Discurso de violência e ódio do governo incentiva preconceito e crimes contra indígenas

CDHM e CLP, da Câmara dos Deputados discutiram, nesta quinta-feira (5/9), as violações de direitos nas políticas de meio ambiente em terras indígenas e os impactos dessa situação nas políticas sociais.

Fernando Bola - Agência Câmara

do CDHM – Comissão de Direitos Humanos e Minorias

Discurso de violência e ódio do governo incentiva preconceito e crimes contra indígenas, afirmam representantes da sociedade civil em audiência pública

As Comissões de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e de Legislação Participativa (CLP), da Câmara dos Deputados discutiram, nesta quinta-feira (5/9), as violações de direitos nas políticas de meio ambiente em terras indígenas e os impactos dessa situação nas políticas sociais. O resultado do encontro também vai fazer parte de um relatório que será entregue ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, durante a reunião de meio período da Revisão Periódica Universal (RPU), em Genebra, Suíça, de 18 a 20 de setembro.
Para Cleber Buzzatto, do Conselho  Indigenista  Missionário  (Cimi), os problemas enfrentados pelos  povos indígenas têm se agravado desde a posse do novo governo. “São discursos violentos e atentatórios contra os indígenas, feitos por diferentes integrantes do executivo. Esses discursos reforçam o preconceito e o ódio. Isso é uma estratégia para colocar parte da sociedade brasileira contra os povos indígenas e acaba servindo de combustível para ações violentas contra os povos e seus territórios”. Buzzatto informa que terras indígenas, já demarcadas em Rondônia e no Pará por exemplo, são alvo de ataques e crimes de mineradoras, madeireiros e grileiros, inclusive com comercialização de lotes nesses territórios. “Além disso, há a instrumentalização da Funai, que tem um presidente indicado pela bancada ruralista do Congresso, e órgãos do Estado que tem responsabilidade constitucional  de  proteção, ficam a  serviço de forças antagônicas”. O especialista conclui afirmando que pode acontecer um genocídio de povos isolados com a invasão de posseiros, crime e doenças.

 

Leia também:  Raoni Metuktire, um gigante entre predadores, por Jaqueline Morelo

“O governo tem uma lógica fundamentalista e patrimonialista, ódio e desrespeito aos povos indígenas. Estamos vivendo a desconstrução da lógica republicana e a naturalização da barbárie. Quem mais preserva a natureza são os povos indígenas”, ressalta Érika Kokay (PT/DF), que solicitou a realização do encontro junto com Túlio Gadêlha (PDT/PE).

“Ecocídio”

A emenda constitucional 95, editada no governo de Michel Temer e aprovada no Congresso Nacional, prevê que o gasto primário do governo federal fique limitado por um teto definido pelo montante gasto no ano anterior, reajustado pela inflação acumulada, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Dessa forma, ficam praticamente congelados os gastos em áreas como saúde e educação. A medida é criticada por Dinamam Tuxá, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). “Estamos preocupados com a ruptura da nossa democracia e com a violência contra os indígenas, que aumenta cada vez mais. A emenda 95 também é responsável por essa situação. Os cortes no orçamento suspenderam serviços da Funai e da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), como ao atendimento de saúde nas aldeias e a demarcação de terras. E  hoje, quando chegamos nesses lugares, somos tratados com desprezo, uma forma de racismo institucional. Tuxá considera a medida inconstitucional e que viola tratados internacionais. “Estão praticando atentados contra a Amazônia, Cerrado e Caatinga. Isso é ecocídio”.

“O governo esvaziou a Funai, o único órgão indigenista responsável pela articulação em defesa de cerca de um milhão de pessoas, que vivem em mais de cinco mil aldeias e em zonas urbanas. Essas medidas contrariam a nossa Constituição, que tem um capítulo destinado à proteção dos povos indígenas e que garante o direito às nossas diferenças culturais. Além disso, viola tratados internacionais de direitos humanos”, reforças Helder Salomão (PT/ES), presidente da CDHM.

Leia também:  As eleições na Bolívia: um bom caso sobre jornalismo de baixa qualidade, por Sergio Guedes Reis

Jussara Griffo, da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) diz que “o governo não tem política ambiental porque é contra o meio ambiente, e os responsáveis agora pelas políticas públicas agora são os trabalhadores do setor, que são assediados inclusive na imprensa. Queremos a demissão do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) e a reestruturação do ministério”.

Também participaram Denis Rivas, da Associação Nacional das Carreiras de Especialistas em Meio Ambiente e Claudio Ângelo, do Observatório do Clima.

Pedro Calvi / CDHM

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome