fbpx
sábado, outubro 24, 2020
  • Carregando...
    Início Análise “Brasil é um país cristão e conservador”, por Eliara Santana

    “Brasil é um país cristão e conservador”, por Eliara Santana

    Alguns comentários sobre o discurso pífio e negacionista do presidente Jair na abertura da 75º Assembleia da ONU

    “Brasil é um país cristão e conservador”

    em seu blog

    Marcando com veemência o posicionamento de seu grupo fundamentalista, o excelentíssimo presidente Jair encerrou o seu discurso de abertura da 75º Assembleia Geral da ONU. Discurso marcado pela negação ostensiva de problemas e de realidades, pelo ataque a inimigos imaginários, pela exaltação à “verdade” e pela exaltação à religião e ao conservadorismo.

    Jair negou ostensivamente suas responsabilidades em relação à Covid, dizendo que, por decisão judicial, as medidas de restrição foram delegadas aos governadores. Jair também atacou a imprensa, acusando-a de “politizar o vírus” e de “disseminar o pânico entre a população”. Colocou-se, dessa forma, contra as medidas preconizadas pela OMS, e de quebra defendeu a hidroxicloroquina ao afirmar que estimulou “tratamento precoce da doença”.

    Afirmou também que o insumo de produção da hidroxicloroquina sofreu aumento de 500% durante a pandemia.

    Fez propaganda do auxílio emergencial e citou números mirabolantes de investimento do governo no combate à Covid no Brasil: 400 milhões de dólares para pesquisa e 100 bilhões para a saúde!  E citou auxílio a mais de 200 mil famílias indígenas.

    Tentou puxar o saco do agronegócio, dizendo, entre outras coisas, que o Brasil “contribuiu para que o mundo continuasse alimentado”. E dizendo que o agronegócio “possui e respeita a melhor legislação ambiental do planeta”.

    Negou com veemência o caos no meio ambiente. E afirmou, na maior desfaçatez, que o Brasil é vítima de brutal campanha de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal, citando “instituições internacionais” que apoiam essa campanha e se “unem a associações brasileiras aproveitadoras e impatrióticas com o objetivo de ‘projudicar’ (sic) o governo e o próprio Brasil”.

    Leia também:  André do Rap, o Caso Robinho e o dinheiro na cueca: cenas de uma guerra híbrida invisível, por Wilson Ferreira

    Na linha da negação, disse que o país é líder em conservação de florestas tropicais.

    Pra confirmar o “cuidado” com o meio ambiente, disse que o país garante “segurança alimentar a um sexto da população mundial mantendo 66% de vegetação nativa e usando apenas 27% do território para a agricultura e a pecuária”.

    Na linha da negação ostensiva, reverteu as acusações dizendo que o país é vítima da campanha de desinformação porque o Brasil é o maior produtor de alimentos do mundo. E disse  o mundo “depende do Brasil para se alimentar”. É uma fala perigosa de negação da realidade num momento em que a imagem do Brasil no exterior é péssima – ele diz que não há devastação ambiental e veladamente ameaça quem importa alimentos do país.

    Negou sistematicamente os incêndios, dizendo que a floresta é úmida e que, por isso, não permite fogo em seu interior, portanto, esses incêndios acontecem nos mesmos lugares, no entorno, em áreas já desmatadas porque índios e caboclos limpam pra plantar. Sobre o Pantanal, disse que é o mesmo caso da Califórnia e que os incêndios são em decorrência das altas temperaturas locais e  da massa orgânica em decomposição.

    Falou muito em ações militares e elogiou Trump, obviamente.

    Numa fala doméstica, abordou a questão das reformas, como se estivesse entregando um relatório, assunto que interessa apenas ao país. E pediu à comunidade internacional apoio para o combate à tal cristofobia.

    Resumindo, um show de mediocridade embalado no conservadorismo fundamentalista já conhecido. Uma desgraça para o Brasil.

    Leia também:  Em governo sem corrupção, casos suspeitos cercam Bolsonaro

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

    Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Assine agora

    6 comentários

    1. O discurso foi dirigido não ao mundo ou aos brasileiros, mas apenas e tão somente aos seus fanáticos que vão fatiá-lo e fazer memes enaltecendo o mitômano.

      É o uso do cargo público em proveito pessoal.

    2. O teólogo evangélico bolsonaro em fase mística:
      Cristão? São os soldados romanos que crucificaram NSJC.
      Bom cristão? O brilhante ulstra torturador e assassino, claro por salvificos motivos.

    3. Desgraça mesmo não foi o fato dele ter mentido descaradamente…
      porque é cria da mentira, das fakes news

      desgraça mesmo foi ele ter mentido para o mundo em nome dos 58 milhões de brasileiros(as) que o elegeram

    4. Faltou dizer que o Maduro é que colocou fogo no pantanal, queimou o que era molhado, vejam só; e ainda que ele acaba de lançar um Programa de Recuperação de economia.
      Faltou isso.
      E os jornais só faltaram aplaudir, que coisa!
      Destruíram o país.
      E a quem caberá a responsabilidade pelas milhares de mortes de crianças e velhos com o país pós-golpe entrando na lista da fome da ONU?
      A globo, o stf, os generais de palácio, a lava-jato deram origem a isso.

    5. Bom, se enviar mais rapidamente as minorias para o criador é sinal de cristandade, sim; o brasil virou cristão.
      E, claro, conservador, pois o alvo é sempre o mesmo: pobre, negro, indio. Nao muda!

    Deixe uma mensagem

    Por favor digite seu comentário
    Por favor digite seu nome