O retrocesso comandado pela mídia, por Celso Vicenzi

Enviado por Spin Ggnauta

Do blog de Celson Vicenzi

A mídia comanda o retrocesso

Uma fotomontagem em que a presidenta Dilma Roussef aparece de pernas abertas, na boca de um tanque de automóvel, jogou mais combustível na fogueira de ódio e insensatez que se espalha por todo o país. A imagem é chocante e não ofende apenas a mais alta autoridade do país, mas todos os cidadãos e, principalmente, as mulheres, no Brasil e no mundo. A metáfora visual é a de uma penetração sexual, de um estupro.

Essa afronta não é um caso isolado. Pelo contrário, a passividade das principais autoridades do país tem autorizado uma série de crimes, contra a democracia e contra a dignidade humana. Por trás de gestos mais raivosos, tresloucados e imbecilizados, foi tecida uma competente estratégia de propagar o ódio e promover a agitação social necessária à aplicação de um golpe de estado para o qual só parece faltar o acerto de data. Mais que um golpe contra o resultado das urnas, seria um golpe contra boa parte dos avanços civilizatórios duramente conquistados desde o fim da ditadura de 64. Some-se a isso uma intolerância religiosa que era até então desconhecida no país e que hoje grita seus slogans medievais muito além dos púlpitos, nos parlamentos e nas emissoras de rádio e tevê.

Depois da quarta derrota eleitoral à presidência, os setores mais conservadores da sociedade brasileira perceberam que, pela via democrática, suas chances de ascender ao Palácio do Planalto tornaram-se remotas. Se não foi possível convencer pelo voto, importantes setores da mídia, do parlamento e do judiciário desenharam nova estratégia. Os principais veículos de comunicação passaram a desenvolver, diariamente, uma estratégia que consiste em omitir o que há de positivo no país e exagerar na análise pessimista. Mais que isso: o que poderia ser uma excelente oportunidade para desnudar como funciona o esquema de financiamento de campanhas políticas e o uso da máquina pública e de empresas estatais para troca de favores – em todas as esferas, federais, estaduais e municipais – resultou em uma justiça caolha, uma mídia manipuladora e um Congresso Nacional retrógrado, centrados no objetivo de criminalizar um único partido, um único governo e, especialmente, Lula e Dilma.

O festival de imagens agressivas vem sendo produzido há muito tempo. Um dos casos mais recentes ocorreu na coluna do jornalista Ricardo Noblat, no jornal O Globo (29/6/2015), que pôs a cabeça degolada da presidenta Dilma em uma bandeja. O título acompanha o “primor” da ilustração: “Em jogo, a cabeça de Dilma”.

O jornal Correio Braziliense publicou no dia 8/9/2014, na capa, uma foto de Beto Barata em que uma metralhadora é apontada contra a face da presidenta durante desfile militar de 7 de Setembro. O mesmo truque de angulação – usado à exaustão e, portanto, já sem nenhuma originalidade – deu a Wilton Júnior (O Estado de S. Paulo) o Prêmio Esso de Fotografia de 2012. Ilusoriamente uma espada trespassa o corpo da presidenta, durante uma cerimônia na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ).

Se alguns dos principais veículos de comunicação, por repetidas vezes, simulam que a presidenta deve ser executada – e aí não há nenhuma possibilidade de inocência nessa metáfora de “morte à presidenta” –, porque deveríamos estranhar que essa convocação à “malhação de Judas” não encontraria campo fértil em meio a milhares de internautas ávidos por exibir toda a sanha reacionária e a falta de escrúpulo no debate político? Por que nos surpreenderíamos com tantos cartazes pedindo a volta da ditadura em passeatas que a mídia louva como a fina flor da democracia? Por que nos espantaríamos com as bancadas evangélicas, da bala e do latifúndio a vociferar contra os direitos humanos?

Houve quem tenha se recusado a reproduzir, nas redes sociais, a imagem sórdida de uma mulher, de pernas abertas na boca do tanque de combustível de um automóvel.  Compreendo e louvo a tentativa de evitar a banalização da cena. Inclino-me, no entanto, na direção contrária, por uma razão: não podemos deixar de ver, compreender e estar alerta contra o que ameaça destruir a dignidade humana. Ver para não se iludir sobre o crescimento da barbárie. Ver para denunciar o ódio que cega tantas pessoas que se consideram humanas, amorosas.

Estranhamente, começaram a surgir, também na internet, os indignados contra quem se indignou. Houve muitas críticas aos que optaram por mostrar as imagens anexas aos textos de protesto a esse ato de misoginia. Boa parte dos críticos não atacou os autores da fotomontagem que escandalizou o país. Preferiu desviar o foco do debate, para tentar atingir apenas aqueles que se disseram profundamente impactados pelo ato vil.

A imagem é grosseira e não cabe banalizá-la com reproduções gratuitas e comentários machistas. Mas é preciso mostrá-la a quem ainda não viu, para que percebam a extensão do que acontece hoje no Brasil, e acordem a tempo de evitar o pior. Há uma profusão de atentados à democracia e à dignidade humana. E, por serem desferidas contra o atual governo, contra Lula, Dilma e o PT, não faltam incentivadores desse ódio que brota de nossas raízes racistas, conservadoras e elitistas.

Há coisas que precisam ser vistas. Não há como esconder as atrocidades que o ser humano já foi capaz de perpetrar, ao longo de milênios. Algumas imagens têm o poder de alertar contra a fera humana, sempre numa tênue fronteira entre civilização e barbárie.

A imagem que repugnou o país é somente o ápice de uma ação que tem os donos da mídia como principais articuladores. É um movimento que também grita contra os direitos humanos, que não se conforma com a inclusão social, não se importa em entregar as riquezas e o futuro do país aos interesses do capital internacional, não se importa com uma justiça de duas caras, dois pesos e duas medidas, que não aceita as mudanças que ocorreram nos últimos anos beneficiando sobretudo os mais pobres. Essa imagem é só uma amostra do nível de degradação a que estaremos expostos se as forças reacionárias dominarem novamente o Brasil.

4 comentários

  1. A sobrevivência da Mídia depende de achaque aos governos

    Por que a MIdia ataca o governo da Dilma, Lula, Dirceu e outros políticos que ocuparam o governo. Por “achaque”, é o mesmo procedimento  de Assis Chatobrian relatado no livro “Chatô o  rei do Brasil” isto é revelado por Collor no senado em  http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2015/07/06/collor-veja-e-achacadora/. A Mídia brasileira sobrevive mamando nas verbas dos governos tomando dinheiro da população.

  2. Há muito tempo tenho essa

    Há muito tempo tenho essa percepção de que quem atrasa o país não são os políticos, é a mídia.

    Ela pressiona todos os governos até que ele se vê obrigado a alianças espúrias com o pior da política, para sobreviver.

    Com uma mídia não ao seu lado, mas minimamente isenta, e menos canalha, talvez esse Governo não precisasse do PMDB, assim como o do PSDB precisou/precisa/precisaria.

  3. A crise é politica… Logo

    É uma insatisfação arraigada de longa data, o PT como um partido de esquerda sabe muito bem que a insatisfação popular tem tempo e data certa para eclodir. Os instintos primitivos, que caracterizam a raça humana, eclodem irresistíveis, quando as forças que deveriam inibi-lo deixam de atuar como deveriam.

    Muitos não esperavam que a situação fosse na direção que esta indo. Urge uma reação firme, determinada, mostrando as forças do caos que se espera a manutenção da ordem em beneficio dos brasileiros. Tudo leva a crer que se esta reação não acontecer de imediato estas forças destrutivas ganharão por inércia e talvez, qdo se procurar reagir, seja tarde demais.

    Nas eleições passada o atual governo foi eleito com a adesão de ultima hora daqueles que tinham a intenção de anular o voto, esta adesão aconteceu com toda certeza ao se constatar o crescimento da raiva e do ódio que tomou conta da campanha, a situação esta se repetindo e tem tudo para o tiro sair pela culatra contra esta manifestações de barbárie e  derrotar definitivamente esta oposição inadequada que não tem outro subterfugio de chegar ao poder transgredindo as regras do jogo.

    A violência desmedida  é a ação dos incompetentes ou dos mal intencionados, que esperam conseguir a vitória de qualquer jeito. Inclusive e principalmente qdo possuem telhado de vidro e o rabo preso.

    O maior prejudicado pela negligencia em não se impor uma reação contra o movimento de ruptura que avança sera o Brasil. O povo brasileiro sempre se destacou por sua generosidade inata, solidariedade e gentileza. Quando este povo canta hoje o hino nacional a pleno pulmões e impressiona o mundo, os patrocinadores do caos deste Pais devem colocar a barba de molho, se daqui pra frente este povo se manifestar com a mesma ênfase diante das mazelas históricas que o mantém no terceiro mundo, este pessoal vai pensar duas vezes antes de tentar melar o jogo.

    O que aconteceu na França no episódio da Quenelle é bem emblemático com o que acontece por aqui.

    Podia-se considerar a situação econômica e financeira da França (catastrófica), ou os muitos problemas sociais que assolavam a já muito frustrada população francesa, mas focando um aspecto específico da crise francesa: a amplíssima distância que separa a maioria da população, de um lado, e as elites governantes, de outro, e que foi ilustrado com caso muito eloquente: a crescente histeria que acometeu as elites francesas, por causa de um filósofo – Alain Soral – e um comediante de show de piadas, um stand-up comedian – Dieudonne M’bala M’bala.

    É necessário uma reação firme contra o crescimento das forças reacionárias. A campanha sistemática para silenciar “Dieudo” [pr. /Diô-dô/] como é conhecido na França. Dieudo recusou-se a encolher-se e retaliou, fazendo piada dos que o estavam perseguindo, o que o converteu em ídolo dos muitos que odeiam as elites financeiras que governam a França desde 1969.

    O povo brasileiro é simples mas, não é bobo. Desperte-se-lhes os brios e as coisas caminham para o lado da normalidade.

    Elementos da Liga de Defesa dos Judeus (LDJ) apareceram no tribunal para gritar insultos contra Dieudo e seus apoiadores, os quais revidaram gritando insultos contra elementos da LDJ, ao mesmo tempo em que jogam abacaxis contra eles, cantando “Shoananas”. Os policiais faziam o que podiam para manter os dois blocos separados. De repente, os apoiadores de Dieudo começaram a cantar “liberdade de expressão” [fr. liberte d’expression], ao que os apoiadores da LDJ responderam com gritos de “am Israel hai” (“Israel vive”, em hebraico) e começaram a cantar o hino nacional de Israel. Nessa altura, os apoiadores de Dieudo começaram a cantar “A Marselhesa”, a plenos pulmões, canto que imediatamente sobrepujou a voz dos ativistas da Liga de Defesa dos Judeus.

    Mas… examinem melhor os rostos que cantam “A Marselhesa”: conseguem ver que muitos, ali, são mulatos e negros? São, precisamente, os jovens vindos sobretudo, embora não exclusivamente, das famosas “periferias”. Bem poderiam ser, exatamente, os mesmos que, em 2001 e 2002 vaiavam o Hino Nacional da França quando era executado nos campos de futebol (o que causou imenso escândalo, à época).

    “A Marselhesa” é primeiro e sobretudo, um canto revolucionário, e quando aparece muito mais berrado que cantado por multidões de pobres de punhos erguidos, é claro que se está diante de desenvolvimento muito, muito, muito sério. Desnecessário dizer que nada disso foi “notícia” na imprensa-empresa francesa. Mas pode-se apostar que as elites viram tudo aquilo. E é fácil imaginar o medo que aquelas imagens lhes inspiraram.

    Coincidência ou não, quando os policiais ouviram aquela multidão a cantar “A Marselhesa” aos gritos, imediatamente começaram a tirar os ativistas da LDJ de dentro do prédio do Tribunal. Nem chega a surpreender, se se considera a imensa popularidade de que gozam Dieudo e Soral entre os quadros das várias corporações uniformizadas na França (adiante, mais sobre isso).

    Alguma coisa de muito importante e de muito novo estava acontecendo na França.

    O governo Dilma necessita urgentemente do melhor populista que a politica sempre contou, uma retorica demagógica seria a salvação da lavoura para a baixa popularidade de que padece o governo, mas, parece que até isto se esqueceram de como se faz. Seria necessário afagar o povo, encostar a cabeça em seus ombros sempre generosos, matéria para isto não falta, o PT vive apregoando que a politica adotada foi a que mais tirou o brasileiro da miséria, pois então…

    Seria necessário um discurso de humildade em que se reconheceria os erros, que não foram poucos, por outro lado relembrar os benefícios que a politica de inclusão possibilitou retirar da extrema miséria milhões de brasileiros. Esquecer o discurso batido de que o PT é a melhor possibilidade no lugar do bicho-papão. Sera que a memoria é tão curta que não se lembrem que a tão pouco tempo a popularidade da Dilma encostava no céu? Sera que esta tudo perdido? É necessário se jogar nos braços do povo, para perplexidade da oposição. Deixe de lado os brios e parta-se para os rincões deste brasilzão generoso de sempre.

  4. INIMIGOS DA DEMOCRACIA PAGARÃO PELA INFÂMIA

    Fico a me perguntar se o facínora que publicou o adesivo infame contra a maior autoridade do país teria peito de fazer algo semelhante contra um ditador, sem que a Polícia Federal ou qualquer outro órgão da represessão não o apanhasse imediatamente. E olha lá se sobrevivesse para contar a história.

    Causa-me estranheza, portanto, o silêncio cúmplice de certas “otoridades”, sempre tão ágeis na hora de prender petistas ou desacatar a Presidenta Dilma. Acham que será todo tempo assim? Que nunca serão punidos?

    Bom saberem que tudo tem limite.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome