Esperando Glenn Greenwald: um réquiem para o jornalismo brasileiro, por Wilson Ferreira

Greenwald tornou-se o “Senhor do Tempo” com os prometidos vazamentos em conta-gotas, trazendo pânico para empresários, políticos e, porque não, para os promíscuos jornalistas

por Wilson Ferreira

O terremoto provocado pelo vazamento de conversas comprometedoras entre o então juiz Sérgio Moro e autoridades da Lava Jato e Polícia Federal está cercado de ironias. O site “Intercept Brasil”, do premiado jornalista Glenn Greenwald, revelou relações promíscuas de Moro ironicamente dias depois do caso do jornalista esportivo Mauro Naves no caso Neymar, outro caso de relações perigosas. Mas Greenwald não revelou apenas a imparcialidade da Justiça. Expôs internacionalmente o provincianismo e paralisia do jornalismo brasileiro – foi necessário um “gringo” para abalar a paz de cemitério mantida por jornalistas sabujos com rédeas e antolhos mantidos pelas “famiglias” de proprietários midiáticos. Agora, Greenwald tornou-se o “Senhor do Tempo”, com os prometidos vazamentos em conta-gotas, trazendo pânico para empresários, políticos e, porque não, para os promíscuos jornalistas que se lambuzaram por anos com os vazamentos das fontes na Justiça e Polícia Federal.


Num modorrento final de domingo (como de costume),  depois de uma entediante goleada do Brasil sobre o time de Honduras num amistoso, eis que a paz de cemitério brasileira é interrompida por um terremoto: o site Intercept Brasil colocou no ar as primeiras reportagens com base em enorme quantidade de arquivos provenientes de uma fonte anônima – uma série de dados vazados do Telegram apresentando conversas comprometedoras do então juiz Sérgio Moro com as autoridades da força tarefa da Lava Jato.

Comprometedoras, porque os chats revelam colaboração proibida de Moro com Deltan Dallagnol. Conversas privadas inéditas que revelam que o juiz fez muito mais do que julgar casos da Lava Jato – sugeriu que trocassem as fases da Lava Jato, cobrou agilidade nas operações, deu conselhos estratégicos, pistas informais de investigação, antecipou uma decisão sua aos procuradores, além de dar broncas como fosse um superior hierárquico dos procuradores e da Polícia Federal.

Segundo o premiado jornalista Glenn Greenwald, um dos fundadores do Intercept Brasil, o que foi publicado é apenas uma ínfima parte de um conjunto de arquivos (chats, áudio, vídeos etc.) ainda mais extenso do que o do caso Snowden. E certamente a sua declaração, de que a família Marinho é “sócia, agente e aliada de Moro e Lava Jato”, deve ter conhecimento de causa, tendo em vista a dimensão do que ainda vai ser revelado.

 

O jornalista Glenn Greenwald e o ministro Sérgio Moro

 

 

Crime cibernético?

E a Globo sentiu o golpe. Primeiro, no domingo, jogou a notícia do vazamento para o final do programa Fantástico, dando todo destaque ao escândalo Neymar.

E, no dia seguinte, elevou ao noticiário de rede nacional o caso do assassinato do ator Rafael Miguel e seus pais em São Paulo e o acidente de um ônibus de turismo na serra da Mantiqueira. Ocuparam em primeiro lugar nas escaladas dos telejornais, jogando o vazamento do Intercept para o final como apenas um caso de crime cibernético contra juiz e procuradores.

Foi, no mínimo, curioso e constrangedor ver o analista de política Gerson Camarotti na Globo News tecendo comentários sobre o assassinato do ator pelo pai possessivo da namorada…

Em todo esse terremoto político há diversas ironias. Primeiro, acontecer dias depois da suspensão do repórter esportivo Mauro Naves por promiscuidade com a fonte no caso Neymar. A carta aberta dos ex-advogados da modelo que denunciou agressão e estupro do jogador, revelou involuntariamente um modus operandi que não é um caso isolado – faz parte da promiscuidade estrutural do próprio jornalismo da emissora – clique aqui.

Segundo, de imediato a Globo reagiu com a narrativa do “crime informático” (em comunicado oficial do Telegram, a empresa ressalta que “não há nenhuma evidência de invasão hacker na ferramenta, clique aqui), acusando a maneira “ilegal” do vazamento. Como se a Globo, e o próprio então juiz Sérgio Moro, não tivessem usado e abusado dos mesmos dispositivos, seja no grampo das conversas entre Lula e a presidenta Dilma ou nos vazamentos ilegais diários das operações da Lava Jato no telejornalismo global. Ora, se o conteúdo é comprometedor, pouco importa a forma. Afinal, diziam, o País vivia um “momento excepcional”…

 

 

 

Sabujos empedernidos

Mas a terceira ironia é a mais série e preocupante, dessa vez para o próprio jornalismo brasileiro: toda a crise política começou, há mais de uma década, pela ação do Departamento de Estado dos EUA ao treinar quadros de juízes e procuradores brasileiros no combate à lavagem de dinheiro que, supostamente, alimentaria o terrorismo. Álibi para iniciar uma guerra híbrida que criou, entre outras coisas, manifestações de rua igualmente híbridas. Chegando ao ápice no impeachment de 2016.

E, agora, foi necessária outra “ação gringa” para iniciar algum movimento de transformação política em um cenário de verdadeira paz de cemitério – um jornalista norte-americano (premiado com o Prêmio Pulitzer pela reportagem sobre o programa de espionagem da NSA dos Estados Unidos em território brasileiro, em parceria com Edward Snowden) revela com provas toda estratégia para levar à prisão o líder das últimas eleições e mantê-lo em silêncio, deixando livre o caminho para Bolsonaro.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

2 comentários

  1. Renato Janine fez a mais aguda análise da estratégia de Greenwald neste caso.
    Em resumo, ele detém o controle da narrativa nas mãos.
    Isso é literalmente insuportável para a velha mídia hegemônica brazuca.

    Do blog O Cafezinho:
    https://www.ocafezinho.com/2019/06/11/a-brilhante-estrategia-de-glenn-greenwald/
    Por Renato Janine, em sua página no Facebook – https://isn.page.link/4qQ5

    Brilhante, a estratégia de Glenn Greenwald:

    1. Assumiu o protagonismo do jogo. Seus alvos estão fazendo exatamente o que ele quis ou previu. Ele controla o tabuleiro. Pela primeira vez desde 2015, a extrema-direita perdeu a iniciativa.

    2. Os procuradores e Moro responderam a ele justamente o que ele queria: confirmaram a autenticidade das fitas. Foram debater a forma, não o conteúdo. Assim disseram: você, Glenn, diz a verdade.

    3. Ele previu até o argumento que iam usar: a defesa da lei e da privacidade. E respondeu a isso domingo, antes mesmo da reação do grupo: vcs não fizeram isso com Dilma? Que moral têm? Assim, tirou deles o argumento moral, que era o principal da LavaJato e que esta conduziu para a ideia de que os fins justificam os meios.

    4. Enquadrou a mídia pátria. A imprensa internacional caiu matando. A Folha de hoje tem um relato bom das reações no estrangeiro. E os jornais de fora que li chamam todos nosso governo de exceção de “extrema-direita”. Nenhum usa o eufemismo “direita” (direita é Merkel, cara-pálida!) ou “liberal” (liberal é o Economist, stupid!). Vai ser difícil passar pano por muito tempo.

    5. Ao dizer que não divulgaria as intimidades dos membros do grupo , mostrou-se superior a eles (que publicaram conversas privadas de dona Mariza – sem falar na subtração do iPad do pequeno, hoje falecido, Artur) – e deve ter causado medo de que divulgue. Acuou-os.

    6. Finalmente, anunciou que soltará mais dados a conta-gotas. Tornou-se senhor do tempo ou, se quiserem, é quem decide quais serão as próximas etapas, o desdobramento do assunto (até porque ninguém sabe o que ele sabe).

  2. Ao se referir à #RedeGlobo o gringo do The Intercept confirmou o que vinha sendo dito no Jornal GGN há mais de 2 anos.

    “A imprensa critica diariamente o governo por causa da crise. Mas a grande verdade é que as próprias empresas de comunicação estão em crise. Várias delas estão demitindo jornalistas experientes e contratando especialistas genéricos modelo “Kim Kataguiri”.

    Mas esta não é a única crise da imprensa. De fato, desde que seus candidatos presidenciais começaram a ser rejeitados nas urnas pelo povo brasileiro, a imprensa se tornou mais e mais partidarizada. Os aquários não são mais centros de excelência do jornalismo praticado pelas empresas e sim clubinhos de publicitários do PSDB e de inimigos irredutíveis do PT.”

    https://jornalggn.com.br/noticia/sakarov-e-a-crise-dentro-da-crise-dentro-da-crise-dentro-da-crise/

Comments are closed.