Coronavírus: Como alguns países administram os bloqueios

A forma varia do extremo, ao descontraído e criativo. A BBC levantou medidas adotadas por alguns países.

Panamá - AFP

Jornal GGN – Cada país aborda de uma maneira a necessidade de bloqueio para conter a propagação do vírus. A forma varia do extremo, ao descontraído e criativo. A BBC levantou medidas adotadas por alguns países.

O Panamá, com quase mil casos confirmados, tomou medidas rigorosas de quarentena separando pessoas por gênero, no esforço para conter a disseminação do vírus. Assim, homens e mulheres poderão deixar suas casas por apenas duas horas por dia e em dias diferentes. E ninguém poderá sair aos domingos.

Já a Colômbia, em algumas cidades, permite que as pessoas saiam de casa com base no último número da sua identificação nacional. Por exemplo, identificação terminada em 0, 7 ou 4 pode sair de casa na segunda, e os finais 1, 8 ou 5, podem sair na terça.

A Bolívia propõe abordagem semelhante à Colômbia.

A Sérvia instituiu a ‘hora de passear com os cães’ que vai das 20 às 21h. Mas tiveram que descartar devido aos uivos de protesto. Segundo a BBC, um veterinário afirmou que pular uma caminhada poderia piorar a condição de cães com problemas urinários.

Bielorússia não fez nada, nenhuma medida de distanciamento social. O presidente Alexander Lukashenko riu da sugestão de o país tentar conter a disseminação do coronavírus dizendo que não conseguia ver o vírus ‘voando por aí’. O país não impôs restrições a eventos esportivos e o presidente citou que beber vodka e idas regulares à sauna evitariam o contágio.

Na Suécia, apesar dos quase 4.500 casos confirmados, as medidas são relaxadas. Segundo a BBC, o governo espera que as pessoas se comportem de maneira sensata e confia nelas para fazer a coisa certa. Reuniões de mais de 50 pessoas foram proibidas, mas escolas para crianças menores de 16 anos continuam funcionando.

Leia também:  Brasil, o fim. Por Rui Daher

Os bares e restaurantes continuam a oferecer serviço de mesa e as pessoas continuam socializando normalmente.

A estratégia da Suécia divide opiniões, dentro e fora do país, mas só o tempo dirá se esta abordagem será válida ou um tiro pela culatra.

Na Malásia, o governo foi forçado a pedir desculpas após o ministério das mulheres postar cartuns sexistas, dizendo às mulheres para se vestirem, usar maquiagem e evitar incomodar seus maridos durante o bloqueio parcial.

O Turquemenistão foi mais longe, e para resolver o problema simplesmente proibiu a palavra ‘coronavírus’. O governo removeu a palavra dos folhetos de informações sobre saúde. E as pessoas que falam sobre o vírus ou que usam máscaras em público podem ser presas.

E as autoridades dizem que nenhum caso foi registrado no Turquemenistão, que faz fronteira com um dos países mais atingidos do mundo, o Irã.

A Áustria tornou obrigatório o uso de máscaras em supermercados, mesmo com a OMS dizendo que pessoas saudáveis não precisam usar. Sebastian Kurz, chanceler do país, chancelou a medida e as máscaras serão fornecidas pelo governo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Ou seja a fantasiosa histeria criada no Brasil só serve para Interesses Políticos inflados por uma Mídia Ideologizada e Partidária.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome