O arranjo Jaques Wagner-Miriam Belchior no 3º mandato, por Kennedy Alencar

Por Kennedy Alencar

Wagner pode ser “solução Palocci” na Fazenda

Diante da iminência da saída de Joaquim Levy do governo, surgiu ontem um desenho político que poderia levar o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, para a pasta da Fazenda  a chamada “solução Palocci”. Para o lugar de Wagner, seria deslocada a presidente da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior.

Cresceu a velocidade da possibilidade de saída de Levy do governo. O ministro da Fazenda deu ontem entrevista ao jornal “O Estado de S.Paulo” que é uma mistura de balanço e discurso de despedida. Esse discurso pode ser repetido em um café da manhã hoje com jornalistas para a confraternização de fim de ano.

Levy foi fritado pela própria presidente da República. Ele cometeu erros, mas a presidente Dilma Rousseff permitiu o enfraquecimento do ministro da Fazenda, o que foi um erro grave, e deixou que ele continuasse no cargo quando já estava inviabilizado, o que é outro equívoco que custa caro ao país.

De certa forma, Levy é vítima da falta de competência e do excesso de interferência da presidente na área econômica. Nos últimos dias, os jornais apontaram vários nomes como cotados. Exemplos: os economistas Marcos Lisboa e Otavio Canuto, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e os  ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro Neto.

O ex-presidente Lula continua achando que a melhor opção seria o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles. Economistas do PT tentam vetar nomes mais liberais, como Marcos Lisboa, e defendem o “desenvolvimentista” Nelson Barbosa. Dilma disse em reunião reservada ontem que ainda não tinha escolhido o sucessor de Levy. Havia uma especulação sobre colocar Tombini na Fazenda, mas reforçando oficialmente o poder de Barbosa. Tombini, que nunca disse não a Dilma, lida com uma inflação de 10% ao ano e juros na Lua.

Leia também:  Comitê de crise diz que momento é de prudência e que Brasil seguirá protocolos mundiais

Nas últimas horas, apareceu essa “solução Palocci”. Quando ganhou em 2002 e precisava conquistar credibilidade fiscal, o então presidente eleito Lula escolheu o médico e deputado federal Antonio Palocci Filho para a Fazenda. Palocci tinha proximidade com o presidente, era da ala moderada do PT, possuía experiência administrativa como prefeito e montou uma equipe competente, na qual Marcos Lisboa era secretário de Política Econômica.

No atual governo, Jaques Wagner tem perfil semelhante ao de Palocci. Com trânsito no empresariado e no Congresso, Jaques Wagner poderia comandar um plano fiscal de longo prazo e uma série de propostas de reformas legislativas, como a da Previdência.

A escolha de Jaques Wagner não pareceria um abdicação de poder de Dilma, como soaria no caso de Meirelles ou Lisboa. Levaria o ministro mais forte do governo para a área que demanda a principal solução. Com Miriam Belchior na Casa Civil, a pasta teria caráter mais administrativo.

O arranjo Wagner-Belchior parece ser uma solução boa, mas nunca se deve subestimar a capacidade de errar deste governo, sobretudo quando ganha um pequeno fôlego, como conquistou ontem com uma vitória no STF (Supremo Tribunal Federal).

Continue 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

13 comentários

  1. Não adianta mudar ministros,

    Não adianta mudar ministros, se a palavra final, como o próprio texto elenca, é de Dilma. O bicho pega quando ela resolve brincar de economista com um país inteiro. 

  2. Graças a Deus Levy caiu!!!!

    Graças a Deus Levy caiu!!!! Mas com a habitual demora de Dilma, a um prejuízo de 5% do PIB, estouro da dívida pública e arrocho do funcionalismo federal.

     

    Agora será que finalmente Dilma vai começar a governar, ou será que o PSDB e Temer continuarão governando o pais?

    • O funcionalismo federal

      O funcionalismo federal precisa ficar no mínimo cinco anos sem reajuste, para poder chegar a um valor mais próximo do justo.

  3. Kennedy é muito bem informado!

    Kennedy Alencar é tão bem informado que parece não conseguir enxergar a floresta de cima.

    Levy, assim como Palocci lá atrás, foi o Homem do ajuste.

    Quem escuta aos discursos de Dilma cansou de ouvir em retomada do crescimento. Levy não tem esse perfil, seria substituído se de fato Dilma pretendia retomar o crescimento, o gasto público, etc.

    Levy vê ajuste como ideologia, Dilma parece vê-lo como uma técnica.

  4. “Pequeno fôlego” meuzovo, Kennedy!

    Em 2 dias teve povão na rua, aborto do impeachment no STF, Renan esculachando Temer, Picciani peitando Cunha, aprovação do Bolsa Família integral e da volta da CPMF em 2016.

    Fora o rola-bosta da Veja escondendo Azeredo e o Gilmar batendo porta.

     

    • E mais, na quarta alegria

      E mais, na quarta alegria total do PIG.

      Com explosão de fogos, muitas vivas, saudações calorosas entre os colunistas pigais, coxinhas em êxtase com orgasmos múltiplos, com o voto do relator Fachin, que de uma certa maneira, seguia a linha do Cunha.

      Na quinta por volta das 17hs, tentativa de suicídio coletivo nas áreas pigais e afins.

      Silêncio sepulcral, ficaram em estado de choque, como se um grave acidente tivesse acontecido.Não disseram uma palavra.

      O tio rei e o Merval foram os que sentiram mais. O tio rei foi além, disse categoricamente: O único voto que foi dado baseado na constituição foi o do Gilmar Mendes.

      Muitos ainda estão de recuperando hoje, da trombada que levaram da carreta do STF.

      Não é uma maravilha ver o sofrimento dessa gente !!!

       

  5. um ministro cuja principal

    um ministro cuja principal característica seja a de convencer a todos de que agora vai…

    não é pouco….

  6. Esse Kennedy parece mesmo ser

    Esse Kennedy parece mesmo ser mais um “pena comprada” dos bancos. Quem ele acha que engana?

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome