Justiça dos EUA investiga Venezuela há dois anos e mira em Maduro

Há uma "fraude massiva e corrupção permeando o governo venezuelano", de até US$ 20 bilhões por ano, com suspeita de que a família de Maduro teria lucrado, apontam americanos

Foto: Reprodução do documento, disponibilizado pelo blog de Jamil Chade

Jornal GGN – A Justiça dos Estados Unidos não somente esteve atenta e envolvida nas investigações da Lava Jato no Brasil, para depois levá-la a toda a América Latina, ocasionando o sistema de operações no Peru, por exemplo, culminando no suicídio do ex-presidente Alan García, como também teve apurações específicas e diretas na Venezuela.

A interferência das autoridades e investigadores dos EUA sobre a país vai além do apoio para a queda de Nicolás Maduro. A última informação é que os investigadores norte-americanos gravaram mais de 100 conversas de representantes do governo de Nicolás Maduro e chavistas, além de banqueiros e parentes de políticos da Venezuela, em um período de mais de dois anos. A família de Maduro estaria envolvida.

Como consequência, obtiveram provas de um esquema de uso de dinheiro da estatal PDVSA para a compra de imóveis de luxo na Flórida, nos EUA. Além disso, bancos suíços e notas frias teriam sido usadas no esquema para a lavagem de dinheiro, que ultrapassaria milhões de dólares. As informações são do jornalista Jamil Chade.

A exemplo do que vinha ocorrendo no Brasil, a apuração que mirou a Venezuela, por parte dos investigadores do Departamento de Justiça dos EUA, usou como base a colaboração de uma fonte do governo norte-americano. Sem revelar sua identidade, ele afirmou que teria recebido 78 milhões de euros da estatal venezuelana.

O criminoso confesso teria, então, repassado aos investigadores todo o esquema que estava sendo deflagrado na PDVSA, para o uso pessoal dos envolvidos. Ele teria dito que queria “devolver o dinheiro e cooperar”. A partir de 2016, tal fonte se prestou a auxiliar os investigadores em uma apuração denominada Operation Money Flight, ou Operação Voo do Dinheiro, em tradução literal, que tramitou durante todo esse tempo de maneira sigilosa.

Leia também:  Líder de grupo Bolsonarista diz que "nem no governo do PT, a Lava Jato esteve tão ameaçada"

“A Fonte Confidencial aceitou usar um aparelho de escuta e a Operation Money Flight foi iniciada com o foco em tentar lavar parte dos 78 milhões de euros, os fundos PDVSA”, documenta o arquivo da Força-Tarefa sobre o Crime Organizado e Drogas do Departamento de Justiça dos EUA.

“Dois anos e mais de cem gravações depois, a Operation Money Flight revelou uma conspiração internacional para lavar os fundos da PDVSA em Miami e por organizações internacionais de grande escala. Mais especificamente, as investigações revelaram o uso de imóveis em Miami e esquemas sofisticados de falsos investimentos para lavar centenas de milhões de dólares”, resumiu.

Os nomes dos envolvidos foram parcialmente revelados. Cinco pessoas ligadas ao regime de Nicolás Maduro, segundo as autoridades dos EUA, entre elas o ex-diretor de finanças da estatal, Abraham Edgardo Ortega, o ex-conselheiro no Ministério do Petróleo, Carmelo Urdaneta, e o empresário e sócio da empresa mista Petrozamora, Francisco Convit Guruceaga.

Mas ainda sem conclusões materiais, os americanos suspeitam que a família de Maduro e a elite chavista lucraram milhões de dólares com esse esquema criminoso, utilizando a estatal e o mercado negro de câmbio venezuelano.

Outros três políticos venezuelanos estariam diretamente envolvidos, mas não tiveram seus nomes divulgados na investigação, uma vez que ainda tramita em sigilo. A conclusão dos investigadores estadunidenses é que há uma “fraude massiva e corrupção permeando o governo venezuelano”, que apontariam para até US$ 20 bilhões por ano.

 

11 comentários

  1. Estava demorando, não? Parece que a turma da justiça de lá não tem muito serviço, já que tem tempo de ficar fuçando o pais dos outros…ou melhor, espionando……

    Dever ser as mesmas provas que tem contra Lula, aparece um um imóvel ali, um mimo que comprou num site americano acolá…..

  2. O ilustríssimo Sr. André Araújo pode pode discorrer um pouco sobre a seriedade e confiabilidade que se podem atribuir às ações do DOJ – Department of Justice dos EUA. As evidências indicam que se confundem as suas atribuições com aquelas das agências CIA, NSA e outras organizações terroristas patrocinadas pelo Deep State norte americano. Vida longa ao Wikileaks e a Julian Assange.

  3. Agora, a mídia corrupta da USA Inc. está mirando em “esquemas bilionários” realizados pelo Governo Maduro… através de “estudos” e “levantamentos” promovidos pelo DoJ ianque… como sempre, muito preocupados com os interesses do povo venezuelano, coitadinhos, passando “fome e frio” por culpa do Maduro… Não funcionou o esquema das sanções, de “eleger” um substituto, de roubar as reservas de dinheiro e ouro venezuelanas… Ameaça de invasão também ficou paralisada, quando viram avião russo com tropas chegando… Ofereceram dinheiro para os militares afastarem Maduro, mas os militares não aceitaram… Agora vêm com mais uma tentativa de subverter a ordem no país, com uma estorinha sem fundamento, sobre possíveis desfalques na PDVSA… Caso esse dinheiro tivesse sido expatriado, os sionistas khazarians já teriam se apropriado – afinal, para eles, o furto, o roubo e apropriação indébita é um preceito religioso, seguido à risca pelos canalhas há mais de 2000 anos… Como sempre, criam um enredo fantasioso, buscando gerar ódio contra o governo, que resiste em entregar as reservas de petróleo – as maiores do mundo – para a canalha sionista khazarian… Os USA Inc. não admitem que governos pratiquem atos que prejudiquem os povos do mundo, principalmente corrupção, contra a democracia e os direitos humanos… e se julgam no direito divino de defender os povos indefesos contra esses bandidos… os únicos que possuem o direito às falcatruas são os sionistas khazarians e os povos devem aprender a obedecer às instruções de “DEUS”…

  4. Pense numa investigação…Um delator que não pode ser conhecido, numa investigação ainda sem conclusões.
    Realmente, os EUA estão desesperados com essa Lavajateira na América Latina. Risível.

  5. Mais uma tentativa de extorsão dos EUA. O problema é que diferente da sub colônia BraZil a conversa fiada vai bater fofo pois os 100 russos com seus dois aviões e as 35 ton de equipamentos ainda estão lá na Venezuela.

  6. O erro de Nicolas Maduro é não pedir à Justiça da Venezuela que investigue o crime cometido pela White House ao congelar (um eufemismo gringo para pilhagem internacional desautorizada pela ONU) mais de 100 bilhões de dólares venezuelanos. Quem julgará o bandido Donald Trump?

  7. Se chegou a divulgar é pq o judiciário da Venezuela já foi corrompido.

    Já embarcou na Venezuela mais um braço da organização criminosa norte-americana formada por empresários que querem as estatais, riquezas e mercado Venezuelano.

    Mais um judiciário a serviço do crime organizado.

  8. Essa ”fortuna” de Maduro me lembra os famosos bilhões da família Castro em bancos suiços. A beleza desses ‘gimmicks’ – concebidos pelas agências de inteligência gringas para destruir governos progressistas na AL – é que são tão toscos que não chegam a convencer ninguém…nem mesmo os gusanos de Miami acreditam nesses embustes.

  9. A Suíça está investigando as supostas 700 contas secretas. Por enquanto temos a “conspiração” ianque.
    André Araújo já falou aqui algo parecido como, há corrupção em todos países. This is true.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome