fbpx
terça-feira, novembro 19, 2019
  • Carregando...
    Início Análise O Chile não é essa coca-cola toda: o Mito do Sucesso Econômico...

    O Chile não é essa coca-cola toda: o Mito do Sucesso Econômico Chileno, por José Luis Oreiro

    Os economistas liberais brasileiros não se cansam de cantar em prosa e verso as vantagens do modelo Chileno relativamente ao modelo “nacional-desenvolvimentista” adotado no Brasil.

    O Chile não é essa coca-cola toda: o Mito do Sucesso Econômico Chileno

    por José Luis Oreiro

    em seu blog

    A figura acima foi extraída do livro “Rethinking Economic Development, Growth and Institutions” publicado por meu colega mexiacano Jaime Ros. Essa figura mostra a renda per-capita de cada país relativamente a dos Estados Unidos em duas datas distintas: 1950 e 2008. Dessa forma, ela nos mostra quais países estão em processo de catching-up com os Estados Unidos e quais países ficaram relativamente estagnados ou ainda focaram para trás (falling behind) no processo de desenvolvimento econômico.

    De cara podemos ver que a Argentina foi um caso claro de “falling behind” pois sua renda per-capita se situava em torno de 40% da renda per-capita americana em 1950, mas se reduziu para pouco mais de 20% da RPC norte-americana em 2008. Outro caso de “falling behind” foi a Nova Zelândia cuja RPC era superior a 80% da RPC dos Estados Unidos em 1950, mas se reduziu para pouco mais de 60% da RPC norte-americana em 2008. O que há de comum entre os dois países? O fato de que ambos são exportadores de commodities.

    A Espanha, por seu turno, foi um caso de sucesso. Partindo de um valor próximo a 30% da RPC em 1950, a Espanha conseguiu reduzir o hiato de renda per-capita de forma significativa durante essa período, alcançando cerca de 65% da RPC dos Estados Unidos em 2008. Trata-se claramente de um país em processo de catching-up.

    Leia também:  A era do autoritarismo líquido

    Olhemos agora o caso do Chile. Os economistas liberais brasileiros não se cansam de cantar em prosa e verso as vantagens do modelo Chileno relativamente ao modelo “nacional-desenvolvimentista” adotado no Brasil. A propaganda (enganosa) é tão forte que eu mesmo, antes de viajar recentemente para o Chile, realmente achava que iria encontrar uma Espanha latino-americana: um país desenvolvido na América Latina. Bem, não foi exatamente o que eu vi no Chile ou, pelo menos, na capital, Santiago. Vi uma cidade com favelas, com camelôs, com táxis e ônibus velhos e com estradas em péssimo estado de conservação (ao menos no caminho entre Santiago e a Concha Y Toro). O contraste entre o que era alardeado pela propaganda liberal e o que eu estava vendo com meus próprios olhos me despertou a curiosidade sobre a trajetória de crescimento da economia chilena, o que acabou me levando a figura acima ….

    Como podemos observar em 1950 a RPC do Chile se situava em torno de 22% a 23% da RPC norte americana. Na mesma data a RPC do Brasil era menor do que 20% da RPC dos Estados Unidos, algo como 17 ou 18% da mesma; de forma que a RPC Chilena nessa época já era superior a RPC brasileira. Em 2008 a RPC Chilena havia crescido para um patamar em torno de 30% da RPC dos Estados Unidos ao passo que a RPC brasileira cresceu para algo como 22 ou 23% da RPC norte-americana. Daqui se segue que em termos relativos, ambos os países avançaram praticamente a mesma velocidade, talvez com uma pequena vantagem a favor do Chile. Sendo assim, o modelo Chileno de desenvolvimento econômico não se mostrou significativamente superior ao Brasileiro, e ambos os países apresentaram uma performance bastante inferior a da Espanha, cuja RPC em 1950 era maior, mas não muito maior, do que a RPC Chilena.

    Como disse meu colega José Gabriel Porcille, economista uruguaio que trabalha na CEPAL em Santiago do Chile: “O Chile está sobrevendido”.

    Leia também:  As duas prisões de Lula, por Marcio Sotelo Felippe

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

    Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Assine agora

    4 comentários

    1. É irritante ver esses advogados economistas (ou economistas-advogados) realizarem comparações estapafúrdias, como essa Brasil x Chile.

      Chamo isso de comparar Formiga x Elefante: “a formiga consegue carregar até três vezes o seu peso sem cansar, ao passo que o elefante, com todo o seu peso, só consegue carregar um pouco menos da metade de seu peso. Mais, ele cansa.”

      Em termos populacionais, o Chile é um país talvez comparável com Minas Gerais ou Bahia, ao passo que o Brasil deveria ser comparado com a União Europeia, ou Estados Unidos.

      Aí, sim, teríamos resultados honestos e não essas mentiras difundidas pelos economistas amadores, que infestam o nosso país, com seus modelos terroristas, como o tal falido neo-liberalismo. (Lucro para o capital, prejuízo para o país).

      A propósito, imaginando um confronto das Forças Armadas chilenas com a Polícia Militar de São Paulo, ou mesmo a de Minas Gerais, as chilenas certamente estariam em desvantagem.

      2
      2
    2. Não tenho a menor dúvida sobre a manipulação da mídia mas como fica a questão da OEA também estar colocando a contagem de votos sob suspeição?

    3. Meu caro WK, acho que meste momento a tua crítica foi totalmente improcedente, pois o artigo não procurou esgotar o assunto, pois para esgotar algo como o objeto principal do artigo seria necessário um livro.
      A análise colocada no artigo é correta, poderia ser complementada com outras informações, evidentemente que sim, mas o objetivo proposto foi coberto de maneira racional e honesto. Voltando ao início, tua crítica sim que foi incompleta e sem sustentação fática (que poderias fazer).

    4. WK, entendi que a comparação foi com outro elemento (EUA). Depois, em linhas gerais, são feitas algumas considerações. Me parece que as suas comparações é que carecem de fontes/racionalidade.

    Deixe uma mensagem

    Por favor digite seu comentário
    Por favor digite seu nome