Coronavírus: Serviço público do Reino Unido pode perder bilhões

Alegações de negligência colocam NHS em alerta; processos podem comprometer carreiras de quem se propôs a ajudar em pandemia

Foto: Reprodução/Business Insider

Jornal GGN – O NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês) do Reino Unido pode arcar com bilhões de libras por acusações de negligência médica, caso não encontre alguma forma de imunidade legal aos médicos e profissionais de saúde que colocam suas vidas em risco durante a crise do coronavírus, segundo alerta feito pelo governo britânico.

De acordo com informações do jornal britânico The Guardian, a Medical Defense Union (MDU), que providencia suporte jurídico a aproximadamente 200 mil médicos, enfermeiros, dentistas e outros profissionais da área de saúde, pede por uma discussão a respeito da necessidade de uma legislação de emergência.

Nos Estados Unidos, estados como Nova York, Nova Jersey e Michigan já adotaram leis que fornecem “imunidade de responsabilidade civil por qualquer ferimento ou morte que supostamente tenha sido sustentado devido a quaisquer atos ou omissões cometidos de boa fé”, como forma de proteção aos profissionais de saúde durante a crise.

Tanto nos Estados Unidos como no Reino Unido, o MDU afirma que os médicos estão sendo solicitados a atuar fora de suas áreas de conhecimento, em segmentos onde eles podem não ter conhecimento atualizado, sem contar com a volta de diversos profissionais aposentados às enfermarias e o trabalho de estudantes de medicina antes de sua graduação.

Embora o governo do Reino Unido tenha prometido cobrir o custo de quaisquer ações futuras, o MDU diz que isso pode custar uma soma considerável de dinheiro, além de expor aqueles que se ofereceram a ajudar a audiências “extremamente angustiantes” e potencialmente prejudiciais à carreira.

Leia também:  Bancários da Caixa defendem ampliação do auxílio emergencial

 

Leia Também
O que o Reino Unido fez de errado durante epidemia de coronavírus
O chocante estudo de coronavírus que abalou o Reino Unido e os EUA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Por falar em imunidade legal do Sistema de Saúde Público do Reino Unido, achei que no Festival Virtual One World-Together at Home, os Stones fossem cantar Gimme Shelter em vez de You Can’t Always Get What You Want.

    Como sincronizam-se à distância?

  2. Tem que fazer o mesmo aqui no Brasil em prol de todos os profissionais de saúde que enfrentam os mesmos problemas em todo o mundo. Por muito menos o governo federal livraram a cara de militares das forças aranadas em LGOs da vida.

  3. A direita e o centro não darão qualquer passo que possa dar fôlego para a centro esquerda retomar algum protagonismo no processo político. Nem partidos, nem militares, nem a mídia, nem agronegócio , nem empresários, nem juízes. Por isso, adotaram uma posição de contenção de danos. E assim vão levando. Eles pariram o monstro, mas não o querem embalar. Lavam as mãos.
    Frente democrática ampla não cola nesse momento.
    Só uma coisa pode derrubar Bolsonaro. Ele mesmo, que é muito burro (além de sociopata e mau caráter). Se fosse mais inteligente, poderia cozinhar o galo até 2022 e disputar a reeleição com o seu gado mobilizado e os neopentecostais. E com boas chances.
    A melhor coisa que a oposição pode fazer é dar corda pra ele se enforcar. É assim que se lida com gente burra que atrapalha. Ele é sensível a várias provocações. É só explorar essa fragilidade dele. E aí, deixar pra quem pariu Mateus resolver. A conta a ser paga é deles. Não é o momento de discurso propositivo (o que não significa deixar de formular alternativas para quando chegar um momento favorável).
    Não vou citar os pontos a serem explorados, até porque já se faz isso, mas não de forma planejada ( agenda ambiental, milicianos, relação com a China, etc.)
    Hora de ver o mar pegar fogo, pra comer peixe cozido depois.
    Um preço caríssimo a ser pago. Mas não há outro jeito, diante da mediocridade das nossas elites.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome