Sobrinho de autoproclamada presidente da Bolívia foi preso no Brasil com 480 quilos de cocaína

Afinado com o golpe, o Brasil foi o primeiro país a reconhecer Jeanine Añez como a presidente da Bolívia.

Sobrinho da senadora Jeanine Añez durante prisão no Brasil (Fotos: Gilvan Melo / Montagem)
Jornal GGN – No dia 16 de outubro de 2017, em uma fazenda em Tangará da Serra, em Mato Grosso, Carlo Añes Dourado foi preso com 480 quilos de cocaína. Añes é sobrinho da autoproclamada presidente da Bolívia Jeanine Añez, do partido Democratas.

Afinado com o golpe, o Brasil foi o primeiro país a reconhecer Jeanine Añez como a presidente da Bolívia. Uma senadora que se autoproclamou em sessão no Senado com quórum insuficiente, completando o cenário do golpe em Evo Morales e na democracia.

Ernesto Araújo, chanceler, afirmou em tuíte que a autoproclamação de Añez foi em observância da Constituição do país. Araújo é um dos apontados como apoiadores do golpe de Estado na Bolívia.

No Twitter, o Itamaraty parabenizou a senadora por “assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia”.

“O Governo brasileiro congratula a Senadora Jeanine Añez por assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia e saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais. O Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade c/ a Bolívia”.

O sobrinho da senadora golpista, Añez Dourado, foi preso junto com outro boliviano, Fabio Adhemar Andrade Lima Lobo. A apreensão foi foi realizada em propriedade rural a 387 quilômetros de Cuiabá.

Dentro da aeronave foram apreendidas 14 caixas com 30 quilos de substâncias análogas a cocaína em estado ‘cristal’, considerada forma pura do entorpecente.

Itamaraty Brasil🇧🇷

@ItamaratyGovBr

O Governo brasileiro congratula a Senadora Jeanine Añez por assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia e saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais. O Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade c/ a Bolívia.

 

Leia também:  Bolsonaro ironiza golpe do Estado durante Cúpula do Mercosul

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Nassif: “aí tem…”, diria o saudoso PauloSilvino. Parece, os caras querem compensar aquele carregamento que os espanhois prenderam. Já imaginou a nova rota? Produzem e despacham diretamente da fonte. Excelente estratégia. O Fritador de Hamburger pode até ser “Embaixador” por lá. Melhor que no MacDonalds dos gringos. O novo bordão será — “o Pó acima de tudo e de todos”. As Milícias estão exultantes. O chefe deles vai até ter alta hospitalar, pra acompanhar de perto as transações. Pena agora que a monarquia entra na história os VerdeSauvas serão postos a escanteio. Mas, tá na Bíblia, “quem planta vento colhe tempestade”. Tão colhendo o que plantaram.

  2. Para o milicianismo brasileiro se autofinanciar, este seria o melhor dos mundo: alguém que afrouxe as fronteiras de lá e outros que facilitem os caminhos de cá. Basta ver que há poucos dias atrás o deputado E Bolsonaro entrou na justiça para que o sargento da aeronáutica, preso na Espanha com os 39 kg de cocaínas não fosse ouvido por teleconferência por uma comissão do congresso brasileiro. Junta-se A + B = C ocaína – a forma mais fácil de enriquecer e poder bancar golpes e crescimento da direita miliciana pelo mundo.

  3. Rapaz, estamos sendo governados por gente com a mais cara desvalada do mundo. Dão um golpe na Democracia na Bolívia e essa gente, desvaladamente, com a mau caratismo do mundo… apoia.

    E ainda tem a cara de pau de falar que “a Democracia venceu”. Quando a realidade diz outra coisa
    completamente diferente.

    Ora, estamos governados por bandidos golpistas. A Democracia do Brasil está sob risco com essa gente.

  4. Tá tudo em casa… É bem capaz de o sobrinho traficante assumir algum cargo no “novo governo” autoproclamado na Bolívia. Não me surpreenderia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome