Metástase do envenenamento psíquico nacional: os efeitos midiáticos “Copycat” e “Heisenberg”, por Wilson Ferreira

Efeitos midiáticos da saturação do discurso anticorrupção que, de tão ambíguo ou polissêmico, criou um perverso “acontecimento comunicacional”

por Wilson Ferreira

O atentado de um procurador da Fazenda Federal contra uma juíza do TRF-3 em São Paulo revela a existência de um mundo crepuscular de sinais e símbolos (“formas-pensamento”) do qual o Bolsonarismo e a direita alternativa se nutrem – uma psico-esfera nacional psiquicamente envenenada resultante da guerra híbrida e anos de “Efeito Copycat” e “Efeito Heisenberg”. Efeitos midiáticos da saturação do discurso anticorrupção que, de tão ambíguo ou polissêmico, criou um perverso “acontecimento comunicacional”: o encontro da narrativa midiática com a jornada pessoal de receptores – todo um subconjunto de pessoas vulneráveis, homicidas e suicidas em um nível inconsciente quem podem infectar a população em geral a acreditar que a “meganhagem” e “justiçamento” são o paradigma tanto para as soluções nacionais como para as mazelas pessoais afetivas, emocionais e familiares. 

Em postagens anteriores este Cinegnose vem insistindo que a guerra híbrida geopolítica norte-americana que (entre outros países) também teve o Brasil como alvo, produziu um efeito ainda mais deletério do que o golpe político: gerou o próprio envenenamento psíquico nacional, iniciado com a polarização política.

Os cinco anos de Lava Jato com ostensiva cobertura diária em tempo real da grande imprensa (vazamentos sistemáticos, cobertura ao vivo de conduções coercitivas com policiais federais em icônicos capuzes ninja e escopetas negras brilhando para as câmeras, imagens internas de câmeras da PF com os depoimentos dos delatores etc.) visou muito mais do que o impeachment e a destruição do soft power brasileiro – toda a cadeia produtiva do petróleo, gás, engenharia civil e energia, cujos milhões de desempregados são o efeito mais imediato.

Era necessário também criar um efeito mais a longo prazo, para além da destruição político-econômica: uma contaminação psíquica duradoura graças a simbiose mídia e cruzada anticorrupção. Contaminação com objetivo de evitar o perigo de uma guinada à esquerda nas próximas eleições.

Leia também:  Bolsonaro trabalha para colocar Eduardo líder na Câmara, e PSL se divide

O episódio do procurador da Fazenda Nacional Matheus Assumpção que tentou matar uma juíza na sede do Tribunal Federal da Terceira Região (TRF-3), em São Paulo, foi mais um episódio sintomático desse psiquismo coletivo doente.

Doente de Brasil

Aqui e ali vemos tentativas de definir essa atmosfera pesada: “doente de Brasil”, “deu a loca na Justiça”, o procurador que virou “Adélio Janot” – em referência a Adélio Bispo, o suposto desequilibrado mental que desferiu a facada em Bolsonaro que mudou o destino eleitoral brasileiro; e o ex-PGR Rodrigo Janot que na última semana revelou em entrevista que chegou armado em uma sessão do STF disposto a matar o ministro Gilmar Mendes.

Há ainda por trás dessas tentativas de definição um pressuposto clássico hipodérmico da comunicação. Até o ministro do STF Alexandre Moraes partilha desse lugar comum da comunicação ao afirmar que esse ataque no TRF-3 foi “o resultado de uma lavagem cerebral que vem sendo feita contra as instituições e a democracia”.

Mas há algo muito além dessa concepção hipodérmica da comunicação – senso comum cuja consequência principal é a própria concepção equivocada da natureza da comunicação para a esquerda.

O empirismo grosseiro da Globo

Tanto há algo de mais profundo nesse episódio que foi emblemático a forma como o jornalismo da Globo tratou essa notícia, apelando ou para o empirismo grosseiro, ou para a simples omissão: no dia posterior ao ataque a juíza, o telejornal local relatou Matheus Assumpção “entrou em surto” e intercalava frases sem sentido sobre “acabar com a corrupção no Brasil”, mas omitia a informação de que havia participado naquele mesmo prédio do II Congresso de Combate à Corrupção na Administração Pública.

Leia também:  Mobilidade, direito universal, por Gilberto Maringoni

No primeiro telejornal da rede, o Jornal Hoje, foi feito o inverso: omitiu da reportagem a exortação “acabar com a corrupção no Brasil” e apenas destacou que o procurador havia participado do Congresso. No principal telejornal da emissora, o JN, sequer foi dada a notícia.

Se durante o dia evitou criar relações de causa-efeito na notícia, à noite partiu para a sua simples omissão.

Em seu empirismo e omissão grosseiros, fica claro que o jornalismo da Globo quis evitar as coincidências significativas entre Janot-Matheus Assumpção (“eu vou fazer o que Janot não fez!”, também gritava Matheus) e o suposto “surto” logo após um Congresso sobre corrupção com a críptica exortação de “acabar com a corrupção no Brasil”.

Efeito Heisenberg

Mas o jornalismo não só da Globo, mas da própria grande mídia inteira, quer ocultar a maior causa desse envenenamento psíquico nacional: a saturação midiática representada pelos chamados efeito copycat e efeito Heisenberg, cujo esfaqueamento da juíza do TRF-3 é até aqui o exemplo mais gritante.

Anos de tabelinha entre Justiça-PF-grande mídia nos estratégicos vazamentos, repercussão e shows das conduções coercitivas começaram a criar um gigantesco efeito Heisenberg – em todo esse tempo o jornalismo corporativo nada mais fez do que relatar o esforço que as instituições faziam para obter a atenção da mídia e como os eventos aconteciam para a logística da cobertura midiática. E a mídia apenas cobria a si mesma e o seu impacto sobre os eventos aos cobri-los – mais sobre esse conceito clique aqui.

Esse efeito está muito além dos efeitos hipodérmicos midiáticos produzidos pela repetição de informações para inculcação ou doutrinação. Por assim dizer, o efeito Heinsenberg cria uma conjuntura de saturação na qual a sociedade imerge numa espécie de estúdio televisivo total – a espetacularização torna os eventos telegênicos (ou fotogênicos ou videogênicos, como os icônicos black blocs das manifestações híbridas de 2013-16) e logisticamente midiatizáveis (TV, rádio, cinema etc.), confundindo a linguagem do drama ficcional com a lógica política social ou econômica dos fatos históricos ou reais.

Efeito Copycat

A decorrência desse contínuo sociedade-mídia capaz de criar uma psico-esfera saturada e envenenada por medo, ódio, ansiedade, ressentimento etc. é o aparecimento de coincidências significativas – o efeito de imitação chamado “efeito copycat” pelo pesquisador Lauren Coleman em seu livro “The Copycat Effect: How the media and popular culture trigger the mayhem in tomorrow’s headlines” – clique aqui.

Personagens, palavras ou narrativas podem adquirir força ao transformarem-se em verdadeiras “formas-pensamento” que, quando repercutidas pelas mídias, adquirem autonomia na psico-esfera social gerando contágio rápido como memes.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora