Guerra Híbrida: por que o #UseAmarelo da Folha é bege?, por Wilson Ferreira

Mas qual democracia? A armadilha do domínio total de espectro armada contra a esquerda e oposições, cujo gatilho será disparado no futuro. Amarelo bege: AME-O OU DEIXE-O!  

Guerra Híbrida: por que o #UseAmarelo da Folha é bege?

por Wilson Ferreira

Depois das false flags das prisões da perigosa “terrorista” Sara Winter e do “foragido” Queiroz, seguindo o “tic-tac” da guerra híbrida, o jornal Folha de São Paulo detona sua bomba semiótica: em editorial neste domingo exortou a todos aderirem a cor amarela como símbolo da “defesa da democracia”. Como lhe é peculiar, em tom megalomaníaco, arvora-se como vanguarda da “luta democrática” – resgatar o amarelo como símbolo democrático, libertando-o dos extremismos. Agora é “Amarelo Já!”. Porém, a Folha nos mostra um estranho matiz de amarelo, um amarelo bege. Diferente dos matizes amarelos limão, sólido e vibrante das domingueiras bolsomínias. O amarelo da Folha é um signo cromático para demarcar o “novo normal” do espectro político sob a lei antiterrorismo: nem o amarelo, o vermelho ou o preto-antifa dos “extremismos”. Mas agora, o amarelo bege da “democracia”. Mas qual democracia? A armadilha do domínio total de espectro armada contra a esquerda e oposições, cujo gatilho será disparado no futuro. Amarelo bege: AME-O OU DEIXE-O!  

  

Dia 2 de julho de 2019. Acontecia no Maracanã o jogo Brasil e Argentina, com a presença do presidente Bolsonaro e do Ministro da Economia Paulo Guedes. Em um bar, do outro lado da cidade, Laura Macedo, uma advogada trabalhista, dizia que iria torcer pela seleção, “mas a camiseta do Brasil continua em casa, na parte de trás de uma gaveta. Não quero ser confundida com um apoiador de Bolsonaro ou política de direita”, disse

E mais ao Sul do País, Euclides Bitelo, dono de uma padaria em Canoas/RS, que usava habitualmente a camiseta canarinho, também se tornou relutante em usá-la: “Sinto-me envergonhado de usar a camisa da seleção” – clique aqui.

Leia também:  Alan Arthou: Valorizar a Engenharia para fazer renascer a indústria nacional

A polarização política e a forma como a lendária camiseta canarinho da seleção brasileira de futebol foi apropriada às manifestações políticas de extrema-direita chegaram a ser objeto de pauta de publicações de economia, como nessa matéria de 2019 de David Biller para a Bloomberg, agência de notícias de informações econômicas – a apropriação do uniforme pelo extremismo de direita parece estar incomodando os gestores de comunicação da Nike, patrocinadora da seleção.

A questão é que todo o esforço midiático na guerra híbrida brasileira em detonar sistematicamente bombas semióticas para criar um pseudoambiente na opinião pública que culminaria no golpe de 2016, implicou em queimar todos os ativos simbólicos nacionais – uma mobilização midiática nunca antes vista, desde o golpe militar de 1964: atores, filmes, minisséries, camiseta da CBF, bandeira nacional, sem falar de outros símbolos como as armas nacionais, o selo nacional,  o hino etc.

Controle de danos e o amarelo da Folha

No rescaldo do golpe de 2016 (crise econômica crônica e crise política), todos os principais atores nacionais da articulação da guerra semiótica iniciada em 2013 (nas “Jornadas de Junho”) começaram a tentar apagar a memória dessa implosão cívica.

A TV Globo foi a primeira, ao fazer uma política de controle de danos: no jornalismo mobilizou pautas identitárias, feministas, raciais e de gênero para tentar se descolar da extrema-direita à qual dava visibilidade diária nas manifestações anti-Dilma.

E agora, é o jornal Folha de São Paulo: depois de um sem número de primeiras páginas com patos amarelos da Fiesp e fotos de avenidas repletas de camisetas, faixas e bandeiras amarelas com extremistas raivosos gritando por impeachment e golpes militares constitucionais, agora tenta jogar água fria na fervura.

Leia também:  Cinco perguntas para a economista Ana Georgina Dias

“A Folha busca inspiração no seu papel histórico nas Diretas Já para resgatar a cor amarela como símbolo da democracia”, diz o editorial publicado pelo jornal neste domingo. E exorta a Folha: Assim, as vitrines das edições dominicais trarão uma faixa dessa cor com os dizeres #UseAmarelo pela Democracia, e o slogan da Folha desde 1961, UM JORNAL A SERVIÇO DO BRASIL, passa temporariamente para UM JORNAL A SERVIÇO DA DEMOCRACIA até as próximas eleições presidenciais”.

O que é sintomático nesse “amarelo”, que a Folha pretende resgatar supostamente por ideais de “campanha da democracia”, é o matiz: um estranho amarelo bege estampado nas primeiras páginas.

Cabe a pergunta: qual amarelo, cara pálida?  Amarelo profundo? Amarelo limão? Amarelo vibrante? Pois essa foi a evolução cromática dos amarelos das diversas edições do uniforme canarinho desde a copa de 2002. E que foram apropriadas pela estratégia simbólica alt-right da extrema-direita brasileira.

Apropriação e ressignificação

Essa Cinegnose já abordou em postagem anterior a estratégia semiótica da chamada direita-alternativa (alt-right): apropriação de símbolos para ressignificá-los como ícones – como, aliás, é a base do mecanismo de produção dos memes. A iconificação ou iconicização – clique aqui.

As origens estão lá na década de 1920 com a construção do logo da suástica nazi: pega-se um símbolo místico budista tibetano e “iconifica”: invertida e colocada na forma sinistrogira (giro anti-horário, ao contrário da normal, dextrogira), num design clean, tornou-se um ícone.

Ícones têm a propriedade de serem facilmente massificados, ao contrário dos símbolos. Símbolos são sectários e exclusivos – dependem do domínio de um código para ser decifrado pelo iniciado.

Leia também:  Guerra Híbrida: Bolsonaro com COVID-19 é um meme autoimune, por Wilson Ferreira

Tomar a TV Globo como inimiga (“globolixo”) ou usar o discurso das teorias conspiratórias antiglobalização e antissistema, são outros exemplos de apropriação cujo mecanismo semiótico é o da simples troca de sinais – de temas à esquerda do espectro político, foram deslocados para a direita.

Com um objetivo: roubar o discurso da esquerda com três consequências bem claras:

(a) forçar não só a exclusão da esquerda do “debate” político (concentrado entre extrema-direita e direita);

(b) também deixar como única opção para voltar ao jogo político fazer parte de “frentes democráticas”, enquanto vira “baba ovo” da grande mídia: passa a vibrar com as “denúncias” no Jornal Nacional contra a família Bolsonaro, por exemplo;

(c) preparar o estratégico de movimento em pinça para um futuro controle total de espectro – destino final da esquerda e oposições caso não conseguirem desarmar essa cama de gato – voltaremos a esse ponto adiante.

Continue lendo no Cinegnose.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome