Snowden: COVID-19 pode dar aos governos novos poderes invasivos de coleta de dados

Novos poderes introduzidos pelos estados para combater o surto de coronavírus podem permanecer no local após a crise ter cessado

Do Business Insider

Edward Snowden, o homem que expôs a amplitude da espionagem na Agência de Segurança Nacional dos EUA, alertou que um aumento na vigilância em meio à crise do coronavírus pode levar a efeitos duradouros nas liberdades civis.

Leia também: Brasil introduz tecnologia de vigilância contra coronavírus

Durante uma entrevista em vídeo-conferência para o Festival de Documentários de Copenhague, Snowden disse que, teoricamente, novos poderes introduzidos pelos estados para combater o surto de coronavírus podem permanecer no local após a crise ter cessado.

O medo do vírus e sua disseminação podem significar que os governos “enviem um pedido a todos os rastreadores de fitness que possam obter algo como pulso ou frequência cardíaca” e exijam acesso a esses dados, disse Snowden.

“Cinco anos depois, o coronavírus se foi, esses dados ainda estão disponíveis para eles – eles começam a procurar coisas novas”, disse Snowden. “Eles já sabem o que você está vendo na internet, já sabem para onde o telefone está se movendo, agora sabem qual é o seu ritmo cardíaco. O que acontece quando começam a misturá-los e aplicar inteligência artificial a eles?”

Embora nenhum relatório pareça ter surgido até o momento nos estados que exigem acesso a dados de saúde de dispositivos vestíveis como o Apple Watch, muitos países estão rapidamente introduzindo novos métodos de vigilância para entender melhor e conter a disseminação do coronavírus.

Vários países europeus, incluindo Itália, Reino Unido e Alemanha, fecharam acordos com empresas de telecomunicações para usar dados agregados anônimos para criar mapas virtuais de calor dos movimentos das pessoas.

Leia também:  GGN Covid Mundo: batido novo recorde diário de casos no mundo

Israel concedeu aos seus serviços de espionagem poderes de emergência para invadir os telefones dos cidadãos sem um mandado. A Coréia do Sul envia alertas de texto para avisar as pessoas quando elas estão em contato com um paciente com coronavírus, incluindo detalhes pessoais como idade e sexo. Cingapura está usando um aplicativo de smartphone para monitorar a propagação do coronavírus, rastreando pessoas que podem ter sido expostas.

Na Polônia, os cidadãos em quarentena precisam fazer o download de um aplicativo do governo que exige que respondam a solicitações periódicas de selfies. Taiwan introduziu um sistema de “cerca eletrônica” que alerta a polícia se pacientes em quarentena saírem de suas casas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Sim. O filósofo Yuval Harrari há tempos que discutia sobre esta possibilidade e outras que a pandemia parece que vai adiantar, ainda mais agora que vimos que os países asiáticos em especial acabam por fazer grande marketing para este uso massivo de tecnologias. Quantos no mundo não vão querer ter um plano médico muito mais barato ao ceder diuturnamente os dados de seus pulsares, sentires e estares? Bastam pulseiras ou micro chips a recolherem e levantarem o acompanhamento dos fluxos bioquímicos.
    Uma das preocupações reais de Harrari é sobre a possibilidade de governos ou grupos, identificarem que uma criança que ainda nem se apercebeu sexualmente, for “decretada” por sofisticados algorítmos que tem tendência homossexual, apenas pensem no potencial de poucas coisas utilizadas para o bem, mas ainda mais e numerosas para o mal. Acham que é teoria conspiratória, pois junte os pontos:
    – hoje já há tecnologia em larga escala utilizadas para monitorar o olhar através dos próprios visores de câmeras dos dispositivos.
    – através de leituras dos movimentos dos olhos e compararem com imagens exibidas na tela, por exemplo de casais desnudados, para onde o olhar é atraído no maior número de vezes: ao masculino ou feminino.
    – vejam que até ai nem se usou nenhum dispositivo medidor corporal, agora imaginem ao acompanhar pulsação e outras medições corporais que indiquem excitação.
    – quer piorar? Imaginem estes recursos à mão de governantes adeptos das curas gays e repassando dados de pessoas e endereços a grupos de terrorismo estilo blade runner?
    – não só preferências sexuais podem ser medidas, mas a aceitação ou aversão a um discurso presidencial e após 10 vezes repetidos sinais de aversão ao governante o algoritmo é avisado para listar o indivíduo nos opositores do estado, que depois podem receber visitas, serem prejudicados em empregos, perseguidos pela lei ou até receber doses de tranquilizantes.

    Tudo isto e muito miais a tecnologia que foi criada para a guerra e acabou entrando na vida intima e interior de cada um, pode já nos proporcionar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome