Custos de produção na agropecuária e as vilanias de Ronaldo Caiado

 
 
 
Apesar do uso maior de inovações, muitos agricultores dão mole ao azar, na forma de aplicações intensivas e comodistas de insumos tradicionais, caros e crescentemente cartelizados
 
Na última coluna fui incisivo quanto à situação ainda confortável da atividade agro. Acrescentei, porém, que ciclos positivos assim, passam por reversões.
 
Leio manchete de jornal: “Construção vive pior fase desde 92”. Alguém duvidou que esse momento chegaria? O mesmo com a venda de carros.
 
A queda dos preços das commodities agrícolas, nas Bolsas de Nova York e Chicago, há meses aqui prevista, se confirma e causa apreensão no campo. Em 12 meses, caíram quase 20%, em média, com destaques para algodão (28%) e soja (26%). Por outro lado, no mesmo período, o dólar valorizou 26%. Ajudará.
 
Embora não pretenda fazer da coluna antidepressivo e desestimular quem já vasculha a discoteca em busca dos clássicos de Lupicínio Rodrigues (1914-1974), acho bom que assim o seja. Trata-se de um alerta.
 
Apesar do uso maior de inovações, muitos agricultores dão mole ao azar, na forma de aplicações intensivas e comodistas de insumos tradicionais, caros e crescentemente cartelizados.
 
Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), o custo médio dos fatores diretos de produção da soja transgênica na região, deverá aumentar 6,5% para a safra 2015/16. Aí incluem-se sementes, fertilizantes, defensivos, operação de máquinas, mão de obra, assistência, transporte, armazenagem e impostos. Do total, 75% são representados pelos insumos.
 
Agrônomos, técnicos agrícolas, mesmo biólogos e ecólogos, sem rabo preso com lucros exigidos pela indústria, empregos e salários, têm pleno conhecimento de produtos e manejos alternativos capazes de reduzir tais custos.
 
Nem mesmo é necessário grande aparato tecnológico ou fenomenal descoberta. Existem disponíveis tecnologias que amenizam o impacto no bolso do produtor rural, mantendo o solo em condições ideais para absorção de nutrientes e resistência diante de estresses hídricos, pragas e doenças. De quebra, ajudam na preservação ambiental.
 
Não devo nem posso fazer aqui indicações comerciais. Também não é preciso. Constato-as por onde ando e vejo que são conhecidas da maioria das revendas, lojas agropecuárias e cooperativas que comercializam esses insumos.
 
Há, no entanto, uma vasta teia de interesses cruzados e obstáculos contrários a tais apropriações tecnológicas. Envolvem desde a aprovação do produto comercial no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), até o poder de divulgação e lobby dos fabricantes multinacionais, passando pelo acomodamento ou falta de pesquisa do agricultor.
 
Alie-se a isso o tratamento desfocado e sem recursos que as instituições oficiais de pesquisas dão a esses desenvolvimentos.
 
Os fabricantes desses produtos têm perfis de pequenos e médios. Apesar de utilizarem matérias-primas de baixo custo, a maioria extraída de materiais orgânicos e naturais, e processos de produção pouco complexos ou exigentes em maquinários, perdem o fôlego financeiro na hora de enfrentar os aparelhos regulatórios, de comercialização, distribuição e divulgação.
 
Outro custo inevitável é o de convencimento, desnecessário no caso das multinacionais. Doa-se o produto para testes, banca-se o apoio técnico do plantio à colheita, e reza-se para que tudo dê certo e a lavoura produza mais 10 sacos por hectare. Às vezes, nem assim.
 
Vivo de ver isso acontecer. O produtor até pode apostar mais uns poucos hectares no tratamento, mas o grosso continuará nas altas aplicações de agroquímicos. Caso vençam todos esses obstáculos, ainda assim faltará capital de giro para financiar os agricultores no período de safra, a exemplo do que fazem os fabricantes de agroquímicos.
 
É o golpe fatal, onde os agricultores bobeiam e só acordam quando a crise bate à porta.
 
“Política”, por Aristóteles
 
Não creio que os escritos do filósofo grego, que morreu na Atenas de 322 a.C. tenham interpretação política para o dito abaixo.
 
“Lula tem postura de bandido. E bandido frouxo! (…) Lula e sua turma foram pegos roubando a Petrobras e agora ameaça com a tropa MST do Stédile e do Rainha para promover a baderna”.
 
Talvez a observação fosse cabível em roda de amigos, numa churrascaria de Brasília, frequentada por políticos ricos e bregas embriagados pelo som berrante de dupla neo-sertaneja.
 
Baixarias assim, no entanto, hoje em dia, vão mais longe através do “qualquer nota” imbecil das redes sociais e seus replicantes. A elegância acima saiu do twitter de Ronaldo Caiado, líder do DEM no Senado.
 
Eleito deputado federal, por Goiás, em cinco legislaturas, tornou-se senador e líder do DEM, no último pleito eleitoral. Deve a longeva vida política à defesa intransigente de qualquer causa que beneficie o que a agropecuária e o agronegócio têm de pior.
 
Conte-se aí destruição de biomas, voto contra a PEC do trabalho escravo, apoio ao lobby dos fabricantes de agroquímicos, e seguidas críticas à agricultura familiar, assentamentos rurais e direitos indígenas.
 
Quando obra fora do seu penico, pensa como o execrável deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ). Assim que lançado o programa Mais Médicos, fez o corporativismo mais anticastrista do que o de egressos da Ilha para Miami.
 
É exemplo de como não devem ser vistos agropecuária e agronegócio. Radical, caolho, com baixo entendimento de atividade complexa nas   interações econômica e social, o ativismo político de Ronaldo Caiado contribui para que os ruralistas continuem tão malvistos pela sociedade brasileira.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Ronaldo Caiado é a

    Ronaldo Caiado é a personalização do atrazo que é imposto ao Brasil por séculos…..além de médico medíocre, é fanfarrão, e ignorante……agora ungido ao senado terá campo fértil para continuar sua sanha de ódio e perseguição aos progressistas……

  2. caiado representa o atraso e

    caiado representa o atraso e acaba prejudicando a imagem do agronegócio

    por causa de suas atitudes inadmissíveis, retrógradas  e abomináveis…

  3. Um exemplo

    O Rui preferiu não entrar em exemplos específicos de produtos que funcionam, pois aí os porta-vozes das multis iriam cair de pau encima dele. Mas aqui vão só dois exemplos:

    1) A pendenga da aprovação da atual formulação da vacina anti-aftosa (oleosa) pelo Ministério da Agricultura, cuja tecnologia foi desenvolvida por um laboratório nacional, mas que só foi liberada depois que as multis desenvolveram a mesma tecnologia.

    2) O uso das folhas, torta ou óleo de neem (planta de origem indiana super bem adaptada ao Brasil) para controle de carrapatos e mosca do chifre, com excelentes resultados, baixíssimo custo, e impacto ambiental próximo de zero.

    As multis não deixam que pequenas empresas brasileiras registrem os produtos no Ministério da Agricultura e pressionam qualquer cooperativa que os estejam revendendo, para impedir que ocupem o mercado. E continuam vendendo seus produtos caríssimos, que intoxicam os animais e deixam resíduos para os consumidores, impactando negativamente o meio ambiente.

       De que forma as multis impedem que esses produtos sejam registrados no Ministério da Agricultura e ganhem mercado???

       Ganha um doce quem adivinhar.

    • Sem dúvida, meu caro,

      Toda a razão. Poderia juntar aos seus exemplos, pelo menos, mais 50, nas áreas de saúde animal e vegetal, nutrição, etc. A propósito, no Globo Rural de hoje, na TV, foi tratado o tema dos custos de produção na agropecuária, infelizmente, apenas pelo lado da repercussão da alta do dólar. Nenhuma palavra sobre essas tecnologias nacionais, alternativas, que independem do dólar. Abraço.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome