Os escombros do PT, por Aldo Fornazieri

Os escombros do PT, por Aldo Fornazieri

As eleições municipais reduziram o PT a pouco mais que escombros. Não faltaram advertências, principalmente a partir de 2013, de que o partido se encaminhava para um desastre. As críticas foram colhidas pelos petistas de duas formas: o menosprezo arrogante por parte de quem detinha poder e direção e acusações por boa parte da militância que, também arrogante, classificava as críticas como PIG, moralistas, esquerdistas etc.

O poder fez muito mal ao PT: a estrutura partidária e dirigentes se corromperam, a militância se domesticou e os movimentos sociais que orbitavam em torno do PT começaram a orbitar em torno do Estado, sendo cooptados e perdendo a energia combativa na luta por direitos e justiça. O PT se transformou no partido dos palácios, dos gabinetes, do luxo e da arrogância. Ninguém promove tal movimento sem que desabe sobre ele, mais dia menos dia, o merecido castigo do povo.

O PT alimentou a mesma crença que as elites históricas conservadoras alimentaram desde os tempos coloniais no Brasil: a de que a sociedade pode ser moldada e transformada desde o alto, desde o Estado. Esta prática sempre engendrou dominação e não liberdade e cidadania. Enquanto esta crença permanecer vigente, o Brasil permanecerá eternamente deficiente em seu conteúdo nacional e popular e a sociedade carecerá de vínculos societários republicanos, orientados para o bem comum e para o interesse público. Aqueles que chegam ao poder sempre se tornarão representantes de grupos e interesses particularistas, a se apossar do erário público em detrimento dos interesses de caráter universalizante. Será sempre o velho patrimonialismo vestido com roupas novas.

O PT se deixou abater pelo erro mais comezinho que as esquerdas vêm cometendo desde o século XX: a corrupção. A corrupção vem sendo, ao longo das décadas, a espada nas mãos da direita e da mídia para fazer rolar as cabeças da esquerda. Os eleitores mostram-se intolerantes à corrupção das esquerdas, pois, querem ver nelas uma reserva moral da sociedade, um exemplo da administração correta da coisa pública, um cimento de ética na sociedade. Quando as esquerdas se corrompem, os eleitores se sentem traídos.

Pouco a pouco, o PT foi caminhando para aquela condição mais indesejável da política: ser odiado. Isto já era visível nas eleições de 2014. De lá para cá, a imagem do partido foi se deteriorando, seja porque as denúncias se revelaram medonhas, seja porque os ataques dos seus inimigos foram devastadores sem que houvesse uma linha de resistência e de contraofensiva. Ao mesmo tempo em que se destruía, o partido se deixava destruir. A cada ataque, a direção partidária reagia com notas burocráticas e protocolares, foi perdendo credibilidade e deixou de ostentar virtudes e força moral capazes de mobilizar a militância. Como já se disse, a direção do PT tornou-se um comitê de generais de gabinete sem exército e a militância se tornou um exército sem generais.

“Ser odiado” é a condição absoluta que precisa ser evitada em política, ensina Maquiavel. Como partido antimaquiaveliano que é, o PT, ao passar da praça para os palácios deixou de olhar a realidade com os olhos da praça, deixou de se situar na planície e passou a olhar o povo com o ângulo de mirada dos palácios. Mas não sabia jogar o jogo dos palácios e passou a acreditar em aliados que eram e são gananciosos, simuladores e ambiciosos. Emprestaram prestígio aos petistas enquanto estes lhes eram úteis e os traíram sem cerimônia na consumação do golpe. Golpe que o próprio PT ajudou a construir seja pela sucessão de erros políticos, de incompetências, e seja pela própria falta de apoio à presidente Dilma em momentos delicados em que o governo caminhava para a deriva.

Pela condução desastrosa que o PT vem tendo nos últimos anos, a direção partidária deveria renunciar nos primeiros dias desta semana. Uma comissão provisória deveria ser constituída com a tarefa de convocar e conduzir um Congresso partidário antes do final do ano. Se nenhum aceno for feito neste sentido, a tendência maior é a de que o PT caminhe para uma divisão irreversível. Não é admissível que os condutores do desastre continuem comandar um partido que foi esperança do povo brasileiro e se afogou nos seus próprios erros. Não há, em torno da atual direção, capacidades políticas, morais e intelectuais que sejam capazes de tirar o partido da crise.

Que fazer?

Esta velha pergunta, que precisa ser recolocada, suscita hoje muito mais dúvidas do que certezas às esquerdas. Antes de tudo, as esquerdas precisam se unir em torno do que sobrou dessa devastadora eleição: Freixo no Rio de Janeiro, João Paulo em Recife, Edmilson Rodrigues em Belém, Edvaldo Nogueira em Aracaju etc.

Com muitas divisões, com baixa propensão à unidade, com um ideário desconectado ao mundo contemporâneo, com organizações autoritárias e burocráticas, com uma retórica que não dialoga com a sociedade, com uma enorme crise em suas visões de mundo, as esquerdas vivem uma defensiva mundial, ao mesmo tempo em que cresce o rancor e o ódio neofascistas.

A crise das esquerdas se alinha com a própria crise civilizacional que tende a se agravar em várias dimensões: ambiental, social, econômica, humana. O mundo do futuro próximo, dizem os economistas e analistas mais atentos, será um mundo sem empregos, com populações que viverão cada vez mais. Em contrapartida, a concentração de renda e riqueza é crescente. As democracias são cada vez menos legítimas e cada vez mais incompetentes em fornecer respostas aos problemas das sociedades.

As esquerdas brasileiras pararam no tempo. Discutem os problemas com retóricas e paradigmas do século XX, quiçá, do século XIX. Nos últimos anos houve um abandono das incipientes experiências de governança democrática que vinham sendo desenvolvidas. Nos municípios, nos estados e no governo federal, os governantes, secretários e ministros ditaram as suas “verdades” às sociedades. Ao mesmo tempo em que direitos deixaram de ser garantidos, não se investiu na inovação e na qualidade dos serviços e direitos. Os governos continuaram analógicos em sociedades digitais. Reformas cruciais, seja no plano macro ou no plano micro, sequer foram cogitadas.

A ideia de aglutinar as esquerdas numa frente, que garanta a unidade na pluralidade, ganha força em face das fragilidades e derrotas recentes. A construção dessa frente, se vier a se concretizar, contudo, necessita de um processo amplo de definição de conteúdos programáticos e de métodos de condução dos processos internos. A perspectiva é a de que essa frente aglutine partidos, movimentos políticos e sociais, indivíduos e grupos cívicos, num novo tipo de organização e de relação política, sem as práticas hegemonistas e de controle burocrático, tão comuns às esquerdas.

A derrota eleitoral, somada ao golpe e às perspectivas de retrocessos em direitos, foi avassaladora. Subestimá-la, persistir nos erros e não fazer autocrítica significa contribuir para a consolidação de um projeto conservador que vem se delineando. Neste momento, o desafio das esquerdas é paradoxal: precisa construir sua unidade ao mesmo tempo em que promove um ajuste de contas.

Aldo Fornazieri – Professor de Filosofia Política.

124 comentários

  1. Tem quem cai sozinho, tem quem é derrubado. Tem os 2.

    Se há uma culpa ao PT por sua situação atual é a de atuar publicamente como se os adversários lutassem limpo, dentro das regras, etc. e tal,como se não fossem usar todo o poder que tem e sempre tiveram há séculos para retomá-lo por bem ou mal.

    Entendendo autoridade como um poder reconhecido, o PT (e seus governos) que teve delegação do povo para usá-la, abdicou dela contra aqueles que não a tiveram durante 13 anos, mas que jamais abdicaram do poder.

    Eles tinham autoridade (e consequente poder, embora o inverso não seja necessariamente verdadeiro) sobre a ABIN, sobre a policia federal, sobre as forças armadas e suas inteligências, os ministérios, as estatais, enfim, a faca e o queijo na mão para fazer em 13 anos contra a quadrilha do 1% e seus políticos, o que a lava-jato fez em 2, lá na instância primária.

    Cortar da míRdia cartelizada o fôlego que eles cortaram dos blogs “sujos” e da EBC em 24 horas.  Fazer o inevitável toma-lá-dá-cá da governabilidade ativo e não passivo:

    Não um ” eu te dou e vc me apoia” mas um “ou vc me apóia ou vai em cana” (o que acabaria acontecendo com o tempo, fazendo a limpeza na velocidade e quantidade POSSÌVEL).

    Não tem nada a ver com desviar-se da “pureza esquerdista”. O mundo não é puro e o poder sempre foi dos poderosos, seja nos EEUU, na ex-URSS, no Reino Unido, na Coréia do Norte,na Etiópia.ou neste torrão varonil.

    A diferença básica é no alcance e abrangência do poder e poderosos, para o individual/grupal restrito ou para o coletivo amplo.

    O resultado esta aí.

    Não porque alguém caiu.

    Mas porque foi derrubado.

    Porque, apesar de autorizado, até por necessáio e merecido,

    Não soube dar porradas

    Merecidas

  2. Disgusting……

    Aldo tece as críticas de sempre, as acusãções de sempre esquecendo toda a obra do PT. Fala do PT como se fosse o seu PSDB. Isto não é verdade. O PT caiu mais por seus méritos do que por seus deméritos. A arrogância dos palácios de que Aldo fala é tão distante do PT quanto o apartamento de ABC de Lula é de Higienópolis, ou do apartamento em Paris.  Tão distante quanto a aposentadoria de Dilma e a riqueza de um Serra.  Será que a distancia do PT às bases, pode sequer ser comparada com a proximidade de todos os outros partidos.  È disgusting e desgastante ouvir esta ladainha, que não compreendeu ainda o que é ser governo neste nosso país. É muito fácil hoje falar em incompetências do PT. Quando hoje se vê juizes incompententes. porque violam a legislação, abertamente, fazem peças jurídicas totalmente incompetentes.  misturam julgamento com investigação, e mesmo após tantos erros e tanta incompetencia, estão incensados como sendo brilhantes astutos e audazes.. Caro Aldo,  é importante dar o nome certo às coisasn, a queda do PR  não tem nada a ver com erros do PT , ou incompetências .  pois isto liquidaria definitivamente todos os oponentes políticos. OU será que você acha que o nosso usurpador de plantão é um gênio.  Tudo isto ocorreu agora, mas vem sendo tentado desde que um operário sentou no ALvorada. Demoraram, mas a economia e a crise mundial falou mais alto. E saiba que este povo vota na economia. Neste   momento esta casta  que assumiu estava em desespero,  como fera acuada se torna de fato perigosa. Veremos o que farão e depois venham me falar em competência e incompentencia. Eu diria que nem a mídia é competente, é apenas cínica e tem poder e força.

    A incompetência do PT, será que foi o republicanismo?  Ao contrario seria  anti democrático. Parece que ninguèm se importa com a destruição de todas as nossas instituições. Veja de fato a operação Lava Jato e verás que acusados do PT somam uns poucos que se contam nos dedos. E destes  a maioria não enriqueceu, seu mal foi , por razões republicanas ter sentado à mesa com bandidos.  POrtanto modere as  suas palavras quanto a corrupção. Veja que não estou dizendo que não há, mas é claro que se isto fosse relevante nenhum partido estaria no poder. A arrogância de que tanto falam é apenas porque  não concebem esta plebe em determinados cargos.  Como diziam é um zé ninguém muito do metido a besta. Se arrogância fosse o mais importante o que seria do PSDB, Dória e Cunha. 

    Reconstruir um movimento de oposição sim, esta comiseração é ridicula.

  3. Vou mais longue…..

    Para min se o projeto prioritario é por o Brasil no trilhos da “normalidade” democratica num prazo mais ou menos curto, eu acho que não so as esquerdas devem ter um projeto minimo em comun como toda ajuda é boa.Quero dizer que ter nesta frente ampla, gente de centro e mesmo “liberais” na definiçao “classica filosofica”(definição minimalista wiki:Liberalismo é uma filosofia política ou uma visão de mundo fundada sobre ideais que pretendem ser os da liberdade individual e da igualdade.Os liberais defendem uma ampla gama de pontos de vista, dependendo de sua compreensão desses princípios mas, em geral, apoiam ideias como eleições democráticas, direitos civis, liberdade de imprensa, liberdade de religião, livre comércio e propriedade privada).Não acho que o problema politico no Brasil seja so um problema direita /esquerda, mas uma real reflexão sobre o que o Brasil e Brasileiras/os querem como pais, um grande pacto me parece nescessario para voltar a normalidade…..Eu não vejo o “governo (fora)Temer como um governo neo liberal, para min eles são um grupo de capatazes cercados de um bando de jagunços……eles estão trabalhando para “os outros”.Todo cidadão democrata e republicano(patriota no sentido de querer o melhor para o seu pais) seria bem vindo.Não creio que Tancredo Neves teria o mesmo discurso que Aecio Neves…..não creio que Ullises Guimarães estivesse de acordo com esta bandalheira, a mesma coisa com Pedro Simon e muitos outros…Tenho duvidas se Enrique Ricardo Lewandowski ou Marco Aurélio Mendes de Farias Mello estão de acordo com esta palhaçada…eu acho que se tivermos uma inversão da tendencia atual, mais gente vai sair do mato….juizes, promotores e mesmo parlamentares.Por as coisas em termos de esquerda moçinhos e direita/centro bandidos, me parece um pouco infantil…o debate de fundo ideologico pode ser feito numa segunda etapa….prioridades amigos, prioridades……..     

  4. DA DERROTA DO PT PODE SURGIR UMA FRENTE REPUBLICANA

    DA DERROTA DO PT PODE SURGIR UMA FRENTE REPUBLICANA

    Apesar de ter sofrido uma “expulsão branca” do PT na década de 1990, sempre reconheci a importância de algumas de suas políticas e mesmo continuei votando em alguns de seus candidatos. Por questão de independência e autonomia, há duas décadas dou apoio aos seus programas políticos relevantes e inclusivos à cidadania, e mesmo a candidatos que lutam individual e quixotescamente por algumas bandeiras civilizatórias. Nos últimos 20 anos milhares de pessoas com aderência social, participativas em todos os setores da sociedade, se afastaram do PT. Todavia, o dilema é que, no geral, as opções à esquerda, também carregam os mesmos vícios, ou seja, de autoritarismo ideológico, ou da mais reles corrupção.

    Continuo um humanista republicano radical (no sentido de políticas e convivências iluminadas nestes princípios). E, ao contrário de ver messianicamente o fim do mundo na derrota humilhante e punitiva do PT, entendo que o seu peso, ao mergulhar na intolerância e no saque do patrimônio do povo, com desclassificados e gente sem profissão transformadas em milionários, possibilita um movimento de reordenação democrática (sem adjetivos), republicana, humanista, inspirada em princípios de “economia comuneira”, em que a dualidade da parte partidária se relacione dialeticamente com o todo da nação; que o Estado não seja apenas parte da tática, do meio, para o dirigismo do todo. Antes de tudo, a derrota do PT é um aviso, quando não um diagnóstico, também para outras organizações autoritárias e obsoletas pretensamente de esquerda e revolucionárias.

    Mais ainda, não se constrói o necessariamente transformador, o novo, com gente carcomida pelo obsoleto e pelos vermes oportunistas e corruptos da sinergia burguesa; com aquela gente que forma a legião dos executores dos projetos fraternos e humanos; com aqueles que oscilam entre a empáfia de estadistas até a triste cena de habitantes de penitenciárias.

    Dói, e como dói, olhar algozes de sonhos, anos de militância decente de milhares de pessoas… Ex-camaradas como presidiários…

    A culpa não é da burguesia grileira, do estamento que domina o país desde o Império, da direita fascista e rancorosa, do lúmpen que oscila entres as mãos que oferecem esmolas e oportunidades clientelistas. Os responsáveis são aqueles que não estiveram e não estão à altura dos desafios da história. Apesar de empunharem bandeiras aparentemente generosas, promovem retrocessos dolorosos. A realidade é que o Brasil terá tempos dificílimos pela frente. E já circula por aí que o “mal” venceu o “bem”. Ilude-se quem quer com fórmulas prontas, transferidoras da culpa aos outros. Quer dizer, com tais pressupostos, talvez não se consiga superar a médio prazo a derrota histórica sofrida porque a tropa principal não estava pronta e a estratégia/táticas adotadas tergiversou a utopia popular.

    O texto do Aldo ajuda em muito compreender aquilo que muitos petistas e ex-petistas alertavam desde a década de 1990. Alguns iluminados pela história e cultura política, mesmo antes…

  5. PT, o bode expiatório no expurgo da esquerda

    O PT tinha que dar o exemplo, afinal sempre lutou contra a Velha Política e seu modus operandi.

    Este é o consenso incluindo petistas, simpatizantes e a esquerda em geral. Incluindo este que escreve.

    É também o argumento do STF, da PF, do MPF, do Moro, da imprensa golpista, dos que colaboraram para a saída de Dilma, entre eles o FHC, o Aécio, o Serra.

    Mas o mesmo não é exigido do PMDB, do PSDB, do DEM e do Temer, Renan Calheiros, Aécio, FHC, Serra.

    Ou seja, eles podem roubar e fazer o que quiser porque é o que se espera deles. Mas o PT?

    Quer dizer, não se está questionando o roubo em si, mas de forma moralista se questiona somente o PT. 

    O bode expiatório é o PT.

    Então os outros partidos podem roubar?

    Adultos que não conseguem pensar que não adianta quem meta a mão no caixa do erário, importa é que é errado que ninguém pode fazê-lo, seja para comprar emenda de reeleição ou para financiar partidos políticos como se fez na Petrobras desde a ditadura militar, seguiu no governo Sarney, adentrou no Collor, Itamar, no FHC, no Lula e na Dilma.

    Vocês são primários.

    Moralistas.

    A democracia foi sequestrada por estes grupos e corporações que faziam lobby na Petrobras, financiavam políticos e sequestraram o voto do povo.

    Não temos uma democracia real. Temos uma farsa. Votamos, mas não temos a garantia de que nosso voto será respeitado.

    O que se faz em todas as instâncias do estabilishment é condenar o PT para condenar a política e condenar o povo.

    A conspiração está sendo orquestrada por vários atores que desejam que o Brasil não se modernize.

    O desejo da plutocracia é mudar tudo para que tudo fique igual.

    Não se enganem. As manobras estão sendo realizadas para que a plutocracia continue dando as cartas retirando das ruas o poder de definir agendas no Congresso e judiciário.

    Tornando possível a volta do neoliberalismo.

    Mas a resposta está nas ruas, na organização de coletivos, associações, sindicatos, partidos políticos que podem impedir o avanço da agenda conservadora.

  6. 2º o autor o PT deu o Golpe ?

    O Sr. Aldo, autor do texto, citou 8 vezes “as esquerdas”, mas, o único partido citado é o PT, porque será ?

    E, pelo raciocinio do autor, o João Goulart foi o responsável pelo golpe de 64 ?

    Pera aí né !

  7. PT substitui o mordomo

    O modismo da hora à esquerda(?) do espectro político é um discurso único: o PT é o culpado de tudo! Vai ser assim, criminalizando o PT e elegendo-o o bode expiatório que se pretende construir uma Frente para recuperar o país para a democracia? A direção nacional do PT deveria fazer uma vigilância constante na vida de seus mais de mil filiados para ver se estão agindo honestamente em seu dia-a-dia? Onde no mundo está este partido tão puro que não tem um só corrupto em suas fileiras? A corrupção não é mais inerente ao ser humano como era antes? Eleger um alvo e assestar nele tudo de ruim que a democracia está vivendo no Brasil é muito fácil e cômodo. E o rolo compressor do Poder Econômico que concentrou todos os seus muitos e caros recursos em derrotar os candidatos de Esquerda (e não só os do PT) não conta? Em 13 anos todas as mazelas sociais, políticas e econômicas de mais de 500 anos deveriam ter sido resolvidas? É uma análise enviesada em todos os seus aspectos, sem profundidade e feita no calor da hora.

  8. Depois do touro abatido todo

    Depois do touro abatido todo mundo se acha com coragem de pegar no chifre. Pois é isso que temos agora: um processo de expiação que para algum desavisado pode até parece que regredimos à Idade Média na qual eremitas saiam perambulando pelas ruas conclamando pelo arrependimento dos pecadores: “Arrependei-vos, irmão, enquanto é tempo! Se não Satanás vos espera!”

    Tempos da (nada) Santa Inquisição onde hereges, bruxas e quem mais afrontasse a Santa Madre eram torturados para confessarem o que sabiam, o que não sabiam e o que deveriam saber. Algo mais ou menos parecido com o Tribunal do Santo Moro, respeitadas, é claro, as proporções. Ou seja: pelo menos no primeiro se poderia arrepender e sair numa boa. Já no segundo, necas de Curitiba, digo, pitibiriba! 

    Logo no pórtico de entrada, esse aviso que certamente Dante copiou para inserir na sua Divina Comédia:

    Antes de mim coisa alguma foi criada

    Exceto coisas eternas.  e eterna eu duro

    Deixai toda a esperança, vós que entrais!

    Se é inegável e irrespondível muito do que o articulista aduz, da mesma maneira é evidente que carrega nas tintas e nos pincéis numa análise que perde parte da sua consistência em razão de simplismos nada condizentes com o perfil e a respeitabilidade desse intelectual. Para quem estivesse aportando agora no planeta Terra certamente apreenderia que esse PT merece tudo que está passando e mais alguma coisa. 

    Sobra péssima retórica enquanto falta consistência factual a frase abaixo:

    O PT se transformou no partido dos palácios, dos gabinetes, do luxo e da arrogância.

    Que o PT cometeu erros e equívocos, nada a questionar. Entretanto, indaga-se: quem não cometeu ao longo da história do país? Onde estão os fatos e as situações que possam corroborar juízo tão definitivo? Quem do PT ficou rico, milionário, após os 14 anos de Poder? O Lula, o José Dirceu, O Genoíno, o Suplicy, o Palloci…….Quem? Arrogância quando e porque se recebe críticas exatamente pelo contrário, ou seja, a tibieza(beirando à covardia) com que exerceu o Poder, cujo exemplo maior foram as indicações para o MP e o Supremo, feitas com excesso de republicanismo? 

    Enfim, um artigo aceitável e pertinente enquanto não descambou para formação de juízos terminativos e descabidos. 

     

     

     

     

     

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome