Coronavírus: Brasil pode ficar sem leitos de UTI já em abril

Estudo elaborado a pedido do Ministério da Saúde sugere que governo federal assuma controle dos hospitais privados para reduzir problemas

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – A epidemia de covid-19, causada pelo novo coronavírus, deve deixar o Brasil sem UTIs (Unidades de Tratamento Intensivo), leitos e ventiladores mecânicos nas principais capitais do país já no mês de abril.

A conclusão consta de estudo de especialistas da universidade Harvard, elaborado a pedido do Ministério da Saúde, segundo declarações do secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira.

Em coletiva realizada nesta quarta-feira (01/04), Oliveira disse que a análise foi encomendada para avaliar o efeito da pandemia sobre o sistema de saúde brasileiro, e diversos cenários de propagação foram considerados.

Segundo os autores do estudo, o país terá problemas com equipamentos mais críticos para o tratamento em abril, e que nove capitais — São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Brasília, Fortaleza e Manaus— terão problemas com leitos, unidades intensivas e ventiladores mecânicos.

“Nossos cenários simulados mostram que os serviços de hospitais podem experimentar falta de leitos, unidades intensivas e ventiladores para as macrorregiões tão cedo quanto abril”, diz o texto, em que é ressaltado que o caso mais problemático será o das unidades de tratamento intensivo.

Além de apontar a diferença na oferta de leitos e unidades intensivas pelo SUS entre as regiões do país, o levantamento pede pelo compartilhamento de leitos nas áreas públicas e privadas como forma de retardar a falta de equipamentos – e uma forma de se fazer isso é colocar todos os hospitais privados no controle do Estado, como ocorre na Espanha.

(com informações do UOL)

Leia também:  Coronavírus: 20 mil mortes no Brasil, e mais de 300 mil casos

 

Leia Também
Pesquisadores de São Carlos pedem a continuidade do isolamento social
Mesmo com avanço do coronavírus, Bolsonaro insiste em criticar governadores

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Ter ou não ter plano de saúde é que precisa deixar de ser a questão…
    é por ser preciso confirmar se tem ou não que alguns hospitais particulares estão levando de 30 a 60 minutos só para confirmar se quem chega está com febre alta ou não

  2. Ter ou não ter plano de saúde é que precisa deixar de ser a questão…
    é por ser preciso confirmar se tem ou não que alguns hospitais particulares estão levando de 30 a 60 minutos só para confirmar se quem chega está com febre alta ou não

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome