De olho na energia e no xisto, Putin visita Cristina Kirchner

 
Jornal GGN – Para defender sua aliança com Vladimir Putin, a presidente da Argentina Cristina Kirchner promoveu um encontro com o presidente russo ontem (13) na Casa Rosada, antes do jogo da final da Copa do Mundo.
 
O presidente de um dos países que compõem os Brics e que estará em Fortaleza nos próximos dias para discutir questões do bloco, declarou em sua passagem pelo continente que existe uma necessidade de reforma das instituições financeiras estrangeiras, com soluções justas, equitativas e sem duplos padrões – referindo-se aos problemas recentemente enfrentados pela Argentina com os fundos abutres e também à Grã-Bretanha, relacionando também a questão das Ilhas Malvinas.
 
Putin também aproveitou a visita para anunciar a partida de uma delegação russa para Vaca Muerta, em Neuquén, Patagônia, onde vários países estão estudando a viabilidade da exploração de gás de xisto. China também é uma das nações interessadas no negócio.
No comunicado à imprensa que os dois presidentes divulgaram – Putin esteve na noite anterior jantando com o presidente uruguaio, José Mujica – não se falou sobre abutres ou credores, mas sobre o interesse do país europeu na Argentina, a quem descreveu como “um parceiro muito importante”. Em seu discurso, defendeu a nação como “soberana, algo bastante raro no mundo de hoje”. Tímida, Cristina sorriu na plateia, ainda se recuperando de uma faringolaringite que a afastou de suas atividades na última semana.
 
O ministro da Energia russo, Alexander Novak, já declarou a um jornal argentino que a empresa estatal Rosatom já estava em posse de uma licitação para a construção de duas usinas de energia nuclear no país. Em agosto, uma delegação do Ministério do Planejamento deve viajar para Moscou para acertar detalhes nesta negociação.
 
Putin chegou antes à América Latina justamente para estudar o terreno, que hoje é praticamente dominado por investimentos chineses – o premiê chinês Xi Jimping só chegará ao Brasil no próximo sábado. Além disso, o líder russo sente-se praticamente em casa na Argentina, de quem recebeu total apoio em meio à crise da anexação da Crimeia. Cristina, aliás, já declarou que o vê como “um exemplo digno a ser imitado”. Os presidentes aproveitaram o ensejo para assinar acordos de cooperação nuclear para fins pacíficos e de comunicação, onde um canal estatal russo poderá ser visto também na Argentina, além de entendimentos jurídicos e tratados de extradição.
 
Mas, como nenhuma parceria é gratuita e apenas pela simpatia, Putin já elaborou sua lista de interesses no país: a Rússia tem total interesse na licitação para a construção da barragem Chihuido em Neuquen, em parceria com a Corporation of America. Mais de 20% da energia hidrelétrica na Argentina será gerada utilizando equipamentos russos. Também destacou seu desejo de que as empresas de seu país participem da modernização de geração de energia e da construção de novas usinas no país sul-americano.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Pirataria Inglesa: a guerra econômica contra a Venezuela, por Marcelo Uchôa

14 comentários

      • Sim, e ela disse isso na ocasião.

        O que não é coerente é tentarem agora mudar a História… de apenas 4 meses atrás!

        (E eu não sou contra o referendo nas Falkland/Malvinas nem contra a secessão da Crimeia. Então não tenho nada a ver com isso, estou apenas relatando fatos históricos.)

    • Mentiras baratas não mudam fatos!

      É impressionante o descaramento desse comentarista, que pouco tem de mal informado, mas tudo de mal intencionado.

      Brasil, Argentina, Uruguai, Ecuador, Paraguai e  El Salvador foram os países que comprovadamente SE ABSTIVERAM DE VOTAR CONTRA A ANEXAÇÃO DA CRIMEIA. 

       

      http://www.clarin.com/mundo/Argentina-abstuvo-condenar-anexion-Crimea_0_1109289425.html

      http://www.latercera.com/noticia/mundo/2014/03/678-571498-9-america-latina-dividida-ante-onu-por-crisis-de-ucrania-y-anexion-rusa-de-crimea.shtml

       

      http://www.diariouno.com.ar/mundo/Al-final-Argentina-se-abstuvo-de-votar-en-la-ONU-en-contra-de-Rusia-por-la-anexion-de-la-peninsula-de-Crimea-20140327-0105.html

       

      Depois sou eu o “propagandista”!

       

       

       

       

      • Reclame com o CS da ONU

        Em 15 de Março a Argentina e o Chile votaram JUNTO dos EUA e CONTRA Russia.

        Quem se absteve foi a China.

        E se você não está satisfeito com a realidade, reclame no Conselho de Segurança da ONU, não comigo!

         

        http://www.dailykos.com/story/2014/03/15/1284991/-China-Abstains-on-Security-Council-Resolution-on-Ukraine

        China has abstained from a UN Security Council Resolution invalidating the impending election results in Crimea in an attempt by that region to secede from Ukraine and annex itself to Russia. Russia, of course, vetoed the resolution. However, the other 13 members of the UN Security Council voted for the resolution.

        In its state-run press, China talked about the obligation to protect all minorities, including Russian minorities. However, it also said that the territorial integrity of Ukraine must be respected. This veto will serve to further isolate Putin in his attempts to wrest Crimea and possibly other parts of the east from Ukraine as his price for that country joining NATO.

        Other members of the UN Security Council include Argentina, Australia, Chile, Chad, Jordan, Lithuania, Luxembourg, Nigeria, South Korea, and Rwanda. Throughout this conflict, Russia has claimed to be merely acting in accordance with international law. However, this vote undermines the legitimacy of Putin’s actions. Russia has historically played the “Big Brother” role in protecting ethnic Russians as well as the Serbs; its attempt to protect Serbia from Austro-Hungarian aggression following the assassination of Austrian Archduke Franz Ferdinand was one of many factors which sparked World War I.

        Putin’s actions have also triggered massive instability in Russian markets recently. This means that his actions could be calculated to be political; there was simmering unrest in Czarist Russia prior to World War I and the outbreak of the war temporarily brought a halt to the unrest. However, given the turmoil in the Russian markets and the peace march today in which 50,000 were present, it could be that this move is backfiring on him.

         

        • “Los ignorantes son los muchos, los necios son los infinitos”

           

          Leia Zibell e deixe de encher o saco.

           

           

          Asamblea general

          La Argentina no condenó en la ONU la anexión rusa de Crimea

           

          Por  | LA NACION

           

           parecer, la llamada telefónica que hace dos días le hizo el presidente de Rusia, Vladimir Putin , a Cristina Kirchner surtió un efecto inmediato: la Asamblea General de las Naciones Unidas aprobó ayer por amplia mayoría una resolución que apoya la integridad territorial deUcrania y consideró “no válido” el referéndum de Crimea. Pero, sugestivamente, la Argentina se abstuvo de apoyar esa decisión, y, así, quedó alineada indirectamente a los intereses de Moscú.

          La Asamblea de la ONU aprobó ayer un texto no vinculante por 100 votos a favor, 11 en contra y 58 abstenciones. Entre los países que acompañaron a la Argentina con la abstención se encuentran China, la India, Brasil, Ecuador y Uruguay, entre otros. Más allá de pedir que la comunidad internacional no reconozca la anexión de Crimea a Rusia, la Asamblea de la ONU subrayó que la consulta popular del pasado 16 de marzo en Crimea “no tiene validez”, porque “no fue autorizada” por el gobierno de Kiev. Pero la Argentina no quiso avalar esa resolución.

          Si bien la votación de ayer no tendrá efecto práctico en la crisis de Crimea, dejó en evidencia la postura contradictoria de la Argentina en este conflicto abierto entre Ucrania y Rusia. Sucede que la abstención argentina de ayer contrastó con la postura que hace 15 días asumió la embajadora argentina en la ONU, María Perceval, que apoyó en el Consejo de Seguridad de las Naciones Unidas el proyecto de resolución presentado por Estados Unidos contra el referéndum de Crimea con la esperanza de que contribuya a lograr una solución política a la crisis en Ucrania.

          Para fundamentar la abstención argentina de ayer, Perceval aclaró: “Se nos pide una interpretación por parte de la comunidad internacional del derecho interno de Ucrania, que no es coherente con el principio de no intervención en los asuntos internos de ese país”. Y aclaró: “Nuestra posición sobre la integridad territorial, la no injerencia en los asuntos internos de otros países ya sea por medios políticos, económicos o militares, es tan clara como coherente con nuestras acciones”. Así, la Argentina entendió que de haber votado ayer en favor de la resolución propuesta “limitaba el diálogo y la resolución pacífica de los conflictos”.

          Consultadas por LA NACION, fuentes calificadas de la Cancillería y referentes de la diplomacia de Rusia y Ucrania coincidieron ayer en que la conversación telefónica de Putin con Cristina Kirchner fue “clave” para lograr la abstención y, con ello, un apoyo encubierto de Buenos Aires a Moscú.

          Luego de esa charla de los presidentes hubo un comunicado oficial de la Cancillería en el que se dejó en claro que “Putin subrayó la importancia de la posición argentina al incluir en el debate sobre Crimea la cuestión del doble estándar de varios países con relación a los principios de la Carta de las Naciones Unidas”. Inmediatamente, destacó que la Presidenta planteó “la ineficacia de la aplicación de sanciones [a Rusia] que sólo impiden el diálogo constructivo”.

          También el Kremlin emitió un comunicado similar, pero añadió un párrafo que no estaba en el comunicado argentino. “Se acentuó la importancia de una estimación integral de las tradiciones nacionales, históricas y culturales de los pueblos”, dijo Moscú tras la charla de Putin y la Presidenta.

          Es decir que quedó en claro un tácito acuerdo entre Putin y Cristina Kirchner para que la Argentina no avale sanciones contra Rusia y exista un encubierta ratificación de la anexión de Crimea a Moscú.

          AVISO A KIEV

           

          El diálogo de ambos presidentes y los comunicados emitidos luego desde Buenos Aires y Moscú fueron casi un prólogo del voto que tuvo ayer la Argentina en la Asamblea General de la ONU. De hecho, la Cancillería adelantó a las autoridades de Ucrania hace 24 horas que iba a tomar esta postura. “Sabíamos qué posición tomaría la Argentina en la ONU, pero no la entendemos. Hay un cambio de actitud que no comprendemos de la Argentina. Es una actitud extraña que sólo entendemos que se da por razones económicas con Rusia”, expresó a LA NACION un diplomático ucraniano desde Kiev.

          Las relaciones comerciales entre la Argentina y Rusia están muy sólidas: hay un intercambio comercial anual de unos 1800 millones de dólares. Además, Moscú tiene un fuerte interés por invertir en la Argentina en la represa hidroeléctrica de Chiuido I, en Neuquén; la empresa Rosatom buscará aliarse a los proyectos nucleares de Atucha; hay en marcha un megaplán de minería en Mendoza y San Juan con una empresa rusa para la explotación de cobre; existe interés de la fábrica de camiones Kamaz por instalarse en Córdoba, y se prevé la venta de aviones y helicópteros rusos a la Argentina, entre otros negocios en puerta.

          Cristina Kirchner cuestionó el “doble estándar” que fijan algunos países europeos para avalar por un lado el referéndum que se hizo en las islas Malvinas y, por otra parte, rechazar la consulta que se realizó en Crimea. Con este pretexto Putin tomó como un apoyo a la anexión de Crimea la postura asumida por la Argentina.

           

          Ayer, en Nueva York, con tono desesperado, el canciller ucraniano Andriy Deshchystsya dijo al presentar la resolución que se puso a votación: “Lo que ha ocurrido en mi país es una violación directa de la Carta de la ONU”. Pero la Argentina prefirió mirar para otro lado y abstenerse.

           

          http://www.lanacion.com.ar/1676007-la-argentina-no-condeno-en-la-onu-la-anexion-rusa-de-crimea

            

          • Se a realidade não lhe agrada, FF

            Não precisa ser mal-educado.

            Na votação realizada no Conselho de Segurança em 15 de março tanto a Argentina como o Chile votaram a favor, junto a 11 outros países no CS, da moção depois vetada pela Rússia. Nessa feita apenas a China se absteve.

            Pare de tentar mudar a História de acordo com seus interesses.

            Nem Stálin conseguiu.

        • Sente a bunda, estude, postar hoax é anti-ético, Zibell!

          Passados alguns dias, recebo em meu mail notificação da “resposta” acima, de Zibell, errático como sempre em suas “pesquisas”, péssimo investigador, porém arrogante comentarista e contumaz caluniador.

          Fui ao site da ONU http://www.un.org/News/Press/docs/2014/ga11493.doc.htm

          e lá está, mais uma vez, a confirmação de todo o noticiário da imprensa internacional sobre a ABSTENÇÃO ARGENTINA na votação contra a integração da Crimeia à Federação Russa, teimosamente “desmentida” por Zibell: 

          Eis a defesa da abstenção argentina pela voz de sua representante no CS da ONU:

          MARÍA CRISTINA PERCEVAL( Argentina) said her delegation had voted in favour of a similar text in the Security Council earlier this month, having felt that it upheld standards that should guide the international community, but some Governments had shown a lack of coherence.  The Charter had no room for interpretations, she emphasized, adding that tabling the draft resolution did not contribute to a peaceful settlement of the dispute.  Argentina had abstained. Que esse exemplo de deturpação e premeditada distorção de FATOS por Zibell sirva de lição retro-e pró-ativa, não se pode dar a mínima crediblidade às suas postagens e comentários.  c/c Luis Nassif via e-mail.

  1. Continua o Putin distribuindo

    Continua o Putin distribuindo esmolas pelos paisecos latino americanos… Primeiro foi Cuba…

  2. Bom……

    Não faltarão citicas a esta possivel parceria, pois o império do norte, que até recentemente dizia ser a AL e AS seus quintais, deve estar a perder o sono.

    Mas não iludamos, a águia não deixará isto por menos, e possivelmente tudo fará para melar estes acordo que ora o Putin vem fazendo nas Americas Latina e Sul.

    Os vassalos, aliás, também devem estar alvoroçados, pois se a Russia e China, conseguirem bons acordos nas diversas áreas em que estão se propondo, será uma mudança radical, e sinceramente fico preocupado, pois em se tratando de perda de mercados, possivelmente iniciarão uma tática de desestabilização de governos na região!

    Fiquem de olho, pois os erviços, ou melhor, os agentes estarão sem duvidas, muito ocupados.

    • Críticos, não – penas a soldo, com certeza!

      Caro Wendel,

      a campanha contra os BRICS, mas também pela desmontagem midiática de cada um dos países integrantes

      já está em curso. Exemplo disso são peças como as da sra. Uta Thofern, do meu antigo empregador, Deutsche Welle:

      ¿Nuevo orden mundial a la rusa?

      http://www.dw.de/nuevo-orden-mundial-a-la-rusa/a-17776266

       

      Em particular no GGN, eu daqui por diante solemente ignorarei as tiradas de campanhistas como este que nos

      provoca sistematicamente. Pena a soldo? Eu não me surpreenderia, delas há várias plantadas nos meios de 

      comunicação.

      Um abraço.

      FF

  3. Russos e chineses atrás do Xisto? Ora isso…

    Cadê aquele pessoal-torcedor antiamericano (e adoradores de regimes antidemocráticos) que falavam e mistificavam que a revolução energética pelo xisto iniciada pelos americanos e canadenses era inviável?

    A realidade é dura mas é a realidade.

     

     

  4. depois do sucesso da copa das

    depois do sucesso da copa das copas, mais esse encontro fantástico dos brics para dar mais esperanças de finalmente, driblarmos o centenário estigma do tal destino manifesto norte-americano, embora tema, como alertou o wendel, as trentativas golpistas dos gringos reprewswentados no brasil pela grande mídia denominada por isso mesmo PIG

  5. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome