Venezuela sob ataque: Governo Trump e Covid-19, por Renata Peixoto de Oliveira

Diante da grave crise econômica dos últimos anos, a Venezuela enfrenta sérios problemas de infraestrutura em sua rede hospitalar, com falta de remédios, de equipamentos adequados e de recursos financeiros.

do OPEU – Observatório Político dos Estados Unidos

Venezuela sob ataque: Governo Trump e Covid-19

por Renata Peixoto de Oliveira

Nos últimos anos, a comunidade internacional acompanha aflita a situação política e econômica da Venezuela. O fluxo de refugiados e refugiadas para países vizinhos diante do colapso econômico e as articulações do principal novo líder da oposição ao governo Nicolás Maduro, Juan Guaidó, assim como sua autoproclamação como presidente interino, monopolizaram as manchetes sobre o país em 2019.

Os desdobramentos da crise política, inclusive com manifestações pró-governo e pró-oposição, levaram ao ápice da crise política e a expectativas sobre uma possível queda de Maduro diante do acirramento da posição de seus opositores, das articulações do governo Donald Trump e do posicionamento de países vizinhos, como os membros do chamado Grupo de Lima – entre eles o Brasil.

Agora, em 2020, a crise venezuelana ganha novos contornos. Depois de meses de desdobramento de seus anteriores episódios de convulsão política, qual é a situação hoje do país andino? Como a Venezuela está enfrentando a atual pandemia de coronavírus e como está reagindo às recentes ofensivas dos Estados Unidos?

Maduro lança pacote de medidas contra coronavírus

Em setembro passado, os Estados Unidos já haviam invocado o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) diante da preocupação em torno de exercícios militares da Venezuela na região de fronteira com a Colômbia. Em fevereiro deste ano, Washington e Caracas se envolveram em outra polêmica, desta vez, sobre as sanções de Trump contra a companhia de aviação estatal venezuelana, a CONVIASA. O governo Maduro responsabiliza Juan Guaidó por articular tais medidas.

Leia também:  Para reabrir escolas é preciso fazer testagem em massa e rastreamento, diz estudo da UCL

Em meados de março, os primeiros casos de coronavírus foram registrados na Venezuela. Diante da grave crise econômica dos últimos anos, o país enfrenta sérios problemas de infraestrutura em sua rede hospitalar, com falta de remédios, de equipamentos adequados e de recursos financeiros.

No dia 17 de março, o governo anunciou uma ampla quarentena e sinalizou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a necessidade de recursos. A Venezuela não considerava esta hipótese desde 2001. No mesmo dia, o Brasil fechou a fronteira para impedir o fluxo de imigrantes venezuelanos para o estado de Roraima, em meio à eclosão da pandemia.

Mesmo diante destes problemas, o governo venezuelano tem procurado se mostrar um dos mais ativos da região no combate à COVID-19, apoiando às restrições de circulação e o isolamento social como forma de prevenção. Também chamaram a atenção as principais medidas econômicas anunciadas pelo presidente Maduro para lidar com os efeitos econômicos e sociais da pandemia. O destaque fica para o decreto presidencial que proíbe demissões até dezembro do corrente ano, além da suspensão do pagamento de aluguel para os próximos seis meses, retroativo a março.

Outras medidas importantes são a suspensão das cobranças dos serviços de água, luz e gás, além da proibição dos bancos de cobrarem juros e de suspenderem o pagamento de financiamentos em curso. O governo também se prepara para um plano de pagamento de salários, contando com recursos públicos e privados.

Em 8 de abril, Maduro ordenou que todos as infectadas(os) sejam hospitalizadas(os) e se mantenham em isolamento. No mesmo dia, a Organização das Nações Unidas enviou um avião com 90 toneladas de donativos. A carga da ONU é composta, principalmente, de equipamentos de proteção para as equipes de saúde. O balanço oficial mais atualizado no país é de 166 casos de contágio e sete óbitos.

Em meio ao caos, a tensão entre Maduro e Guaidó registrou uma nova escalada. O líder oposicionista acusa o governo de mentir sobre os reais números de contaminados no território.

Leia também:  Prefeito recomenda ozônio no reto contra Covid-19 e repercute na mídia internacional

Ofensiva americana

No final do mês de março, em meio ao agravamento da pandemia nos EUA e do aumento significativo de casos de infectados na América Latina e no Caribe, a grande potência hemisférica aumentou sua presença de navios de guerra na região caribenha. O governo estadunidense alega que, durante a pandemia da COVID-19, governos corruptos e ligados ao narcotráfico – como o da Venezuela, segundo Washington – podem se aproveitar para desenvolver atividades ilícitas. Apesar das sanções unilaterais dos americanos, países como Rússia, Cuba e China se mantêm como pontos de apoio para o governo venezuelano.

Estas represálias unilaterais chegaram ao ponto de estabelecimento e defesa de um plano que garantisse a transição de regime na Venezuela com a saída de Maduro da presidência e a desistência de Guaidó de fazer parte do novo governo, – conforme anunciado pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo. Na proposta americana, essa mudança abriria caminho para a constituição de uma junta governamental de transição democrática. Esta seria a condição para que os Estados Unidos retirassem as sanções estabelecidas contra a Venezuela nos últimos tempos como forma de levar ao desgaste e à destituição do presidente Nicolás Maduro.

Até o momento, o governo Maduro tem conseguido resistir. Diante desse cenário, faz-se necessário agora acompanhar os desdobramentos da pandemia e como os EUA seguirão em suas articulações no sentido de fragilizar o governo do país andino e alcançar seu objetivo maior na região.

Renata Peixoto de Oliveira é doutora em ciência política pela UFMG. Docente da UNILA. Membro dos grupos de pesquisa INCT-INEU, DALC-ALACIP e Estado, desarrollo y desigualdades territoriales da CLACSO. Líder do grupo CESPI-América do SUL (CNPQ). [email protected]

Leia também:  Governo do Reino Unido falha no rastreamento de Covid e região lança sistema próprio

** Recebido em 9 abr. 2020. Este Informe não reflete, necessariamente, a opinião do OPEU, ou do INCT-INEU.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. A canalhice dos americanos é conhecida, mas sem duvida o maior bandido nesta historia é Guaido, um dos maiores estrumes, uma escória, um traidor da patria que ja deveria estar na lista de capturas da Interpol como um genocida perigoso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome