Lalo Leal Filho: Ameaças ao Brasil que merecem manchetes

E outras que nem aparecem, mas também deveriam ira para as primeiras páginas.

Lalo Leal Filho: Ameaças ao Brasil que merecem manchetes

Há notícias de canto de página dos jornais que mereceriam manchetes.

E outras que nem aparecem, mas também deveriam ira para as primeiras páginas.

Comecemos pelos cantinhos.

Num pé de página da Folha, da segunda-feira, 13 de julho, o jornalista Nelson de Sá, dá a mais importante notícia do dia.

Conta ele que Trump esteve na Flórida onde, para agradar os cubanos que lá vivem, fez nova ameaça de invadir a Venezuela.

Antes esteve no Comando Sul das forças americanas, fazendo as mesmas ameaças, dessa vez incluindo a China.

Mas saudando o que chamou de países parceiros: Colômbia e Brasil.

O secretário de defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, apresentou então um novo integrante do seu quartel general: o general David Bellon.

Segundo ele “um dos mais afiados nas forças armadas brasileiras”, pago pelo governo brasileiro “para trabalhar para mim”, nas palavras do Secretário de Defesa.

Já há, desde 2019, um general brasileiro subordinado ao Comando Sul dos Estados Unidos.

O mineiro Alcides Valeriano de Faria Júnior que recebe ordens diretas das Forças Armadas daquele pais, fato inédito na história brasileira.

Ao ameaçar a Venezuela, Trump disse na mesma cerimônia “que algo vai acontecer” com aquele país e “nós (eles, os Estados Unidos) estaremos bastante envolvidos”.

Não precisa ser muito esperto para juntar essas ameaças com os afagos a Colômbia e ao Brasil.

Se a possibilidade de uma derrota nas eleições presidenciais de Novembro for cada vez mais real, uma aventura de Trump na Venezuela não pode ser descartada.

Leia também:  Facebook remove post de página oficial de Trump

Levando junto seus queridos parceiros do hemisfério sul.

É ou não é uma notícia de primeira página.

Ficou no cantinho, mas pelo menos saiu.

Outra notícia, ainda menos destacada, diz respeito ao novo Ministro da Educação aqui do Brasil.

O anterior – o terceiro do atual desgoverno – teve suas fraudes curriculares desmascaradas e nem chegou a assumir o posto.

A mídia expôs seus títulos acadêmicos falsos, com destaque.

No que fez bem.

Mas com o seu sucessor foi bem mais comedida.

Embora represente um enorme perigo para a sociedade.

Bem na linha do desgoverno, sua bandeira é a da violência.

Contra crianças.

https://www.portalt5.com.br/noticias/brasil/2020/7/348025-novo-ministro-da-educacao-diz-que-para-aprender-crianca-deve-sentir-dor-veja-video

Isso tem nome: tortura.

Segue a linha dos torturadores admirados pelo seu novo chefe.

Além de cometer crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Código Civil Brasileiro.

Mas tem mais.

Já defendeu o feminicídio, ao dizer publicamente que um homem de 33 anos que matou uma adolescente de 17, “confundiu paixão com amor”.

Além de impor a superioridade do homem na relação familiar.

Mais uma vez fere o Código Civil que estabelece responsabilidade mútua ao casal.

Sem falar na aberração dita sobre a universidade.

Um dos seus antecessores, o que fugiu para os Estados Unidos, dizia que a Universidade era uma bagunça.

Esse agora vai mais longe.

Fala que nela se “aprende sexo sem limites”.

Não, nós não estamos nas mãos de lunáticos.

Caímos nas mãos de criminosos.

Novo ministro da Educação diz que para aprender, criança “deve sentir dor”; veja vídeo – Portal T5

Leia também:  Cármen Lúcia dá 48 horas para Ministério da Justiça explicar dossiê contra antifascistas

O pastor presbiteriano Milton Ribeiro foi anunciado por Bolsonaro para estar à frente do MEC nesta sexta-feira (10)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome