Saulo e Paulo Guedes: a pandemia testando falsas verdades, por Albertino Ribeiro

O coronavírus mostra, de forma mais devastadora do que a crise financeira de 2008, que o mercado não é perfeito e muito menos imune às crises.

Foto Marcelo Camargo - Agência Brasil

Saulo e Paulo Guedes: a pandemia testando falsas verdades

por Albertino Ribeiro

No início do ano, neste importante jornal, escrevi dois artigos sobre o pensamento de Paulo Guedes. Um tratava do seu solipsismo econômico e o outro discorria sobre sua dissonância cognitiva.

A escola de Chicago, onde Guedes estudou, postula que não existe desemprego involuntário (solipsismo). Por outro lado, mesmo considerando ineficiente a injeção de dinheiro na economia, ele teve que liberar dinheiro do FGTS e PIS PASEP para aquecer a atividade econômica (dissonância cognitiva).

Com a pandemia e suas consequências desnudando as fragilidades da economia mundial, as crenças do ministro estão sendo testadas e os pensamentos que comandam sua mente podem levá-lo a um surto esquizofrênico.

O coronavírus mostra, de forma mais devastadora do que a crise financeira de 2008, que o mercado não é perfeito e muito menos imune às crises. O livre fluxo de capitais não consegue trazer a economia de volta à homeostase (equilíbrio) sem a “loucura” da intervenção do estado.

Nesse momento em casa, o isolamento social do ministro serve a duas coisas: a primeira tem a saúde física como objetivo; a segunda o protege do mundo real que está destruindo a utopia de um lugar onde mãos invisíveis organizam as relações econômicas e sociais.

Utilizando o imaginário bíblico que hoje faz parte do espírito que tomou conta da política brasileira, diríamos que Paulo, antes das eleições, era Saulo.

Saulo, que significa desejado, era a esperança do mercado que o via como salvação da economia brasileira. Contudo, depois de ter um encontro com a luz da verdade que está fora da caverna escura de Chicago, esse Saulo “caiu do seu cavalo” e virou simplesmente Paulo cujo significado é pequeno.

Leia também:  A Tragédia dos 100.000 Mortos e “Vamos Tocar a Vida”, por Arnobio Rocha

As teorias de Paulo ficaram, assim como ele, pequenas demais diante de uma pandemia que exige um pensamento além dos modelos cartesianos do liberalismo do século XVIII.

Albertino Ribeiro – Jornalista e Bacharel em Economia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome