Fadiga na resistência ao golpe: galinha decapitada corre mas cai morta, por Romulus

Fadiga na resistência ao golpe: galinha sem cabeça corre só uns minutinhos antes de cair morta

Por Romulus

– Por que Lula não deixou a Globo ir a pique em 2002.

– Lembremos do escorpião e do sapo da fábula. Não esqueçamos do pequeno animal traiçoeiro e peçonhento. E, principalmente, do seu ferrão, que responde a instinto atávico e não à razão.

A tibieza do PT e dos políticos de esquerda em geral frente à fibra da aguerrida Dilma Rousseff.

– Passemos por cima da frustração e não deixemos a brava Dilma (ainda mais) sozinha no seu tiro final nos últimos 100m da maratona.

*    *   *

Os parágrafos a seguir são parte de discussões privadas da semana passada com dois novos amigos-gurus com que a vida – e o golpe! – me presentearam: a Maria, já conhecida de vocês (daqui e daqui), e o mago ‪@merlim‪, que, se não conhecem ainda, deveriam.

Caros amigos-gurus, perdoam a inconfidência?

Não pretendia publicar essas avaliações.

No entanto, membros da resistência democrática, com quem comentei ideias na mesma linha, consideraram fundamental tornar públicos as avaliações e os alertas que seguem, neste momento decisivo. Decisivo para o golpe e para a democracia (ou não) no Brasil.

Eis parte do que lhes escrevi:

*    *   *

Erro fatal?

Por que Lula não deixou a Globo ir a pique em 2002:

Por ter sido exposto precocemente às discussões políticas polarizadas dos meus pais – o tucano de primeira hora naqueles anos 80, da direção da empresa multinacional, vs. a brizolista sindicalizada da empresa estatal – passei pelas fases de “amadurecimento” (desilusão?) mais cedo que a minha idade cronológica. Assim, que me lembre, com menos de 20 na eleição do Lula em 2002, já era mais pragmático que idealista.

Pensava então que um embate de frente com a mídia naquele início, em que se vivia uma crise (mais uma…), seria temerário. Uma aposta muito arriscada. Qualquer iniciativa do Executivo seria possivelmente revertida no Senado, onde a oposição tinha grande força, ou no STF, que naquela altura ainda tinha até Ministro indicado por Figueiredo, imaginem vocês!

Talvez algo negociado pudesse ter sido tentado como contrapartida do resgate da Globo pelo BNDES. Mas naquela altura o PT ainda estava sentindo a temperatura da água da piscina e sonhou (delirou?) com o apoio de uma Globo oficialista. Lembremos do gostinho desse sonho-delírio petista com Lula co-ancorando o Jornal Nacional – da bancada! – junto com o casal JN ao vivo após a eleição.

Certamente neste, e em outros momentos, faltou um estraga-prazeres, um espírito de porco montado na biga do general Lula, soprando-lhe ao ouvido:

– Lembra-te que és mortal!*

[*Nota: Socorre-me o Mário Sérgio Cortella:

“Os romanos da Antiguidade tinham um hábito muito importante: todas as vezes que um general, um líder importante, voltava de uma dura batalha com uma retumbante vitória, ele entrava na cidade de Roma e tinha que deixar o exército do lado de fora, num grande campo aberto, que era chamado de Campo de Marte – dedicado ao deus da guerra. O general subia numa biga, aquele carro de combate com dois cavalos, conduzida por um escravo. O líder se apoiava na lateral da biga para ser aclamado pelo povo. E atravessava toda a cidade de Roma até o senado, onde seria agraciado com a maior honraria que um general poderia receber naquela época: uma bandeja com folhas de palmeiras em cima.

Leia também:  Poema libertário ante a barbárie, por Dora Incontri

(…)

O general ia em direção ao senado e, por lei, um segundo escravo acompanhava a biga a pé. Esse segundo escravo tinha uma obrigação legal: a cada quinhentas jardas, ele tinha que subir na biga e soprar no ouvido do general a seguinte frase: ‘Lembra-te que és mortal,. A biga se deslocava mais quinhentas jardas, e ele sussurrava novamente o alerta.

Já imaginou? Tem gente que precisaria de alguém com cargo e função que, ao menos uma vez por semana, grudasse nele e dissesse: ‘Lembra-te que és mortal’”

Fim da Nota*]

Na falta do conselho romano, faltou ainda alguém com a lembrança vívida das histórias com que embalava a si a mãezinha na hora de dormir. Existisse, sopraria no ouvido do (não-) infante Lula:

– Lembra-te do escorpião e do sapo da fábula – aliás, o sapo era barbudo??

E arremataria:

– Não esqueça do pequeno animal traiçoeiro e peçonhento. E, principalmente, do seu ferrão, que responde a instinto atávico e não à razão.

[Nossa! “Ferrão”… “razão”… até rimou!]

Ressalva importante:

É sempre mais fácil prever o passado do que o futuro, não é mesmo?

Os mandatos de Lula foram um êxito inquestionável, mesmo descontando todos os seus erros dos seus acertos. O saldo é claramente (bastante) positivo. Isso é ainda evidente, não obstante os últimos dois ou três anos de desconstrução da sua imagem.

Fazer ajustes na fórmula poderia ter trazido resultados melhores. Mas também piores.

Nunca saberemos.

De qualquer forma, não nos esqueçamos dessa lição do passado para tentar prever um pouquinho melhor o futuro da próxima vez.

*    *   *

A tibieza do PT e dos políticos de esquerda em geral

Há algo que sempre admirei em Dilma Vana Rousseff – a presidente e, antes dela, a ministra de Lula e a candidata.

A mulher é “boa de chegada”.

Não esmorece nos momentos mais difíceis.

Ao contrário: cresce neles de maneira espantosa.

Vejo nela aquela maratonista nata, que nos últimos 100m decisivos dos 42km da prova – mas, infelizmente, às vezes apenas nesses 100m finais mesmo, para nossa exasperação – dá o sprint, aquele tiro que a faz disparar à frente dos adversários e garante a vitória.

Foi assim quando acossada pelo factoide da “planilha da dona Ruth”. Resistiu low profile até se levantar com altivez e destruir Agripino Maia em arguição no Senado.

[linko o vídeo – mais uma vez aqui no blog – porque quem me conhece sabe que não canso de vê-lo e revê-lo]

Leia também:  Do Estado Mínimo ao Estado Líquido: bullying midiático "pilha" as esquerdas, por Wilson Ferreira

Foi assim (2) no segundo turno de 2010, derrotando o obscurantismo que José Serra escavou de algum aterro sanitário para montar em cima e usar de plataforma eleitoral.

Foi assim (3) no segundo turno de 2014, derrotando o inacreditável Aécio Neves, numa campanha duríssima e truculenta. Quem há de esquecer seus saltos empolgados no TUCA ao som de “quem não pula é tucano”, incendiando a militância dos jovens? Quem há de esquecer o bordão que (re) criou: “nem que a vaca tussa!”?

Tem sido assim no 37° turno da eleição de 2014, disputado agora em 2016. Socorram-me: já estamos no 37° turno ou me perdi na conta?

Que 37° turno é esse, meu Deus?

A votação final do Golpeachment no Senado, ora!

Sim, essa é Dilma Rousseff.

Aconteça o que acontecer, palmas para a sua resistência. Não esmoreceu com as inúmeras traições, injustiças, ilegalidades, baixezas, mesquinharias, ataques a honra e mentiras mil do consórcio do golpe:

– PMDB/PSDB, velha mídia familiar, MPF/PGR, PF, Moro e (parte (?) do…) STF.

Sem esquecer nunca do Department of Justice (e a NSA?) dos EUA, cujos dossiês animam há anos a dimensão jurídico-policial do golpe.

Não é verdade, Dr. Janot?

Está guardando o dossiê da Eletronuclear dado a si nos EUA, entre os demais, para usar quando?

Atente o Sr.: estamos a ver que a Justiça Federal do Rio de Janeiro não tem feito o “bom serviço” que se faz no Paraná.

Talvez seja hora de o Sr. chamar a bola a si e “matar no peito”.

Pergunte ao Ministro Gilmar como é que se faz…

Pois bem.

Dilma é uma resistente.

Sempre foi: dos 18 aos 68 anos.

Aliás, notem bem o número redondo: a Sra. Presidente conta já meio século de luta e resistência infatigável.

Bravo!

Na verdade, brava!

Mas…

Para o bem e para o mal, Dilma não é o PT e o PT não é Dilma.

A performance, desde antes de Dilma ser afastada, da cúpula do PT, dos demais partidos de esquerda, dos movimentos sociais e das centrais sindicais – e não de sua militância de base, bem entendido! – tem deixado muuuuuuuuito a desejar, para dizer o mínimo.

Exemplo mais flagrante, com protocolo na Justiça e tudo?

Coube ao PDT – e não ao PT! – questionar a reforma administrativa implementada no dia 1 do “interinatoO PT não adotou, desde o início do governo interino, a guerrilha jurídica que eu esperaria.

Mas o que motiva essa tibieza?

(i) A certeza de que o Judiciário e o MP são conservadores e seriam fatalmente derrotados?

(ii) Terem até ontem “dormido com o inimigo” – o mercado! – e sonharem com dormirem com ele amanhã de novo? De forma que deixam os golpistas fazerem pelo amigo em comum – mercado! (2) – o que eles mesmos nunca poderiam fazer estando no poder, por temor das bases?

(iii) Ou, até mesmo num cálculo eleitoral pequeno, veem ser mais vantajoso ser oposição a um governo abertamente neoliberal e necessariamente antipopular? E com isso não se opõem à sua consolidação, para não matar precocemente o “inimigo perfeito”?

Leia também:  Sobre o livro 'Desigualdade & caminhos para uma sociedade mais justa', por Fabio de Oliveira Ribeiro

(iv) Ou, finalmente, o silêncio decorre apenas do garrote que Judiciário e MP mantêm no pescoço de Lula e de outras lideranças do PT?

Seja o que for, parece que não haverá por parte dos partidos a resistência feroz que eu esperaria em CNTP – Condições (a-) Normais de Pressão e Temperatura.

Outro exemplo cristalino?

Quando o Pedro Parente diz que já tem “3 ofertas para compra da BR Distribuidora”, caberia à presidência dos partidos de esquerda fazer um ato em que seus presidentes dissessem não reconhecer o governo, a nova direção da Petrobras e nenhuma alienação de ativos por ela realizada. Ato contínuo, assinariam declaração em que se comprometeriam a rever quaisquer alienações tão logo voltassem ao poder, garantindo, na re-afetação dos ativos à Administração Pública, o menor prejuízo à mesma – às expensas das empresas-abutre que se aventurassem nessa “xepa” golpista.

Pergunta:

[mais retórica impossível!]

– Vocês veem o Rui Falcão fazendo algo do gênero?

*    *   *

Como comentei no post enciclopédico de ontem, “Cameron tira faca do pescoço da UE, mas usa o punhal para fazer um haraquiri: todos os bastidores políticos do ‘Brexit”, dei um tempinho no blog na semana passada para cuidar um pouco melhor de mim, da casa e da família. Todos – e outros – tem sido tão negligenciados nos últimos tempos…

Ao que parece, o fenômeno não se deu apenas comigo.

Notou-se que a militância esmoreceu um pouco.

Isso se deu nos atos – cadê os atos? Cadê as ruas? – mas até mesmo no twitter e no Facebook.

E por que uma militância – tão aguerrida! – que se comportava de maneira mais que exemplar antes e logo após o afastamento da Presidente Dilma, deu um passo atrás?

Pelo motivo que mencionei acima, ora!

Não tem eco nas lideranças…

Aliás, pode-se dizer até mesmo que lideranças não as há.

A militância não vê a sua ação e o seu esforço se refletirem na atuação da cúpula.

Qual cúpula?

Novamente: do PT, dos demais partidos de esquerda, dos movimentos sociais e das centrais sindicais.

Como resistir, meus caros?

Entendo perfeitamente.

Mas peço, encarecidamente, que, como eu, passem por cima da frustração e não deixem a brava Dilma (ainda mais) sozinha no seu tiro final nos últimos 100m da maratona. Já estamos no sprint final.

*    *   *

Em tempo:

A esse propósito, linko uma cena bastante forte do filme “Babel”, em que Gabriel Garcia Bernal corta a cabeça de uma galinha, cujo corpo, acéfalo, continua correndo doido, de um lado para o outro, até fatalmente cair morto.

Entenderam a metáfora ou preciso explicar?

*    *   *

Amigos da militância que pediram:

O recado está dado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

34 comentários

  1. COI pede para não votarem Impeachment na Olimpíada…

    Veja o que o Tempo Reserva ao Temer (e, depois da saída da Dilma, a todos os Brasileiros…).

    Daí a Pressa para tirarem a Dona Vana…

     6 Notícias sobre Macroeconomia (E, o Meirelles mais Perdido do que Cego em…)

    A Política Econômica do Meirelles pode ser Resumida em:

    – Reduzo o Déficit Fiscal (Taxa Déficit/PIB) com Cortes Radicais em Programas Sociais, Previdência e Investimentos Públicos

    – A tal Redução de “Cargos de Confiança” é só para alegrar os Leitores de Veja/Globo/Jovem Pan que repetem o Slogan “Vamos Cortar na Carne”

    – Os tais “Mercados” (Vulgo Bancos/Especuladores) voltam a Investir no Brasil

    – Isso Aumenta o PIB

    – Por consequência Aumenta a Arrecadação e Reduz o Déficit

    – Cria-se um Círculo Virtuoso

    – Daí é só “Correr pro Abraço” (Meirelles, Presidente em 2018!!! – Se Houver Eleição, rs…)

    Parece que se esqueceu de “Combinar com os Russos”…

    I. MESMO com a Gigantesca Recessão, a Inflação é Recorde (saiu, hoje, o IGP-M de Junho/16)

    II. Aí o BC do Ilan/Itaú afirma que a Selic não vai Cair (Traduzindo: Mais Recessão + US$ Valorizado – Vão “Foder” com o Único Setor que vai bem, a Exportação)

    III. E, o Temer/Meirelles não sabem nem o que Pedir para os Senadores da Base Aliada aprovarem em termos de Política Econômica….

    1. http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/06/contas-do-governo-tem-pior-resultado-para-meses-de-maio-em-20-anos.html

    Contas do governo têm pior resultado para meses de maio em 20 anos

    2. http://www.valor.com.br/brasil/4618063/igp-m-aumenta-169-em-junho-maior-taxa-para-o-mes-desde-2008

    IGP-M aumenta 1,69% em junho, maior taxa para o mês desde 2008

    3. http://www.blogdokennedy.com.br/ilan-goldfajn-fala-grosso-em-seu-comeco-no-bc/

    Ilan Goldfajn fala grosso em seu começo no BC

    Novo presidente do BC sinaliza que juros não devem cair logo

    4. http://www.valor.com.br/financas/4618197/dolar-e-negociado-na-casa-de-r-325-na-minima-em-quase-um-ano

    Dólar é negociado na casa de R$ 3,25, na mínima em quase um ano

    A queda do dólar reflete também um mercado que quer saber o nível de tolerância do Banco Central (BC) com a valorização cambial. Ontem, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou que a instituição pode voltar a reduzir o estoque de swaps cambiais tradicionais, mas respeitando o regime de câmbio flutuante. Para o mercado, a autoridade monetária parece saudar a alta do real, uma vez que esse movimento facilitaria a convergência da inflação para o centro da meta em 2017, objetivo do BC deixado claro por Ilan na coletiva da véspera.

    5. http://www.valor.com.br/brasil/4618189/desemprego-fica-em-112-no-trimestre-ate-maio-o-maior-desde-2012

    Desemprego fica em 11,2% no trimestre até maio, o maior desde 2012

    Renda

    Além do aumento do desemprego, a Pnad Contínua mostrou queda no rendimentos das pessoas ocupadas. O valor médio habitualmente recebido em todos os trabalhos, de R$ 1.982, diminuiu 2,7% no confronto com igual período do ano passado, quando era de R$ 2.037

    6. http://www.valor.com.br/politica/4617955/senadores-classificam-encontro-com-meirelles-como-frustrante

    Senadores classificam encontro com Meirelles como frustrante

    BRASÍLIA  –  Os senadores que participaram do jantar com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, nesta terça-feira (28), classificaram o encontro como “frustrante” porque o ministro não deu indicações claras sobre quais são as prioridades para a área econômica no Congresso e “lavou as mãos” do governo em relação aos reajustes para diversas categorias do funcionalismo público.

    Os senadores esperavam que o ministro fosse mais claro em relação ao aumento de salários, já que a previsão é de que eles terão um impacto de R$ 67,7 bilhões. Os parlamentares questionaram Meirelles se o pacote de reajuste seria prioridade ou se o governo teria outra posição.

    “Ao não termos uma resposta muito objetiva, realmente fica essa posição, já que a pauta da população brasileira é exatamente conter despesas. Ele disse que o Parlamento vai avaliar. Não vamos a esse nível de apoiar todos esses aumentos, mas também tem que ter uma posição do governo e não só a posição do Parlamento. Ele é o comandante da política monetária do país”, reclamou o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), ao deixar o encontro.

    Outros senadores aliados apontaram uma contradição do governo ao não se posicionar claramente em relação aos reajustes salariais e ao mesmo tempo defender propostas de austeridade econômica para recuperar a situação fiscal do país.

    Alguns parlamentares afirmaram que a conversa com o ministro foi superficial e tratou basicamente da questão salarial. “Ou estamos à beira do abismo ou não estamos. O governo não pode vir aqui e querer dar uma de Pôncio Pilatos e lavar as mãos. O ministro perdeu a enorme oportunidade de fazer uma reflexão mais aprofundada sobre a conjuntura do país”, afirmou um senador que pediu para não ter seu nome identificado.

    Segundo a reportagem apurou, Meirelles evitou apresentar dados concretos sobre a economia e repetiu argumentos já apresentados pelo governo para a retomada da confiança no setor. O senador Jader Barbalho (PMDB-PA) chegou a ficar irritado e perguntou mais rispidamente ao ministro qual seria “o limite da irresponsabilidade” ao falar sobre o tema principal discutido no encontro.

    Nenhum senador de oposição compareceu ao jantar. A posição foi anunciada pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) durante a tarde. De acordo com ele, o boicote foi decidido porque os partidos que defendem a presidente afastada, Dilma Rousseff, não reconhecem a legitimidade do presidente interino, Michel Temer.

     

  2. Rui Falcão é lento, talvez

    Rui Falcão é lento, talvez esteja aí o fato do PT quase não existir mais. Parabéns a Dilma pela força. Mulher impressionante!

  3. Até tu, Romulus?

    Caro amigo Romulus, corres o risco de ser taxado de traidor, e sobre ti recair o peso da frase-indagação, supostamente dita por Caius Juluis Augustus Octavius Caesar, ao ser esfaqueado pelos seus algozes no Senado.

    Esse mesmo blog que publicou seu ótimo texto, antes, “denunciava” a fibra guerreira de Dilma como “teimosia”, ou incapacidade de lidar com seus pares.

    Esse mesmo blog cantou e decantou proezas e mimos aos juízes do stf, como se mendes ou barbosas fossem exceções, e não regras.

    Esse mesmo blog cantou e decantou o ilustre papel cumprido pelo Ministério Público nesse país (???).

    Esse mesmo blog destroçava Guido Mantega, mesmo sabendo de que lado estariam Joaquins Levys e que tais.

    E se aqui, uma ilha de coerência e bom senso no meio da manada, a gente ouviu tais coisas, o que dizer do resto?

    Caro amigo Romulus, se o editor liberar esse comentário, eu sugiro, carregue sua (justíssima perplexidade e indignação) para outras searas.

    Talvez se “não fosse teimosa”, Dilma tivesse ganhado alguma sobrevida…quando tentou vender a alma ao diabo da ortodoxia, o estrago já havia sido feito…

    Tarde demais para ela…tarde demais para todos nós.

    Dilma ousou atravessar o Rubicão, mas estava sozinha.

  4. fadiga na resistência….

    Nunca fui se eleitor, nem simpático a sua ideologia. Mas acredito que se tem alguém que sai fortalecida e intacta na sua figura pessoal é a Presidenta da República. Creio que a politica nacional, seu partido, seus apoiadores, não estão à altura de suas convicções. Não existe uma citação contra ela, nem a minima acusação de impedir o trabalho da justiça e a derrocada de tantos do seu próprio governo. Deixa clara para as reflexões que temos uma chaga não somente em pessoas, governos ou partidos. Nosso aberração é o próprio Estado.  

  5. Talvez alguém do PT reaja ao

    Talvez alguém do PT reaja ao interinato, quando terminarem de limpar as barbas. Afinal, se lambuzaram bastante, não?

  6. Concordo 100% com o texto do romulus,

    i.e. as “lideranças” dos movimentos de “esquerda” não merecem a Dilma Roussef. È um desastre.

    Como há de ser a “política econômica” da dupla Meirelles-Ilian, como muito bem explicado pelo Wong…

  7. Um bom começo

    Que esse artigo do Romulus seja o 1º de uma série ( como é o xadrez do Nassif, os midiotas do Luciano e os 4 da engenharia do poder do J Aragão ) mostrando as trapalhadas do Lula.

    1- Desde essa tentativa de agradar , ou cooptar, a Globo. Tire-se o partidarismo nefasto da emissora, só o atraso cultural que essa coisa fez com o Brasil já era motivo pra cassar a concessão. 

    2- O grampo sem áudio e toda aquela patacoada até hoje sem resposta. No começo o governo já não podia ser conivente com o politiquismo do stf. ( Talvez esteja aí a revolta do J Barbosa com o petismo). 

     E a dona Dilma teve duas chances de ouro desperdiçada: o escãndalo cachoeira, esquece a cpi, com as ferramentas do GF era pra ter aniquilado a Abril/veja. E o caso do DARF da globo, cortar as verbas e partir pra cima. Aí preferiu mídia técnica, e deu no que deu.

    E em resposta ao Romulus: a galinha tá correndo sem cabeça, porque as cabeças desse desgoverno eram Mercadante e Zé Cardoso. Cabeças como essas ou não te-las dão na mesma.

     

  8. O PT já estava meio que a

    O PT já estava meio que a reboque dos atos. Quem organiza é a Frente Brasil Popular e Povo sem medo. O PT apenas participa. O PCdB é mais ativo, mas agora dedica-se também às candidaturas municipais, aqui no Rio, a Jandira. 

    Estava tendo ato todo dia, e obviamente sempre turbinado por algum fato marcante. As gravações do Machado e a violência contra as mulheres por exemplo. Isso criou um clima muito favorável. Houve um cansaço, e mesmo porque era dificil manter o mesmo pique, até em termos de logísitica.

    Caro Romulus, pelo cronograma da FBP que recebi, de fato parece haver uma pequena “folga” agora no fim de junho. Mas tem muita coisa agendada para julho. Há o perigo de esfriar, é verdade. Mas não creio que o MST e os Sem teto caiam na mesma acomodação do PT. Aguardemos, eu pessoalmente não esmoreci.

  9. Na verdade o PT investiu

    Na verdade o PT investiu contra um dos pilares da brasilidade, os dois brasis. O brasileiro não perdoa isso. Agora se avalia se isso se aquilo, mas basta ver a entrevista do FHC à BBC no auge do sucesso do Lula pra ver claramente como começou o golpe. Não quero dizer que foi FHC, óbvio, foi o brasileiro mesmo. Ele odeia qualquer vestigio de coletividade ou solidariedade.

    Sabe o que é brasileiro? O que vive de explorar o Brasil, como o pedreiro explora a pedra e o madeireiro a madeira. Ele olha todo o dia o quanto paga e o quanto recebe com esse negócio, e vê que é sempre credor, que merda!!!! Se nos chamássemos brasilianos ou brasilieneses, como italianos ou parisienses, mas não!!! Não somos pai de nossa nacionalidade, somos padrastos!!!!!

    • O Brasileiro é um povo

      O Brasileiro é um povo extremamente medíocre !!! Quer pagar imposto de paraíso fiscal e ter serviços de país escandinavo. Vai acabar pagando quase o imposto dos escandinavos para financiar juros e ter serviços Africanos.

      Bem Feito para nossa classe média !!! Lamento pelos pobres que precisam mais desses serviços que eles…

  10. Caro Romulus,
     
    Acredito que

    Caro Romulus,

     

    Acredito que o que motiva a “tibieza” seria a opção iii. Tendo a discordar quanto aos termos tibieza e cálculo eleitoral pequeno. Posso estar sendo otimista ou ingênuo em demasia, mas acho que o recuo me lembra a tática do exército russo contra um Napoleão que se julgava invencível.

    A sociedade ainda está longe de formar maioria contra o golpe. Se não apoiam o interino, ainda assim a manada quer a cabeça da Dilma e o PT. Ontem li um texto de uma jornalista da EBC no Mídia Ninja. Ela postou o vídeo da campanha salarial deles feita no ano passado. Um vídeo que mostrou toda mesquinhez e ciúme que a classe média coxinha pode ter. A ficha do pessoal da EBC e da CGU talvez caia mais rápido, mas esse movimento, ainda que favorável, é lento.

    Para derrubar o governo progressista foi preciso que mídia e o sistema judiciário dessem as mãos à oposição e flertassem com o que a direita pode produzir de pior. Eles jogaram pesado demais. Ou a resposta teria de ser igualmente dura e, provavelmente, moralmente muito questionável, ou terá de ser lenta. O momento é de lamber as feridas e reorganizar forças. O inverno chegou, mas vai passar. 

    Agora, não vejo problema nenhum no fato de o PDT ter questionado a reforma administrativa. Uma das críticas que a esquerda costuma fazer ao PT é pelo seu excesso de protagonismo. Talvez seja hora de “inflar” os aliados. A esquerda brasileira não pode depender de um único partido. Bom, mas tudo isso pode ser só meu otimismo falando…

  11. Texto divertido, porém forte e instigante

    Conversando com amigos e amigas progressistas, sempre escuto algo parecido, do tipo: Dilma é inocente, mas há muita gente com rabo preso. Lembrando que foi ela quem demitiu a Paulo Roberto Costa, aquele com corrupção premiada.

    Dilma permitiu cortar tanto a própria carne, que irá emergir como Alien dentro de algum cadáver, mas, pelo menos ficamos com ela, com o povo mobilizado e com parte dos nossos sonhos. Só isso já é muita mais motivação que a que possui coxinha em piquenique de domingo.

    Continuo com Dilma e saindo na rua em apoio. Quando a próxima manifestação? Ouvi falar que em 06 de Julho.

  12. Bravo, Romulus!

    Marivilhoso artigo que fez-me chorar. O Brasil não merece DILMA!  Haja o que houver, repito, jamais teve assim como jamais terá, uma pessoa digna como Dilma a comandar esse continente chamado Brasil!  Uma maioria de brasileiros que de repente acordaram para a política, lobotomizados pela mídia e por velhas  e corruptas raposas, não têm a mínima noção do que vem acontecendo desde 2013. Se realmente quisessem se aprofundar da verdade  Dilma estaria sendo defendida com muita bravura. Nesse mar de lama em que se encontra o país, Dilma se destaca com a altivez da consciência tranquila dos honestos. Portanto  VIVA DILMA!  Aconteça o que acontecer, serei para SEMPRE DILMISTA!

    • Para mim o mais importante era a política econômica dela

       

      Marly (quarta-feira, 29/06/2016 às 15:56),

      Você valoriza a presidenta Dilma Rousseff pela pessoa digna que ela é, independentemente de ela ter adotado ou estar adotando a política econômica correta. Eu, ao contrário, nunca me preocupei com esta questão da dignidade do ocupante do cargo de chefe de executivo nacional. Ele pode ser um crápula – desde que não seja provado que ele é um crápula, porque se for provado ele deve ser preso – mas se estiver praticando a política econômica correta, eu o defendo, ou pelo menos defendo a política econômica que ele adota.

      E a política econômica para um país pobre como o Brasil e desigual como o Brasil que eu defendo deve ser uma política de valorização do capitalismo e que combata o grande defeito do capitalismo e que é a concentração de renda. Defendo o capitalismo para países pobres porque é imperativo para o país pobre que haja aumento da geração de riqueza e o capitalismo tem-se mostrado como o sistema econômico que mais é capaz de gerar riqueza (Expresso na capacidade de aumentar o PIB).

      E defendo que o Estado se fortaleça, mesmo sabendo que o Estado, é um instrumento de dominação dos poderosos, para que se possa implementar políticas que combatam a desigualdade. E preconizo para o fortalecimento do Estado eu aumento até o limite do possível da carga tributária.

      Depois da leitura deste post “Fadiga na resistência ao golpe: galinha decapitada corre mas cai morta, por Romulus” de quarta-feira, 29/06/2016 às 11:05,aqui no blog de Luis Nassif e com texto de autoria de Romulus, passei a ler os comentários e vi o de Argus, enviado quarta-feira, 29/06/2016 às 12:41, e comecei a concordar com tudo que ele dizia. Posso dizer que considero o comentário dele como meu salvo as duas frases que transcrevo a seguir. A primeira frase é a seguinte:

      “Esse mesmo blog destroçava Guido Mantega, mesmo sabendo de que lado estariam Joaquins Levys e que tais”.

      E um pouco após há esta segunda frase da qual eu também discordo. Diz lá o Argus:

      “Talvez se “não fosse teimosa”, Dilma tivesse ganhado alguma sobrevida…quando tentou vender a alma ao diabo da ortodoxia, o estrago já havia sido feito…”

      Eu apontei para o comentário de Argus porque ele defende a política econômica do primeiro governo da presidenta Dilma Rousseff e eu também defendo aquela política econômica. Nesse ponto eu e Argus estamos de acordo.

      Costumo dizer que Guido Mantega não era nenhum economista de primeira grandeza, mas Guido Mantega como outros genoveses brilhantes tinha o dom, ele via longe. Recentemente Luis Nassif fez uma referência ao Delfim Netto como o economista que mais bem conhecia a realidade brasileira e eu comentei retrucando que isso era antigamente porque hoje quem mais bem conhece a realidade econômica brasileira é o Guido Mantega.

      E o que eu queria salientar ao retirar as duas frases do comentário de Argus é que eu concordo com a política econômica do segundo governo da presidenta Dilma Rousseff. Todos da esquerda que fizeram e fazem crítica à política econômica do segundo governo da presidenta Dilma Rousseff possuem uma característica em comum se têm mais de 50 anos: ficaram a favor do Plano Cruzado. O PT ficou a favor do Plano Cruzado. Quem ficou contra foi o Leonel Brizola. A presidenta Dilma Rousseff era do PDT. O PDT era do braço da esquerda do getulismo que era defensor do Estado forte. O PT marcou presença na política paulista como o braço da esquerda dos defensores da sociedade forte.

      O Plano Cruzado foi feito sem prever nenhum aumento dos impostos. Na campanha de 1989, Leonel Brizola deu uma entrevista em Minas Gerais em que dizia: “na década de 70, a carga tributária chegou a 27%, hoje ela é de 22%, precisamos elevá-la para 29%”. Disse isso na terra de Tiradentes. Não queria ganhar a eleição para presidente. A presidenta Dilma Rousseff era originalmente do mesmo partido de Leonel Brizola, o PDT.

      O plano Cruzado foi um plano de quem não entendia a realidade brasileira. As pessoas da esquerda que defenderam o Plano Cruzado na época e que são as mesmas que hoje na esquerda combateram a política econômica do segundo governo da presidenta Dilma Rousseff posto em prática por Joaquim Levy, não entenderam a nossa realidade.

      No final de 2014, um tanto pela política econômica do primeiro governo ter resultado em fracasso e outro tanto pelas pressões de valorização do dólar em razão do fim do QE e em razão da queda dos preços das commodities, o Brasil tinha um grande problema na sua conta corrente. O problema na conta corrente levaria a uma forte desvalorização da moeda. E para contrabalancear a forte desvalorização da moeda que normalmente gera uma inflação danosa do ponto de vista político, seria necessário impor uma política de contenção de gastos.

      O problema da presidenta Dilma Rousseff foi que a política econômica do primeiro governo dela que foi minuciosamente planejada e que contava com uma previsão de uma época de turbulência cambial quando ocorresse a recuperação da economia americana e obrigasse aquele país a subir o juro sofreu um verdadeiro cataclismo no terceiro trimestre de 2013 que destruiu todo o planejamento do governo.

      As causas do cataclismo no terceiro trimestre de 2013 não foram objeto de nenhum estudo. E é claro que sem entender o que ocorreu com a economia brasileira no terceiro trimestre de 2013 não se compreende a realidade do Brasil no último trimestre de 2014, logo após uma forte queda nos preços das commodities. De certo modo eu também me incluo na situação de quem não tem uma compreensão integral da realidade econômica brasileira, pois não sei exatamente o que ocorreu no terceiro trimestre de 2013. Apenas intuo.

      E sem compreender a realidade brasileira no final de 2014, quando os preços das commodities caiam e o FED já havia encerrado o segundo Quantitative Ease e era esperado para qualquer momento que se iniciasse a subida do prime rate (O juro do FED), a crítica à política econômica do segundo governo da presidenta Dilma Rousseff torna-se primária. Digo isso como leigo em economia, mas digo isso principalmente para os que não são leigos em economia. Eles podem saber economia, mas desconhecem a realidade econômica e política brasileira.

      A defesa que faço à política econômica do primeiro governo da presidenta Dilma Rousseff pode se mostrar equivocada, mas para isso é necessário que se mostre que a minha intuição sobre o que aconteceu no terceiro trimestre de 2013 não era correta e o cataclismo que ocorreu na economia foi decorrente de erros da política econômica.

      Uma parte da defesa que eu faço da política econômica que a presidenta Dilma Rousseff colocou em execução no segundo governo dela pode ser visto junto a comentário que eu enviei quinta-feira, 08/01/2015 às 13:30, para Luis Nassif junto ao post “Ajuste fiscal sem reformas é blefe” de quarta-feira, 07/01/2015 às 05:00, aqui no blog dele e de autoria dele. O post “Ajuste Fiscal sem reformas é blefe” pode ser visto no seguinte endereço:

      http://jornalggn.com.br/noticia/ajuste-fiscal-sem-reformas-e-blefe

      O cerne da política econômica do segundo governo da presidenta Dilma Rousseff era a desvalorização do real que iria incentivar as exportações e também iria incentivar a substituição das importações.

      Infelizmente a desvalorização do real que era para ocorrer de uma vez ocorreu em três etapas. Ocorreu no final de 2014 e início de 2015 após a queda das commodities em agosto de 2014. Ocorreu no início do segundo semestre de 2015, após uma nova queda das commodities. E ocorreu no início de 2016 em razão da subida do juro pelo FED em dezembro de 2015 acompanhado da promessa de mais quatro aumentos durante o ano de 2016.

      Agora infelizmente a recuperação que já estava ensaiando pelo lado das exportações corre o risco de não se concretizar, tendo em vista a valorização do real que parece ter recomeçado. Recuperação que poderia guardar semelhança com o que ocorrera em 1984 (Abortada pelo Plano Cruzado em 1986), como ocorrera em 1993 (Abortada pelo plano real em 1994: com o Plano Real não houve o aborto, mas um parto demorado que enfraqueceu bastante o Brasil que só se recuperou com a desvalorização de 1999), como ocorrera em 2000 (abortada pelo Apagão Elétrico) e como ocorrera em 2004 (Aqui talvez o erro do Brasil tenha sido tentar ir um pouco mais rápido com a economia, para conseguir recompensar os anos do atraso que as recuperações estancadas nos causaram).

      Então em meu entendimento os dados econômicos já davam indícios de que havia condições para o país recuperar pelo lado das exportações. Infelizmente parece que o PMDB, assim como destruiu a recuperação de 1984 com o Plano Cruzado, caminha para desfazer a desvalorização do real e voltar a montar um país com base apenas no setor de serviços.  É o modelo de predileção dos economistas que trabalham no setor financeiro e dão aulas nas faculdades de economia.

      Então é isso. A presidenta Dilma Rousseff adotou a política econômica que eu considerava como a mais acertada para um país desigual e pobre como o Brasil. E vai sofrer o impeachment por isso. Ela tem dois defeitos: ela tem o carisma de um general Lott e a habilidade política dela pode ser expressa por meio daquela imagem do elefante em uma loja de cristais ou de  porcelana, mas apesar desses defeitos adotava em meu entendimento a política econômica correta. Algo que eu venho torcendo para que ocorra no Brasil desde 1983. E de sobra ela é como você diz uma pessoa digna.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 29/06/2016

      • Confesso que não tive

        Confesso que não tive paciência para ler tudo, mas acho que o motivo do insucesso da Dilma é complexo, a maior parte mesmo é o ódio do brasileiro ao PT e ao Lula, que, como o ovo e a galinha, são duas expressões da mesma coisa que o brasileiro odeia: a coletividade e a conseqüente necessidade de solidariedade.

        Mas concretamente a Dilma falhou pelo motivo que você aponta, pois a questão não é moral. A política está “além do bem e do mal”. Aliás, eu acho que tudo está além do bem e do mal, a moralidade é uma bengala a guiar cegos e muitas vezes um modo de disputa, no Brasil os setores médios e altos da hierarquia social a usam como uma forma de garantir acesso à sua familia a profissões que tem maior retorno. Não querem bolsa familia e cotas nas universidades pois no fundo querem poder propiciar a seus filhos serem maus médicos, juízes e advogados sem a concorrência dos filhos das familias pobres, que são mais competitivos. Mas deixa isso pra lá.

        No estrito campo econômico, ela errou quando desonerou amplos setores e baixou a taxa selic. O primeiro é obvio pois tu não podes fazer um governo que distribua renda sem recursos. Interessante que no Barsil a esquerda é contra impostos, de onde será que ela imagina que o governo vá tirar recursos? O segundo caso é mais complexo ainda pois a palavra JUROS desencadeia na maioria um demônio interior, ela pensa, “juros- banqueiros – mal”. Mas na verdade o individamento público é uma forma de financiamento do setor público em grande número de países. Dívida pública não é pra pagar, é pra rolar, se baixas os juros abruptamente tens de pagar pois o que tem dinheiro vai procurar outro lugar. Por isso mesmo é que a Dilma (e o Mantega) subiu a Selic depois, pois viu que ia dar “M”. E baixar a Selic não garante que os bancos vão baixar os juros que praticam, esses não são tabelados e são determinados pelo mercado (que é composto pelos bancos e por seus clientes), se a Selic cai e o mercado acha que vai ser ruim isso, pois o dolar sobe, PIB cai, etc, a taxa do mercado aumenta ao invés de diminuir, pois um dos fatores que a compõe é o risco, a inadimplência, etc.

        No campo político ela errou quando enviou pra casa um ministério competente por tráfico de influência. Por favor, política é tráfico de influência!!!!!! Ela mesma praticou isso quando conseguiu dinheiro para a sua campanha e quando forçou a Andrade Gutierrez a assinar um contradto com seu clube do coração, o Internacional. Começou lá naquele ponto em que mandou o pessoal pra casa por coisas corriqueiras o seu isolamento, que culminou no impeachment. As pessoas citam o horror de ver os deputados votando e justificando pela suas familias, mas isso é a politica do Brasil, quem botou os caras lá foi o brasileiro, um presidente não pode nem pode-se esperar dele que mude toda uma política de um pais como um passe de mágicas, é até um desrespeito a quem votou. O que ele tem de fazer é tocar o barco que o povo lhe entregou, como fez o Lula.

        Enfim, o resumo é que se a esquerda quer ser poder e levar o Brasil a sair de sua visão individualista, ela tem de ter mais farinha no saco e deixar de se achar santa e salvadora do mundo, pois todos são iguais, moralemente falando, a diferença é apenas ideológica. A esquerda defende distribuição de renda e a direita acha que o caminho é favorecendo as corporações privadas, só isso!!!! Eu apoiei a Dilma e ainda a apoio, mas a verdade é que isso tudo já encheu o saco, acho uma postura infantil dela, com sua ação ela permitiu esse estado de histeria coletiva que não vai levar a uma purificação do processo e da politica, vai levar apenas à tentativa de eliminar o PT (do qual sou militante desde bem antes da Dilma) e o Lula.

         

        • Pois eu tive “paciencia” pra

          Pois eu tive “paciencia” pra ler o seu comentário todo.

          Com algumas coisas concordo, mas há coisas de que discordo.

          Pode ter havido atabalhoamento e açao que passou a imagem de autocrata, mas a derrubada da SELIC por Dilma foi um acerto!

          O erro foi cair na labia de Tombini e subir a partir de 2012, diante da inflaçao “do tomate” e da “tempestade perfeita” – que nunca veio.

          Vc fala de nao diminuir juros finais aos tomadores, mas esquece que ela meteu a mao nos bancos publicos para forçar – e conseguir em certa medida, a queda dos spreads.

          De novo, pode ter havido atabalhoamento e imagem de autocrata, mas a açao estava certa.

          Mesma coisa para a renovaçao das concessoes de energia…

          O erro – no que concordo com vc – foi a imprevidencia das desoneraçoes.

          Esqueceu de liçao elementar de política econômica e economia política:

          – nao se desce e sobre imposto com a mesma facilidade.

          Depois de baixar, muito mais dificil é enfrentar os interesses organizados e os lobbies para subir de volta.

          Veja o que Skaff fez com ela na FIESP.

          Achou que ele ia ser fiel pela desoneraçao quando essa foi possivel e a renovaçao das concessoes?

          HA – HA – HA!

          Se era para ter recessao e crescimento 0, que houvesse ali em 2012, 13…

          Teria sido menos ruim do que o que houve a partir de 2015.

          Sim, talvez nao tivesse sido reeleita.

          Mas foi reeleita… e derrubada.

          • Romulus, o teu eu li todo e

            Romulus, o teu eu li todo e achei MUITO BOM, apesar de ter feito pequenas criticas, que sempre acho que deve ser encarada como uma contribuição e uma deferência. É que eu ajo como o daimon de Sócrates, só falo quando discordo….hehe….

            O que eu não tive paciência de ler todo foi o do Cleverson, que está legal até onde li mas achei que tinha sacado o que discordo, que foi o que escrevi.

            Enfim, ninguém é dono da verdade.

            A Dilma subiu os juros de novo não por causa do Tombini, mas por que a economia ia sair pelo ladrão se ela não fizesse isso. Um pais emergente tem moeda fraca, se baixas muito os juros básicos a moeda deprecia, a inflação aponta no horizonte, o pessimismo toma conta e com isso a economia trava. Foi isso o que aconteceu com o primeiro governo da Dilma. Eu disse que aconteceria isso no momento em que ela fez, mas alguns economistas me ridiculaizaram por que  cartilha diz que juros altos são recessivos. Isso é ridiculo por varios motivos mas não vou escrever aqui, a não ser que algem queira discutir isso.

            O que o pessola não entende no Barsil é que num pais emergente os preços estão subindo, pois a mão de obra está subindo, ela impacta em tudo. Então vai ter uma inlação até estabilizar, daqui a uma ou dua sdécadas, até lá os juros tem de ficar um pouco altos, ao não ser que se queira abrir mão de emissao de titulos pra complementar o oroçamento, talvez até tenhamos de encarar um calote, pois se todo o investidor quiser resgatar, não temos como pagar. mas isso até EUA, Japão, Itália e muitos outros que tem grandes dividas. Eles operam com juros baixos pois sua moedade tem mais segurança, não tem inflação, tem mais credibilidade, etc.

            Ela forçou os bancos públçuicos a baixarem os juros, ok, e isso é a prova que baixar a Selic não basta. E isso que ela fez com os bancos públicos foi o que ela fez com as demais estatais, forçandfo a operarem com tarifas abaixo do que deveriam. A petro foi um cirime, ficou operando com gasolina a R$ 2,80 quando o mundo estava a R$ 5,00 ou mais, operou no preju[ízo para os “coxinas” abndarem d eum lado para o otro em caminhonetes, e falando mal do governo, do PT de da Dilma. Devia ter operado a R$ 6,00 e canalizado o lucro para construir a infra que faltam estradas, ruas, pavimentação, metros, escolas,hospitais……Nenhum pais do mundo se tornou desenvolvido sem a maciça aplicação de RECURSOS PÚBLICOS, e a esquerda quer ser poder jogando pra torcida……..

  13. encruzilhada

    Caro Romulus,

    Fiz um comentário ao seu último post, não publicado que, concordo, soa radical.

    Na realidade, quiz provocar uma reflexão sobre a encruzilhada que estamos, nós o mundo.

    O Estado transcendente à nação do Hobbes, sujeito, ou o estado objeto de contrato do Espinoza (Tratado Filosófico-Político, Tratado Político).

    O pensamento político do Espinoza permeia a Revolução Inglesa e a Americana, e, nesta, as primeira e segunda emendas em seu texto original.

    Se a tutela dos direitos fundamentais é feita exclusivamente pelo Estado, temos o Leviatâ que os interpreta segundo seu humor do momento (como vemos hoje na Terra de Santa Cruz).

    Desculpe a pretensa erudição (não sou).

  14. Ah, os oportunistas !!!!!

    Romulus,

    teus posts tem nos presenteado com análises extensas (*) e sempre muito interessantes, para dizer o mínimo. Os oportunistas logo se achegam na esperança de captar um escorregão aqui ou ali, e fazer “um ponto” sobre teus comentários. Dificil. Coerentes e consistentes são as tuas construções. Só para quem tem, além de fôlego, conhecimento e base para acompanhar.

    Parabéns!  Excelente tua contribuição desde que resolveu participar deste momento tão conturbado da nossa História. Mesmo aí das montanhas – que dádiva a água pura do degelo!! – você nos alimenta e anima com teu amor pelo Brasil e pela Justiça. É bonito de ver.

    Obrigada.

    (*) Fico feliz que um escriba com tua competência escreva textos longos, sem pudor. Ao menos nisso estou em boa cia. Sem sequer tangenciar teu vasto conhecimento, às vezes me retraio com meus comentários longos, sabendo que há os que lamentam a “perda de tempo”. Preciso ainda me aperfeiçoar e ampliar a base de conhecimento para recheá-los melhor, o ponto que indiscutivelmente nos afasta .. 🙂

  15. A meu ver, uma dos fatos que

    A meu ver, uma dos fatos que tem realmente minimizado as forças da rua foi a divisão entre defender ou não eleições antes do golpicho. A partir da hora que importantes lideranças contra o golpe decidem direcionar todas as suas baterias por uma nova eleição e que parte da midia alternativa assume tal posição com força (Forum, CAF, por exemplo), é quase natural que a luta contra o golpe arrefeça.

    Foi a divisão do nosso campo de batalha que enfraqueceu a luta contra o impicho, inclusive simbolicamente, visto que aceitar uma nova eleição antes do golpe consumado é passar o recado de que o Golpe, não era tão golpe assim.

  16. Muito simples: abriu-se a

    Muito simples: abriu-se a temporada eleitoral.  Com Temer mantido no Governo, PT e PC do B podem captar mais votos como oposição do que estando na vitrine, digo, no governo. Quem conhece o PT de longuissima data sabe que há muito tempo esse partido vive de cálculo eleitoral. Vide as promessas eleitoreiras de 2014 e o que foi entregue depois. Eles estão preocupados com suas mamatas, e o povo só serve para ser massa de manobra eleitoral. .Praticamente todos eles, com pouquissimas excessões.

    • O PT e o PC do Brasil são os

      O PT e o PC do Brasil são os únicos partidos de esquerda com força para enfrentar a direita no nosso país e com seu “cálculo eleitoral” fez mais por nosso país que os 500 anos da direita.Que nāo “chorem o leite derramado” e partam para a luta eleitoral. 

      • Edna, eu passei os últimos 13

        Edna, eu passei os últimos 13 anos concordando com opiniões como a sua e discordando de opiniões como a do André B, gente que considero viver numa ilusão e não ter o pragmatismo necessário para fazer qualquer mudança para melhor no país…

        ENTRETANTO, acho que agora não é o momento de cálculos eleitorais. A Oposição(agora situação) rasgou as regras e nada garante que as cumprirá novamente. Eles não fizeram isso tudo para Lula se eleger em 2018. As regras não valem mais, foram rasgadas. É  Impossível prever se as próximas eleições presidenciais diretas serão em 2018, 2028, 2038 ou 2048. E mesmo que aconteçam eleições em 2018, não se sabe como ocorrerão (Eu acredito que qualquer candidatura competitiva a esquerda de Marina Silva será impedida). 

        No imediato pós-64, muitos se iludiram achando que o golpe era uma “pausa democrática”, parafraseando Ayres de Britto, e faziam cálculos e projeções para 1965… A ditadura levou 4 anos e 8 meses para endurecer completamente. 

        Se o PT fizer cálculos eleitorais para vencer dentro das regras um jogo viciado, vai ser atropelado pela história !!! Não diria que PT e PC do B estão exatamente preocupados com mamatas, mas é fato que a Luta pelo mandato de Dilma é primordial, até pq aé 2018 PEtrobrás, Pré-sal, etc podem ter ido para o ralo e até deixarem o PT entrar para administrar um país em terra arrasada. 

        Manter a direita entreguista no poder é uma temeridade. Se o PT não se empenhar em tirá-los de lá  quanto antes e deixarem eles arrasarem o país nos próximos dois anos e meio, estará sendo cumplice de toda traição e lesa-pátria que esse desgoverno fizer… até pq se o PT não é aguerrido nem pelo mandato de Dilma, como fará oposição com bancada mínima e sem empenho nenhum as reformas liberais e entrega de patrimônio público ?

        • Concordo plenamente. Tenho

          Concordo plenamente. Tenho certeza absoluta que se o golpe se concretizar não teremos eleições diretas para presidente tão cedo, quiçá, NUNCA MAIS.

          O golpe foi perpetrado por bandidos da pior espécie, sejam políticos, membros do judiciário, PF, MPF, STF seja lá que porcaria for. Está provado que são inimigos do Brasil e eu, ao contrário do Nassif, não acredito que agem por idealismo ou porque acreditam ser capazes de acabar com a corrupção(força tarefa da lava rato). São traidores lesa pátria e deveriam estar todos atrás das grades.

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome