Governo interino da Bolívia anuncia perseguição a senadores do partido de Evo Morales

Ministro do Interior vai criar uma estrutura especial no Ministério Público só para os políticos do MAS por promoverem “subversão e sedição”. Morales reagiu desde o México: “Seria a confirmação de que pedindo democracia instalaram uma ditadura”.

O ministro do Interior eximiu de responsabilidades as forças de segurança que matem manifestantes MARCO BELLO/REUTERS

do Público.pt

Governo interino da Bolívia anuncia perseguição a senadores do partido de Evo Morales

por António Rodrigues

O ministro do Interior interino da Bolívia, Arturo Murillo, anunciou que vai criar uma “estrutura especial do Ministério Público” para prender senadores do Movimento ao Socialismo (MAS), do ex-Presidente Evo Morales, por “subversão e sedição”.

Murillo já tinha exprimido a intenção do Executivo, apesar de ser de transição e de estar incumbido apenas de convocar novas eleições e garantir a gestão pública até à tomada de posse de um Governo legitimamente eleito, que a sua intenção era perseguir funcionários e legisladores ligados ao MAS.

“Que comecem a correr, vamos apanhá-los. Não vamos permitir que haja mais alguma coisa que continue a fazer sedição no país”, garantiu Murillo ao tomar posse interinamente do cargo.

Desde então, o Ministério do Interior já eximiu de responsabilidades qualquer militar ou polícia que mate manifestantes e o resultado foi o massacre na cidade de Sacaba, que resultou na morte de nove apoiantes de Morales e pelo menos 115 feridos. De acordo com o Ministério Público de Cochabamba, as mortes não foram causadas por confrontos, mas por ataques premeditados de polícias e militares.

A partir do exílio no México, Evo Morales reagiu à afirmação do ministro interino para criticar aquilo que considera ser mais um reflexo da ditadura instalada: “Em vez de pacificação, ordenam difamação e repressão contra irmãos do campo que denunciam o golpe de Estado”, escreveu o Presidente deposto no Twitter.

Leia também:  Modelo chileno de aposentadoria, que Bolsonaro quer copiar, será reformado após protestos

“Depois de massacrar 24 indígenas [número total de mortos desde que tomou posse o Governo interino], agora preparam um Estado de sítio. Seria a confirmação de que pedindo democracia instalaram uma ditadura”, acrescentou o ex-chefe de Estado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Declarou o golpista que “deveria” apenas cuidar de marcar novas eleições: “Que comecem a correr, vamos apanhá-los.”.
    Onde já ouvimos esta conversa fascista mesmo? 
    Quanto a “convocar novas eleições” que paises apoiadores do golpe clamaram enquanto Evo ainda estava em seu mandato, fica a pergunta: quando vai rolar mesmo?
    A cobrança acabou ou vão estender a transição um pouco mais até que as milicias assassinem mais alguns opositores?
    Canalhas, escória. Esta direita sórdida e grupos evangélicos fundamentalistas que se enraizam na America do Sul tal um tumor maligno, são cúmplices de um genocídio que parece cada vez mais próximo.

  2. Ué, e onde se encontra o Sr. Luís Almagro para dar ultimato aos golpistas? O que está acontecendo na Bolívia é de inteira responsabilidade DELE. Pressionou o quanto pode, pôs fogo no país, e agora se esconde sentado no próprio rabo? Se existe um culpado no que acontece na Bolívia, essa pessoa é o Secretário da OEA, sabujo dos EUA.

  3. Ué, e onde se encontra o Sr. Luís Almagro para dar ultimato aos golpistas? O que está acontecendo na Bolívia é de inteira responsabilidade DELE. Pressionou o quanto pode, pôs fogo no país, e agora se esconde sentado no próprio rabo? Se existe um culpado no que acontece na Bolívia, essa pessoa é o Secretário da OEA, sabujo dos EUA.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome