Distanciamento social pode durar meses, diz coordenadora de coronavírus da Casa Branca

Este foi mais um exemplo do conflito existente entre líderes estaduais e federais, e também dentro do próprio governo Trump, em momento em que a pandemia ceifa a vida de mais de 54 mil norte-americanos.

Jornal GGN – A coordenadora de resposta a coronavírus da Casa Branca, Deborah Birx, diz que, provavelmente, alguma forma de distanciamento social permanecerá em vigor durante o verão. Birx fez essas declarações no domingo, 26, mesmo dia em que vários governadores expressaram otimismo sobre o curso do vírus e fizeram seus planos para uma abertura gradual de suas economias.

Este foi mais um exemplo do conflito existente entre líderes estaduais e federais, e também dentro do próprio governo Trump, em momento em que a pandemia ceifa a vida de mais de 54 mil norte-americanos.

Mas no domingo, Birx disse que o isolamento provavelmente continuará, como uma garantia de preservação da vida, e que há a necessidade de mais testes a serem desenvolvidos pela ciência.

A profusão de mensagens contraditórias cria um novo problema para o país em meio à pandemia. Primeiro que os cidadãos foram somente instruídos a ficarem em casa, e agora estão em meio a um apagão de novas orientações e tomando decisões mais complexas.

Emily Landon, epidemiologista chefe de doenças infecciosas da Universidade de Chicago Medicine, disse que esses cálculos são difíceis para as pessoas nos estados que estão começando a reabrir devido à falta contínua de testes generalizados e à incapacidade de rastrear efetivamente as pessoas que podem ter sido infectadas.

“É difícil para mim saber o que eu faria” em um dos estados onde os governadores anunciaram que spas e salões estão reabrindo, disse Landon. “Eu não iria. E eu não recomendaria que minha família fosse. Eu recomendaria que as pessoas fiquem em casa.”

Landon disse que, na sua opinião, ainda não é seguro para os estados reabrir completamente – ou para os americanos tentarem retomar suas vidas como eram antes da pandemia.

Leia também:  Financial Times trata Bolsonaro como extravagantemente irresponsável

“Este é um vírus novo em folha, e temos que fazer essas coisas de uma maneira medida”, disse ela. “Sem requisitos para coisas como EPIs [equipamento de proteção individual], distanciamento social e políticas realmente ponderadas sobre como fazer essas aberturas, não é hora de fazê-las”.

Em suas diretrizes gerais para os estados seguirem quando começam uma reabertura em fases, a Casa Branca recomendou no início deste mês que vários critérios, como aumento da capacidade de teste e rastreamento de contatos, fossem atendidos antes de prosseguir.

Em todo o país, no entanto, alguns estados já estão relaxando suas restrições de distanciamento social devido à pressão de manifestantes, grupos empresariais e outros.

No domingo, vários governadores defenderam sua decisão de fazê-lo, argumentando que o fechamento de seus estados alcançou com sucesso sua meta de aumentar a capacidade hospitalar, adquirir equipamentos de proteção individual e achatar a curva de crescimento da pandemia.

O debate sobre a reabertura nos Estados Unidos ocorre quando outro país atingido, a Espanha, permitiu que crianças menores de 14 anos saíssem pela primeira vez em seis semanas. O país, que teve mais de 207.000 casos de coronavírus e 23.190 mortes, está no meio de um dos mais rígidos bloqueios da Europa desde o mês passado.

Enquanto isso, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson deve voltar ao trabalho na segunda-feira, depois de mais de três semanas lutando contra uma infecção por coronavírus. O secretário de Relações Exteriores Dominic Raab, que substituiu Johnson, disse ao Sky News no domingo que o primeiro-ministro está “ansioso para ir”.

Leia também:  América Latina passa de 2,5 milhões de infectados; saiba a situação de cada país

Nos Estados Unidos, as medidas tomadas para reabrir variam de acordo com o estado. Em alguns lugares, como na Flórida, as praias reabriram de forma limitada, com a polícia pedindo aos visitantes que se movam e evitem se reunir.

Em Nova York, o governador Andrew M. Cuomo disse no domingo que as empresas de construção e manufatura fora da região de Nova York poderão reabrir após 15 de maio, quando o pedido de isolamento deve expirar.

Embora Pence e o presidente Trump tenham expressado otimismo nas últimas semanas sobre a velocidade com que esperam que o país seja reaberto, Birx e Anthony S. Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, expressaram cautela.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome