Dilma e o país, entre o ruim e o péssimo, por Jorge Nogueira Rebolla

Por Jorge Nogueira Rebolla

Dilma Rousseff, o ruim e o péssimo

Por um paleonacionalista, tradicionalista e keynesiano. Eu mesmo.
 
O desempenho pessoal da presidente Dilma Rousseff após a vitória nas eleições de 2014 foi péssimo. Não sei se foi estratégia pessoal ou conselho de algum áulico. Enquanto a tempestade se formava preferiu esconder-se, talvez acreditando que tudo se acalmasse. Foram mais de sessenta dias sem confrontar os que desrespeitavam os seus 54 milhões de eleitores. A primeira manifestação dos sequazes do Gene Sharp ocorreu em 01 de novembro de 2014, menos de uma semana após o segundo turno. Permaneceu omissa enquanto era afrontada e acusada sem nenhum fundamento legal.
 
Durante o período perdeu o controle da Polícia Federal e assumiu uma posição defensiva, mas sem sequer se tornar reativa. O então ministro da justiça, o Dr. Cardozo, por medo de manchar a biografia que acredita possuir, não utilizou a prerrogativa do cargo para mandar investigar os crimes cometidos por agentes do Estado. Os vazamentos de informações e documentos de inquéritos e processos sob sigilo judicial são tipificados em lei. Afrontam o Estado de Direito e são flagrantes desrespeitos aos Direitos e Garantias Constitucionais de qualquer cidadão. Tornando nulo o princípio da presunção da inocência após o circo midiático utilizá-los conforme os seus próprios interesses. A apuração dos criminosos que do interior das instituições do Estado alimentavam a ciranda de denúncias e repercussões talvez tivesse freado a escalada golpista. Dilma falhou ao não garantir desde o primeiro momento a vontade da maioria, todos aqueles que nela votaram.

 
O governo Dilma Rousseff é ruim pelos erros cometidos na área econômica. As suas tentativas de agradar ao mercado, como a nomeação do banqueiro Joaquim Levy, a manutenção da diretoria mercadista do Banco Central, a política de arrocho em meio à recessão, o retorno à ortodoxia econômica em tempos de crise, tiveram como objetivo manter os grandes especuladores neutros na disputa política, e também reduzir a pressão das corporações midiáticas ao seguir as determinações do interesse dos seus donos, manifestadas através do jornalismo econômico e comentários de nulidades como Sardenberg ou Leitão. Seguiu a política nociva que faz parte do ideário econômico dos seus opositores. Para tentar uma trégua mais uma vez abandonou a vontade da maioria, pois se este fosse o desejo dela teria elegido Aécio Neves.
 
Após isso chegamos ao processo do impeachment. Um processo sem base legal, que tem como única peça da acusação as tais pedaladas fiscais apontadas pelo TCU. Ao contrário do que muitos podem pensar o nome Tribunal de Contas da União não o faz se transformar em um. Trata-se de mero órgão auxiliar do poder legislativo. Não prolata sentenças, emite pareceres que sequer foram votados pelo congresso nacional. As contas do governo não foram rejeitadas pela instância competente. Não existe o tal crime de responsabilidade atribuído a presidente.
 
Ao mesmo tempo em que os ritos ilegais do impedimento avançam a imprensa corporativa mantém deliberada desinformação. Os que se informam apenas através dos manipuladores de notícias acreditam que Dilma será julgada pelo cartel criminoso que existia na Petrobrás. Desconhecem até que os principais membros da quadrilha foram por ela demitidos muito antes das investigações se iniciarem. O processo de impeachment nada tem a ver com a operação lava a jato.
 
Essa mesma imprensa corporativa recebeu através dos vazamentos os produtos de crimes e com eles está fomentando um ainda maior: o golpe de Estado. Fato que se for consumado interessará apenas aos criminosos que a julgam e aos criminosos que os apoiam.
 
O péssimo desempenho pessoal de Dilma Rousseff e os resultados ruins do seu governo não serão nada se comparados ao que vem por aí.
 
Onde ela foi péssima o quadro será ainda pior, aqui existem duas possibilidades. Uma será a instauração definitiva do Estado policial comandado pelo judiciário; a outra um acordo de elites para livrar os corruptos aliados do novo governo, a grande maioria dos envolvidos nas apurações da lava a jato, e a continuidade do esquema. Não importa a vitoriosa, ambas transformam a Dilma em ótima na questão.
 
Na parte ruim veremos que tudo que o atual governo relutou em implantar virá em maior escala. As medidas que serão lançadas sobre o povo trará a carestia num grau que nos já estamos desacostumados. A crise de agora será para os pobres um incômodo quando comparada ao futuro que os aguarda. Até mesmo os erros atuais serão avaliados como bons.
 
Temos duas formas para evitar que triunfem. A primeira é impedir a concretização do golpe, a segunda resistir a ele. Não podemos correr o risco de sangue derramado por disputas políticas no Brasil. Evitar o sucesso do golpismo terá um custo social e humano muito menor. Além de enfraquecer os entreguistas e reduzir os danos que causam à nação, principalmente as famílias que controlam a mídia. Se um país pode se tornar canceroso a junção dos Marinhos, Civitas, Frias, Mesquitas, etc., formam uma metástase. 
O desempenho pessoal da presidente Dilma Rousseff após a vitória nas eleições de 2014 foi péssimo. Não sei se foi estratégia pessoal ou conselho de algum áulico. Enquanto a tempestade se formava preferiu esconder-se, talvez acreditando que tudo se acalmasse. Foram mais de sessenta dias sem confrontar os que desrespeitavam os seus 54 milhões de eleitores. A primeira manifestação dos sequazes do Gene Sharp ocorreu em 01 de novembro de 2014, menos de uma semana após o segundo turno. Permaneceu omissa enquanto era afrontada e acusada sem nenhum fundamento legal.
 
Durante o período perdeu o controle da Polícia Federal e assumiu uma posição defensiva, mas sem sequer se tornar reativa. O então ministro da justiça, o Dr. Cardozo, por medo de manchar a biografia que acredita possuir, não utilizou a prerrogativa do cargo para mandar investigar os crimes cometidos por agentes do Estado. Os vazamentos de informações e documentos de inquéritos e processos sob sigilo judicial são tipificados em lei. Afrontam o Estado de Direito e são flagrantes desrespeitos aos Direitos e Garantias Constitucionais de qualquer cidadão. Tornando nulo o princípio da presunção da inocência após o circo midiático utilizá-los conforme os seus próprios interesses. A apuração dos criminosos que do interior das instituições do Estado alimentavam a ciranda de denúncias e repercussões talvez tivesse freado a escalada golpista. Dilma falhou ao não garantir desde o primeiro momento a vontade da maioria, todos aqueles que nela votaram.
 
O governo Dilma Rousseff é ruim pelos erros cometidos na área econômica. As suas tentativas de agradar ao mercado, como a nomeação do banqueiro Joaquim Levy, a manutenção da diretoria mercadista do Banco Central, a política de arrocho em meio à recessão, o retorno à ortodoxia econômica em tempos de crise, tiveram como objetivo manter os grandes especuladores neutros na disputa política, e também reduzir a pressão das corporações midiáticas ao seguir as determinações do interesse dos seus donos, manifestadas através do jornalismo econômico e comentários de nulidades como Sardenberg ou Leitão. Seguiu a política nociva que faz parte do ideário econômico dos seus opositores. Para tentar uma trégua mais uma vez abandonou a vontade da maioria, pois se este fosse o desejo dela teria elegido Aécio Neves.
 
Após isso chegamos ao processo do impeachment. Um processo sem base legal, que tem como única peça da acusação as tais pedaladas fiscais apontadas pelo TCU. Ao contrário do que muitos podem pensar o nome Tribunal de Contas da União não o faz se transformar em um. Trata-se de mero órgão auxiliar do poder legislativo. Não prolata sentenças, emite pareceres que sequer foram votados pelo congresso nacional. As contas do governo não foram rejeitadas pela instância competente. Não existe o tal crime de responsabilidade atribuído a presidente.
 
Ao mesmo tempo em que os ritos ilegais do impedimento avançam a imprensa corporativa mantém deliberada desinformação. Os que se informam apenas através dos manipuladores de notícias acreditam que Dilma será julgada pelo cartel criminoso que existia na Petrobrás. Desconhecem até que os principais membros da quadrilha foram por ela demitidos muito antes das investigações se iniciarem. O processo de impeachment nada tem a ver com a operação lava a jato.
 
Essa mesma imprensa corporativa recebeu através dos vazamentos os produtos de crimes e com eles está fomentando um ainda maior: o golpe de Estado. Fato que se for consumado interessará apenas aos criminosos que a julgam e aos criminosos que os apoiam.
 
O péssimo desempenho pessoal de Dilma Rousseff e os resultados ruins do seu governo não serão nada se comparados ao que vem por aí.
 
Onde ela foi péssima o quadro será ainda pior, aqui existem duas possibilidades. Uma será a instauração definitiva do Estado policial comandado pelo judiciário; a outra um acordo de elites para livrar os corruptos aliados do novo governo, a grande maioria dos envolvidos nas apurações da lava a jato, e a continuidade do esquema. Não importa a vitoriosa, ambas transformam a Dilma em ótima na questão.
 
Na parte ruim veremos que tudo que o atual governo relutou em implantar virá em maior escala. As medidas que serão lançadas sobre o povo trará a carestia num grau que nos já estamos desacostumados. A crise de agora será para os pobres um incômodo quando comparada ao futuro que os aguarda. Até mesmo os erros atuais serão avaliados como bons.
 

Temos duas formas para evitar que triunfem. A primeira é impedir a concretização do golpe, a segunda resistir a ele. Não podemos correr o risco de sangue derramado por disputas políticas no Brasil. Evitar o sucesso do golpismo terá um custo social e humano muito menor. Além de enfraquecer os entreguistas e reduzir os danos que causam à nação, principalmente as famílias que controlam a mídia. Se um país pode se tornar canceroso a junção dos Marinhos, Civitas, Frias, Mesquitas, etc., formam uma metástase. 

Leia também:  Guerra Híbrida: racismo, meganhacização e caos sistêmico, por Wilson Ferreira

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

14 comentários

  1. Ta explicado é keynesiano,

    Ta explicado é keynesiano, acredita em tirar leite de pedra.

    Acho que você não sabe, não entende ou se faz de salame, mas o PT seja com Dilma ou Lula junto com seus aliados privatizou o estado para roubar o dinheiro público.

    A grande diferença do esquema petista do “tradicional” esquema de propina é que ela que ditava o que é gasto pelo governo.

    As ações do governo eram feita não para suprir uma demanda da sociedade e depois se combimava o por fora.

    Hoje a ação visa antes o que se vai levar e se vai dar boa propina, se a obra não for “lucrativa” ela não tem recursos.

    Veja entre outros exemplos o trem bala, nunca foi uma demanda da sociedade brasileira, inventaram isso para só ganhar em cima.

    O petista parece um nazista negando o holocausto, usaram a mesma tática com o mensalão.

     

     

    • Keynes, esse incompreendido
      Embora eu me identifique mais com o liberalismo, vejo mérito em Keynes.

      O que temos no keynesianismo, assim como o marxismo, é que o autor é genial, mas a teoria não leva em consideração a natureza humana e os seguidores proferem dogmas não por convicção intelectual honesta, mas por fé. Veja a tragédia econômica da nova matriz econômica (reedição da mesma política econômica antiliberal governo após governo – ditadura ou democracia, esquerda ou direita).

      Política anticíclica é uma ferramenta para suavizar os picos e vales dos movimentos cíclicos do capitalismo. Existem efeitos colaterais intrínsecos – os ciclos recessivos não remove os galhos mortos para promover um salto de produtividade no ciclo expansivo seguinte – mas cumpre seu papel de minimizar os danos sociais.

      Agora, política anticíclica não significa só gastar mais quando a economia está em recessão: significa também economizar para pagar esse gastos quando a economia está em expansão, coisa que eu ainda não vi nenhum keynisiano fazer.

      Para finalizar, existe também o embuste do efeito multiplicador. Sim, ele existe: se um investimento é capaz de agregar um valor superior ao custo de capital, os ganhos são suficiente para compensar a dívida e promover o crescimento. Nenhum segredo até aqui: esse é o cálculo que cada empresário faz antes de investir. Porém, existe uma distância imensa da atitude do governo em alocar dinheiro público utilizando qualquer critério exceto o econômico.

      Políticos amam Keynes porque sua teoria os empodera, enquanto o liberalismo é politicamente castrador. Porém, cedo ou tarde, a conta chega (e nem foi naquele longo prazo onde estaríamos todos mortos) e todos somos chamados para pagar.

    • Tira leite de pedra?

      Aparentemente uma coisa impossível, mas nos mesmos já ouvimos alguma vez: fulano tirou leite de pedra. 

      Quando vejo um seguidor do liberalismo econômico penso: para esse os agentes econômicos são superiores aos demais cidadãos. Caso contrário, ao invés de liberal no sentido clássico deveria ser um libertário. Se as relações políticas, principalmente as partidárias e eleitorais, são reguladas pelo Estado, por que total liberdade apenas para os empresários?

      Os gurus do liberalismo mais aceitos atualmente, como Mises e Hayek, fizeram com que muitos acreditassem que os ricos não devem ser regulados, afinal mesmo os seus mais baixos instintos são virtudes que beneficiarão toda a sociedade…

      Aliança como se combate o dumping sem nenhuma previsão legal? 

      Após os monopólios e oligopólios estarem instalados como garantir a livre concorrência aos que pretendem entrar no mercado?

      Muitos outros questionamentos podem ser levantados. Já disseram que o homem é o mesmo em qualquer tempo e lugar, o que diferencia então um barão ladrão ou um capitão da indústria de um conquistador sanguinário?

      Não vamos falar de trem bala, nem de outros modernos meios de tranporte: o Brasil do aliança liberal ainda é movido por carros de bois…

  2. Dilma vem falando em Golpismo

    Dilma vem falando em Golpismo e vem subindo o tom.

    O que ela fará então se a camara aprovar e o STF convalidar ?

    Se fosse coerente teria que chamar as forças armadas para cassar ambas as casas golpistas, camara e STF. Caso este não ajude, ela teria que montar o seu bunker e tentar resistir á saída do Palácio. Ou então pedir asilo em outro País e denunciar o golpe de lá.

    Será que ela tomará algumas dessas inciciativas, caso perca,  visto estar convencida do Golpe ?

  3. Uma coisa que muita gente que acompanha o blogue…

    Desde o início deve estar se perguntando é: mudei eu ou mudou o Rebolla? Lembro que, inúmeras vezes, a turma não acreditava no que o Rebolla havia escrito e o apupava, chamando-o de troll da direita. Não sei o que houve, mas, de uns tempos para cá, os textos que o Rebolla vem produzindo melhoraram exponencialmente. Tinha gente que, dependendo do texto, achava até que o Rebolla e o aliancaliberal eram a mesma pessoa.

    Rebolla, continuo discordando de muitos dos seus textos lá de trás. Com os atuais, tenho concordado cada vez mais.

    • Concordo.
      Outro que mudou

      Concordo.

      Outro que mudou muito foi o A. A., que tem escrito bons textos ultimamente.

      Quanto a este post do Rebolla, discordo de seu final. Não acho que a crise vai ficar tão pior assim. Pelo contrário.

    • somos dois

      eu que tantas vezes critiquei o Rebolla, tambem grito a plenos pulmões…: ele é um legalista e luta pela democracia.

  4. Texto primoroso
    Excelente post. Irretocável.

    Eis a versão original, sem repetições, conforme publicada no Fora de Pauta:

    Dilma Rousseff, o ruim e o péssimo
    qui, 31/03/2016 – 01:09
    .

    Por um paleonacionalista, tradicionalista e keynesiano. Eu mesmo.

     

    O desempenho pessoal da presidente Dilma Rousseff após a vitória nas eleições de 2014 foi péssimo. Não sei se foi estratégia pessoal ou conselho de algum áulico. Enquanto a tempestade se formava preferiu esconder-se, talvez acreditando que tudo se acalmasse. Foram mais de sessenta dias sem confrontar os que desrespeitavam os seus 54 milhões de eleitores. A primeira manifestação dos sequazes do Gene Sharp ocorreu em 01 de novembro de 2014, menos de uma semana após o segundo turno. Permaneceu omissa enquanto era afrontada e acusada sem nenhum fundamento legal.

     

    Durante o período perdeu o controle da Polícia Federal e assumiu uma posição defensiva, mas sem sequer se tornar reativa. O então ministro da justiça, o Dr. Cardozo, por medo de manchar a biografia que acredita possuir, não utilizou a prerrogativa do cargo para mandar investigar os crimes cometidos por agentes do Estado. Os vazamentos de informações e documentos de inquéritos e processos sob sigilo judicial são tipificados em lei. Afrontam o Estado de Direito e são flagrantes desrespeitos aos Direitos e Garantias Constitucionais de qualquer cidadão. Tornando nulo o princípio da presunção da inocência após o circo midiático utilizá-los conforme os seus próprios interesses. A apuração dos criminosos que do interior das instituições do Estado alimentavam a ciranda de denúncias e repercussões talvez tivesse freado a escalada golpista. Dilma falhou ao não garantir desde o primeiro momento a vontade da maioria, todos aqueles que nela votaram.

     

    O governo Dilma Rousseff é ruim pelos erros cometidos na área econômica. As suas tentativas de agradar ao mercado, como a nomeação do banqueiro Joaquim Levy, a manutenção da diretoria mercadista do Banco Central, a política de arrocho em meio à recessão, o retorno à ortodoxia econômica em tempos de crise, tiveram como objetivo manter os grandes especuladores neutros na disputa política, e também reduzir a pressão das corporações midiáticas ao seguir as determinações do interesse dos seus donos, manifestadas através do jornalismo econômico e comentários de nulidades como Sardenberg ou Leitão. Seguiu a política nociva que faz parte do ideário econômico dos seus opositores. Para tentar uma trégua mais uma vez abandonou a vontade da maioria, pois se este fosse o desejo dela teria elegido Aécio Neves.

     

    Após isso chegamos ao processo do impeachment. Um processo sem base legal, que tem como única peça da acusação as tais pedaladas fiscais apontadas pelo TCU. Ao contrário do que muitos podem pensar o nome Tribunal de Contas da União não o faz se transformar em um. Trata-se de mero órgão auxiliar do poder legislativo. Não prolata sentenças, emite pareceres que sequer foram votados pelo congresso nacional. As contas do governo não foram rejeitadas pela instância competente. Não existe o tal crime de responsabilidade atribuído a presidente.

     

    Ao mesmo tempo em que os ritos ilegais do impedimento avançam a imprensa corporativa mantém deliberada desinformação. Os que se informam apenas através dos manipuladores de notícias acreditam que Dilma será julgada pelo cartel criminoso que existia na Petrobrás. Desconhecem até que os principais membros da quadrilha foram por ela demitidos muito antes das investigações se iniciarem. O processo de impeachment nada tem a ver com a operação lava a jato.

     

    Essa mesma imprensa corporativa recebeu através dos vazamentos os produtos de crimes e com eles está fomentando um ainda maior: o golpe de Estado. Fato que se for consumado interessará apenas aos criminosos que a julgam e aos criminosos que os apoiam.

     

    O péssimo desempenho pessoal de Dilma Rousseff e os resultados ruins do seu governo não serão nada se comparados ao que vem por aí.

     

    Onde ela foi péssima o quadro será ainda pior, aqui existem duas possibilidades. Uma será a instauração definitiva do Estado policial comandado pelo judiciário; a outra um acordo de elites para livrar os corruptos aliados do novo governo, a grande maioria dos envolvidos nas apurações da lava a jato, e a continuidade do esquema. Não importa a vitoriosa, ambas transformam a Dilma em ótima na questão.

     

    Na parte ruim veremos que tudo que o atual governo relutou em implantar virá em maior escala. As medidas que serão lançadas sobre o povo trará a carestia num grau que nos já estamos desacostumados. A crise de agora será para os pobres um incômodo quando comparada ao futuro que os aguarda. Até mesmo os erros atuais serão avaliados como bons.

     

    Temos duas formas para evitar que triunfem. A primeira é impedir a concretização do golpe, a segunda resistir a ele. Não podemos correr o risco de sangue derramado por disputas políticas no Brasil. Evitar o sucesso do golpismo terá um custo social e humano muito menor. Além de enfraquecer os entreguistas e reduzir os danos que causam à nação, principalmente as famílias que controlam a mídia. Se um país pode se tornar canceroso a junção dos Marinhos, Civitas, Frias, Mesquitas, etc., formam uma metástase. 

  5. Conhecemos todos os pecados

    Conhecemos todos os pecados de Dilma, porque se esclareciam pela sua falta de comunicação, pela sua ausência como autoridade. Mas, convenhamos, que como se não bastasse os opositores em geral, desde os políticos, passando por Moro e PF, chegando à imprensa – e haja oposição! – também ficaram ausentes como defensores da Presidente um malandro incompetente como o Ministro da Justiça, que mais parecia figura de decoração, enquanto a PF, sua subordinada, agia, e age, até hoje, ao seu bel prazer, contribuindo imensamente para a derrubada do Governo. Faz poucos dias, ou meses que no cenário do Congresso vimos assistindo uns petistas se expressando em defesa do governo. Foram muito fracos em suas atuações, como se estivessem vivendo em céu de brigadeiro, permitindo tod sorte de agressão por aprte dos opositores. 

    Fatos como aquele último da VEJA, no qual se plantou uma baita mentira contra Lula, imediatamente desmentida pela embaixada da Itália, são provas de que o Governo não enfrenta a imprensa devidamente. Tivesse feito isso desde sempre, movendo ações contra todos esses factoides, essa corja poderia ter mudado seu modo de panfletar calúnias contra os petistas.

    O jogo continua sendo jogado, e só acabará quando terminar. Teremos aamnhã uma manifestação em favor da Democracia, e não apenas em favor do governo, e muito ainda sairá na imprensa, como as notícias que estão vindo até da Rússia, provando que todo o esquema em favor do impeachment tem por trás interesses americanos, como aconteceu em 64.

    Aliás, Almir Sader já está comparando Aldo de Moura andrade e Ranielli Mazilli com Michel Temer e Eduardo Cunha, respectivamente. Os dois primeiros desapareceram como lixo comido pelas moscas, e não será difícil ocorrer o mesmo com esses dois protagonistas de golpe do momento. 

    • É hoje, Maria! Vem pra Democracia!

      A manifestação é hoje. Dia 31/3! Veja onde vai ser na sua cidade:

      ATOS NAS CAPITAIS, NO DISTRITO FEDERAL E NA EUROPA

      JORNADA NACIONAL EM DEFESA DA DEMOCRACIA: GOLPE NUNCA MAIS!

      SÃO PAULO – SP
      16h00 – Praça da Sé
      https://www.facebook.com/events/1695214090691495/

      RIO DE JANEIRO – RJ
      12h00 – Concentração em frente à FIRJAM, depois segue pro ato
      16h00 – Largo da Carioca
      https://www.facebook.com/events/997580850320860/
       
      Queremos Chico, Caetano e Gil – em praça pública – pela democracia!
      RIO DE JANEIRO – RJ
      16h00 – Largo da Carioca
      https://www.facebook.com/events/1691589101095014/

      BELO HORIZONTE – MG
      17h00 – Praça da Estação

      BRASILIA – DF
      14h00 – Concentração e atrações culturais
      Estádio Mané Garrincha
      18h00 – Marcha pelo Eixo Monumental e Esplanada dos Ministérios

      RECIFE-PE
      15h00 – Praça do Derby
      https://www.facebook.com/events/211983352498502/
       

      SALVADOR – BAHIA
      15h00  – Caminhada da Praça da Piedade ao Campo da Pólvora, todos vestidos de branco e flores no monumento aos perseguidos pela ditadura.

      PORTO ALEGRE – RS
      17h00 – Esquina Democrática https://www.facebook.com/events/1534996123468317/

      CURITIBA – PR
      18h00 – Praça Santos Andrade

      FORTALEZA – CE
      15h00 – Praça da Bandeira

      BELÉM – PA
      16h00 – Praça do Operário – Bairro São Brás

      https://www.facebook.com/events/992360614177962/
       
      ARACAJU – SE
      15h00 – Concentração na Praça General Valadão, depois caminhada até a Orlinha do bairro Industrial, onde às 18h tem ato político cultural
       
      CAMPO GRANDE – MS
      14h00 – Concentração na Rua 14 de Julho
      19h00 – Ato político na praça do Rádio
       
      CUIABA – MT
      17p0 – Ato na Praça Alencastro
       
      GOIANIA – GO
      17h00 – Caminhada da Praça Cívica até a Praça Universitária
       
      JOÃO PESSOA – PB
      18h00 – Ponte de Cem Réis (Rua Artur Aquiles, 80)
      https://www.facebook.com/events/249982185340675/
       
      MACAPÁ – AP
      16h00 – Av FAB, 86 Praça das Bandeiras
       
      MACEIÓ – AL
      14h00 – Concentração em frente à sede da OAB e caminhada até a Praça dos Martírios, onde acontece ato político/cultural, às 16h00
       
      MANAUS – AM
      16h00 – Praça São Sebastião
       
      NATAL – RN
      16h00 – Av. Bernardo Vieira, 3775
       
      PALMAS – TO
      17h00 – Estação Serente, Aurenty III
       
      PORTO VELHO – RO
      19h00 – Sindicato dos Urbanitários
       
      SÃO LUIS – MA
      18h00 – Avenida Litorânea
       
      TERESINA  – PI
      16h00 – Cruzamento das Avenidas Serafim com Coelho Rezende
      Depois tem vigília na Igreja São Sebastião
       
      VITÓRIA – ES
      18h00 – Assembleia Legislativa do ES
       Avenida Américo Buaiz, 205
      https://www.facebook.com/events/692828940859428/
       
       
      ATOS NAS CIDADES DO INTERIOR
       
      ILHEUS (BA)
       09h00 – Praça da Catedral de Ilhéus

      PELOTAS – RS
      17h00 – Em frente à sede da Prefeitura de Pelotas
      https://www.facebook.com/events/261219420875768/
       
      SANT’ANA DO LIVRAMENTO – RS
      18h00 – Parque Internacional –
      https://www.facebook.com/events/933147553473427/
       
      ERECHIM – RS
      18h00 – Praça Prefeito Jayme Lago
      https://www.facebook.com/events/1529435397358228/
       
      IJUÍ – RS
      18h00 – Praça da República

      PASSO FUNDO – RS
      17h00 – Praça Teixeirinha
       
      RIO GRANDE – RS
      17h00 – Praça Coronel Pedro Osório
       
      SANTA MARIA – RS
      17h00 – Largo Dr Pio
       
      SANTA ROSA
      18h00 – Praça da Bandeira
       
      TRES PASSOS – RS
      18h00 – Praça Reneu Mertz
       
      BARRA MANSA – RJ
      17h00 – Corredor Cultural

      BALSAS – MA
      18h00 – Avenida Litorânea

      SOBRAL – CE
      16h00 – Arco
       
      JUIZ DE FORA – MG
      17H00 – Ato na Curca do Lacet
       
      MONTES CLAROS – MG
      19h00 – Praça da Matriz
       
      POÇOS DE CALDAS
      19h00 – Urca
       
      SÃO LOUREUNÇO – MG
      18h00 – Praça do Brasil
       
      VARGINHA – MG
      17h00 – Praça do ET
       
      MARABÁ – PA
      18h00 – Auditório do Campus I da UNIFESSPA
       
      CARUARU – PE
      16h00 – Av Rui Barbosa em frente ao prédio do INSS
       
      FLORESTA – PE
      7p0 – Sindicato dos Trabalhadores Rurais
       
      TABIRA – PE
      17h00 – Sindicato dos Trabalhadores Rurais
       
      FOZ DO IGUAÇU – PR
      Bosque Guarani – em frente ao TTU
       
      MARINGÁ – PR
      17h00 – Praça Raposo Tavares
       
      MOSSORÓ – RN
      16h00 – Em frente a Igreja São João
       
      JI-PARANÁ – RO
      17h00 – Praça da Matriz
       
       
      ATOS NO MUNDO – #NãoVaiTerGolpe
       
      PARIS- FRANÇA
      19h00 – Maison de l´Amérique latine
      https://www.facebook.com/events/1649103942019535/
       
      BERLIN / Nein zum Putsch
      19h00 – Pariser Platz – Berlim, Alemanha
      https://www.facebook.com/events/1794707547415247/

      MUNIQUE – ALEMANHA
      14h00 – Consulado Geral do Brasil em Munique
      https://www.facebook.com/events/1705901246331484/

      LONDRES – INGLATERRA
      17H30  – 14-16 Cockspur St, London SW1Y 5BL
      https://www.facebook.com/events/347223575402116/
       
      COIMBRA – PORTUGAL
      Ato em defesa da democracia – estudantes da graduação, mestrado e doutorado da Universidade de Coimbra.
      12h00 – Praça Dom Dinis
      https://www.facebook.com/events/1733795590223510/
       
      BARCELONA- ESPANHA
      18h00 – Praca de Sant Jaume
      https://www.facebook.com/events/954267841323084/
       
      SANTIAGO – CHILE
      17h00 – Palacio Errázuriz (embaixada do Brasil no Chile) – Avenida Libertador Bernardo O’Higgins (Alameda), n.º 1656.
      https://www.facebook.com/events/862704053852633/
       
      CALIFORNIA – SAN FRANCISCO
      17h00 – Union Square
       
      CIDADE DO MEXICO – MEXICO
       17H30 – Fuente en Frente del Centro Cultural Brasil México – San Francisco 1220 Col Del Valle Centro -Metrobús Ciudad de los Deportes
       https://www.facebook.com/events/1036349339760008/
       
      Em GENEBRA, na SUÍÇA, o ato será no dia 2, sábado, às 10h, na Praça das Nações
       
      Em MADRID, na ESPANHA, será no dia 3, domingo, às 17h, na Puerta del Sol

       

       

      Fonte: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/manifestacao-brasil-vai-as-ruas-contra-o-golpe

  6. Brasil – Soluço Crônico

    Só queria dizer, em respeito aos números verdadeiros, que diversos comentaristas e articulistas e o próprio governo ficam batento numa tecla que, embora correta dentro do processo de resultado eleitoral, não o é em termos de população brasileira. Me refiro aos tais 54 milhões de votos, como se isso fosse o desejo da população brasileira em sua maioria. Isso não é, como gosta de dizer o Sr. Mino Carta, uma verdade factual. 

    O colégio eleitoral brasileiro de 2014 era composto de 142.822.479 de eleitores para uma população total de 201.032.714 brasileiros (dados do TSE), o que significa que 71% da população estava apta a votar. Desses aptos, 54 milhões e uns quebrados representam tão somente 38% dos eleitores aptos, que votaram na Sra. Dilma. Ou seja, 62% ( maioria dos aptos), ou se abstiveram, ou votaram nulo, ou votaram em branco, ou votaram no outro candidato. Portanto embora dentro das regras ela esteja legitimamente eleita, não quer dizer que representa a vontade expressa da maioria. Coincidentemente, as pesquisas que mostram percentagem de desaprovação ao seu governo, quase coincidem com o percentual daqueles que por alguma razão não votaram nela. 

    As leis no Brasil são sempre escritas para permitirem n interpretações, conforme a conveniência de cada julgador. A do tal “impeachiment” não é diferente, já que o tal crime de responsabilidade tem uma definição que é uma coisa meio mal definida, extremamente subjetiva, dentre outras incongruências.

    Numa análise de bom senso, a sra. presidente diante da situação atual do país, diante de tantas dificuldades, fruto de erros várias vezes alertados por diferentes correntes políticas, mas nunca reconhecidos ou, recentemente, timidamente reconhecidos, diante de tanta rejeição, seja pela população em sua maioria, pelos sistema político vigente, pelo sistema produtivo, etc., deveria admitir seu fracasso, se desculpar perante os que nela votaram, e renunciar, sugerindo explicitamente que seu vice fizesse o mesmo, bem como os demais, na sequencia prevista na Constituição, se declarassem impedidos e assim, de acordo com a lei vigente, houvesse novas eleições. Aí sim estaríamos 100% dentro da lei, atenderíamos ao desejo da maioria da população e ela entraria para história, pelo gesto de reconhecida coragem e humildade.

    Mas isso é mais uma utopia que, certamente, jamais se transformará em fato. Só não me venham com essa lenga, lenga de 54 milhões, porque isso é uma falácia em termos de desejo coletivo. O que virá por aí, seja o que for, certamente não será coisa boa para o futuro imediato do país. A verdade é que gostemos ou não, por causa de nossas péssimas escolhas, cada vez mais, apesar de nosso imenso potencial, vamos ficando pelo caminho, Brasil, o país não da solução, mas do soluço crônico.

     

     

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome