Excessiva fiscalização deve atravancar produção audiovisual brasileira, avaliam Juca Ferreira e João Brant

'A gestão pública não é eficiente quando foca em práticas de controle puramente formais ou cujo custo é superior ao risco. Controle excessivamente minucioso pode levar a um inchaço injustificável da máquina estatal', ponderam especialistas

Juca Ferreira. Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil

Jornal GGN – Como avaliar a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que determinou, a partir do final de março, que a Ancine (agência de fomento a produção de filmes e séries no Brasil) suspenda o repasse de recursos públicos para o setor audiovisual? Para que volte a investir nas produções, o Tribunal deu à Ancine 60 dias para comprovar que tem condições de analisar toda a prestação de contas dos projetos que aprova.

Em artigo publicado nesta terça-feira (23), na Folha de S.Paulo, o ex-ministro da Cultura Juca Ferreira e o ex-secretário-executivo da pasta, João Brant, respondem a essa questão, argumentando que “o controle excessivamente minucioso” é contraproducente e poderá levar “a um inchaço injustificável” nos setores estatais responsáveis pela atividade de fiscalização das produções brasileiras.

“O TCU afirma que a fiscalização da Ancine deveria verificar cada uma das dezenas de milhares de notas fiscais de cada um dos milhares de processos”, salientam. Os especialistas em cultura reforçam que já existem processos de fiscalização e, ainda, que a decisão do Tribunal “afeta justamente iniciativas inovadoras da Ancine para evitar o crescimento do estoque de prestação de contas e dar mais eficiência à fiscalização”.

Eles lembram que “o Ancine + Simples”, por exemplo, “foi construído em diálogo com a Controladoria Geral da União de acordo com o decreto 8281/14, que prevê a sistemática de amostragem justamente por entendê-la como forma eficiente de controle”.

Leia também: É ignorância achar que cultura é carimbada por campo político, avalia Ivana Bentes

Outra preocupação é o impacto direto na produção e promoção do setor que, cresceu considerávelmente nos últimos anos graças às políticas de fomento: o total de longas-metragens lançados passou de 29 em 2002 para 160 em 2017, e a produção independente brasileira nas TVs aumentou em 30% entre 2013 e 2017. Leia a seguir o artigo na íntegra.

O audiovisual e o paradoxo do TCU

Leia também:  Pragmatismo comercial reaproxima governo Bolsonaro da China

Por Juca Ferreira e João Brant

O Tribunal de Contas da União (TCU) publicou recentemente uma decisão que aponta problemas no atual modelo de prestação de contas do Fundo Setorial do Audiovisual, principal fonte de financiamento do setor no Brasil.

A decisão afeta toda a política de fomento que gerou a expansão significativa do setor nos últimos anos, com o crescimento de longas-metragens lançados (de 29, em 2002, para 160, em 2017) e da presença da produção independente brasileira na TV paga (30% de crescimento entre 2013 e 2017).

Isso porque o TCU determina à Agência Nacional de Cinema (Ancine) que não celebre novos acordos de investimento em obras audiovisuais até que adote modelo de prestação de contas no formato considerado adequado pelo tribunal.

O TCU afirma que a fiscalização da Ancine deveria verificar cada uma das dezenas de milhares de notas fiscais de cada um dos milhares de processos. Essa decisão é problemática por três razões.

Em primeiro lugar, o TCU cria um paradoxo. Em vários casos anteriores, elogia esforços de racionalização administrativa e economia processual, mas, neste caso, adota uma linha que, na prática, impede que essas diretrizes ganhem corpo.

A decisão nesses termos afeta justamente iniciativas inovadoras da Ancine para evitar o crescimento do estoque de prestação de contas e dar mais eficiência à fiscalização. O Ancine + Simples foi construído em diálogo com a Controladoria Geral da União de acordo com o decreto 8281/14, que prevê a sistemática de amostragem justamente por entendê-la como forma eficiente de controle.

Leia também:  A transitividade do golpe na Bolívia, por Letícia Sallorenzo

Na prática, a decisão do TCU, ao questionar todo o novo sistema de acompanhamento e controle, ameaça esforços de modernização da administração e desconsidera a presunção de legalidade de um decreto presidencial. Se o sistema pode ser aprimorado, isso obviamente deve ser feito, mas sem retroceder na busca de racionalização e eficiência.

O segundo problema é que a decisão vai na direção contrária à tendência internacional de privilegiar um paradigma gerencial em vez de um paradigma burocrático na administração pública. O modelo criticado pelo TCU põe o foco no controle de resultados em vez de uma análise cartorial burocrática.

Esse tipo de inovação foi consagrado no novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, e a relevância dessa mudança de enfoque foi reconhecida pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro no final de 2016, em sua recomendação de número 80 sobre transferências voluntárias de recursos.

A gestão pública não é eficiente quando foca em práticas de controle puramente formais ou cujo custo é superior ao risco. A análise de risco é essencial em qualquer atividade de controle, sendo usada na Receita Federal, nas auditorias trabalhistas e no INSS. A Controladoria-Geral, por sua vez, utiliza a amostragem na avaliação sobre o uso de recursos federais pelos municípios.

O controle excessivamente minucioso levaria a um inchaço injustificável dos setores da máquina estatal responsáveis por atividades de fiscalização, sem gerar um ganho correspondente de efetiva proteção dos cofres públicos. O risco de punição já é real porque as estruturas de controle estão presentes.

Leia também:  Ao vivo: simpósio Democracia, Educação e Ciência: para onde o Brasil está indo?

Por fim, a decisão reflete uma dificuldade de entender a realidade da produção audiovisual. Ela impede, por exemplo, que a produtora remunere serviços prestados pelo diretor do filme se ele é sócio da produtora. Contudo, na maior parte dos casos, os sócios são pessoas com tarefas concretas na realização de filmes e séries. A decisão do TCU também questiona gastos com passagens e alimentação, sem reconhecer que elas são parte constitutiva da rotina de produção audiovisual.

A Ancine tem de estar aberta para melhorar sempre a política de fomento e seus mecanismos de fiscalização e prestação de contas. Mas não pode ser imposto aos gestores um paradoxo que pede eficiência e economicidade, mas pune os esforços inovadores feitos nessa direção.

O risco é que, com a legítima preocupação de impedir mau uso do recurso público, seja paralisada uma política pública com ótimos resultados, ancorada em um modelo de controle inovador e juridicamente sólido.

Juca Ferreira
Secretário municipal de Cultura de Belo Horizonte e ex-ministro da Cultura (2008-2010 e 2015-2016; governos Lula e Dilma Rousseff)

João Brant
Doutor em ciência política pela USP e ex-secretário-executivo do Ministério da Cultura (2015-2016)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome