Há algo de podre no reino do Brasil: Le Monde faz duras críticas a Bolsonaro em editorial

"Enquanto os generais reivindicavam a defesa de uma democracia atacada, segundo eles, pelo comunismo, o Brasil de Bolsonaro habita um mundo paralelo, um teatro do absurdo onde fatos e realidade não existem mais."

Foto Le Monde

do Le Monde

Brasil: a perigosa fuga de Bolsonaro para a frente

EDITORIAL

Não há dúvida de que há algo podre no reino do Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro, pode afirmar sem se preocupar que o coronavírus é uma “gripezinha” ou uma “histeria” nascida da “imaginação” da mídia. Algo apodrecido quando se mistura à multidão, pede às autoridades locais que levantem restrições, afirma que a epidemia “começa a desaparecer” logo quando cemitérios mostram recordes de enterros. Quando seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araujo, fala em “comunavírus”, alegando que a pandemia é o resultado de uma conspiração comunista. Quando o ministro da Saúde, Nelson Teich, renuncia em 15 de maio, quatro semanas após sua nomeação para esse portfólio crucial, por “diferenças de opinião”, no dia em que o país alcançou 240.000 casos confirmados e mais de 16.000 mortos.

Para muitos, as horas sombrias no Brasil, agora a quinta nação mais afetada pela pandemia, lembram as da ditadura militar, quando o país foi submetido ao medo e à arbitrariedade. Com uma diferença significativa: enquanto os generais reivindicavam a defesa de uma democracia atacada, segundo eles, pelo comunismo, o Brasil de Bolsonaro habita um mundo paralelo, um teatro do absurdo onde fatos e realidade não existem mais. Nesse universo tenso, alimentado por calúnias, inconsistências e provocações mortais, a opinião é polarizada em uma nuvem de ideias simples, mas falsas.

A negação da pandemia pelo governo dissuade metade da população de se confinar, enquanto os pedidos de distanciamento físico lançados por profissionais de saúde, governadores e prefeitos são apenas moderadamente obedecidos. A atividade econômica deve continuar a todo custo, diz Bolsonaro, que luta acima de tudo para medir a pandemia enquanto faz um cálculo político insano: os efeitos devastadores da crise serão atribuídos a seus oponentes, espera ele.

Leia também:  A crise econômica da pandemia: como os países a estão enfrentando, por Ronaldo Bicalho

Caos sanitário

Oficial subalterno excluído do exército e obscuro deputado de extrema-direita, ridicularizado por seus pares durante três décadas, Bolsonaro não tinha nada de um estadista. Chegando ao poder, devorado pela amargura e pela nostalgia, o ex-capitão da reserva continuou acusando o odiado “sistema”. Postura que, durante uma pandemia aguda, causa caos na saúde e semeia a morte.

Traindo os fatos, os governantes populistas acabam acreditando em suas próprias mentiras. Vemos isso em outras partes do mundo. Mas aqui, neste país que surgiu há apenas vinte e cinco anos da ditadura, onde a democracia permanece frágil e até disfuncional, o fato de politizar dessa maneira uma crise de saúde excessiva é totalmente irresponsável.

Com uma base de 25% dos eleitores, Bolsonaro sabe que sua margem de manobra é estreita. Hoje, algumas pessoas evocam o cenário de um golpe institucional. Diante da multidão que veio apoiá-lo em Brasília, o presidente também deixou claro, em 3 de maio, que, no caso de uma investigação do Supremo Tribunal contra ele ou seus parentes, ele não respeitaria a decisão dos ministros. Depois de praticar o negacionismo histórico e elogiar a ditadura, negar a existência dos incêndios na Amazônia e a gravidade da pandemia de Covid-19, Bolsonaro e sua tentação autoritária correm o risco de envolver o país em uma perigosa fuga para a frente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Acho engraçado esse tipo de texto que diz “o idiota isso, o idiota aquilo”…. como se fizesse tudo sozinho….como se a mídia corrupta-genocida-mafiosa, o congresso, o judiciário, a pf, as forças repressoras que existem para agir contra o próprio país em defesa de interesses estrangeiros, os empresários picaretas, os abutres-carniceiros do rentismo, os “religiosos” do capeta, a turba de imbecis teleguiados, os canalhas de organismos internacionais que só existem para desestabilizar democracias munfo afora, os magnatas internacionais que dobram governos as suas vontades e interesses, os lojistas e duas babaquices secretas, etc etc etc não tivessem nada a ver com a loucura na qual vivemos……
    Quando falarem da besta quadrada, cuspam os feijões e dêem nomes aos bois…..

    10
  2. Como Bill Munny em Os Imperdoáveis, digo: deviam ter se preocupado com isso quando o estado de direito estava sendo destroçado aqui. Essa mídia corrupta e covarde do exterior teve o mesmo comportamento deplorável dos ratos tupiniquins e agora quer posar de indignada contra a mais que previsível derrocada do Brasil.

  3. Onde tava esse jornal quando o golpe da Dilma fora efetivado?Agora escreve o q todo mundo quer ler,escreve até sobre ditadura, huuum sei,vão cuidar do seu país e deixem q nós aqui se viramos com o Bolsonaro,sei bem as suas intenções !!!

    3
    1
  4. Apesar de tudo o que o artigo menciona, quem também deveria estar envergonhado por todo esse show de horrores somos todos nós- alguns mais outros menos mas, feitas as contas, todos nós. Se a Dilma não fazia um “bom governo”, isso não era o suficiente para dar um golpe de estado típico das repúblicas bananeiras e esse ainda pior, porque nasceu ele mesmo de uma falcatrua, ao qualificar “pedaladas” como crime, com assentimento do STF e de todas outras instituições, inclusive a sociedade como um todo- e não vamos esquecer que a própria “petição” do impeachment contém erros “técnicos” de cabo a rabo- E foi escrita e ratificada por juristas de nomeada, e inclusive a OAB; Ainda mais, foram eleitos com votação enorme e até hoje declinam regras de conduta à nação!!!!. Agora o que está aí é ruim e perigoso. E não é certo que deixará o cargo se perder – se perder-, as eleições. Há um ditado antigo que diz:” quem nasceu para tostão nunca chegará a vintém” Não sei o que ´tostão e muito menos o que é vintém, mas entende e concordo com o que se pretende dizer. E se aplica cem por cento ao Brasil!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome