, trabalho versus economia: o que não é tão novo quanto parece, por Martonio Mont’Alverne Barreto Lima

No estudo chinês, realizado por pesquisadores do departamento de infecção e imunidade do Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai, os 15 pacientes que não receberam hidroxicloroquina foram tratados com cuidados convencionais.

Isso inclui repouso no leito, inalação de oxigênio e uso de medicamentos antivirais recomendados nas diretrizes de tratamento da China, como lopinavir e ritonavir, e antibióticos quando necessário.

Um paciente tratado com hidroxicloroquina evoluiu para doença grave durante o estudo. Quatro pacientes que receberam o medicamento desenvolveram diarréia e sinais de possíveis danos ao fígado, em comparação com três recebendo tratamento convencional.

Os pesquisadores concluíram que são necessários estudos adicionais usando um número maior de pacientes para investigar completamente os riscos e benefícios da droga.

Aqui, o estudo

Fomos atrás do estudo. Aí está ele, na íntegra, com tradução do Google Tradutor

43f8625d4dc74e42bbcf24795de1c77c
43f8625d4dc74e42bbcf24795de1c77c

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome