Medidas de bloqueio de coronavírus podem já ter salvado 59.000 vidas na Europa, diz novo estudo

A modelagem, publicada ontem pelo Imperial College, em Londres, analisa o impacto do bloqueio em 11 países europeus, incluindo o Reino Unido

The Telegraph

Pelo menos 59.000 vidas já foram salvas em 11 países europeus devido às medidas de distanciamento social introduzidas para conter a propagação do Covid-19, sugere uma nova modelagem.

Segundo a análise, 370 mortes já foram evitadas no Reino Unido – onde um bloqueio nacional entrou em vigor há apenas uma semana – enquanto as intervenções italianas salvaram 38.000 vidas até o momento.

Mas o estudo também mostra que o continente ainda está longe de desenvolver a “imunidade de rebanho”, na qual a grande maioria das pessoas capturou, recuperou e se tornou imune ao coronavírus.

A modelagem, publicada ontem pelo Imperial College, em Londres, analisa o impacto do bloqueio em 11 países europeus, incluindo o Reino Unido.

Ele sugere que entre 43 milhões de pessoas possam estar infectadas com o vírus até 28 de março. Isso significa que a estimativa mais alta para a “taxa de ataque” – a proporção de uma população infectada nesses países – é de 11,4%.

“Nossas estimativas sugerem que as populações da Europa não estão próximas da imunidade do rebanho”, disseram os autores. Eles acrescentaram que, como as intervenções continuarão provocando uma queda nas taxas de transmissão, “a taxa de aquisição da imunidade do rebanho diminuirá rapidamente”.

“Isso implica que o vírus poderá se espalhar rapidamente, caso as intervenções sejam levantadas”, alertaram os pesquisadores.

No Reino Unido, o estudo estima que apenas 2,7% da população (1,6 milhão de pessoas) foram infectadas, o que contrasta com a modelagem epidemiológica da Universidade de Oxford, que sugere que até metade da população do Reino Unido já pode estar infectada.

No estudo imperial, a Noruega e a Alemanha têm as menores taxas de infecção em 0,41 a 0,7%, respectivamente, enquanto a Espanha tem a maior “taxa de ataque” na Europa, em 15%.

Leia também:  Quem pagará a conta?, por André Roncaglia

Enquanto a Itália tem o maior surto na Europa – perdendo apenas para os Estados Unidos em todo o mundo -, o país também tem uma população maior que a Espanha, colocando a taxa de ataque em 9,8%.

A modelagem foi publicada pelo MRC Center for Global Infectious Disease Analysis da Imperial.

A equipe também produziu o relatório que sugeria que 260.000 pessoas morreriam se o Reino Unido produzisse uma estratégia de “mitigação” sozinha, desencadeando a decisão do governo de impor uma “supressão” ou bloqueio nacional sete dias atrás.

“Esta análise mostra que as intervenções adotadas pelos países europeus reduziram significativamente a disseminação do Covid-19”, disse o professor Neil Ferguson, diretor do MRC Center.

“No entanto, ainda não está claro se ou com que rapidez essas medidas farão com que o número de novos casos diminua. Os dados coletados nas próximas duas semanas serão cruciais para refinar nossa avaliação desse ponto-chave ”, acrescentou.

O relatório analisou dados em tempo real da Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Noruega, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido e determina que as intervenções impostas reduziram a taxa reprodutiva do coronavírus em 64% em média.

Mas o número de vidas salvas pelas intervenções depende de quanto tempo elas estão em vigor e do tamanho da epidemia. Na Itália, foram evitadas cerca de 38.000 mortes, enquanto a Espanha impediu 16.000 e a França 2.600.

Nos países onde o surto de coronavírus permanece muito menor, esses números são bem menores. Na Noruega, a equipe estima que menos de 10 vidas foram salvas, enquanto a Dinamarca evitou 69 mortes. Até agora, esses países registraram 32 e 77 mortes, respectivamente.

“Os europeus, como muitas pessoas em outros lugares, mudaram profundamente suas vidas nas últimas semanas”, disse Christl Donnelly, professor de epidemiologia estatística da Imperial e um dos autores do estudo.

Leia também:  João Pedro Stédile é o entrevistado da live das 15h, nesta quinta (6/8)

“Este relatório evidencia claramente os benefícios dessas medidas de distanciamento social. Ao manter distância um do outro, limitamos as oportunidades de propagação do vírus e reduzimos os riscos de doenças e até de morte entre os que estão à nossa volta ”, afirmou.

Mas o relatório acrescentou que é muito cedo para determinar os impactos das intervenções nas taxas de mortalidade, já que as mortes por coronavírus tendem a ocorrer semanas depois que um indivíduo contraiu o vírus.

“Mesmo com o aumento do número de mortos, vemos dados suficientes nos dados para concluir que ações drásticas e sustentadas tomadas pelos governos europeus já salvaram vidas diminuindo o número de novas infecções a cada dia”, disse o Dr. Seth Flaxman, especialista no aprendizado de máquina estatística na Imperial.

“Mas como essas intervenções são muito recentes na maioria dos países e há um atraso entre infecção e morte, levará mais tempo – de dias para semanas – para que esses efeitos sejam refletidos no número de mortes diárias”, acrescentou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Aqui no Babanistão, o Véi da Havan, que não depende das referidas lojas pra viver, que tem dinheiro para fechá-las e ir curtir a vida na praia, quer a volta ao trabalho. Ele está preocupado com o emprego dos trabalhadores e com a falta de comida das pessoas que não vão trabalhar. Mas se ele tá de fato preocupado com os trabalhadores, porque ele paga um salário de miséria aos seus colaboradores?
    Porque ele deseja que tais trabalhadores se exponham ao vírus letal?

    Eles impõem a miséria aos trabalhadores e fingem preocupar-se com esses trabalhadores mas na verdade o que eles desejam é continuar explorando os trabalhadores.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome