Uruguai surge como raro vencedor de pandemia na América Latina

"Uruguai fez todos os esforços para encontrar o primeiro caso de cada contágio e depois isolar toda a cadeia de contatos. E essa foi a principal diferença que tivemos com o resto do mundo"

Imagem: Carlos Lebrato/Anadolu Agency via Getty Image

Por Milagros Costabel

No Foreing Policy

Uruguai nem sempre se encontra no cenário internacional, exceto pelo vinho e pelo futebol. No entanto, apesar de compartilhar uma fronteira com o Brasil, o país mais atingido pelo COVID-19, este pequeno país está conseguindo combater com sucesso um vírus que colocou gigantes do mundo de joelhos.

Atualmente, a América Latina é uma das regiões mais afetadas pela pandemia do COVID-19. Argentina e Brasil, países que fazem fronteira com o Uruguai, estão vendo aumentos nos casos diariamente. Na Argentina, apesar das medidas estritas adotadas pelo governo, o COVID-19 já matou mais de 2.200 vidas e o número de casos no país é superior a 100.000. No Brasil, a situação é tão drástica que o país latino-americano é considerado o segundo mais afetado no mundo depois dos Estados Unidos, que tem mais de 140.000 mortes e quase 2,2 milhões de casos confirmados.

A situação no Uruguai, no entanto, não poderia ser mais diferente. Em 20 de julho, o Uruguai tinha apenas 1.054 casos confirmados, 33 mortes e mais de 920 pacientes recuperados – com apenas 99 casos ativos.

Embora a abordagem do governo não tenha sido sem erros, dados os países afetados pela crise ao lado, o relativo sucesso é um crédito ao público e à administração. Com laços estreitos através de cidades fronteiriças como Rivera, onde você pode atravessar a rua e de repente estar no Brasil, o governo uruguaio teve que lidar não apenas com sua própria situação, mas também com um país cuja resposta à pandemia foi desastrosa.

Em uma pesquisa realizada pela Ipsos, a administração uruguaia da pandemia obteve a maior taxa de aprovação pública de qualquer país da América Latina. “Sinto-me muito cuidado”, disse Carlos Leguísamo, ex-diretor da estação uruguaia Radio Colonia. “A ciência era respeitada, assim como as liberdades individuais. Em vez de isolar totalmente o vírus, o Uruguai fez todos os esforços para encontrar o primeiro caso de cada contágio e depois isolar toda a cadeia de contatos. E essa foi a principal diferença que tivemos com o resto do mundo. ”

O sucesso do Uruguai em lidar com o COVID-19 não é apenas resultado de ações imediatas, mas também enraizado em pontos fortes institucionais que o país vem crescendo há anos. Além de estar entre os países com menos pobreza da América Latina, o Uruguai é um dos poucos países da região onde a população tem acesso total a serviços básicos, como água encanada e eletricidade, além de altas taxas de conexão à Internet.

Com mais de 88.000 testes de coronavírus realizados desde 13 de março, quando os primeiros casos foram detectados no Uruguai, o país está entre os melhores do mundo em termos de testes por população – amplamente disponível mesmo para pessoas sem sintomas.

A pequenez do país, que tem uma população de 3,5 milhões ante 200 milhões do Brasil, permite um rastreamento rápido e eficaz de contatos, o que também significou testes aleatórios e direcionados. Isso permitiu a segmentação de grupos específicos que desempenham um papel fundamental nas cadeias de suprimentos e podem ser superinversores inadvertidos, como trabalhadores da construção ou distribuidores e transportadores.

Leia também:  Manchetes dos jornais dos EUA

“Penso que, sem dúvida, escala é algo que joga a nosso favor”, disse Diego Irazábal, governador de Flores. “As autoridades de saúde podem ter um controle mais direto da situação e podem controlar as pessoas infectadas e seus contatos em um nível muito mais pessoal”.

O controle exaustivo dos casos é complementado por uma das maiores implantações científicas já realizadas no país, aumentada pelos investimentos existentes em educação.

“Nos anos [quando a oposição estava no governo] houve uma transferência de recursos e a Universidade da República, a principal universidade do Uruguai, viu seu orçamento aumentar enormemente”, disse Liliam Kechichián, ex-ministra do Turismo e senadora da República pela Frente Ampla, o principal partido da oposição.

“Isso tem sido realmente útil, porque hoje nos permite ter os kits de teste sem depender de ninguém, o que foi um problema no início da pandemia”, acrescentou.

Mesmo antes de o COVID-19 ainda não ser uma ameaça clara no continente, cientistas do Instituto Pasteur em Montevidéu, ao lado de pesquisadores da Universidade da República, começaram a fabricar kits para detectar o coronavírus usando a tecnologia molecular. Isso não apenas reduziu o custo dos testes, mas também estabeleceu o país como líder na região, permitindo a venda de kits para Argentina, Chile e Paraguai e ajudando a testar a população nas cidades limítrofes do Brasil.

“O Uruguai desenvolveu um sistema nacional de saúde integrado que nem todos os países têm e aposta muito na atenção primária”, disse Jorge Mota, ex-diretor de saúde do departamento de Colonia, que faz fronteira com a Argentina.

“Intervenções preventivas são realizadas em toda a população, de bebês a idosos, e isso significa que as pessoas serão monitoradas mesmo que sejam saudáveis”, afirmou. O médico acrescentou que, em situações de emergência, como a atual pandemia, todo o gerenciamento do sistema cabe ao estado, permitindo maior coordenação e controle.

No final de fevereiro, o sistema de saúde já estava se preparando para lidar com a situação. Não apenas foi criado um plano para fortalecer os centros de saúde públicos e privados, mas o governo também procurou aumentar e coordenar o trabalho conjunto das várias instituições do país. No início de março, quando a pandemia ainda parecia um pouco distante e os primeiros casos foram confirmados, foi tomada a decisão de expandir o número de leitos nas unidades de terapia intensiva e aumentar a quantidade de equipamentos e respiradores especializados em suas instalações, algo que permitiu que o sistema estivesse preparado caso a situação ficasse fora de controle.

Como o mundo aprendeu rapidamente, as soluções para o COVID-19 não são apenas trabalho de laboratório, mas também psicologia social.

O controle da saúde exercido pelo Estado foi acompanhado pelas mesmas medidas de distanciamento social que se mostraram eficazes em outros países, mas – diferentemente de muitas outras nações – no Uruguai, nunca foi decretada a quarentena compulsória. Nem foram aplicadas sanções àqueles que não cumpriram as diretrizes sugeridas pelo governo.

Leia também:  Coronavírus: Com alta de internações, Covas ainda afirma que pandemia está “estabilizada”

“Todas as medidas foram tomadas dentro do prazo, as medidas necessárias expressas no primeiro decreto de emergência sanitária , mas sempre enfatizando a liberdade responsável do povo”, afirmou Irazábal, acrescentando que no Uruguai, ao contrário de outros lugares, essas medidas foram obedecidas praticamente ao carta. As altas taxas de conectividade do país e a falta de extrema pobreza significavam que as pessoas estavam mais confiantes de que o distanciamento social não seria um desastre econômico para eles ou um desastre educacional para seus filhos. O governo usou a liberdade individual e os direitos cívicos como um dos principais pontos de sua estratégia – e isso geralmente é aceito por cidadãos que, diante da opção de escolher, optam por preservar a segurança e a saúde de seus concidadãos.

Outras etapas anteriores acabaram ajudando a preparar o país para a pandemia. O Plano Ceibal , estabelecido no Uruguai há mais de uma década, entrega tablets e computadores para crianças. Outro esquema governamental, o Plano Ibirapitá , entrega comprimidos para idosos, uma medida importante em um período em que as pessoas ficam fisicamente separadas, mas informadas e em contato com outras pessoas – especialmente entre as populações em risco – pode ser a diferença entre vida e morte. O governo também tomou medidas como a designação de um fundo especial COVID-19, o fornecimento de cestas sociais e o aumento de cartões únicos de assistência social para os mais vulneráveis.

Alguns pediram ações mais fortes. “Nenhuma medida foi aplicada aqui”, disse Juan Raúl Ferreira, senador da Frente Ampla.

“Exceto pela interrupção das aulas e agora pelo uso de máscaras nos transportes públicos, todas as outras medidas adotadas não tiveram valor coercitivo. São sugestões, recomendações, apelando para a responsabilidade da população ”, afirmou. Ferreira argumentou que, dada a proximidade do Brasil, eram necessárias medidas mais fortes e que a falta de fechamento de fronteiras desde o início fora um fracasso do governo.

Mas, apesar da falta de fiscalização, o distanciamento social tem sido comum. “Tomamos medidas rápidas de isolamento social e fechamos universidades, escolas secundárias e shoppings”, disse Kechichián.

“Havia decretos do poder executivo que suspendiam todos os tipos de atividades”, acrescentou Irazábal. “Muita atividade pública foi completamente congelada, sem a necessidade de quarentena obrigatória”

Apesar dos sucessos do país, ele não saiu ileso.

Embora a economia do Uruguai tenha conseguido manter o rumo em várias áreas, sofreu um grande golpe devido à paralisia total do turismo, uma de suas atividades econômicas mais vitais.

O turismo, que representa 9% do PIB do país e está diretamente ligado a 100.000 empregos em diferentes áreas, está, segundo Kechichián, em uma “situação dramática”, indicando que o governo fez pouco para minimizar o impacto da pandemia na população. setor. “Acredito que as medidas tomadas pelo poder executivo em relação às atividades turísticas foram praticamente nulas, além de adiar o pagamento de alguns impostos por entidades públicas”, afirmou o legislador da oposição, acrescentando: “Existe um seguro-desemprego especial, que pode ser avaliado como positivo, mas não vimos apoio concreto para pequenas empresas. ”

Leia também:  ‘É preciso fortalecer o SUS, pois toda a vacinação deve ser inserida no nosso sistema público reconhecido mundialmente’

O impacto na economia também afeta diretamente os setores mais vulneráveis ​​da população, e a oposição diz que mais poderia ser feito para aliviar a situação.O impacto na economia também afeta diretamente os setores mais vulneráveis ​​da população, e a oposição diz que mais poderia ser feito para aliviar a situação. “Numa época em que a Argentina estava dizendo que não paga eletricidade, água ou gás, no Uruguai aumentaram as tarifas”, disse Ferreira, referindo-se ao aumento de tarifas realizado pelo governo após assumir o cargo no início deste ano.

“O país tinha créditos criados para contingências desse tipo, que, do nosso ponto de vista, deveriam ter sido usadas de maneira mais massiva para ajudar os desempregados, pequenas e médias empresas”, disse Kechichián.

Mas o controle bem-sucedido permitiu que outras partes da economia continuassem fortemente. “A agricultura continuou, o que é a base de nossas exportações”, disse Irazábal, explicando que em uma área como Flores, onde a principal base de renda é a indústria agropecuária, “isso nos permitiu reduzir os custos sociais . ” Ele também mencionou o grande número de postos públicos e a manutenção de contratos como fatores importantes na sustentabilidade econômica do país.

A fronteira com o Brasil continua sendo uma grande preocupação. “O Uruguai sabe que possui uma fronteira terrestre muito complexa com o Brasil, então nada foi ganho ainda”, disse Ricardo Planchón, deputado do Partido Nacional no governo do departamento de Colonia. Os surtos esporádicos no país, com exceção do primeiro surto, concentraram-se em quatro dos cinco departamentos de fronteira, as unidades regionais do Uruguai.

Além de fechar fronteiras, restringir movimentos e estabelecer postos de controle, o Uruguai também colaborou no teste dos habitantes das cidades fronteiriças do lado brasileiro. Em um país como o Brasil, onde os testes são escassos e o sistema de saúde sobrecarregado, essa colaboração é importante não apenas para evitar o contágio do lado uruguaio, mas também para ajudar um país onde a situação já está fora de controle. Como outros países pequenos e bem-sucedidos, de Taiwan à Geórgia, o Uruguai implementou o controle da pandemia e chegou a uma posição surpreendentemente forte, apesar da dor econômica. Enquanto a América Latina pega os pedaços de uma epidemia devastadora, Montevidéu pode emergir como um improvável líder diplomático.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Ou seja o Uruguai não entrou na Indústria da Histeria que inflou e prolongou a NecroPolítica Criminosa Tupiniquim.

    2
    5
  2. resido em santana do livramento,RS,fronteira terrestre com a cidade uruguaia de Rivera.
    Todas as ruas são interligadas,uruguaios trabalham no Brasil e vice e versa.Não existe controle de fronteira
    entre as cidades que no total tem população aproximada de 160.000 habitantes. Alem disso em Rivera existe
    free shops que nos fins de semana trazem turistas brasileiros cerca de 10.000 por fim de semana.
    No Brasil já tivemos 181 casos confirmados e 4 óbitos e Rivera 2 óbitos e 30 casos confirmados.
    Até parece que o virus respeita fronteiras.
    Como cidades gêmeas brasileiros sem covid podem usar as utis da cidade uruguaia.
    A diferença que faz saneamento básico cuidados sanitários e prevenção.O Presidente do Uruguai Ja esteve aqui 2 vezes em reunião com as autoridades locais.Mas nosso governador em nenhuma se fez presente.

    11

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome