TSE cruza os braços enquanto Bolsonaro cresce em cima de fake news, diz Kennedy Alencar

 
Jornal GGN – O jornalista Kennedy Alencar publicou artigo na CBN criticando a incapacidade do Tribunal Superior Eleitoral em combater com eficiência as fake news que circulam em aplicativos de conversa como o WhatsApp. Durante a gestão Fux, o TSE focou as ações contra as notícias falsas nas eleições em plataformas de redes sociais como Facebook e no Google. Mas o WhatsApp se demonstrou um território ainda mais descontrolado. 
 
Para Kennedy, a eleição de 2018 no Brasil vai deixar o escândalo da Cambridge Analytica parecendo “fichinha”. O jornalista ainda chamou à responsabilidade a atual presidente do TSE, Rosa Weber. Por se beneficiar das fake news, Bolsonaro não demonstra nenhum interesse num pacto para cessá-las. “Bolsonaro é o candidato mais beneficiado pelas mentiras enquanto o TSE assiste a tudo de camarote”, opinou.
 
 
Por Kennedy Alencar
 
 
Uma onda de fake news contra Fernando Haddad elevou a rejeição do candidato do PT à Presidência a um patamar superior ao do seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL). Segundo a primeira pesquisa de segundo turno do Ibope, realizada no fim de semana e divulgada hoje, 47% dos eleitores rejeitariam Haddad. E 35% disseram que não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum.
 
No dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno, o Ibope mostrou que 43% dos eleitores afirmaram que não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum. A taxa de Haddad era de 36% _7 pontos percentuais em benefício do petista. No levantamento divulgado hoje, houve uma inversão de 12 pontos a favor de Bolsonaro. A onda de fake news explica isso.
 
Além dos ataques associando o PT à corrupção, Haddad tem sofrido acusações de ordem pessoal que misturam preconceito, desinformação e falsidade sobre sexualidade, aborto, drogas e patrimônio.
 
Uma das maiores democracias ocidentais, o Brasil enfrenta nestas eleições uma onda de notícias falsas que tende a fazer o escândalo Cambridge Analytica virar fichinha _descoberta de manipulação de empresa inglesa no Facebook para ajudar Donald Trump e outros mandatários a chegar ao poder.
 
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ameaçou esboçar uma reação nesta semana, cobrando o WhatsApp. Antes tarde do que nunca. Mas parece pouco diante do tamanho do problema.
 
A presidente da corte, Rosa Weber, deveria vir a público responder à evidência de uma avalanche de fake news na campanha eleitoral. Weber também deveria comentar a acusação de Bolsonaro em entrevista na quinta ao “Jornal da CBN – 2ª Edição” de que suspeita de fraude na urna eletrônica no voto para presidente. Ela ainda deveria falar a respeito de atos de violência contra eleitores de esquerda, sobretudo de ataques a mulheres.
 
No que se refere a fake news, Bolsonaro é o candidato mais beneficiado pelas mentiras enquanto o TSE assiste a tudo de camarote.
 
*
 
Falsidade religiosa
 
Houve mais uma notícia falsa espalhada contra Manuela D’Ávila, vice de Haddad. Ela é cristã e católica, ao contrário do que afirmavam mentiras nas redes sociais.
 
*

12 comentários

  1. Inabilitação de candidatura
    Seria a única atitude responsável pelo TSE, mas o medo deles do PT é ainda maior que o medo dos vassalos do capetao…

  2. keneddy…não vou ousar dizer

    keneddy…não vou ousar dizer que vc é um jornalista a serviço da esqureda…vc é imparcial..acompanho seu trabalho e o respeito muito….jornalista de su quilate medão a certreza de que cada verz mais devfemoscombater toda e quqlquer esp´cie de ameça a liberdade de imprensa..ao cont´rario de algum que estão por aaui, vc merece respeito…só te peço uma coisa…a propía Manu deu entrevista dizendo que não é cristã…procure aíq vc encontra..abççss…qnt aos fakes, estão ocorrendo de ambos os lados…

  3. O TSE foi o PRINCIPAL FIADOR

    O TSE foi o PRINCIPAL FIADOR do desfecho do golpe “com stf, com tudo”.

    Quem foi que impediu ilegalmente o Lula de participar da eleição?

    Quem afrontou até a ONU a jogou no lixo tratados internacionais assinados peo Brasil para prejudicar o Lula e o PT?

    Me parece muita inocência alguém acreditar que sairá dali qualquer providência que possa atrapalhar a campanha do coiso, que alíás, tem o apoio de quase 100% do poder judiciário.

    A partir de janeiro de 2019 teremos a pior das ditaduras no Brasil, a JURISTOCRACIA MILITAR.

    Armazenem provisões.

  4. Numa próxima reforma abolir
    Numa próxima reforma abolir isso..

    Faz tanta propaganda inútil, por que não promove agora uma campanha contra as fake news?!?

    Sei………

  5. Tribunal Superior Eleitoral?

    Eu compro briga com todo esse bando de robôs do bozo truculento no YT. Meu pai fica desesperado 🙂 Ele acha que estou me expondo, mas é so tralala com esse pessoal que esta ou de ma-fé ou mal informado e que dissimina essa mentirada. Quando falam Lula ladrão, Haddad ladrão, mando provar e ai ou partem para aquilo que sabem fazer melhor: desqualificar o interlocutor, e mulher mais ainda, ou desaparecem. 

    Quanto ao TSE ou ele dormiu de toca ou fez vistas grossas porque no fim das contas preferem o fascismo ao PT. Nos dois casos, essa eleição entrara para a historia como a eleição de um fake. O avatar bolsonaro e seus apoiadores diretos e indiretos. 

  6. Será?

    Primeiro, condena-se o favorito, sem provas porque sem crime; alegando a condenação, impede-se o  favorito de registrar a  candidatura, enquanto centenas de outros candidatos, em semelhantes condições, sempre puderam fazê-lo; depois proibe-se, numa atitude completamente ilegal, que esse favorito seja  visto ou ouvido pelo povo; além disso, permite-se que um dos lados que sobraram na disputa use de  artifícios ilegais para inundar as redes sociais de mentiras contra o candidato e o partido do outro lado, por coincidência o mesmo do favorito barrado; apresentam-se, enfim, desculpas para “explicar” a inacreditável complacência com as ilegalidades cometidas pelo lado que tem podido tudo. Será? Interpretem como quiserem.

  7. Estratégia de guerra

    Justamente pelo fato de não respeitar as regras democráticas, a campanha do Bolsonaro é feita para destruir o adversário (Haddad) e não para se mostrar melhor do que ele.

    Não devemos cair nesse mesmo jogo.

  8. chocado mas não surpreso.

    K A é o unico que diz coisas acertadas na CBN.

    Agora, esperar algo justo do TSE, já é demais.

  9. O JUDICIÁRIO TEM O DEVER DE JULGAR OS FABRICADORES DE FAKE NEWS

    Penso que o PF, TSE e MPF têm um pouco de culpa nesta contaminação ao afirmarem que precisam defender o importante direito de expressão assegurado na CF. Todos pela Constituição​, mas fazem vistas grossas na interpretação deste direito, visto que o direito de expressão não é generalizado e nem contempla as livres expressões com intenções de destruir, difamar, ameaçar e até propagar postagens com incentivos à violência e, criminosamente, à tortura. Em 2018 estas expressões criminosas e imorais atingiram o mais alto patamar de todos os tempos. E, talvez tenha aumentado desta forma, devido aos erros graves das legislações políticas, nas quais tudo fica liberado para parlamentares, representantes do povo, inclusive praticar crimes de racismo e incentivo à violência em nome de um suposto e ridículo direito individual denominado de IMUNIDADE PARLAMENTAR, como se estes políticos não fossem pagos pelo dinheiro do povo e nem tivessem sido eleitos pelo povo.

  10. E tudo virou uma GRANDE PIADA

    E tudo virou uma GRANDE PIADA DE MAU GOSTO no Brasil desde o GOLPE juridíco-midioso. Até aquele secretário do tse fingindo justificar que não podem fazer nada.

    Se o tse não tem competência no combate ao crime deveria acionar instâncias superiores ou cancelar o 2º turno, até esclarecer tudo.

    Caso isso não ocorra o candidato prejudicado, Fernando Haddad, deve começar a agir em legítima defesa e a cada mentira divulgada  responder com duas, além das verdades escabrosas de autoria desse  tal bolsonaro que devem ser muito bem deflagradas. Quando aprovaram o HUMOR nas eleições, na realidade estavam aprovando CRIMES.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome