Desmonte do Incra por Bolsonaro ameaça segurança alimentar: ‘vai faltar comida’

Entidade de trabalhadores da agricultura familiar alerta sobre riscos do decreto do governo que altera competências do órgão

"Logo faltará alimento, alimentos de qualidade para sustentar o povo", alerta coordenador-geral da Contraf

da Rede Brasil Atual

Desmonte do Incra por Bolsonaro ameaça segurança alimentar: ‘vai faltar comida’

São Paulo – Às vésperas do carnaval, na sexta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou novo decreto que altera a estrutura regimental do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A medida 10.252/2020 extingue diversos programas voltados para assentados, quilombolas e comunidades extrativistas e de agricultores familiares, entre eles, o projeto Terra Sol de fomento à agroindustrialização, que privilegia investimentos para mostrar a viabilidade comercial da reforma agrária.

Coordenador-geral da Contraf (Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar), Marcos Rochinski, avalia que o decreto é mais um ataque do governo Bolsonaro para desmontar um modelo de desenvolvimento pensado para a soberania alimentar, como fez ao extinguir os ministérios de Desenvolvimento Agrário e Desenvolvimento Social e os conselhos de participação da sociedade civil. Hoje, mais de 70% dos alimentos que compõem a cesta básica da população do país são provenientes da agricultura familiar e dos assentamentos da reforma agrária.

“Estão tirando a possibilidade de produção de alimentos de qualidade para colocar na mesa do povo brasileiro. Eu espero que a sociedade se mobilize, porque a continuar desse jeito, logo faltará alimento, alimentos de qualidade para sustentar o povo. Acabar com esse modelo de produção significa que amanhã ou depois o nosso povo terá dificuldade de acesso aos alimentos”, alerta Rochinski em entrevista à jornalista Marilu Cabañas da Rádio Brasil Atual.

O decreto de Bolsonaro altera  profundamente as competências do Incra, também prevendo a extinção do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), uma das maiores políticas públicas de educação em vigência há 20 anos. “Isso significa colocar, obviamente, o nosso país em um retrocesso”, destaca o coordenador-geral da Contraf.

Leia também:  Cármen Lúcia dá 48 horas para Ministério da Justiça explicar dossiê contra antifascistas
Ouça a entrevista na íntegra

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. É de lascar.
    Temos um sujeito mentalmente incapaz na presidência, cercado por limítrofes, cujo objetivo é nos devolver á condição de plantation (pelo que lembro das aulas do colégio: monocultura, latifúndio e mão de obra escrava – ou “uberizada”, na novilíngua neoliberal).

    Nunca pensei que veria ao vivo ao retorno da Idade Média, com jumentos que acreditam que a Terra é plana, vacinas são coisas de comunistas e talibãs religiosos têm razão. Que caverna do Inferno que a míRdia porca e o “lúmpen” empresariado gângster sonegador de impostos e direitos nos jogou.

    • “Idade Média”
      E quem disse que eles são tão avançados assim?
      Em termos de racionalidade, essa turma está muito antes do tempo das cavernas!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome