As semelhanças entre Macri e Bolsonaro, por Edgardo Mocca

A estratégia publicitária tem uma peculiaridade interessante: opera por rajadas, por períodos breves e intensos em que um eixo temático é instalado.

Do Página 2

A estratégia eleitoral do governo Macri

Campanha suja e caça às bruxas

De Edgardo Mocca

O governo de Macri gira em torno da publicidade. É natural que assim seja porque os comandos reais da política argentina lhes têm o Fundo Monetário Internacional , por decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Uma divisão funcional das obras de trabalho: o Fundo decide a direção, administra o único dinheiro que o governo tem, e Macri e sua equipe têm a tarefa de viabilizar a operação. Neste ponto fica claro que o governo sobrevive com o respirador dos dólares do Fundo e com o aparato publicitário de Durán Barba.

A estratégia publicitária tem uma peculiaridade interessante: opera por rajadas, por períodos breves e intensos em que um eixo temático é instalado. Da perseguição de habitantes de países vizinhos aos acordos programáticos de dez pontos, através de Pichetto e da magia de sua influência nos mercados, pela inexistente operação de controle de preços “essenciais” e por acordos de livre comércio que não tiveram lugar na realidade, tudo é destinado à produção de “agenda”. A vertigem com que as ocorrências publicitárias se sucedem sugere que nenhuma delas atinge um poder mínimo na opinião pública: seu objetivo não é essencialmente modificar opiniões, mas a instalação de temas, a agitação de preconceitos,

A última moda da moda, no entanto, parece estar atravessando uma barreira e iniciando a transição para um novo período, no qual a violência ocupa um lugar central. O novo “hit” do repertório de Durán Barba é um macarthismo desenfreado e um impulso desproporcional à estigmatização dos trabalhadores e de suas organizações sindicais. O crime de opinião renasceu no país . Em 1967, o regime de Onganía sancionou a “lei” 17401, a chamada lei anticomunista. Esta monstruosidade “legal” incorporou uma ofensa criminal, sem uma história: homens e mulheres que vivem no país poderiam ser julgados e detidos cometido não por ação, mas por uma “opinião”.

Leia também:  'O Brasil está sem dinheiro porque está sem governo', por Janio de Freitas

Seria uma outra ditadura – a instalada em 1976 – que extrairia todas as conseqüências práticas dessa inovação “legal” que punia o crime de optar de forma diferente pelo poder. Ele instituiu um estado terrorista no qual as próprias noções de “crime” e “opinião” permaneceram entre pontos de interrogação. Os habitantes do país – quer soubéssemos ou não – foram protagonistas de uma guerra. E não foi uma mera guerra local, ocasional, foi uma terceira guerra mundial que o comunismo lançou contra o “mundo livre”. Até mesmo a liderança política dos Estados Unidos ouviu com um pouco de surpresa – especialmente depois da presidência de Carter – essa tirada delirante vinda das autoridades de um país que declinou progressivamente em sua influência em escala regional.

Na Argentina hoje, o perigo comunista reapareceu. Com a particularidade de que o comunismo argentino é composto por peronistas, social-democratas, radicais, religiosa, feministas, sindicalistas de sinal diferente … e por comunistas. A nova moda será tão fugaz quanto a campanha de preços essenciais ou o acordo programático com a oposição? Não é seguro. Do ponto de vista da intensidade das manchetes, é provável que sim. Mas o modo de publicidade do governo não consiste apenas na criação de bolhas de agenda que podem tirar a catástrofe econômica, social e institucional que está acontecendo fora de foco. S u principal função é para desenhar um mapa dos inimigos, daqueles que resistem a “mudança”identificá-los, estabelecer sua árvore genealógica, impedir que a tentativa inevitável de sua parte agride violentamente o poder e instale um regime autoritário. Mais uma vez, como no tempo de Videla, a metáfora do vírus reaparece, do câncer que deve ser removido para que o corpo nacional finalmente encontre seu caminho na história.

Leia também:  Macron prepara xeque-mate em Bolsonaro que pode estremecer relações com Trump

O vírus Macri tem o mesmo projeto ideológico que o de Videla. Consiste na utopia de um país feito à imagem e semelhança de seus patronos (branco, masculino, bem-sucedido, meritocrático, normal ou capaz de simular a “normalidade”). Para consolidar este país virtuoso e condenado ao sucesso, o vírus deve ser removido. Nos tempos de Videla, o santo era subversão. Apátrida, amante do tecido vermelho à custa de símbolos nacionais … É interessante observar a mudança: hoje o inimigo interno não tem uma cara tão clara, um perfil ideológico tão definido. Talvez o nome “populismo” o designe agora. Pode ser. Mas em qualquer caso, o rolo verbal incomum contra o “comunista” ou a definição Kicillof Pelloni fez a Campora como “braço” traficante política Cristina inevitavelmente evocam o clima preparado e consagrou a última ditadura.

Agora, a incomum ofensiva publicitária atual tem uma peculiaridade que a distingue de seus ilustres antecedentes ditatoriais. Não é dirigido contra o perfil ideológico de grupos mais ou menos importantes por causa de sua capacidade de mobilização, mas eles tendem a ser insignificantes em termos de apoio social e relevância eleitoral. Pelo contrário: Macri, pessoalmente, estigmatiza Moyano, que é um dos líderes sindicais mais representativos. Ataca Palazzo, outro líder de representatividade indiscutível, baseado em um estilo muito diferente daquele que identifica o motorista do caminhão. Vidal “denuncia” Kicillof e o Campora, Pichetto espanca a lei 17401 para desqualificar Kicillof. Quero dizer, estamos falando sobre o ataque a uma força massiva, extraordinariamente influente na sociedade argentina e potencialmente vencedor das próximas eleições. Ou seja, a cena pode ser descrita como uma declaração de guerra por um setor da política contra outro setor que disputa a hegemonia.

Leia também:  Favorito dos Bolsonaro à PGR é crítico em relação à manipulação da opinião pelos grupos de mídia, em ambiente democrático

É verdade que devemos ter cuidado para não entrar em um debate que silencia as questões essenciais que estamos jogando: pão, telhado, terra, trabalho. Mas também é verdade que precisamos que os cidadãos se manifestem contra essa virada política regressiva que nos lembra de nossos momentos mais sombrios.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome