O mundo sempre volta ao mesmo lugar, alguns pontos acima. A afirmação do maestro Hans-Joachim Koellreutter sempre me calou fundo. E a leitura do livro “América Latina, Males de Origem”, de Manuel Bonfim, reforçou essa sensação. Cem anos depois, no Cruzado, depois no Real, o mundo e o Brasil repetiam o mesmo roteiro. Sintetizei minhas observações no livro “Os cabeças de planilha”.

Primeiro, a expansão ilimitada da financeirização, invadindo as fronteiras nacionais, desregulando a economia global, a articulação dos bancos centrais mundiais, e as alianças entre bancos ingleses e financistas nacionais. Monta-se o jogo político em que a figura central passa a ser o suposto conhecimento científico do economista – chamado de financista na época.

Depois, crise após crise, desmoralização dos organismos multilaterais, aumento da concentração de renda. Na época, não havia incorporado os efeitos da gripe espanhola. Certamente foi um dos ingredientes centrais que desmontaram a velha ordem já constituída, sem colocar uma nova ordem no lugar. Nesse caos generalizado, aparece o rádio rompendo com a estratificação do mercado de opinião anterior, centrado no espaço restrito dos jornais de baixa circulação. No Brasil, resultou no fim da República Velha e na ascensão do tenentismo. Na Rússia, a era do comunismo; na Europa, na implantação do fascismo.

As semelhanças com os anos 20 ficaram escancaradas no livro “A rebelião das massas”, de Ortega y Gasset. O prefácio para a edição francesa mostra uma impressionante semelhança com os tempos atuais, mostrando que muitas vezes a história se repete, não como farsa, mas como tragédia.

Leia também:  Tacla Duran revela pagamento a "sócio de Rosângela Moro" para "não ser preso na Lava Jato"

Vivia-se, ainda, a era da ciência, um enorme avanço na mecânica, na física, nos mercados. E Gasset apontava  “ enorme incongruência entre a perfeição de nossas ideias sobre os fenômenos físicos e o atraso escandaloso das ‘ciências morais”.

“O único do que vai dito nestas páginas que me inspira algum orgulho, é não haver incorrido inconcebível erro de ótica que sofreram então quase todos os europeus, inclusive os próprios economistas. Porque não convém esquecer que então se pensava mui seriamente que os americanos haviam descoberto outra organização da vida que anulava para sempre as perpétuas pragas humanas que são as crises. Eu me envergonhava de que os europeus, inventores do mais elevado que até agora se inventou – o sentido histórico -, mostrassem carecer dele completamente”.

Menos de dez anos atrás, o mundo acreditava que a articulação entre bancos centrais seria suficiente para vencer todas as crises.

Há total semelhança dos bordões de economistas repetidos até a exaustão por todos os níveis intelectuais e que levaram à banalização do pensamento.  “O ministro, o professor, o físico ilustre e o novelista soem ter dessas coisas conceitos dignos de um barbeiro suburbano. Não é perfeitamente natural que seja o barbeiro suburbano quem dê a tonalidade do tempo?” Total semelhança com a banalização do pensamento, nas últimas décadas, da Globonews pegando os supostamente bem pensantes até os programas populares pegando o baixo claro.

Reconhecia como uma das poucas unanimidades do período a condenação do velho liberalismo. Para ele, o liberalismo individualista se inspira e morre com a Revolução Francesa. A criação característica do século 19 foi precisamente o coletivismo que cresce e se dissemina com o aparecimento dos grandes centros urbanos. E o grande instrumento de suplantação é a simplificação da fala – justamente o que ocorreu com o fenômeno da Internet. “A saborosa complexidade indo-européia, que conservava a linguagem das classes superiores, ficou suplantada por uma fala plebéia, de mecanismo muito fácil, porém, ao mesmo tempo, ou por isso mesmo, pesadamente mecânico, como material; gramática balbuciante e perifrástica, de ensaio e rodeio como a infantil. E, efetivamente, uma língua pueril ou gaga que não permite a fina aresta do raciocínio nem líricas cambiantes”.

Do mesmo modo, a polarização política, lá e cá, é uma maneira de vulgarizar o debate. “ Ser da esquerda é, como ser da direita, uma das infinitas maneiras que o homem pode escolher para ser imbecil: ambas, com efeito, são formas da hemiplegia moral. Ademais, a persistência destes qualificativos contribui não pouco a falsificar mais ainda a “realidade” do presente, já fala de per si, porque se encrespou o crespo das experiências políticas a que respondem, como o demonstra o fato de que hoje as direitas prometem revoluções e as esquerdas propõem tiranias”.

Leia também:  A lição de Minneapolis, por Doney Stinguel

Religião, conhecimento e outras formas de ocupar o centro da mente humana são substituídos pela politização integral de todos os temas, “uma das técnicas que se usam para socializar” o homem massa, e tirá-lo da sua solidão cósmica. E, nessa quadra, surgem os demagogos, “os grandes estranguladores das civilizações”.

Espera-se que as semelhanças entre os dois períodos se esgote aí. No de Ortega a consequência foi uma guerra mundial, na qual a civilização quase perdeu para a barbárie.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Tudo muito bom, mas, a menção ao saudoso maestro Koellreutter foi demais. Eu sou de Tatuí, então, certa época, na mudança de regime, o governador Montoro resolveu nomeá-lo diretor do Conservatório Musical de Tatuí, renovando os ares que andavam empesteados pelo regime ditatorial que prevalecia também entre os que dirigiam as instituições, o que incluía o Conservatório de Tatuí.
    Koellreutter era uma verdadeiro monstro da música, era muito para aquela terra, a minha terra. Bastou que ele começasse a implantar suas avançadas ideias e o povo resolveu se mexer. Me lembro que numa de suas palestras ele indicou um livro de estética de Josep Stalin. Aí, eu fiquei imaginando até a onde ele iria chegar, e claro, torcendo muito para que fosse até o fim. Só que não, a Câmara da cidade o chamou para uma reunião pública, e numa das colocações alguém afirmou para ele que havia muitos alunos que consumiam drogas no Conservatório. Ele então, na maior educação e “inocência” quis saber que drogas eram essas. Quando soube que era maconha, ele afirmou: “mas isso é droga leve, não faz mal pra ninguém”…Bom, a platéia veio abaixo e moral da história, o grande maestro foi declarado persona non grata na cidade, e o Montoro teve que rever a situação substituindo-o rapidamente por um professor tradicional de lá da terra mesmo. O sonho que acabava de começar, findou-se!

  2. É preciso uma aproximação junto ao Nassif por parte de algumas lideranças políticas !!
    Obs:Nassif conheço uma pessoa q a mãe morreu de infarto e a certidão de óbito veio Covid,e…!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome