Coronavírus: Com duas mortes e 1.000 casos, África do Sul entra em confinamento

A África do Sul é o país mais atingido do continente e tem 57 milhões de habitantes.

Foto RFI

Jornal GGN – O governo da África do Sul decretou confinamento de três semanas a partir desta sexta, 27. O bloqueio acontece depois que o Ministério da Saúde do país anunciou as duas primeiras mortes relacionadas ao coronavírus e disse que os casos conhecidos superaram 1.000. A África do Sul é o país mais atingido do continente e tem 57 milhões de habitantes.

O país está à frente no continente também em testagens extensivas. Desde o primeiro caso realizou mais de 20.000 testes e o número crescente de resultados positivos pressionou o presidente Cyril Ramaphosa a adotar medidas estritas para limitar movimentos e reuniões.

Em um discurso no início da semana, que foi muito elogiado por sua clareza e convicção, Ramaphosa anunciou o bloqueio iminente, durante o qual as pessoas poderão sair de casa apenas para comprar comida, procurar atendimento, receber subsídios sociais ou passear sozinha. Corridas, passear com cães e até a compra de cigarros e álcool foram proibidos.

Em novo pronunciamento, na quinta-feira, o presidente afirmou que o exército e polícia foram destacados para reforçar o bloqueio, mas Ramaphosa pediu que eles fossem uma ‘força de bondade’ em um país que ainda está se recuperando do trauma de décadas de apartheid imposto por forças militares que terminou em 1994.

A missão deles é a “mais importante da história do nosso país”, disse ele. “Nosso pessoal está aterrorizado no momento e não devemos fazer nada para piorar a situação”.

Com informações do The Washington Post

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Coronavírus: Estudo prevê 125 mil mortes no Brasil até agosto

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome